Desenho técnico em empresas do ramo moveleiro

Desenho técnico em empresas do ramo moveleiro

DESENHO TÉCNICO EM EMPRESAS DO RAMO MOVELEIRO

Andressa Schuster de Miranda1

Shaiane Goi da Silva2

RESUMO

Este artigo trata-se da importância e evolução do desenho técnico no contexto geral e atribuído a empresas do ramo moveleiro. Abordamos esta evolução em vários aspectos, desde antigamente quando ainda não existia o desenho técnico propriamente dito até os dias atuais onde o desenho é elaborado através de softwares de alta tecnologia. Sendo assim, conclui-se que ao visitar as empresas Stylu’s Móveis Planejados e Esquadrias em Alumínio situada em Marau e Egel Romanzza Exclusivos situada em Carazinho ambas no Estado do Rio Grande do Sul, teve-se uma base de como são fabricados os móveis, como é feito todo esse processo desde a elaboração do projeto até a entrega do móvel, os principais requisitos para as empresas terem sucesso são ter um profissional apto para elaborar os projetos, fechar um contrato onde cliente e empresa estejam satisfeitos, ser inovador, e com isso estabelecer um diferencial competitivo, fazendo com que a empresa se torne mais forte diante das concorrentes.

Palavras chaves: Desenho Técnico. Móveis. Design. Geometria Descritiva.

Objetivo geral: Visitar e identificar a necessidade do uso do Desenho Técnico em empresas do ramo moveleiro.Objetivos específicos: Verificar a metodologia usada, como é o processo para o desenvolvimento do produto.

Caracterizar os softwares utilizados para o desenvolvimento do Desenho Técnico.

1 INTRODUÇÃO

Este trabalho foi proposto dentro da disciplina de Desenho Técnico e Geometria Descritiva pelo professor Fabio Redin do Nascimento no período 2010/2 dos cursos de Design e Engenharia de Produção.

O desenho técnico é a linguagem gráfica utilizada em indústrias para fabricação de produtos, contendo todas as informações necessárias para que o produto seja fabricado corretamente, estas informações estão dispostas de acordo com as regras da ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas que compõe regras internacionais para que o desenho seja entendido em qualquer lugar do mundo.

O desenho técnico é um desenho operativo, ou seja, após sua confecção segue-se uma operação de fabricação e/ou montagem. Desta forma, para fabricarmos ou montarmos qualquer tipo de equipamento ou construção civil, em todas as áreas da indústria, sempre precisaremos de um desenho técnico. (SPECK, 2001, p. 9)

Um projeto pré-estabelecido para produção de uma peça tem como base o desenho técnico que com a crescente tecnologia tem agilizado este processo por meio de programas gráficos que facilitam no cotidiano a viabilização do produto, mas nunca substituindo a criatividade e as inovações humanas, que por forma e exemplos rápidos gera um conceito que logo será desenvolvido e se tornará algo consistente, com uma série de preocupações para garantir a qualidade do produto apresentado.

2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

“Os móveis de casa ou ambiente de trabalho materializam a maneira de viver, as condições sociais e, inclusive, os hábitos da época. Isto pode ser percebido através do estilo, da qualidade, funcionalidade, originalidade, do conforto e da beleza”. (WÜNSCH, 2004, p. 12)

O simples ato de troca de um móvel permite perceber sua evolução, bem como o modo de viver do adquirente. Uma observação mais apurada nos possibilita muitas descobertas, como a evolução do seu processo produtivo consolidado com a indústria.

Os elementos de ordem econômico, climática, cultural e social refletem bastante principalmente no processo produtivo dos móveis.

Desde os tempos mais remotos existia-se a fabricação de móveis, mas, nem sempre com tantas características, e com tanta variedade de materiais.

Em épocas de colonização as pessoas procuravam construir móveis para o seu beneficiamento com a utilização dos recursos da natureza, como a madeira, não necessitavam gerar mais, pela falta de tempo, principalmente pela época de plantio e também de estradas com boas condições para mover estes até centros maiores. Usavam para esse tipo de produção instrumentos bem primitivos, como o machado feito a mão, não se preocupavam com o acabamento dos móveis, pois faziam somente o que necessitavam.

Depois surgiu o serramento mecânico movido a vapor, com o desenvolvimento de indústrias próprias para a criação de móveis, o qual estas se situam no contexto europeu de expansão do modo de produção capitalista, para o qual contribuiu a incorporação de forças naturais e científicas ao processo de produção ocasionando uma elevação no nível de produção que possibilitaram a substituição dos móveis “toscos” do princípio por móveis com mais características e com um aperfeiçoamento em seus acabamentos.

Assim com cada vez mais tecnologia dentro das empresas e indústrias, principalmente na área de projeto do móvel onde engloba também o desenho técnico, com a existência de profissionais dentro do processo produtivo que possibilitavam o desenvolvimento de fabricação dos móveis, por meio de projetos a mão com mais detalhes para que quando fossem a fabricação pudessem ser feitos poucos projetos para uma grande quantidade de móveis com as mesmas características, gerando uma produção em série, mas como os móveis se tornaram objetos também decorativos que carregam com si um pouco da personalidade dos donos, foi necessário que existissem profissionais que realizassem projetos exclusivos que se encaixassem com as necessidades, desejos e preferências dos clientes.

Segundo André Luís Policani Freitas, D.SC. Professor Associado da Universidade Estadual do Norte Fluminesce (UENF)

Nota-se que atualmente os consumidores estão consultando pessoas que já tenham experimentado um serviço/produto especifico, antes de adquiri-lo. Nestas circunstâncias é importante notar que os clientes não avaliam somente os aspectos tangíveis, de um produto/serviço, mas também os aspectos intangíveis a ele agregados.

Esses profissionais, a maioria das vezes arquitetos e designers fazem móveis utilizando informações aplicadas ao desenho técnico, também as características da pessoa e o local a ser aplicado esse móvel, assim iniciando um projeto principalmente a mão de forma antiga, que sempre estão presentes até hoje apesar dos avanços na tecnologia, esta forma estabelece uma maneira mais rápida de visualizar o projeto, e depois assim passando para programas computadorizados, com ferramentas específicas para a construção de móveis em três dimensões para uma melhor visualização e entendimento do cliente.

2.1 A Tecnologia em Projetos de Mobiliário

A maioria dos programas tem como base os métodos reais adaptados às máquinas, que entende que o profissional tenha um certo conhecimento destes.

Abordamos alguns programas e suas características para criação de desenhos e para quais tipos de trabalhos são utilizados: AutoCad, Promob e SketchUp, existem muitos outros programas alternativos não citados aqui que desempenham a mesma função ou pouco inferior a estes mas, também são utilizados por profissionais que se adaptaram ao seu modo de utilização, por escolha de facilidade no entendimento, agilidade, banco de dados e até mesmo interface e itens para utilização.

O AutoCAD É utilizado principalmente para a elaboração de peças de desenho técnico em duas dimensões (2D) e para criação de modelos tridimensionais (3D).

Além dos desenhos técnicos, o software vem disponibilizando, em suas versões mais recentes, vários recursos para visualização em diversos formatos. É amplamente utilizado em arquitetura, design de interiores, engenharia mecânica, engenharia geográfica e em vários outros ramos da indústria. (WIKIPÉDIA, 2010)

O software Promob suporta somente projetos tridimensionais (3D), causando um impacto maior nos clientes, pois acaba sendo o mais próximo da realidade.

O Promob é uma ferramenta de vendas para ambientes em 3 dimensões (3D), com recursos de criação, edição, geração de orçamentos e imagens fotorrealisticas. Além de ser fácil de utilizar, possui recursos avançados para elaboração do projeto que aceleram sua produtividade e ampliam o impacto de suas idéias. Com o Promob, a qualidade de todo processo de venda é melhorada, pois ele cria rapidamente projetos tridimensionais que atendem as expectativas e necessidades do seu clientes, acelerando o fechamento do negócio. (WIKIPÉDIA, 2010)

Assim como o Promob, o SketchUptambém trabalha somente com projetos tridimensionais (3D), ele possui um banco de dados com projetos feitos por outros usuários que o disponibilizam para troca de ideias e uso comum.

SketchUp é uma modelagem 3D programa projetado para arquitetos, engenheiros civis e mecânicos, bem como cineastas, desenvolvedores de jogos e profissões relacionadas. [...] Ele é projetado para ser mais fácil de usar do que outros programas em 3D. Uma característica do SketchUp é o Armazém 3D que permite a pesquisa de usuários do SketchUp para os modelos feitos por outros e contribuir modelos. (WIKIPÉDIA, 2010)

Percebe-se que há uma grande variedade de programas que podem ser utilizados para produzir e reproduzir móveis e outros objetos, cada profissional escolhe o seu de acordo com sua necessidade e conhecimento sobre o programa para ser manuseado com facilidade e agilidade.

2.2 Sobre os papéis utilizados

Segundo Wikipédia 2010, usualmente são utilizados papéis especiais de dimensionamentos normalizados para a confecção do desenho, dentre eles os mais usados são os da séries A que tem suas medidas em milímetros, veja suas principais dimensões :

A0 - 841 x 1189mm

A1 - 594 x 841mm

A2 - 420 x 594mm

A3 - 297 x 420mm

A4 - 210 x 297mm

A5 - 148 x 210mm

Não há na linguagem escrita ou falada uma capacidade de transmissão de informações tão rica e rigorosa como no Desenho e, no caso particular das informações que têm a ver com os diversos ramos da Engenharia, a forma mais clara de transmitir informação reside no Desenho Técnico. (MONTEIRO, 2005/2006, p. 01)

3 DESENHO TÉCNICO NAS EMPRESAS VISITADAS

Na visita as empresas percebemos que em primeiro contato com o cliente, são feitos croquis a mão sobre um papel, sendo que o cliente vai expressando sua necessidade ou desejo e ao mesmo tempo o projetista vai esboçando para se localizar entre os espaços e móveis para então poder passar para um software (2D) projetando uma planta para se ver exatamente onde e o que se pode fazer no espaço determinado, logo após é passado para um outro software que seja tridimensional (3D) para renderizar e ver mais realmente como ficaria no local desejado.

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Essa visita mostrou que cada vez mais, as empresas que utilizam o desenho técnico como meio de comunicação, estão deixando de lado materiais como, mesa de desenho, régua, compasso e estão utilizando softwares cada vez mais complexos, o que facilita e agiliza o trabalho dessas empresas, diminuindo as chances de ocorrer erros e facilitando o entendimento do desenho, fazendo também com que o próprio cliente já tenha uma noção quase realística de como ficaria o seu móvel

5 REFERÊNCIAS

FREITAS, André Luis Policani. A qualidade em Serviço no contexto da competitividade. André Luis Policani Freitas, Professor associado da Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF). Laboratório de Engenharia de Produção – Centro de Ciência e Tecnologia.

SPECK, Henderson José. Manual básico de Desenho Técnico. 2. ed. Florianópolis, Ed da UFSC, 2001.

WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre.AutoCAD. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/AutoCAD>. Acessado em: 7/12/2010.

WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre.Promob. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Promob>. Acessado em: 7/12/2010.

WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre.Sketchup. Disponível em: <http://en.wikipedia.org/wiki/Sketchup>. Acessado em: 7/12/2010.

WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre.Desenho Técnico. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Desenho_t%C3%A9cnico> Acessado em: 7/12/2010.

WÜNSCH, Paulo Roberto. Os móveis e seus pioneiros: Bento Gonçalves. Bento Gonçalves, Ed. Grafite Ltda, 2004.

1 Aluna do 2° semestre de Design pela Universidade Luterana do Brasil - ULBRA

2 Aluna do 2° semestre de Design pela Universidade Luterana do Brasil - ULBRA

Comentários