Construção civil ABNT - PINTURA

Construção civil ABNT - PINTURA

(Parte 1 de 7)

VITÓRIA (ES) AGOSTO, 2001.

Trabalho apresentado à professora Flávia, responsável pela disciplina Construção Civil I, pré requisito para graduação em Engenharia Civil na UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO – UFES.

VITÓRIA (ES) AGOSTO, 2001.

1 - INTRODUÇÃO8.
2 - OBJETIVOS9.
3 - TINTA10.
3.1 - Classificação das tintas10.
3.1.1 - Seladores/ fundos preparadores10.
3.1.2 - Massas1.
3.1.3 - Primers1.
3.1.3.1 - Primers anticorrosivos1.
3.1.3.2 - Primers Surfacers1.
3.1.3.3 - Primers de aderência12.
3.1.4 - Esmaltes/ tintas de acabamento12.
3.1.5 - Vernizes12.
3.1.6 - Silicone12.
4 - PIGMENTOS13.
4.1 - Pigmentos de cobertura13.
4.2 - Pigmentos funcionais14.
4.3 - Pigmentos anticorrosivos14.
5 - RESINAS15.
5.1 - Resinas alquídicas15.
5.2 - Resinas fenólicas16.
5.3 - Resinas Uretânicas16.
5.4 - Resinas Látex Vinílicos (PVA)17.
5.5- Resinas Látex Acrílicos17.
5.6 - Resina de Polivinil Butiral17.
5.7 - Resina de Nitrocelulose18.
6 - SOLVENTES19.
7 - ADITIVOS20.
8 - CARACTERÍSTICAS DAS TINTAS21.
8.1 - Estabilidade21.
8.2 - Facilidade de aplicação21.
8.3 - Rendimnto e cobertura22.
8.4 - Durabilidade22.
8.5 - Lavabilidade23.
8.6 - Secagem__________________________________________________23.
9 - FABRICAÇÃO DAS TINTAS24.
9.1 - Controle de qualidade das matérias primas24.
9.2 - Pesagem das matérias primas24.
9.3 - Pré-mistura25.

SUMÁRIO 9.4 - Moagem __________________________________________________25.

9.5 - Completagem25.
9.6 - Tingimento25.
9.7 - Controle de qualidade do produto final e acertos finais26.
9.8 - Enlatamento26.
9.9 - Armazenagem e expedição__________________________________26.
10 - FERRAMENTAS27.
10.1 - Pincéis e trinchas27.
10.2 - Rolos28.
10.2.1 - Rolos de lã de carneiro28.
10.2.2 - Rolos de lã para epóxi28.
10.2.3 - Rolos de espuma28.
10.2.4 - Rolos de espuma rígida (para texturização)28.
10.3 - Espátulas de aço29.
10.4 - Desempenadeiras de aço29.
10.5 - Bandejas ou caçambas29.
10.6 - Lixas29.
10.7 - Revólverou pistola de pintura30.
10.8 - Air less30.
1 - PRODUTOS E APLICAÇÕES31.
1.1 - Látex PVA31.
1.1.1 - Indicação31.
1.1.2 -Local de aplicação31.
1.1.3 - Complementos32.
1.1.3.1 - Massa corrida PVA32.
1.1.3.2 - Massa acrílica32.
1.1.3.3 - Liqui brilho32.
1.1.3.4 - Liqui base32.
1.2.1 -Indicação3.
1.2.2 -Local de aplicação3.
1.2.3 -Complementos3.
1.3 - Esmalte sintético3.
1.3.1 - Indicação3.
1.3.2 -Local de aplicação34.
1.3.3 - Complementos_______ _ __34.
1.3.3.1 - Massa a óleo34.
1.3.3.2 - Fundo branco fosco34.
1.3.3.3 - Zarcão Universal34.
1.3.3.4 - Fundo óxido de ferro35.
1.4 - Vernizes35.
1.4.1 - Indicação35.
1.4.2 -Local de aplicação35.
1.4.3 - Complementos35.
1.4.3.1. Selador para madeira35.
1.5 - Texturas36.
1.5.1 - Indicação36.
1.5.2 -Local de aplicação36.
1.6 - Produtos de restauração36.
12 - PREPARO DA SUPERFÍCIE37.
12.1 - Concreto e reboco37.
12.2 - Cimento amianto38.
12.4 - Aço39.
12.5 - Metal galvanizado39.
12.6 - Alumínio40.
12.7 - Superfícies mofadas40.
12.8 - Superfícies já pintadas40.
12.9 - Superfícies caiadas41.
13 - IMPERMEABILIZAÇÃO42.
13.1 - Areas proximas42.
13.2 - Muros42.
13.3 - Tetos em geral43.
13.4 - Telhados e tubulações43.
13.5 - Jardineiras43.
13.6 - Áreas de banheiro e cozinhas43.
13.7 - Esquadrias de janelas e portas44.
14 -SISTEMAS DE PINTURAS45.
14.1 - Alvenaria45.
14.1.1 - Acabamento interno liso fosco45.
14.1.1.1 - Superfície45.
14.1.1.2 - Procedimento45.
14.1.2 -Acabamento interno liso acetinado ou semi brilho46.
14.1.2.1 - Superfície46.
14.1.2.2 - Procedimento46.
14.1.3 -Acabamento externo liso fosco, acetinado ou semi-brilho46.
1.1.3.1 - Superfície46.
14.1.2.5 - Procedimento46.
14.1.4 -Acabamento interno convencional46.
14.1.4.1 - Superfície46.
14.1.4.2 - Procedimento47.
14.1.5 -Acabamento externo convencional47.
14.1.5.1 - Superfície47.
14.1.5.2 - Procedimento47.
14.1.6 -Acabamento externo e interno acrílico de alto padrãol47.
14.1.6.1 - Superfície47.
14.1.6.2 - Procedimento47.
14.1.7 -Acabamento texturizado interno e externo48.
14.1.7.1 - Superfície48.
14.1.7.2 - Procedimento48.
14.1.8 -Acabamento texturizado hidrorepelente interno e externo48.
14.1.8.1 - Superfície48.
14.1.8.2 - Procedimento48.
14.1.9 -Acabamento em telha de fbrocimento externo e interno49.
14.1.9.1 - Superfície49.
14.1.9.2 - Procedimento49.
14.1.10 -Acabamento em barra lisa de cimento49.
14.1.10.1 - Superfície49.
14.1.1 - Acabamento em pisos de cimento49.
14.1.1.1 - Superfície49.
14.1.1.2 - Procedimento50.
14.1.12 - Acabamento brilhante para alvenarias aparentes50.
14.1.12.1 - Superfície50.
14.1.12.2 - Procedimento50.
14.1.13 Acabamento natural para alvenaas aparentes50.
14.1.13.1 - Superfície50.

v 14.1.13.2 - Procedimento 50.

14.2 - Metais51.
14.2.1 - Acabamento brilhante interno e exterrno51.
14..2.1.1 - Superfície51.
14..2.1.2 - Procedimento51.
14.2.2 - Acabamento brilhante interno e externo51.
14.2.2.1 - Superfície51.
14.2.2.2 - Procedimento51.
14.2.3 - Acabamento brilhante interno e externol52.
14.2.3.1 - Superfície52.
14.2.3.2 - Procedimento52.
14.2.4 - Acabamento Grafite externo e interno52.
14.2.4.1 - Superfície52.
14.2.4.2 - Procedimento52.
14.3 - Madeira53.
14.3.1 - Para aplicação de esmalte53.
14.3.1.1 - Acabamento brilhante liso externo e interno53.
14.3.1.2 - Acabamento acetinado liso externo e interno53.
14.3.1.3 - Acabamento brilhante externo e interno54.
14.3.1.4 - Acabamento fosco,liso interno54.
14.3.2 - Para aplicaçao de verniz5.
14.3.2.1 - Acabamento brilhante externo e interno5.
14.3.2.2 - Acabamento fosco externo e interno5.
14.3.2.3 - Acabamemto requintado encerado interno5.
14.3.2.4 - Acabamemto requintado brilhante interno56.
15 - DEFEITOS DE PINTURA57.
15.1 - Calcinação57.
15.2 - Eflorescencia58.
15.3 - Desagregamento58.
15.4 - Saponificação58.
15.5 - Manchas causadas por pingos de chuva59.
15.6 - Fissuras59.
15.7 - Trincas de estruturas59.
15.8 - Descascamento60.
15.9 - Bolhas em paredes externas60.
15.10 - Bolhas na repintura60.
15.1 - Manchas amareladas em paredes e tetos61.
15.12 - Manchas e retardamento de secagem61.
15.13 - Trincas e má aderência em madeiras61.
15.14 -Escorrimento62.
15.15 -Mal alastramento62.
15.16 -Secagem deficiente62.
15.17 -Manchas foscas e desuniformes63.
15.18 - Enrugamento63.
15.19 -Mofo63.
16- PINTURAS ESPECIAIS65.
15.1 - Ragging65.
15.2 - Stucco66.
15.4 - Esponjado67.

vii 18 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS_______________________________69.

1 - INTRODUÇÃO

As tintas e os vernizes tem por finalidade proteger e embelezar as superfícies. São utilizadas também para sinalizar, transmitir idéias, refletir e absorver calor.

Uma casa, um automóvel ou uma grande estrutura metálica corretamente pintados agradarão muito mais. Além disso, a função da pintura não é somente decorativa, mas econômica, pois estas superfícies pintadas estarão protegidas da ação destruidora dos agentes do meio ambiente.

Podemos observar desta forma que, ao lado da função decorativa, melhorando sensivelmente a aparência, as tintas e os vernizes desempenham um papel realmente muito importante, pois protegem e prolongam a vida útil de um imenso complexo constituído por instalações industriais, edifícios, pontes, aviões, veículos em geral, aparelhos eletrodomésticos, móveis, artigos de madeira, dentre muitos outros.

Por esta razão a análise dos produtos e de informações complementares mais detalhadas, além de especificações para seu emprego correto, são fundamentais para se atingir a qualidade desejada quanto a proteção e acabamento de qualquer superfície.

2 - OBJETIVOS

Este trabalho tem por objetivo fazer, de uma forma geral, uma citação dos produtos de pintura existentes no mercado, mostrando suas funções e indicações, bem como os procedimentos e equipamentos necessários para suas respectivas execuções.

3.1 -

3 - TINTA

Recebe o nome de tinta a dispersão de um ou mais pigmentos em um ou mais aglomerantes sólidos ou líquidos que, quando aplicados em película fina, secam formando um filme opaco e aderente ao substrato.

Tem como funções principais a proteção e a decoração das superfícies em que é aplicada. As tintas são constituídas basicamente de pigmentos, resinas, solventes e aditivos (Manual Técnico – Linha Imobiliária das Tintas Ipiranga).

Classificação das tintas

As tintas se classificam basicamente em seladores/ fundos preparadores, massas, primers, esmaltes/ tintas de acabamento, vernizes e silicone.

3.1.1 - Seladores / fundos preparadores

São produtos formulados para selar a superfície, regularizando a absorção do substrato, aumentando sua coesão ou ainda selando sua alcalinidade e preparando-os para demãos seguintes.

Normalmente os produtos à base de solventes tem um poder de penetração muito maior que os à base de látex e devem ser os recomendados sempre que possível.

Existem ainda os seladores pigmentados que além de selarem a superfície, funcionam como uma primeira demão, economizando desta forma o acabamento final.

3.1.2 - Massas

São produtos altamente pigmentados e tem por finalidade regularizar as superfícies para um acabamento mais uniformizado e esmerado.

3.1.3 - Primers

São produtos medianamente pigmentados com funções específicas, sendo classificados em anticorrosivos, surfacers e de aderência.

3.1.3.1 - Primers anticorrosivos

Têm como finalidade principal proteger superfícies metálicas contra corrosão.

3.1.3.2 - Primers Surfacers

Têm como função nivelar a superfície para as demãos subsequentes do acabamento.

3.1.3.3 - Primers de aderência

Têm como finalidade formarem uma ponte de ligação entre o substrato e o acabamento final, geralmente reagem com a superfície a ser pintada, formando um todo indissolúvel.

3.1.4 - Esmaltes/ tintas de acabamento

Tem como função dar o acabamento final à superfície, decorando-a, protegendo-a, sinalizando-a, etc., sendo que existem ainda os texturizados. As tintas de acabamento proporcionam infinitas opções de cores e de brilho, desde acabamentos brilhantes até foscos.

3.1.5 - Vernizes

É o acabamento final à superfícies nas quais se deseja que o fundo continue a aparecer, como no caso de madeiras, concreto aparente, pedras e outros.

3.1.6 - Silicone

É um produto à base de polisiloxana, que não forma filme sobre a superfície em que foi aplicado. Têm por finalidade penetrar profundamente no substrato e repelir a penetração de água no mesmo.

4.1 -

4 - PIGMENTOS

Pigmentos são sólidos finamente divididos, insolúveis na veículo da tinta e que conferem principalmente cor e poder de cobertura, contribuindo também para a proteção e resistência ao intemperismo, brilho e outras características exigidas (Manual Técnico – Linha Imobiliária das Tintas Ipiranga).

Os pigmentos podem ser classificados quanto a sua origem como naturais ou sintéticos; Quimicamente como orgânicos ou inorgânicos; Quanto a sua finalidade em de cobertura ou funcionais, também denominados extensores ou cargas.

Pigmentos de cobertura

Os pigmentos de cobertura conferem à tinta cor e poder de cobertura, além de influírem decisivamente na resistência ao intemperismo e às atmosferas poluídas. Podem ser Orgânicos, que de um modo geral têm cores mais limpas e fortes, com alto poder de tingimento e baixo poder de cobertura e Inorgânicos, com baixo poder de tingimento e alto poder de cobertura, porém com pequena gama de tonalidades, onde se destacam o dióxido de titânio, óxidos de ferro, cromatos e molibidatos.

4.2 - 4.3 -

Pigmentos funcionais

Os pigmentos funcionais são usados para conferir as tintas certas propriedades como reologia, dureza, resistência à abrasão, facilidade de lixamento, poder de selagem, brilho e ação anti - sedimentante, na qual podemos destacar o caolim, talco, barita e calcita.

Pigmentos anticorrosivos

Existem ainda os pigmentos anticorrosivos, cuja finalidade é inibir a coesão em superfícies metálicas, onde se destacam o pó de zinco, zarcão, cromatos e fosfatos de zinco.

(Parte 1 de 7)

Comentários