Implantação de 5S

Implantação de 5S

(Parte 1 de 4)

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS – UEMG

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE DIVINÓPOLIS – FUNEDI

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E PESQUISA – INESP

ESTÁGIO

CURRICULAR

QUALIDADE

RAMON BICALHO

DIVINÓPOLIS

DEZEMBRO – 2010

RAMON BICALHO

ESTAGIO

CURRICULAR

QUALIDADE

Trabalho para obtenção de crédito na disciplina de Estágio Curricular entregue ao professor Ronaldo, orientador de estágio.

DIVINÓPOLIS

FUNEDI – INESP

2010

Sumário

Sumário .......................................................................................................

3

1

Introdução ...............................................................................................................

4

1.1

Objetivos .................................................................................................................

5

2

ConceitosTeórico ....................................................................................................

6

3

Programa 5S’s .........................................................................................................

8

3.1

Origem .....................................................................................................................

8

3.2

Conceito ..................................................................................................................

10

3.3

SEIRI – Senso de Utilização ...................................................................................

10

3.4

SEITON – Senso de Ordenação ..............................................................................

15

3.5

3.6

SEISO – Senso de Limpeza ....................................................................................

SEIKETSU – Senso de Saúde .................................................................................

19

22

3.7

SHITSUKE – Senso de Auto-disciplina .................................................................

23

3.8

Implantação do Programa 5S ..................................................................................

24

3.9

Manutenção do 5S ...................................................................................................

27

3.10

Benefícios do Programa 5S .....................................................................................

29

4

Estudo de Caso .......................................................................................................

30

4.1

A Empresa ...............................................................................................................

30

4.2

Implantação do 5S ...................................................................................................

30

4.3

Dificuldades de Implantação ...................................................................................

31

5

Conclusão ................................................................................................................

34

6

Referência Bibliográfica .........................................................................................

35

1. INTRODUÇÃO

Este trabalho tem o propósito de abordar o programa 5S e Kaizen. Eles são utilizados para a implantação e melhoria da gestão da qualidade nas organizações.

As empresas, visando o melhor desempenho do trabalhador, tendem a melhorar o ambiente profissional. Para isso, é necessária a criação de uma atmosfera na qual os colaboradores gostem de trabalhar.

Por estes motivos, surgiu o programa 5S, que cria um ambiente digno de trabalho, onde o homem possa sentir-se bem consigo, com aqueles que o cercam e o local de trabalho.

O intuito deste trabalho é fazer com que haja um entendimento do que são esses programas, bem como a sua aplicabilidade no ambiente que se vive.

1.1 Objetivos

O grau de competitividade das organizações é fator determinante para seu sucesso. Conquistar mercado significa oferecer produtos de qualidade, preço justo e excelente serviço.

A Churrasqueiras Garden lançou sua linha de churrasqueiras visando uma conquista gradual do mercado, porém, devido ao nível de qualidade do produto, ao preço e ao prazo de entrega satisfatório, a aceitação da nova linha foi surpreendente. Para atender à demanda crescente, a Churrasqueiras Garden está investindo em máquinas e equipamentos, além de criar novos postos de trabalho. Contudo, para que seus consumidores continuem satisfeitos, é necessário implementar ações que garantam a qualidadedos processos envolvidos na linha de produção das churrasqueiras.

  1. CONCEITOS TEÓRICOS

A idéia de qualidade total foi introduzida por Feigenbaum, em 1957, e teve várias outras abordagens pelos chamados gurus da qualidade. Para a base teórica desse trabalho é importante conhecermos suas contribuições.

  • Armando Feingebaum

Nos anos 50 lançou a primeira edição de seu livro Total Quality Control, onde a definia como um sistema eficaz para integrar as forças de desenvolvimento, manutenção e melhoria da qualidade de vários grupos de uma organização (SLACK et al., 2008), permitindo levar a produção e o serviço a níveis mais econômicos e atender plenamente à satisfação do consumidor.

  • W. E. Deming

Conforme Deming qualidade é a “perseguição às necessidades dos clientes, homogeneidade dos recursos do processo, previsibilidade e redução da variabilidade”.

Afirmava que a qualidade começa com a alta administração e é uma atividade estratégica.

Suas idéias estão nos seus 14 pontos para a qualidade (SLACK et al., 2008).

  1. Crie constância de propósito

  2. Adote nova filosofia

  3. Cesse a dependência de inspeção

  4. Evite ganhar negócio baseando-se em preço

  5. Melhore constantemente o sistema de produção e serviço.

  6. Institua treinamento no trabalho.

  7. Institua liderança.

  8. Elimine o medo.

  9. Elimine slogans e exortações.

  10. Elimine cotas numéricas ou padrões de trabalho.

  11. Faça com que as pessoas sintam orgulho pelo trabalho.

  12. Institua programas de educação e auto-melhoria.

  13. Romper as barreiras entre as áreas e o Staff.

    • J. M. Juran

Para Juran qualidade significa adequação ao uso através da percepção das necessidades dos clientes e aperfeiçoamentos introduzidos a partir de patamares já alcançados (SLACK et al., 2008). Juran criou a expressão adequação ao uso; por exemplo, um produto perigoso podia atender às especificações, mas não era adequado ao uso.

  • K. Ishikawa

Criador do conceito de círculos de qualidade e dos diagramas de causa-e-efeito.

Conforme a definição de Ishikawa (apud SLACK et al., 2008), praticar um bom controle de qualidade é projetar, produzir, desenvolver e comercializar um produto de qualidade que seja mais econômico, mais útil e sempre satisfatório para o consumidor.

Praticar e atingir esse objetivo é obrigação de todos na empresa (diretores, gerentes, técnicos e operadores) e, para isso, precisam trabalhar juntos. A chave para a implementação bem-sucedida da TQC é a participação do trabalhador.

  • P. B. Crosby

É mais conhecido pelo seu trabalho sobre custo da qualidade. Em seu livro Quality isFree procurou destacar os custos e benefícios da implementação de programas de qualidade. (SLACK et al., 2008). Enfatiza o “meeting the requeriments” ir ao encontro das exigências, das necessidades, tendo como objetivo a satisfação do cliente. Seus conceitos podem ser resumidos em:

  1. Qualidade é conformidade às exigências.

  2. Prevenção, não inspeção.

  3. O padrão de desempenho deve ser “zero defeito”.

  4. Mensuração do “preço de não-conformidade”.

  1. PROGRAMA 5S’S

    1. Origem

Segundo Silva (1996, p.13) as organizações recebem pressões de todos os lados e competem entre si pela sobrevivência. Os clientes das organizações, com liberdade de escolha, fazem uma série de exigências. Os clientes exigem qualidade intrínseca, preço acessível, baixo custo de manutenção, prazo de entrega, variedade de opções, compromisso social, entre muitas outras. Os empregados necessitam boa remuneração, um ambiente de trabalho seguro e agradável. Difundiu-se no mundo uma filosofia de vida e de trabalho que, ao menos teoricamente, incorpora as posturas necessárias à sobrevivência com dignidade: Qualidade (SILVA, 1996, p.15).

De acordo com Derisbourg (1993 apud SILVA, 1996, p. 20) no ambiente profissional, é imprescindível que os dirigentes saibam criar uma atmosfera na qual os colaboradores gostem de trabalhar. Esse ambiente poderia ser conseguido por meio de:

  • Disposição de um ambiente no qual haja ordem e tranqüilidade;

  • Boa organização do trabalho;

  • Boa comunicação;

  • Sentimento compartilhado da finalidade do trabalho;

  • Orgulho coletivo diante das realizações.

Os sensos de Qualidade

Logo após a Segunda Guerra Mundial, em 1945, e até aproximadamente 1953, os produtos japoneses eram reputados como de péssima qualidade. As fábricas eram bastante sujas e, isso não era percebido pela alta administração. A partir de 1954, depois de muito estudo, treinamento e trabalho árduo seus produtos ganharam qualidade e confiança no mundo inteiro.

Foi o Centro de Educação para a Qualidade no Japão, com a equipe do Dr. Kaoru Ishikawa, que criou em maio de 1950 um modelo prático para o combate às causas de perdas e desperdícios, ao qual deu o nome de “Regra dos 5S”. Eles viram que para começar qualquer programa de qualidade total se deve começar por uma faxina geral. Kaoru Ishikawa aconselhou: “Comece varrendo”. O 5S é uma grande faxina física e mental.

O programa do 5S foi redescoberto na década de 80 como uma excelente maneira de se comunicar eficazmente a idéia de qualidade como um ato, e não como um mero ato (SILVA, 1996, p.22).

De acordo com Masao (1997), o 5S foi iniciado também para a diminuição de desperdício nos locais de trabalho. Esses desperdícios significam todo serviço que não agrega qualquer valor. Um exemplo é o gasto em um documento que não produz nenhum lucro.

Outros exemplos, segundo Masao (1997), é o transporte de material de um lado para o outro dentro de uma fábrica e os materiais e produtos não-conformes estocados.

5S no Brasil.

Em 1991, o 5S foi lançado formalmente no Brasil (SILVA, 1996, p.27) e desde então vem ganhando reconhecimento no mundo empresarial e também sendo levado por seus empregados para o ambiente familiar.

3.2. Conceito

A essência do 5S é o ambiente da qualidade, na qual as pessoas tenham um senso de qualidade, é criar um ambiente digno de trabalho, onde o homem possa sentir-se bem consigo e com aqueles que o cercam. Ele deve ser implementando com o objetivo específico de melhorar as condições de trabalho e criar o ambiente de qualidade (SILVA, 1996, p.23), transformando-o no ambiente ideal para que as pessoas transformem seus potenciais em realização.

Em qualquer empresa, ao adotar o 5S, introduzem-se naturalmente atividades que passam a envolver fábrica toda, por exemplo: programa de prevenção de higiene e segurança, programa de redução de custos, programa de combate aos desperdícios, como apresentado no Quadro 1 a seguir:

Quadro 1: Relação entre as diversas atividades e o 5S

Fonte: Silva (1996, p. 59)

Conforme Silva (apud BARBOSA et al., 1995, p. 166), o 5S é um programa de educação que enfatiza a prática de hábitos saudáveis para a integração do pensar, do agir e do sentir. Este programa é considerado como a base de qualquer programa de Qualidade e Produtividade. Osada (1992, p.2) vai além ao afirmar que se qualquer pessoa não consegue realizar os 5S’s não consegue realizar as outras tarefas, pois quaisquer procedimentos operacionais por mais difíceis que sejam devem começar com o programa dos 5S’s.

Para Coutinho (2006, p. 03) os 5S’s focalizam a sua atenção na organização dos locais de trabalho simplificando os postos de trabalho, e reduzindo desperdícios, eliminando as atividades que não acrescentam valor ao produto. Para Barbosa et al. (1995, p. 166), o 5S parte do princípio de que tudo pode ser feito de maneira melhor, eliminando desperdícios e transformando o local de trabalho em um ambiente agradável. Silva et al. (2008, p. 01) corrobora afirmando que o programa 5S é uma ferramenta de inovação tecnológica importante para a manutenção de um ambiente saudável, colaborando para o desenvolvimento sustentável da organização e crescimento do ser humano. Para esse autor, o Programa 5S é uma filosofia de trabalho que promove na organização, limpeza e disciplina, através da consciência e responsabilidade de todos, tornando o ambiente de trabalho agradável, seguro e produtivo. É um programa de educação que dá ênfase à prática de hábitos saudáveis que permitem a integração do pensar, do sentir e do agir.

Segundo Masao (1997, p.1), o 5s representa as iniciais de 5 palavras japonesas que são: SEIRI, SEITON, SEISO, SEIKETSU, SHITSUKE. No Brasil convencionou-se chamálos de cinco sensos com as seguintes denominações:

  • Primeiro S – senso de utilização (SEIRI)

  • Segundo S – senso de ordenação (SEITON)

  • Terceiro S – senso de limpeza (SEISO)

  • Quarto S – senso de saúde (SEIKETSU)

  • Quinto S – senso de autodisciplina (SHITSUKE)

3.3. SEIRI – Senso de Utilização

Alguns autores chamam SEIRI de senso de utilização, outros de senso de organização, contudo são apenas termos que não mudam em nada o significado de real desse senso.

Segundo Osada (1992, p.43), desde muito tempo sabe-se sobre a importância da organização. A história ensina que as pessoas que a desconsideram frequentemente, tendem a perder de vista os seus objetivos e até os recursos que dispõe.

Parece haver uma grande quantidade de artigos e livros sobre organização. Esse número tão grande de artigos marca a transição da organização/utilização como conceito do bom-senso aplicado pelas próprias pessoas a uma disciplina acadêmica que demanda estudo e reflexão.

(Parte 1 de 4)

Comentários