Digestão e Absorção - Trato Gastrointestinal

Digestão e Absorção - Trato Gastrointestinal

(Parte 1 de 2)

Trato Gastrointestinal – Digestão e Absorção

Digestão: moléculas ingeridas são convertidas para formas que podem ser absorvidas pelas células epiteliais do trato gastrointestinal.

Absorção: processos pelos quais as moléculas são transportadas através das células epiteliais que revestem o trato gastrointestinal para penetrarem no sangue ou na linfa. Ocorre por transporte ativo e/ou por difusão.

Base Anatômica da Absorção

Existem milhões de pequenas vilosidades que se projetam cerca de 1mm acima da superfície da mucosa, elas aumentam cerca de 10 vezes a área absortiva.

Válvulas Coniventes: pregas da mucosa intestinal, que aumentam em 3 vezes a área da mucosa. As células epiteliais na superfície das vilosidades são caracterizadas por terem borda em escova, consistindo em até 1000 microvilosidades, que aumentam 20 vezes a área exposta ao conteúdo intestinal. Assim a combinação de válvulas coniventes com as vilosidades e as microvilosidades aumenta a área de absorção da mucosa talvez em outras 1000 vezes, resultando em uma área total muito grande, 250 ou mais metros quadrados, para todo o intestino delgado.

O sistema vascular tem disposição adequada para a absorção de líquidos e substâncias dissolvidas para o sangue porta e a disposição do vaso quilífero central para a absorção pelos linfáticos.

Digestão de Carboidratos

Principais carboidratos da dieta: „ Amido (polissacarídeo) - alimentos não-animais, principalmente nos cereais

„ Sacarose (dissacarídeo) - açúcar da cana-de-açúcar

„ Lactose (dissacarídeo) - leite

„ Outros carboidratos: amilose, glicogênio, álcool, ácido láctico, ácido pirúvico, pectinas, dextrinas.

„ Celulose: carboidrato não absolvido pelo organismo humano

Os Carboidratos são digeridos até seus monossacarídeos constituintes, enzimas específicas combinam Hidrogênio e radicais hidroxilas, derivados da água, com os poli e dissacarídeos e desse modo, separam os monossacarídeos uns dos outros. Esse processo é denominado hidrólise: R-R + H2O ----> RH + ROH A digestão do amido começa na boca com a ação da alfa-amilase (Ptialina), que hidrolisa o amido, quando o alimento chega ao estômago, a alfa-amilase é inativada pelo ácido gástrico (pH menor que 4,0). A alfa-amilase pancreática é muito ativa, completando este processo. Originam principalmente maltose.

A digestão subsequente dos oligossacarídeos é realizada por enzimas denominadas oligossacaridases localizadas na membrana da borda-em-escova do epitélio do duodeno e jejuno: „ Lactase

„ Maltase (glico-amilase)

„ Alfa-dextrinase

O duodeno e o jejuno proximal tem a mais alta capacidade de absorver os açúcares. Os únicos monossacarídeos dietéticos quem são bem absorvidos são: glicose, galactose e frutose.

Síndromes de Disabsorção dos Carboidratos

„ Síndrome de disabsorção de Lactose

- Deficiência de lactase „ Intolerância congênita à Lactose

„ Deficiência de sacarase

„ Síndrome de disabsorção de glicose-galactose - Deficiência de SGLT1

Digestão de Proteínas

As proteínas são formadas de aminoácidos unidos através de ligações peptídicas. A digestão de proteínas envolve o processo de hidrólise, enzimas proteolíticas combinam íons hidroxila e íons hidrogênio derivados da água com as moléculas de proteínas para decompô-las em seus aminoácidos constituintes. Nos humanos normais essencialmente toda a proteína ingerida é digerida e absorvida.

Estômago: Pepsinogênio => pepsina Intestino delgado: „ Secreção pancreática: Tripsina, Quimiotripsina, Carboxipeptidase, Elastase

„ Intestino delgado: A borda em escova do duodeno e do jejuno contém inúmeras peptidases (aminopolipeptidase e dipeptidases)

Digestão de Lipídios

Na dieta humana além dos triglicerídeos existem também pequenas quantidades de fosfolipídios, colesterol e ésteres do colesterol. Como os lipídios são apenas ligeiramente solúveis em água, cada estágio de seu processamento gera problemas especiais para o trato gastrointestinal. Quase toda a gordura da dieta consiste em triglicerídeos (gorduras neutras), que são combinações de três moléculas de ácidos graxos e uma única molécula de glicerol.

A digestão dos triglicerídeos é efetuada por enzimas lipolíticas que separam as moléculas de ácidos graxos do glicerol (hidrólise).

No estômago os lipídios tendem a separar-se em uma fase oleosa, os triglicerídeos sofrem ação inicial da lipase lingual e lipase gástrica.

No duodeno e intestino delgado os lipídios são emulsificados, com ajuda dos ácidos biliares. A grande área superficial das gotículas da emulsão permite o acesso das enzimas lipolíticas hidrossolúveis a seus substratos. Sobre a influência da lipase pancreática a maior parte da gordura é decomposta em 2-monoglicerídeos e ácidos graxos. Ocorre ação também da lipase entérica.

Os produtos da digestão dos lipídios formam pequenos agregados moleculares, conhecidos como micelas, com os ácidos biliares. As micelas são tão pequenas que conseguem difundir-se entre as microvilosidades e permitem a absorção de lipídios.

Secreção pancreática: Hidrólise dos ésteres de colesterol e Foslipase A2.

Formação do Quilomícron

Os produtos da digestão lipídica são transferidos para o retículo endoplasmático liso onde são reesterificados, originando os pré-quilomícrons. Estes são transferidos para o aparelho de Golgi que forma os quilomícrons, sendo então ejetados da célula por exocitose e atravessam os capilares linfáticos.

Absorção dos Ácidos Biliares

A absorção dos lipídios dietéticos já terá sido tipicamente completada quando essas substâncias alcançarem o jejuno médio, em contraste os ácidos biliares são absorvidos essencialmente na parte terminal do íleo.

Absorção de Água

Em condições normais, os humanos absorvem quase 9% da água e dos íons contidos no alimento ingerido e nas secreções gastrointestinais. A água é absorvida por mecanismo de osmose, se deslocando conforme a osmolaridade do conteúdo intestinal.

Ocorre pouquíssima absorção de água no duodeno, em geral existe acréscimo de água no quimo. Ocorre grande absorção de água no intestino delgado, o jejuno é mais ativo que o íleo na absorção de água.

Absorção de Sódio

O Na+ é absorvido ao longo de todo o intestino, a velocidade efetiva de absorção é mais alta no jejuno (Glicose, Galactose). O Na+ cruza a membrana da borda-em-escova através de seu gradiente eletroquímico, sendo removido ativamente das células epiteliais pela Na+-K+-ATPase na membrana plasmática basal e lateral.

O Na+ desloca-se ao longo de seu gradiente de potencial eletroquímico e fornece energia para movimentar os açúcares (Glicose e Galactose) e os aminoácidos para o interior das células epiteliais, contra gradiente de concentração.

Absorção de Cl- e HCO3 -

No duodeno proximal o HCO3 - é secretado para o lúmen, no jejuno tanto o HCO3 - quanto o Cl- são absorvidos em grande quantidade. No final do jejuno a maior parte do

HCO3- existente nas secreções hepáticas e pancreáticas já terá sido absorvida. No íleo o Cl- é absorvido e o Bicarbonato pode ser secretado. No cólon o transporte desses íons é qualitativamente semelhante ao que ocorre no íleo, pois Cl- é absorvido e o Bicarbonato costuma ser secretado. A secreção de bicarbonato combate à acidez provocada por metabolismo das bactérias intestinais

Absorção de Cálcio

Os íons Cálcio são absorvidos ativamente por todos os segmentos no intestino. Duodeno e jejuno são particularmente ativos e conseguem concentrar o Cálcio contra gradiente de concentração. A absorção de Cálcio intestinal é estimulada pela

Vitamina D, que é essencial para a obtenção de níveis normais de absorção de Cálcio pelo intestino. O PTH estimula a absorção de Cálcio ao promover a ativação da Vitamina D pelo rim. A Vitamina D aumenta o nível de calbindina (proteína fixadora de cálcio - CaBP) IMCal - Proteína fixadora de cálcio da membrana intestinal

(Parte 1 de 2)

Comentários