A importância do uso de cães de resgate pelo corpo de bombeiros militar

A importância do uso de cães de resgate pelo corpo de bombeiros militar

(Parte 1 de 5)

Sílvio Mendonça Lima Junior

Itajaí - SC 2010

Projeto apresentado na disciplina Metodologia da Pesquisa e da Produção Científica do Curso de Gerenciamento de Crises – Emergências e Desastres do Posead como requisito parcial para a obtenção do título de Especialista em Gerenciamento de Crises – Emergências e Desastres,

Orientador: Giovani Oliveira

Sílvio Mendonça Lima Junior

Itajaí - SC 2010

Itajaí, 25 de outubro de 2010.

1 INTRODUÇÃO5
1.1 Título5
1.2 Tema6
1.3 Justificativa da Pesquisa7
2 REVISÃO DE LITERATURA8
2.1 DESASTRES8
2.1.1 PRINCIPAIS DESASTRES OCORRIDOS EM SANTA CATARINA10
2.1.2 ESTIAGEM E SECA1
2.1.3 ENCHENTES1
2.1.4 DESLIZAMENTOS DE TERRA13
2.2 CARACTERÍSTICAS E ORIGEM DE CÃES PARA RESGATE16
2.2.1 ORIGEM DA ESPÉCIE CANINA16
2.2.2 TIPOS DE CÃES E SUAS UTILIDADES17
2.3 BUSCAS URBANAS, RURAIS E RESTOS MORTAIS20
2.3.1 BUSCAS URBANAS20
2.3.1.1 BUSCAS EM ESCOMBROS21
2.3.1.2 BUSCA EM SOTERRAMENTO POR DESLIZAMENTO2
2.3.2 BUSCA RURAL24
2.3.3 BUSCAS DE RESTOSMORTAIS25
2.3.3.1 BUSCA DE CADÁVER NA ÁGUA26
3 METODOLOGIA27
3.1 CAMPOS DE ESTUDO27
3.2 INSTRUMENTOS DE COLETA DE DADOS28
4 CONSIDERAÇÕES FINAIS29

SUMÁRIO 5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ....................................................................................... 30

5 1 INTRODUÇÃO

1.1 A EFICIÊNCIA DOS CÃES DE RESGATE.

Este trabalho apresenta a importância dos cães de busca e salvamento, pois hoje, mesmo com os progressos tecnológicos como GPS, imagens de satélites, até mesmo robôs, os cães ainda são as melhores ferramentas para a busca e o salvamento de pessoas que estão perdidas em áreas rurais, ou no meio de um amontoado de concreto e ferros retorcidos, sem falar na grande importância que eles têm na busca de cadáveres.

Graças à obsessão com a brincadeira, juntamente com a ajuda de seu aguçado olfato e audição, cães bem treinados salvam centenas de pessoas por ano. Seu trabalho pode salvar uma pessoa que está sofrendo um pesadelo sem fim à espera de alguém para lhe ajudar. Porém nem sempre o mesmo é recompensado achando pessoas vivas, o seu trabalho às vezes pode resolver um crime e dar um enterro digno para aqueles que tiveram a infelicidade de morrer em um desastre.

Para este tipo de trabalho, não existe uma raça especifica, porém o Corpo de

Bombeiros Militar de Santa Catarina usa o Labrador, por serem de porte médio, muito ágil e flexível, dócil e brincalhão, além de tudo é suficiente para suportar as dificuldades do trabalho realizado.

Uma das vantagens que tem para encontrar pessoas, está em sua anatomia, os cães possuem o olfato como o sentido mais importante e aguçado, com cerca de 200 milhões de receptores para odores, enquanto os humanos possuem somente cerca de 5 milhões, ou seja, 40 vezes menos do que os cães.

A audição dos cães também é extremamente desenvolvida. Eles são capazes, com o auxílio de suas orelhas direcionáveis, de localizar com precisão a direção da origem do som em apenas 6 centésimos de segundo, e conseguem ouvir o mesmo som a uma distância quatro vezes maior do que somos capazes. Nos últimos anos têm surgido técnicas de resgate de pessoas através do potencial de faro e audição dos cães (ALCARRIA, 2000).

Para este tipo de serviço, existem dois tipos de treinamento, o de cães de busca por rastreio, onde o nome já diz, ele trabalha com o focinho no chão, seguindo o rastro da pessoa de um ponto A ao B, este tipo de cão precisa de uma parte limpa da pessoa a procurar, alem de ter de cheirar um objeto com o cheiro da mesma que tem de achar.

O outro tipo de treinamento, é o por venteio, que é o que a maioria das instituições do Corpo de Bombeiros está utilizando, onde o cão procura o cheiro humano no ar, sem seguir uma determinada pessoa.

Este trabalho vai mostrar a importância do treinamento e utilização dos cães de resgate pelo Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina.

Delineando o que são desastres e quais os principais desastres ocorridos em

Santa Catarina, além de expor algumas características e origens de cães para resgate. Descrevendo Buscas urbanas, rurais e restos mortais.

1.2 Tema

Hoje vivemos em um mundo que vem apresentando grandes desastres, naturais ou provocados pelo homem, muitas vezes afetando negativamente a vida, provocando mudanças permanentes às sociedades, meio ambientes e ecossistemas. Catástrofes que desequilibram a sobrevivência e a prosperidade. Sua distinção é medida pelos danos e prejuízos.

Catástrofes não avisam que vão acontecer e deixam sequelas irreparáveis. Estes incidentes, naturais ou não, podem acontecer a qualquer momento, necessitando o Poder Público, através da Polícia Militar, do Corpo de Bombeiro Militar e Defesa Civil, estar preparado para prevenção e intervir no acontecimento.

Onde para gerir os riscos, devem conhecer um pouco de geologia, engenharia civil, resistência de materiais, demografia, técnicas de salvamento e resgate. Além de ter de terem conhecimentos sobre o modo de organização das cidades e das pessoas que nela circulam.

Hoje podemos ver que as instituições públicas, que são responsáveis pelo socorro das vítimas, estão se adequando ao contexto de treinar e empregar o uso de cães na busca e resgate das vítimas, sendo que é notório que o emprego dos cães de resgate pode ser decisivo para salvar e preservar a vida humana.

Alguns acontecimentos marcantes serviram para difundir de maneira mais incisiva a participação em atividades de resgate e localização de vitimas, destacasse o grande terremoto na cidade do México em 1985, El Salvador (1986) e mais recentemente o terremoto da Argélia (1999) e os ataques às torres do WTC (2001), terremoto no Irã (2003) e recentemente no Japão (10/2004) em Taiwan (10/2004) (PARIZZOTO, 2004, p. 03).

Assim com estes acontecimentos podemos notar que houve um aumento significativo nos aumentos de implantação dos serviços de Busca e Resgate com Cães, através dos Corpos de Bombeiros, Polícia Militar e Defesa Civil.

A história do emprego de binômios na área de resgate que “foi na Grã-Bretanha, durante a Segunda Guerra Mundial, após os bombardeios que os cães foram utilizados pela primeira vez para reencontrar as pessoas sepultadas sob escombros” (Enciclopédia do Cão, 2001, p. 154).

Os cães de busca e salvamento, chamados do mesmo modo de cães de resgate, geralmente são divididos em duas especialidades, busca de vítimas vivas e busca de pessoas mortas. Além de trabalharem em ambientes de desastres, os binômios, nome dado a dupla, cão e condutor, pode agir em ações de investigações criminais contra a vida, basta serem treinados para isso.

Atualmente é cada vez mais frequente ouvirmos em cães de busca e salvamento, onde podemos citar o uso deles nas buscas as vitimas dos deslizamentos acontecidos no complexo do morro do Baú em Santa Catarina, que aconteceram em 2008, onde participaram 08 cães catarinenses, e o resultado foi 21 ocorrências atendidas, com 02 vítimas encontradas vivas e 10 corpos recuperados, e em São Paulo no acidente que aconteceu na estação do metrô e no desabamento do templo da igreja Universal.

1.3 Justificativa da Pesquisa

Partindo de um diagnóstico das atividades de busca, resgate e salvamento do

Corpo de Bombeiros em ocorrências de deslizamentos, enchentes, afogamentos, terremotos, desaparecimentos e outros, constatam-se a dificuldade de acesso e a prejudicial perda de tempo para se encontrar vítimas nesses desastres, influenciando no resultado de se resgatar pessoas ainda com vida.

O serviço com cães no auxílio dos trabalhos de resgate das vítimas de soterramentos já é bem comum em alguns países como Japão, Estados Unidos e nações européias. No Brasil, agora que está sendo difundido o trabalho, em São Paulo, os mesmos auxiliaram no acidente que aconteceu na estação do metrô, no desabamento do templo da igreja Universal.

Aqui em Santa Catarina, os mesmo tiveram grande importância nas avalanches de terras que afetaram o complexo do Morro do Baú nas enchentes de 2008.

O principal fator a ser destacado na utilização dos cães repousa em sua incrível potencialidade para o faro, até mil vezes mais apurado do que a capacidade olfativa do ser humano, dessa forma quase todas as atividades em que envolvam aspectos olfativos os cães poderão ser utilizados de certa forma. (HILL, 2004).

Além disso, os desabamentos de edificações no Brasil estão sendo constante, muitos deles apresentando vítimas soterradas.

Destacam-se os seguintes fatos no Brasil: Praia do Gonzaga (89), Volta Redonda (91), Osasco Plaza Shopping (96), Edifício Itália (97), Palace I (98), Igreja Universal do Reino de Deus (98,) Edifício Érika (9), Enseada do Serrambi (9), Aquarela (97), Ijui (2001), Hotel Rosário (2002), Areia Branca (2004), Casarão Recife (2005), Complexo do Morro do Baú em Ilhota – SC (2008), Angra dos Reis (2009/2010), etc.

Hoje, os bombeiros contam para localizar pessoas com vida sob um amontoado de concreto, equipamentos com sensores acústicos, de natureza israelense ou alemã, que mapeiam a área do sinistro, capazes de identificar ruídos (gemidos e até batimentos cardíacos), mas os custos para aquisição e manutenção dos mesmos, muitas vezes são inviáveis.

2 REVISÃO DE LITERATURA

2.1 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DA REALIDADE OBSERVADA

9 Desastres

O Programa das Nações Unidas de Capacitação para a Gestão de Desastres, o conceitua como uma interrupção grave das funções de uma sociedade, que causa perdas humanas, materiais e/ou ambientais extensas, que excedem a capacidade da sociedade afetada para se recuperar usando somente seus próprios recursos.

Podemos assim afirmar que desastre é uma situação que origina alterações intensas nos elementos sociais, físicos, ecológicos, econômicos e culturais de uma sociedade, pondo em iminente perigo a vida humana e os bens dos cidadãos e da nação, ultrapassando a competência de resposta local para atender eficientemente suas consequências; podendo ser de origem natural ou provocada pela ação do homem. São de combinação de vários fatores: vulnerabilidade, capacidades, ameaças e riscos.

Em outras palavras, vamos dizer que desastres são frutos e artifícios decorrentes da variação e crescimento da sociedade, do modelo global de desenvolvimento seguido,dos fatores socioambientais relacionados a modos de vida que produzem vulnerabilidades sociais e, portanto, vulnerabilidade aos desastres. Abrangem aspectos como pobreza, ocupação imprópria do solo, ocupação de áreas de risco, inexistência de equipamentos urbanos e carência de políticas que atendam as necessidades da população.

Assim podemos concordar que países, estados e municípios menos favorecidos, estão mais vulneráveis, devido a situação social existente.

Podemos destacar a ameaça como um fato ou acontecimento que pode afetar potencialmente a vida, a propriedade e a atividade humana, até o ponto de causar um desastre. As ameaças podem ser classificadas pela sua origem, da seguinte maneira:

- Ameaças antrópicas: originados pelo ser humano e decorrem dos processos tecnológicos, do intercâmbio humano com o meio ambiente, ou das relações comunitárias. Alguns exemplos:

Derrame de material perigoso; Incidente radioativo; Guerra; Contaminação do meio ambiente.

(Parte 1 de 5)

Comentários