SENAI - Desenho mecânico

SENAI - Desenho mecânico

(Parte 1 de 5)

Espírito Santo _

Departamento Regional do Espírito Santo 3

CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção

Mecânica

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Espírito Santo _

4 Departamento Regional do Espírito Santo

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

© SENAI - ES, 1996

Trabalho realizado em parceria SENAI / CST (Companhia Siderúrgica de Tubarão)

Coordenação Geral

Supervisão

Elaboração Aprovação

Editoração

Francisco Lordes (SENAI) Marcos Drews Morgado Horta (CST)

Paulo Sérgio Teles Braga (SENAI) Rosalvo Marcos Trazzi (CST)

Evandro Armini de Pauli (SENAI) Fernando Saulo Uliana (SENAI)

José Geraldo de Carvalho (CST) José Ramon Martinez Pontes (CST) Tarcilio Deorce da Rocha (CST) Wenceslau de Oliveira (CST)

Ricardo José da Silva (SENAI)

SENAI - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial DAE - Divisão de Assistência às Empresas Departamento Regional do Espírito Santo Av. Nossa Senhora da Penha, 2053 - Vitória - ES. CEP 29045-401 - Caixa Postal 683 Telefone: (027) 325-0255 Telefax: (027) 227-9017

CST - Companhia Siderúrgica de Tubarão AHD - Divisão de Desenvolvimento de Recursos Humanos AV. Brigadeiro Eduardo Gomes, s/n, Jardim Limoeiro - Serra - ES. CEP 29160-972 Telefone: (027) 348-1322 Telefax: (027) 348-1077

Espírito Santo _

Departamento Regional do Espírito Santo 5

Identificação de vistas03
• Exercícios12
Supressão de vistas39
• Exercícios41

Sumário

Símbolos e Materiais43
Regras de Cotagem45
• Exercícios49
• Cotagem de Detalhes53
Símbolos e Convenções5
• Símbolos em Materiais Perfilados56
• Convenções para Acabamento de Superfície57
• Exercícios59
Indicação de estado de superfície63
• Rugosidade63
• Qualidade da superfície de acabamento71
• Interpretação72
• Exercícios74
Tolerância75
• Indicações de tolerância7
• Tolerância ISO (International Organization for Standardization)78
• Cotagem com indicação de tolerância82
• Exercícios87

Identificação e Leitura de Cotas, Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico - Avaliação..............................8

Espírito Santo _

6 Departamento Regional do Espírito Santo

Identificação de vistas

Uma peça que estamos observando ou mesmo imaginando, pode ser desenhada (representada) num plano. A essa representação gráfica se dá o nome de “Projeção”.

O plano é denominado “plano de projeção” e a representação da peça recebe, nele, o nome de projeção.

Podemos obter as projeções através de observações feitas em posições determinadas. Podemos então ter várias “vistas” da peça.

Tomemos por exemplo uma caixa de fósforos.

Para representar a caixa vista de frente, consideramos um plano vertical e vamos representar nele esta vista.

A vista de frente é, por isso, também denominada projeção vertical e/ou elevação.

Espírito Santo _

Departamento Regional do Espírito Santo 7

Reparemos, na figura abaixo, as projeções verticais ou elevações das peças. Elas são as vistas de frente das peças para o observador na posição indicada.

Voltemos ao exemplo da caixa de fósforos. O observador quer representar a caixa, olhando-a por cima.

Então usará um plano, que denominaremos de plano horizontal, e a projeção que representa esta “vista de cima” será denominada projeção horizontal vista de cima ou planta.

Espírito Santo _

8 Departamento Regional do Espírito Santo

A figura abaixo representa a projeção horizontal, vista de cima ou planta das peças, para o observador na posição indicada.

O observador poderá representar a caixa, olhando-a de lado. Teremos uma vista lateral, e a projeção representará uma vista lateral que pode ser da direita ou da esquerda.

Espírito Santo _

Departamento Regional do Espírito Santo 9

Reparemos que uma peça pode ter, pelo que foi esclarecido, até seus vistas; entretanto, uma peça que estamos vendo ou imaginando, deve ser representada por um número de vistas que nos dê a idéia completa de peça, um número de vistas essenciais para representá-la a fim de que possamos entender qual é a forma e quais as dimensões da peça. Estas vistas são chamadas de “vistas principais”.

Ao selecionar a posição da peça da qual se vai fazer a projeção, escolhe-se para a vertical, aquela vista que mais caracteriza ou individualiza a peça; por isso, é comum também chamar a projeção vertical (elevação) de vista principal.

As três vistas, elevação, planta e vista lateral esquerda, dispostas em posições normalizadas pela ABNT nos dão as suas projeções.

A vista de frente (elevação) e a vista de cima (planta) alinhamse verticalmente.

A vista de frente (elevação) e a vista de lado (vista lateral esquerda) alinham-se horizontalmente.

(Parte 1 de 5)

Comentários