trabalho de PRAD PDF

trabalho de PRAD PDF

(Parte 1 de 3)

NATALIA SANTIAGO DE MENEZES Professora

NATALIA SANTIAGO DE MENEZES Professora

JULHO DE 2009 I

Projeto referente a um Plano de Recuperação de Áreas Degradadas apresentado a disciplina de Projeto Ambientais florestais, do curso Técnico em Meio Ambiente do IF Goiano-Campus Ceres

1-JUSTIFICATIVA04
2-INTRODUÇÃO05
3-OBJETIVOS06
3.1-Objetivo geral06
3.2-Objetivos específicos06
4-ATIVIDADES07
4.1-Avaliação das Áreas Degradadas07
4.1.1-Cobertura vegetal07
4.1.2-Tipos de degradação07
4.1.3-Condição do solo07
4.1.4-Identificação das áreas para recuperação07
4.2-Levantamento florístico07
4.3-Técnicas de restauração08
4.4-Modelo de recuperação08
4.4.1-Metodologia do reflorestamento08
5-MAPAS E CROQUIS DA ÁREA09
6-ESPECIES UTILIZADAS NA RECUPERAÇÃO10
7-INDICADORES DE RECUPERAÇÃO12
8-CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DO PROJETO13
9-ORÇAMENTO14

SUMARIO 10-REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...........................................................15

1-JUSTIFICATIVA

A recuperação de áreas degradadas torna-se cada vez mais, uma necessidade do ser humano.

Recuperar áreas antropicamente alteradas na busca de se amenizar os efeitos negativos da degradação na qualidade de vida da população aplicando medidas de recuperação.

Conscientizar a população sobre a necessidade da conservação dos recursos naturais e a legislação é de extrema importância para que projetos de recuperação de áreas degradadas realmente funcione.

O objetivo é a implantação do projeto de recuperação da mata ciliar de uma nascente que apresenta sérios danos causados pela ação de animais, esta nascente se encontra na Fazenda Tiúba município de Campos Verdes região norte do estado de Goias.

2-INTRODUÇÃO

Um dos maiores desafios enfrentados na atualidade refere-se a utilização racional dos recursos naturais. A degradação ambiental, motivada, principalmente, pelos avanços das fronteiras comerciais dificulta ainda mais a racionalização e sustentabilidade desses recursos. A recuperação de áreas degradadas é portanto, fundamental para a diminuição dos impactos nocivos causados pelo homem aos ecossistemas naturais.

O processo de ocupação do Brasil caracterizou-se pela falta de planejamento e conseqüente destruição dos recursos naturais. Ao longo da história do país, a cobertura florestal nativa, representada pelos diferentes biomas, vem sendo fragmentada, cedendo espaço para agricultura, pastagens e urbanização. Causando um conjunto de problemas ambientais, como a extinção da fauna e flora, mudanças climáticas locais, a erosão dos solos e o assoreamento dos cursos d'água.

As matas ciliares também são alvos da degradação no processo de urbanização e pressão antrópica por uma série de fatores, onde desrespeita a legislação, tornando obrigatória a preservação.

As matas ciliares funcionam como filtros, retendo defensivos agrícolas, poluentes e sedimentos que seriam transportados para os cursos d'água afetando em quantidade e a qualidade da água, e conseqüentemente a fauna aquática e a população humana. Também são importantes como corredores ecológicos, facilitando o deslocamento da fauna

A água é o recurso natural mais importante para humanidade, e as florestas ciliares continuam sendo eliminadas. É preciso que os produtores rurais e a população em geral seja conscientizada sobre a importância da conservação desta vegetação, além das técnicas de recuperação. O ideal é que todo o tipo de atividade antrópica seja bem planejada, e que a vegetação ciliar seja poupada de qualquer forma de degradação.

3-OBJETIVOS

Objetivo Geral- contribuir para o conhecimento técnico relacionado ao desenvolvimento de espécies nativas em plantios de recuperação de áreas degradadas . Objetivos Específicos

Efetuar o plantio de 1112 mudas nativas do Cerrado em uma area de nascente que apresenta degradação por pisoteio de animais de grande porte (bovinos e equinos. Etc). Prevenir a área de futuros processos de erosão e de lixiviação dos nutrientes.

Atrair a fauna nativa através do plantio de espécies frutíferas.

Cercar a área recuperada para evitar a entrada de animais de grande porte (bovinos, equinos, etc) que possam atrapalhar a recuperação da área. Recuperar a vazão normal da nascente.

4-ATIVIDADES

4.1-Avaliação das áreas degradadas

4.1.1-Cobertura vegetal- Observamos ao redor da fonte degradada que somente apresenta alguns fragmentos de vegetação nativa e no restante da área há presença de especies consideradas invasoras tais como: capim Braquiaria (Brachiaria humidicola), sangra d'água (croton urucurana), lobeira ( solanum lycocarpum).

4.1.2-Tipos de degradação- Desmatamento da Área de Preservação Permanente (APP), compactação do solo, nascente assoreada, inicio de processo erosivo.

4.1.3-Condição do solo- compactado, inicio de processo erosivo sofrendo perda de seus nutrientes através da lixiviação

4.1.4- Identificação das áreas para recuperação- a APP não se encontra isolada e preservada de acordo com o que manda a Legislação Ambiental e se encontra com grande presença de animais (bovinos e eqüinos), presença de plantas invasoras, solo parcialmente compactado e presença de pequenos fragmentos de especies vegetais nativas.

4.2-Levantamento florístico- foi realizado um levantamento florístico do local a ser recuperado e foi constatado a presença das seguintes especies:

Especie Grupo EcológicoTipo de solo

Embaúba (Cecropia pachystachia) Pioneira Encharcado/úmido

Sangra d'agua (Croton urucurana ) Pioneira Encharcado/úmido

Genipapo (Genipa americana) Secundaria inicialEncharcado ou inundado

Ingá (Inga edulis) Secundaria inicialEncharcado ou inundado

Copaíba (Copaifera langsdorffii) ClímaxBem drenado

Angico vermelho (Anadenanthera macrocarpa)

PioneiraBem drenado

Aroeira (Lithraea brasiliensis) Pioneira Encharcado/úmido

Pata de vaca (Bauhinia forficata) ClímaxÚmido ou bem drenado

Tabela: 1 especies encontradas no local.

4.3-Técnicas de restauração construção de terraços em nível;

isolamento da área;

controle de especies invasoras;

controle de formigas;

plantio das mudas para enriquecimento florístico;

adubação;

construção de aceiros nas cercas e manejo das mudas.

4.4-Modelo de recuperação

O modelo a ser implantado na recuperação da área será o método de reflorestamento heterogêneo utilizando espécies nativas do bioma Cerrado. 4.4.1-Metodologia do reflorestamento

As covas terão dimensões mínimas de 40 cm x 40 cm x 40cm, espaçadas entre si em cerca de 3m x 3m (cerca de 9m² por planta) que é a distância média entre árvores adulta nas matas naturais. As espécies serão combinadas de acordo com seu grupo ecológico (pioneiras, secundárias iniciais, secundárias tardias ou clímax), de tal forma que as espécies pioneiras e secundárias iniciais de rápido crescimento, venham a sombrear as mudas das espécies que se desenvolvem melhor à sombra (secundárias tardias e clímax). Será respeitada a tolerância das espécies a cada tipo de solo seja ele úmido/encharcado ou bem drenado. O plantio será realizado durante o período chuvoso para evitar gastos com irrigação e também perda de mudas.

5- MAPAS E CROQUIS DA ÁREA 9

6-ESPECIES UTILIZADAS NA RECUPERAÇÃO

(Parte 1 de 3)

Comentários