Solubilidade de sólidos em líquidos

Solubilidade de sólidos em líquidos

QFL 1100 - Química Geral e Inorgânica Básica

Relatório de química I

Solubilidade de sólidos em líquidos

Aluno: Bianca Sung Mi Kim 6810255

  1. Objetivos:

Estudar a variação da solubilidade do KNO3 em função da temperatura.

  1. Introdução

A temperatura é um fator importante para estudar a solubilidade de compostos. Em geral, os sólidos possuem uma dissolução endotérmica, ou seja, são favorecidos com o aumento da temperatura, e absorvem calor do meio. Na determinação da curva de solubilidade de um composto sólido, basta medir a temperatura de cristalização em soluções de concentrações diferentes. (Atkins et al., 2002).

  1. Parte experimental

3.1- Instrumentos

-Base universal e fixadores de vidraria;

-Balança

-Bico de Bunsen

-Bastão de vidro

-Termômetro

-Proveta 10 mL

-Béquer

3.2 – Compostos e materiais

- Nitrato de potássio (KNO3)

-Água destilada

3.3 – Procedimentos

1. Utilizando uma balança com um suporte, o tubo de ensaio (2x20cm) foi colocado e a balança zerada.

2. Foram pesadas 10,00g de KNO3 dentro do tubo de ensaio

3. Utilizando-se de uma proveta graduada, mediu-se 10 mL de água destilada que foi colocada ao tubo. Anotando o valor da temperatura antes e depois da adição.

4. Com um bico de bunsen e o béquer, aqueceu-se o tubo em banho de água quente. Enquanto estava aquecendo, foi utilizado o bastão de vidro para agitar a solução ate sua completa dissolução.

5. Após a dissolução completa, deixou-se a solução esfriar, retirando o bastão de vidro e colocando o termômetro agitando cuidadosamente. Quando o sal começou a cristalizar, foi medida a temperatura.

7. Todo o procedimento foi realizado novamente.

8. A temperatura de cristalização final é a média das temperaturas medidas nos dois experimentos.

  1. Resultado e Discussões

4.1- Resultados

1. Durante a experiência, a temperatura da água, antes de ser colocada no tubo de ensaio, era de 24,5oC, depois de uma dissolução parcial do sal, percebeu-se que a temperatura diminuiu para 20 oC, mostrando que a dissolução em si, absorveu calor do meio.

2. Executando o experimento com diferentes concentrações, mostrou-se que a dissolução do KNO3, não ocorre em temperaturas constantes, podendo assim montar o gráfico da curva de solubilidade em função da temperatura que se encontra anexo ao relatório.

3. O sal começou a sua cristalização, no primeiro experimento, a 48,5 oC, já no segundo a 49,0 oC, isso faz com que o resultado final seja 48,7 oC (média do resultado dos dois experimentos)

4.2- Discussões

A Tabela 1 mostra a curva de solubilidade do KNO3. A diferença entre os gráficos e devido a essas curvas forem construídas experimentalmente. Devido aos erros de transferência de volume ou de uma solução não conter apenas os elementos em estudo, gerou algumas temperaturas distintas. Fazendo com que o gráfico não obedeça piamente a todos os pontos que achamos.

(tabela 1 – “FÍSICO-QUÍMICA”, 2009)

  1. Conclusões

De acordo com a mudança de temperatura exposta na dissolução do KNO3 e no gráfico, pode-se concluir que a dissolução desse sal é endotérmica (como a maioria dos sólidos), porque no momento da dissolução, o sólido absorveu calor do sistema, o que explica a ligeira queda na temperatura, e conforme o gráfico mostra, quanto maior a temperatura, maior é a solubilidade.

  1. Referências bibliográficas

-Atkins, P; Jones, L. Princípios de química – questionando a vida moderna e o meio ambiente. 8, 443-445, 2002

-http://fsico-qumica.blogspot.com/2008/06/curvas-de-solubilidade.html “FÍSICO-QUÍMICA”. 14.04.2009

Comentários