Papel-Serviço Social nas empresas

Papel-Serviço Social nas empresas

8

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ _ UFPI

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS _ CCHL

DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL _ DSS

DISCIPLINA: PROCESSO DE TRABALHO III

PROFESSORA: SIMONE GUIMARÃES

ALUNAS: CLEIDILENE LIMA BEZERRA E MARTHA BARBOSA NEVES

TEMA: Serviço Social nas Empresas

Resumo: O presente trabalho científico apresentado no curso de Serviço Social da Universidade Federal do Piauí, ministrado pela professora Simone Guimarães vem falar sobre a crise experimentada pelo capital, bem como sua resposta, a reestruturação produtiva, que tem acarretado profundas mutações no interior do mundo do trabalho apresentando também o serviço social face a esse cenário de flexibilização especificamente no âmbito empresarial.

Palavras-Chave: Reestruturação Produtiva; Serviço Social; Empresa.

Serviço Social na Esfera Empresarial.

[...] a atual recomposição do ciclo de reprodução do capital, ao determinar um conjunto de mudanças na organização da produção material e nas modalidades de gestão e consumo da força de trabalho provoca impactos nas práticas sociais que intervêm no processo de reprodução material e espiritual da força de trabalho, onde se inclui a experiência profissional dos assistentes sociais. (Mota, 2000: 24)

A sociedade contemporânea vem passando por profundas transformações tanto nas formas de materialidade quando na esfera da subjetividade como nos indica Mota. A crise experimentada pelo capital, bem como suas respostas, das quais o neoliberalismo e a reestruturação produtiva tem acarretado profundas mutações no interior do mundo do trabalho, sendo principalmente um enorme desemprego estrutural e um contingente crescente de trabalhadores em condições precarizados.

Ricardo Antunes (2002) vem nos falar ainda que nas últimas décadas amplia-se uma degradação na relação metabólica entre homem e natureza, conduzida pela lógica societal voltada prioritariamente para a produção de mercadorias e para a valorização do capital. A lógica do sistema produtor de mercadorias vem convertendo a concorrência e a busca da produtividade num processo destrutivo que tem gerado estas mutações no mundo do trabalho.

O capital assume em seu processo uma lógica onde o valor de uso das coisas foi totalmente subordinado ao seu valor de troca, forjando um sistema societal estruturado por ele, “sendo uma dinâmica, um modo e meio totalizante e dominante de mediação reprodutiva, articulado com um elenco historicamente específico de estruturas envolvidas institucionalmente” (Antunes, 2002:21), subordinam em suas formas convenientes todas as funções reprodutivas sociais. Operou assim o aprofundamento da separação entre a produção voltada genuinamente para o atendimento das necessidades humanas e as necessidades de auto-reprodução de si próprias. Quanto mais aumentam a competição e a concorrência inter-capitais mais nefastas são suas conseqüências.

Com o capital erige-se uma estrutura de mando vertical, que instaurou-se uma divisão hierárquica do trabalho, viabiliza a necessidade da continua, sistemática e crescente ampliação de valores de troca no qual o trabalho deve subsumir-se, constituindo assim uma poderosíssima estrutura totalizante de organização e controle do metabolismo societal, a qual todos, inclusive os seres humanos, devem se adaptar. Esse sistema mantém domínio e primazia sobre a totalidade dos seres sociais, sendo que suas mais profundas determinações estão orientadas para a expansão e impelidas pela acumulação, esse se tornou expansionista e totalizante com o desenvolvimento do sistema global.

No processo de alienação o capital degrada o sujeito real da produção, o trabalho, a condição de uma objetividade retificada sendo um mero fator material de produção, subvertendo a relação real do sujeito/objeto. Tais mudanças no mundo do trabalho residem na necessidade sentida pelo próprio capital em readaptar seu padrão de desenvolvimento objetivando a ampliar seus níveis de acumulação.

Ortiz (2007) enumera os resultados mais visíveis dos novos contornos ao mundo do trabalho como: contratação temporária, terceirização, estes sem cobertura previdenciária, sem estabilidade, cujos pagamentos são feitos ao trabalhador na condição de autônomo, e os com vinculo empregatício também não têm maiores garantias, sendo submetidos a um forte clima de insegurança e instabilidade no qual aqueles que permanecem devem trabalhar pelos excluídos, intensificando a jornada sob o discurso da polivalência, como se o rodízio das funções garantisse ao trabalhador o domínio efetivo do processo produtivo. E principalmente a fragilidade do tradicional padrão de assalariamento que é a única fonte possível de sustento da classe trabalhadora dentro da ordem burguesa ou categoria central na constituição da vida social.

Ao lado das metamorfoses do trabalho observa-se mudanças na esfera do Estado que concorrem ainda mais para a pauperização da classe trabalhadora, minimiza-o e restringe seu papel no espaço público e com isso transferindo à iniciativa privada funções que antes estavam majoritariamente sob seu domínio. As políticas públicas no corte neoliberal são focalistas, pontuais, compensatórias sem orçamento e sempre voltadas para atender os setores mais vulneráveis da população justificando a “filantropia empresarial” e o voluntariado. Surge a racionalidade de que cabe aos trabalhadores, entre eles os assistentes sociais gerirem seus próprios destinos ainda que em condições totalmente adversas e desiguais.

“Os assistentes sociais sofrem e compartilham das mesmas angústias e dificuldades sentidas pelos demais trabalhadores” (Ortiz, 2007:20). Devido ao seu principal empregador ser o Estado e esse em franco processo de redução de funções, torna-se dramática do ponto de vista da contratação de novos profissionais na esfera pública. Contudo tem gerado uma tendência de contratação nos pequenos municípios do interior significando de um lado uma alternativa aos recém-formados, por outro, devido as poucas vagas pelos baixos salários fazem os jovens profissionais buscarem um número sem fim de concursos e seleções.

Outra possibilidade de inserção no mercado é a entrada desse profissional nos diversos Conselhos, outro campo é a gestão de programas sociais, cabe ressaltar que tais cargos têm caráter temporário, mantendo-se enquanto durar o programa ou conforme as intenções governamentais, o que transmite insegurança ao profissional.

O terceiro setor é outra área que tem contratado os assistentes sociais que diante da programática neoliberal de minimizar o papel do Estado como principal prestador dos serviços sociais, tem assumido alguns setores deste segmento. O Estado contrata determinado projeto e é a partir desta relação de trabalho que é construída em padrões extremamente precários, sem garantia de prorrogação do contrato.

Na esfera privada outro campo em crescimento é a chamada “filantropia empresarial”, que consiste na tentativa de ação social por parte das chamadas empresas “solidárias”. A lógica que move estes empreendimentos nada tem a ver, nem com a pura preocupação com o bem-estar do próximo, e nem com as conquistas constitucionais, tais programas expressam a lógica de mercado. Não representando assim estabilidade aos assistentes sociais, pois depende da disposição da empresa em manter ou não os investimentos nos programas em questão.

“A terceirização e a precarização das relações de trabalho que assolam a todos os trabalhadores em potencial, também atingem os assistentes sociais” (Ortiz, 2007:21), o que nos reforça a necessidade de nos debruçar sobre os velhos desafios e ter uma maior capacidade de resposta às demandas enfrentadas no cotidiano pelo Serviço Social.

Conforme Cesar (1999), a institucionalização do Serviço Social nas empresas se deu mediante as exigências de eficácia, racionalidade e produtividade que o processo de modernização do capital impôs à sociedade. A necessidade de controle sobre a força de trabalho que emergiu, exigiu práticas profissionais que fossem capazes de conter os conflitos que surgiam nos processos de trabalho e que promovessem a integração dos trabalhadores mediante o que o processo produtivo determinava, garantindo assim a produtividade.

De acordo com a mesma autora, no âmbito privado “[...] o Serviço Social foi mobilizado para detectar e atenuar as tensões provenientes da intensificação do processo de exploração da força de trabalho e do movimento de resistência dos trabalhadores [...]” (CESAR, 1999 p. 170). Neste sentido, os assistentes sociais sempre desenvolveram funções como: execução de serviços sociais centrados numa linha de trabalho educativa e integrativa dos funcionários, com vistas a suprir necessidades, resolver problemas, prevenir conflitos tudo isso buscando o enquadramento dos trabalhadores às exigências da classe burguesa, fazendo prevalecer a colaboração entre capital e trabalho.

No pensamento de Cesar (1999), as principais atividades do assistente social na empresa, são desenvolvidas a partir dos problemas que interferem no processo de produção dos trabalhadores, como exemplo: “[...] absenteísmo, insubordinação, acidentes, alcoolismo e também nas questões relacionadas à vida privada do trabalhador [... tais como] conflitos familiares, dificuldades financeiras, doenças [...]” (idem, ibidem, p.170).

Ainda complementa que a partir dos anos 1990, com a reestruturação das empresas, novas estratégias de gestão foram criadas e, que as políticas de recursos humanos foram redefinidas. Através de uma série de incentivos materiais e simbólicos, da participação em grupos e círculos de qualidade, e do envolvimento com a empresa, os trabalhadores são levados a comprometer-se com as metas e os objetivos da organização. É claro que estas estratégias encobrem o real interesse do capital que é obter a adesão e o consentimento do trabalhador para alcançar resultados de melhor qualidade, maior produtividade e consequentemente o lucro.

O assistente social continuou sendo recrutado para trabalhar nos Recursos Humanos (RH) das empresas, mas agora sob a nova demanda de educar o trabalhador para esse novo comportamento exigido pelas empresas, para gerenciar a força de trabalho que está em condições mais precárias e intensivas. Neste sentido, a autora complementa que as novas táticas de gestão e controle sobre os trabalhadores, estão atribuindo ao exercício profissional dos assistentes sociais na empresa uma nova feição, ao mesmo tempo em que alteram as condições que esta atuação se realiza. Neste ponto podem ser destacadas as seguintes condições de trabalho vivenciadas pelos profissionais: “[...] intensificação do trabalho [...] racionalização do trabalho [...] redução dos postos de trabalho profissional [...] instabilidade e a insegurança [...] sujeitos à desqualificação [...] multifuncionalidade [...] aferição da performance individual e/ou grupal [...]” (CESAR, 1998, p. 135-136 - grifo da autora).

Segundo Cesar (1998), todas essas questões ocasionadas pela reestruturação produtiva, além de provocarem sérias implicações para o exercício profissional dos assistentes sociais, também prejudicam o reconhecimento profissional do Serviço Social. Aponta que o Serviço Social continua com sua função vinculada às relações de trabalho, qual seja, intervir nas situações que interferem na produtividade. Há, porém, uma nova demanda para profissão segundo a autora: assessorar “[...] às chefias no trato de questões que extrapolam o âmbito fabril [...]” (idem, ibidem, p. 126). Esta demanda mostra como apesar das inovações tecnológicas, as contradições vividas pelos trabalhadores não foram superadas, ficando patente par a ação do Serviço Social na empresa à intervenção profissional nas questões relacionadas à vida privada do trabalhador que interferem no seu índice de produtividade.

O Assistente Social permanece sendo mediador nas relações entre chefes e subordinados. Também prossegue sobre a responsabilidade dos assistentes sociais nas empresas, a prestação dos serviços sociais. Para Cesar (1998), esta última função, prestação dos serviços sociais/benefícios é uma demanda tradicional à profissão no âmbito empresarial. O Serviço Social, portanto, se inscreve em um contexto institucional permeado de conflitos, de lutas, de jogos de poder “[...] A prática dos assistentes sociais configura-se essencialmente contraditória e torna-se, mais ainda, pois a organicidade com os objetivos corporativos que lhes é exigida, esbarra na condição de serem os próprios profissionais vendedores da força de trabalho [...]” (CESAR, 1998, p. 144).

Por outro lado, a implantação nas empresas da reestruturação produtiva – a acumulação flexível – pode provocar alterações nos objetivos e inserção do Serviço Social no âmbito empresarial privado, por meio do deslocamento de suas funções, com uma atuação mais em nível gerencial. Isso inclusive por conta da utilização, pelas empresas, da estratégia de redução de custos, a terceirização, que esvazia as políticas sociais empresariais, historicamente a cargo do Serviço Social.

A reestruturação produtiva, tanto nas organizações públicas como nas privadas, vem impondo a todos os trabalhadores, incluindo também a categoria de assistentes sociais, mudanças que trazem repercussões como: precarização das relações de trabalho, ameaça de desemprego, exigências de polivalência, multifuncionalidade, desenvolvimento de novas habilidades, entre outros.

Dessa forma, ocorre um deslocamento do Serviço Social para a área de recursos humanos, na esfera da assessoria gerencial e na criação dos comportamentos produtivos, ou seja, clima social. Nessa dimensão, Serra (2001) alerta que o deslocamento do Serviço Social, para a área de recursos humanos, pode provocar uma disputa com outros profissionais, que tradicionalmente atuam nessa área, e cita o exemplo do psicólogo.

As políticas de Recursos Humanos reforçam a adaptação do trabalhador às exigências do processo produtivo, estimulam o trabalhador a acreditar estar participando de um processo que reflete suas necessidades e escolhas. Neste contexto, cabe ao assistente social, inserido na área de RH, propagar as normas e regras do jogo de compromisso, sendo sua prática profissional nas empresas, alterada pelas formas de controle da força de trabalho renovadas, nos processos e relações de trabalho.

O assistente social continua a ser requisitado pela empresa para intermediar as relações entre o trabalho e a vida particular do operário, o que muda é que essa ação está cada vez mais consolidada e integrada às estratégias de competitividade, baseada em uma política de parceria entre empresa e trabalhador.

Segundo Andrade (1999), com a implantação de programas de qualidade de vida no trabalho, o assistente social tem como função o monitoramento do processo e a instrumentalização de ações gerenciais, em busca de melhorias contínuas na Qualidade de Vida no Trabalho. A busca de soluções e carências nas empresas deixa de ser exclusiva dos assistentes sociais e passa a ser da alçada de todos os profissionais envolvidos na área de recursos humanos da empresa. Historicamente no âmbito empresarial, a resolução dos conflitos tem sido colocadas ao Serviço Social, mas, atualmente, com as mudanças nas práticas de gestão, a gerência vem cumprindo esse papel.

Como se pode observar, o serviço social de empresas é repleto de contradições e é claro que não poderia ser diferente, uma vez que a própria estrutura que o sustenta é contraditória, desigual e antagônica tendo suas demandas profissionais ampliadas. As ações profissionais desses, no âmbito empresarial, sempre estiveram direcionadas à execução de políticas das organizações, mas atualmente essas ações permanecem com desdobramentos para a área de planejamento de políticas, principalmente, no que se refere ao enfrentamento do desafio da qualidade.

Pode-se verificar que atualmente existe uma mescla entre demandas tradicionais e atuais, o que muda são as estratégias de competitividade adotadas pelas empresas. Diante disto, os assistentes sociais, para apreender as mudanças no âmbito empresarial e não perder o seu lugar para outras profissões, não podem ter uma visão endógena da profissão, mas sim considerar todas as mudanças que, de uma forma ou de outra, trazem repercussões, no dizer de Antunes, à classe-que-vive-do-trabalho, incluindo a categoria profissional.

O assistente social sendo também um trabalhador inserido na divisão sócio-técnica do trabalho, que vende sua força de trabalho por um salário, é requisitado para atender tanto as necessidades do capital como as do trabalho, visando ao aumento do lucro e da produtividade das organizações. No entanto acreditamos que ainda assim existem brechas para desenvolver um trabalho que procure respeitar os direitos dos trabalhadores, procurando não perder de vista o seu compromisso com o Projeto Ético Político da Profissão.

Iamamoto (1998) sugere que para a apreensão e enfrentamento do cenário atual, marcado pelos aspectos já tratados, faz-se necessário uma apropriação mais rigorosa da base teórico-metodológica para construir alternativas, sem desconsiderar o caráter interventivo da profissão, o que exige o aperfeiçoamento técnico operativo. Buscar o efetivo engajamento político nos movimentos sociais e reconhecimento da dimensão política da profissão.

Mais do que a execução de tarefas exige-se de todos os profissionais, incluindo o assistente social a participação na condução e otimização do processo na compreensão e solução de seus eventuais pontos de estrangulamento. Necessita de trabalhadores capazes de pensar, propor e planejar defendendo seu espaço de trabalho, atribuições e direitos profissionais.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANDRADE, Denise Barbosa Milward de. O processo de reestruturação produtiva e as novas demandas organizacionais do serviço social. Capacitação em Serviço Social e Política Social. Brasília: UNB, 1999, p.173-186.

ANTUNESRicardoOs sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 5ª Ed. São Paulo: Bom tempo Editorial, 2002.

CESAR, M. de J. A experiência do Serviço Social nas empresas. In: Capacitação em Serviço Social e política social. Módulo 2. Brasília: UNB, Centro de Educação Aberta, Continuada a Distância, 1999.

CESAR, M. de J. Serviço social e reestruturação industrial: requisições, competências e condições de trabalho profissional. In: MOTA, A. E. (org.). A nova fábrica de consensos. São Paulo: Cortez, 1998, p. 115-148.

IAMAMOTO, Marilda Vilela. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 2ª. São Paulo: Cortez, 1998

MOTA, Ana Elizabete; AMARAL, Ângela Santana do. Reestruturação do capital, fragmentação do trabalho e Serviço Social. In: Mota, Ana Elizabete (org.). A Nova Fábrica de Consensos. São Paulo: Cortez, 2008.

ORTIZ, Fátima Grave. Desafios Contemporâneos para o Serviço Social: algumas considerações. In: Libertas (Vol. 2 – Nº 1). Juiz de Fora/MG: Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Dez. 2007. 

SERRA, Rose M. S. Trabalho e Reprodução: enfoque e abordagens. São Paulo: Cortez; Rio de Janeiro: PETRES-FSS/UERJ, 2001.

Comentários