(Parte 1 de 8)

NOME DA ESTAGIÁRIA: Janaina Desidério do Prado

MUNICÍPIO: Paraíba do SulESTADO: Rio de Janeiro
SÉRIE: 6º Ano de Escolaridade

INSTITUIÇÃO: Escola Municipal Norberto Leal Nº DE AULAS: 20 (04 aulas por semana) DURAÇÃO: 05 Semanas DATAS: DE 09/06/2009 a 14/07/2009 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE LÍNGUA PORTUGUESA- ENSINO FUNDAMENTAL I

•Mobilização do grupo para um fazer transformador e não apenas reprodutor. •Posicionamento individual construído a partir de uma visão crítica e ampla dos aspectos sociais capaz de promover no âmbito social um movimento de consciência, reflexão e mudança. •Mobilização do aluno para o trabalho em grupo de forma a valorizar as diferentes formas de pensar e produzir.

• Formação de cidadãos que exponham suas ideias com clareza,apresentando opiniões e argumentos pertinentes.

• Interação como elemento transformador do indivíduo e do grupo.

•Desenvolver a capacidade de comunicação através de diferentes linguagens

•Conhecer a diversidade de Gêneros Textuais •Desenvolver a expressão oral e a expressão escrita.

•Valorizar a adequação da linguagem.

•Compreender e interpretar as letras das músicas trabalhadas.

•Identificar o tema de qualquer texto apreciado.

•Analisar as relações textuais.

•Ampliar o universo vocabular. •Desenvolver as habilidades de leitura.

•Produzir frases e textos sobre os conteúdos da aula.

•Conhecer e empregar adequadamente o Artigo. •Ampliar o conhecimento sobre os Adjetivos.

•Reconhecer os Adjetivos e sua Classificação quanto à Formação,e suas Flexões.

•Conhecer algumas palavras que fazem papel do adjetivo - “LOCUÇÕES ADJETIVAS”
vivemos , e os objetos

•Identificar através de vídeos musicais, o uso dos adjetivos para expressar o modo como vemos as pessoas,o meio em que

•Outros Gêneros: texto audiovisual , letra de música,informativo,jornalístico,blogs
•ArtigoConceito

GÊNEROS PRIVILEGIADOS: Contos Populares ESTUDO DA LÍNGUA E LINGUAGEM

_ Identificação e Classificação:

•Adjetivos– Conceito, Identificação e Classificação quanto à Formação:

→Definido e Indefinido →SIMPLES e COMPOSTO

_ Identificação dos contextos de uso dos Adjetivos
•Flexões dos Adjetivos: →GÊNERO→NÚMERO →GRAU

→PRIMITIVO e DERIVADO •Locuções Adjetivas LEITURA E ANÁLISE DA LINGUAGEM • Valorização de textos da tradição oral.

• Análise da linguagem utilizada nas letras de músicas

•Identificação do ponto de vista do autor por meio de análise dos recursos expressivos.

•Estabelecimento de relações entre textos. LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL •Produção de história explicativa com as características básicas do conto popular.

• Re-escrita e avaliação do texto produzido.

Dia 09/06/09 - 02 Aulas de 5Omin. Cada
OBJETIVOS: Conhecer a diversidade de Gêneros Textuais , Desenvolver a expressão oral e a expressão escrita, Ampliar o universo vocabular,
Desenvolver as habilidades de leitura, Produzir frases e textos sobre os conteúdos da aula

CONTEÚDOS: Ampliação dos conhecimentos sobre “Contos Populares”, Valorização de textos da tradição oral, Estabelecimento de relações entre textos, Produção de história explicativa com as características básicas do conto popular, Re-escrita e avaliação do texto produzido 1ª AULA

1. 1.1. 1. Apresentação da Professora para os alunos.

2. 2.2. 2. Comentário sobre o tema da aula: •Indagar se já conhecem o Grupo Morandubetá

Grupo MorandubetáGrupo Morandubetá Grupo Morandubetá, se já ouviram uma de suas histórias.

• Falar que iremos conhecer um pouco do trabalho deste grupo,que desde 1990,tem estado em bibliotecas, escolas, hospitais, teatros, feiras de livros, museus, praças públicas, programas de rádio e de televisão, apresentando espetáculos, dando cursos e formando novos grupos de contadores de histórias.

•Perguntar : Que qualidades deve possuir um bom contador de histórias? Saber contar histórias,em sua opinião,é uma arte?Por quê?

Você sabe o que significa Morandubetá?

( É um nome tupi-guarani que significa COLEÇÃO DE HISTÓRIAS. )

Você gostaria de assistir a um espetáculo ou participar de um curso desse grupo?

3. 3.3. 3. Apresentação do espetáculo do Grupo,” A VELHA E O MACACO A VELHA E O MACACOA VELHA E O MACACO A VELHA E O MACACO”, através do vídeo retirado do site do Youtube .

Link: http://www.youtube.com/watch?v=JB6uY8MuYtE .

4. 4.4. 4. Comentar que o Grupo Morandubetá

Grupo MorandubetáGrupo Morandubetá Grupo Morandubetá,coleta histórias da tradição oral,e com base nessas vivências,incrementam suas Oficinas de

Contação de Histórias.E que da mesma forma,o escritor brasileiro Rogério Andrade Barbosa,utiliza-se desse recurso para escrever vários textos.Um deles,você vai ler agora,e foi escrito quando o autor esteve na África,pesquisando a cultura daquele continente.

Como o gato e o rato se tornaram inimigos Como o gato e o rato se tornaram inimigos Como o gato e o rato se tornaram inimigos Como o gato e o rato se tornaram inimigos

Naquela noite, a tempestade não deixou ninguém dormir na aldeia de Malafi. Na estação das coisa. Chovia torrencialmente dias e noites sem parar. Malafi, encolhido na sua esteira, não se lembrava de ter visto e ouvid raios e trovões assim.

Ao amanhecer, a trabalheira foi grande: tirar a lama de dentro d que tiveram os tetos arrancados pela força do vendaval e, o pior, reunir o gado que, assustado com os relâmpagos, tinha arreb os currais e fugido desesperado pelos campos afora.

Mais tarde, as crianças foram refugiar desfiando outra de suas intermináveis histórias.

No tempo em que os gatos e ratos ainda eram amigos, aconteceu uma grande os campos as florestas.

Um gato e um rato foram pegos de surpresa pela chuvarada enquanto colhiam mandioca. Ficaram ilhados no alto de um morro, não sabendo como voltar para a aldeia onde moravam. - E agora? - perguntou o gato.

- Tenho uma idéia - respondeu o rato. O bichano aprovou a proposta do companheiro e começaram imediatamente a preparar a improvisada embarcação com os talos de mandioca que haviam colhido durante o dia inteiro de trabalho.

Logo que a jangada ficou pronta, os dois lançaram cheio tinham de ir remando devagarinho.

Remaram e remaram até que o rato, morto de fome, resolveu comer um pedacinho da jangada. - O que você está fazendo?

- Estou com fome e por isso vou roer um bocadinho da jangada

- Nada disso! - gritou o parente da onça. Quando anoiteceu, cansado também de remar, soltou um miado e acabou dormindo. O dentuço aproveito colega e começou a roer. Roeu tanto, que terminou fazendo um buraco bem no meio da jangada e catimbum: afundaram! Por sorte estavam perto da margem. Com muito esforço chegaram em terra firme, e então, o dorminhoco, enfurecido, falou para o - Agora quem vai te comer sou eu, seu desastrado!

- Mas estou todo enlameado. Espere aqui um pouquinho que eu vou me lavar desaparecia pela sua toca adentro.

inimigos até hoje
MOMENTO DO TEXTO

Para se vingar, o outro esperou

Como o gato e o rato se tornaram inimigos Como o gato e o rato se tornaram inimigos Como o gato e o rato se tornaram inimigos Como o gato e o rato se tornaram inimigos

(Parte 1 de 8)

Comentários