(Parte 1 de 6)

PARTE 1 - INTRODUÇÃO

necessidades de todas as pessoas

1 – O PROBLEMA DA ESCASSEZ A escassez é o problema econômico central de qualquer sociedade. Se não houvesse escassez, tampouco haveria a necessidade de se estudar economia. Mas, por que existe a escassez? A escassez existe porque as necessidades humanas a serem satisfeitas através do consumo dos mais diversos tipos de bens (alimentos, roupas, casas etc.) e serviços (transporte, assistência médica etc.) são infinitas e ilimitadas, ao passo que os recursos produtivos (máquinas, fábricas, terras agricultáveis, matérias-primas etc.) à disposição da sociedade e que são utilizados na produção dos mais diferentes tipos de produtos são finitos e limitados, ou seja, são insuficientes para se produzir o volume de bens e serviços necessários para satisfazer as É preciso não confundir escassez com pobreza. Pobreza significa ter poucos bens. Escassez significa mais desejos do que bens para satisfazê-los, ainda que haja muitos bens. É preciso também não confundir escassez com limitação. Um bem pode ter sua oferta limitada. Entretanto, se esse bem não for desejado, se não houver procura por ele, ele não será escasso. Assim, o fenômeno da escassez está presente em qualquer sociedade, seja ela rica ou pobre. E verdade que para países como os Estados Unidos e a Suécia ela não é um problema tão grave como para países como a Somália e a Etiópia, em que sequer as necessidades básicas da população são satisfeitas. Mesmo assim, a escassez continua sendo um problema, uma vez que as aspirações por bens e serviços em geral superam a quantidade de bens e serviços produzidos pela sociedade. Da dura realidade da escassez decorre a necessidade da escolha. Já que não se pode produzir tudo o que as pessoas desejam, devem ser criados mecanismos que de alguma forma auxiliem as sociedades a decidir quais bens serão produzidos e quais necessidades serão atendidas.

distribuí-los entre as várias pessoas e grupos da sociedade, a fim de satisfazer as necessidades humanas”

2 - DEFINIÇÃO DE ECONOMIA Uma vez entendido o sentido econômico da escassez, podemos passar para a definição de Economia. Em termos etimológicos a palavra “economia” vem do grego oikos (casa) e nomos (norma, lei). Teríamos, então, a palavra oikonomia que significa “administração de uma unidade habitacional (casa)”, podendo também ser entendida como “administração da coisa pública” ou de um Estado. Em Economia estudamos as maneiras pelas quais os diferentes tipos de sistemas econômicos administram seus limitados recursos com a finalidade de produzir bens e serviços, objetivando satisfazer as ilimitadas necessidades da população. “Se o objetivo é atender ao máximo as necessidades da população e se os recursos são limitados, então a administração desses recursos tem de ser feita de maneira cuidadosa, econômica (parcimoniosa), racional e eficiente.” Em outras palavras, temos de “economizar” recursos. Podemos, então, definir Economia como “a Ciência Social que estuda como as pessoas e a sociedade decidem empregar recursos escassos, que poderiam ter utilização alternativa, na produção de bens e serviços de modo a

3 - SISTEMA ECONÔMICO

Um “Sistema Econômico” pode ser definido como a forma na qual uma sociedade está para desenvolver as atividades econômicas de produção, troca e consumo de bens e serviços. Toda economia opera segundo um conjunto de regras e regulamentos. Exemplificando, as firmas devem ter licenças específicas a fim de que possam produzir e vender seus produtos; os trabalhadores devem ser registrados em carteira. Essas são apenas algumas das regras existentes em nossa economia. Assim, todas as leis, regulamentos, costumes e práticas tomados em conjunto, e suas relações com os componentes de uma economia (firmas, famílias e governo), constituem o que denominamos “Sistema Econômico”.

4 - ALGUNS CONCEITOS BÁSICOS

4.1 Necessidades Humanas Entende-se por necessidade humana a sensação da falta de alguma coisa unida ao desejo de satisfazê-la. Sabemos, por experiência própria, que as pessoas necessitam de ar, água, alimentos, roupas e abrigo para que possam sobreviver. Sabemos, também, que não há limite à variedade e ao número das necessidades humanas. Para exemplificar, suponhamos que o leitor seja presenteado com uma “Lâmpada de Aladim” capaz de atender a todos os seus desejos. Se o leitor for um cidadão que tenha um padrão de comportamento semelhante ao da maioria das pessoas, com certeza vai imediatamente preparar uma lista impressionante de coisas que deseja. E o que conterá tal lista?

Inicialmente, talvez o leitor deseje coisas materiais. Por exemplo, roupas mais finas e variadas de grifes sofisticadas e caras, que jamais sonhou possuir; por certo, também desejará melhores tipos de alimentos, comparativamente àqueles que esteja habituado a consumir. E esse seria apenas o começo, uma vez que seu apetite terá apenas sido despertado. Passará então a desejar uma magnífica mansão, com belos jardins, piscinas, quem sabe até uma sauna e, na garagem, os mais modernos tipos de carro, prontos para serem utilizados. Prosseguindo, com certeza também vai querer uma casa na praia, com todo o conforto que a vida moderna pode proporcionar e, é claro, um belo iate. Naturalmente, o leitor não se esquecerá de um avião e de um helicóptero, que certamente agilizarão seus deslocamentos, evitando que perca tempo ao se transportar de um lado para outro. Viajar, freqüentar restaurantes sofisticados e badaladas casas noturnas figurarão, é claro, entre os desejos listados. O fato é que, quanto mais desejar o leitor, mais descobrirá coisas capazes de tornar a vida mais agradável, confortável. Entretanto, isso não é tudo. O leitor poderá desejar também outras coisas pessoais e imateriais, e que são igualmente importantes em matéria de qualidade de vida: sabedoria, autoconfiança, prestígio, paz, liberdade. Assim, se pedirmos para qualquer pessoa considerada “normal” por nossa sociedade uma lista do que desejaria ter ou ser, a extensão da lista ficaria além da nossa compreensão e cresceria dia a dia, desafiando a capacidade de contar de qualquer um. Por essa razão é que os economistas dizem que as necessidades humanas são ilimitadas. Além disso, não podemos nos esquecer de que as necessidades biológicas do ser humano renovam-se dia a dia, exigindo da sociedade a produção contínua de bens com a finalidade de atendê-las. Paralelamente, a perspectiva de elevação do padrão de vida e a evolução tecnológica fazem que “novas” necessidades apareçam, o que demonstra o fato de que as necessidades humanas são, realmente, ilimitadas. Por essa razão, sabemos que nem todas as necessidades humanas podem ser satisfeitas. E é esse fato que explica a existência da economia, cabendo ao economista o estudo do modo de satisfazer, tanto quanto possível, tais necessidades.

4.2 Bens e Serviços De modo geral, pode-se dizer que Bem é tudo aquilo que permite satisfazer uma ou várias necessidades

Quanto ao destino, os Bens Materiais classificam-se em Bens de Consumo e Bens de Capital

humanas. Por essa razão, um bem é procurado: porque é útil. Os bens são classificados, quanto à raridade, em Bens Livres e Bens Econômicos. Os Bens Livres são aqueles que existem em quantidade ilimitada e podem ser obtidos com pouco ou nenhum esforço humano. Nessa categoria estão a luz solar, o ar, o mar etc., que são bens porque satisfazem necessidades, mas cuja utilização não implica relações de ordem econômica. A principal característica dos Bens Livres é a de que não possuem preço (têm preço zero). Os Bens Econômicos, ao contrário, são relativamente escassos e supõem a ocorrência de esforço humano na sua obtenção. Tais bens apresentam como característica básica o fato de terem um preço (preço maior que zero). Quanto à natureza, os Bens Econômicos são classificados em dois grupos: Bens Materiais, ou bens propriamente ditos, e Bens Imateriais ou Serviços. Os primeiros são de natureza material, sendo, portanto, tangíveis, e a eles podemos atribuir características como peso, altura etc. Alimentos, roupas e livros são exemplos de bens materiais. Os Serviços, ao contrário, são intangíveis, ou seja, não podem ser tocados. Fazem parte dessa categoria de bens os cuidados de um médico, os serviços de um advogado, os serviços de transporte etc., que acabam no mesmo momento de sua produção. Isso significa que a prestação de serviços e sua utilização são praticamente instantâneas. Outra característica dos bens imateriais é a de que eles não podem ser estocados. Exemplificando: pode-se estocar bilhetes de metrô que dão ao seu possuidor o direito de viajar nesse meio de transporte; as viagens de metrô, entretanto, que são a própria prestação de serviço, não podem ser estocadas. Bens de Consumo são aqueles diretamente utilizados para a satisfação das necessidades humanas. Podem ser de uso não-durável, ou seja, que desaparecem uma vez utilizados (alimentos, cigarros, gasolina etc.), ou de uso durável, que têm como característica o fato de que podem ser usados por muito tempo (móveis, eletrodomésticos, etc.). Os Bens de Capital (ou Bens de Produção), por sua vez, são aqueles que permitem produzir outros bens. São exemplos de Bens de Capital as máquinas, computadores, equipamentos, instalações, edifícios etc. Tanto os Bens de Consumo quanto os Bens de Capital são classificados como Bens Finais, uma vez que já passaram por todos os processos de transformação possíveis, significando que estão acabados. Além dos Bens Finais existem ainda os Bens Intermediários, que são aqueles que ainda precisam ser transformados para atingir sua forma definitiva. A título de exemplo, podemos citar o fertilizante utilizado na produção de arroz, ou o aço, o vidro e a borracha utilizados na produção de carros. Os bens podem ser classificados ainda em Bens Privados e Bens Públicos. Os Bens Privados são os produzidos e possuídos privadamente. Como exemplo, temos os automóveis, aparelhos de televisão etc.

Os Bens Públicos referem-se ao conjunto de bens gerais fornecido pelo setor público: educação, justiça, segurança, transportes etc.

4.3 Recursos Produtivos Os Recursos Produtivos (também denominados fatores de produção) são elementos utilizados no processo de fabricação dos mais variados tipos de mercadorias, as quais, por sua vez, são utilizadas para satisfazer necessidades. O trabalho, a terra, as matérias-primas, os combustíveis, a energia e os equipamentos são, entre outros, exemplos de recursos produtivos.

• Terra (ou Recursos Naturais) É o nome dado pelos economistas para designar os recursos naturais existentes, ou dádivas da natureza, tais como florestas, recursos minerais, recursos hídricos etc. Compreende não só o solo utilizado para fins agrícolas, mas também o solo utilizado na construção de estradas, casas, etc. Na verdade, toda a natureza, a energia do Sol, os ventos, as marés, a gravidade da Terra são utilizados na produção de bens econômicos. A utilidade desses elementos vai variar em função de fatores como facilidade de extração, refino e transporte. O que devemos destacar é que a quantidade de recursos naturais, ou Terra, é limitada, até mesmo para as nações consideradas ricas.

• Trabalho É o nome dado a todo esforço humano, físico ou mental, despendido na produção de bens e serviços. Assim, constitui trabalho no sentido econômico o serviço prestado por um médico, o trabalho de um operário empregado na construção civil, a supervisão de um gerente de banco, o trabalho de um agricultor no campo. O tamanho da população estabelece para esse fator de produção um limite em termos de quantidade. Entretanto, importa também a qualidade do trabalho. Todos sabem que duas pessoas que trabalham oito horas por dia não são, necessariamente, igualmente produtivas. Por essa razão, em qualquer país, a qualidade e o tamanho da força de trabalho são limitados, isto é, a quantidade total do recurso denominado Trabalho também o é.

• Capital (ou Bens de Capital) Pode ser definido como o conjunto de bens fabricados pelo homem e que não se destinam à satisfação das necessidades através do consumo, mas que são utilizados no processo de produção de outros bens. O capital inclui todos os edifícios e todos os tipos de equipamento que podem ser utilizados na produção de bens. Exemplos de capital são computadores, máquinas, usinas, estradas de ferro, instalações fabris, mobiliários de escritórios e todos os tipos de equipamento utilizados na fabricação de bens e serviços.

• Capacidade Empresarial Alguns economistas consideram a “Capacidade Empresarial” também como um fator de produção. Isto porque o empresário exerce funções fundamentais para o processo produtivo. É ele quem organiza a produção, reunindo e combinando os demais recursos produtivos, assumindo, assim, todos os riscos inerentes à elaboração de bens e serviços. E ele quem colhe os ganhos do sucesso (lucro) ou as perdas do fracasso (prejuízo). Em algumas firmas o empresário pode ter uma dupla função e ser também o gerente; em outras, tal fato não ocorre. De qualquer maneira, a função empresarial é necessária na economia.

4.3.1 Os Recursos Produtivos São Limitados De maneira geral, pode-se dizer que os recursos produtivos apresentam como característica básica o fato de serem limitados ou escassos, ou seja, não existem em quantidade suficiente para produzir todos os bens desejados pela sociedade. Os recursos naturais, tais como recursos petrolíferos, terras adequadas para agricultura etc. não existem em quantidades infinitas. Por essa razão, até mesmo as nações mais ricas se ressentem da limitação de seus recursos naturais. Da mesma forma, em dado período de tempo, a quantidade de capital disponível para a produção também é limitada pelo número de máquinas, tratores, usinas, fábricas etc. existentes. Mesmo o trabalho, que é o fator de produção mais abundante e mais importante em qualquer sistema econômico, está limitado pelo número e pela qualidade de pessoas disponíveis para essa atividade.

4.3.2 Remuneração dos Proprietários dos Recursos Produtivos Qualquer que seja a firma, ela necessita, para operar, do concurso de recursos produtivos. Necessita, por exemplo, de um pedaço de terra; necessita também de bens de capital, que são bens utilizados para produzir outros bens; além disso, muitas vezes o empresário pode ter necessidade de dinheiro de terceiros para a compra de máquinas, matérias-primas, etc.; necessita, finalmente, de mão-de-obra ou força de trabalho para operar os bens de capital de modo a transformar os bens intermediários em novos produtos. O preço pago pela utilização dos serviços dos fatores de produção vai se constituir na renda dos proprietários desses fatores.

Segundo a definição de renda geralmente aceita, a renda ganha em um ano é o pagamento pelos serviços de fatores de produção durante o ano. Com relação ao fator trabalho, podemos dizer que o trabalhador é o proprietário desse recurso, e que a remuneração que ele recebe das firmas pela utilização que estas fazem desse recurso denomina-se salário (genericamente). Na verdade, a firma remunera o trabalhador pelo uso do seu tempo, e essa remuneração (salário) pode ser mensal, semanal etc. A renda do trabalhador, portanto, consiste no salário que ele recebe. Com relação ao fator de produção terra, o proprietário pode vender o direito de uso durante um mês, um ano, ou qualquer outro período que se estabeleça. Nesse caso, o preço pago pelo uso temporário da terra é chamado aluguel; Examinemos agora a renda do capital. Se uma firma alugar um torno e utilizá-lo no processo de produção, o valor do aluguel pago ao dono do torno é considerado um pagamento pelos serviços do bem de capital, sendo entendido como um pagamento de renda ao proprietário do torno. Imaginemos, então, outra situação. Suponhamos que os proprietários da firma sejam, eles mesmos, proprietários dos bens de capital. Nesse caso, a renda do capital é combinada com o lucro, e é paga aos proprietários da firma. Existe ainda outra maneira pela qual os proprietários de uma firma podem obter bens de capital sem pagar diretamente por eles. Em vez de alugar um bem de capital, uma firma pode fazer empréstimo e usar o dinheiro para comprar esse bem. Nesse caso pagará juros sobre o empréstimo, representando esse juro um pagamento pelo uso de capital, sendo considerado um pagamento pelos serviços de um fator de produção. O lucro, por fim, constitui-se na remuneração do recurso capacidade empresarial, uma vez que, como já dissemos, é o empresário quem organiza a produção, assumindo os riscos inerentes à elaboração de bens e serviços.

4.3.3 Agentes Econômicos Agentes econômicos são pessoas de natureza física ou jurídica que, por meio de suas ações, contribuem para o funcionamento do sistema econômico. São eles: • as Famílias (ou unidades familiares);

• as Firmas (ou unidades produtivas); e

• o Governo. As Famílias incluem todos os indivíduos e unidades familiares da economia e que, no papel de consumidores, adquirem os mais diversos tipos de bens e serviços, objetivando o atendimento de suas necessidades de consumo. Por outro lado, as famílias, na qualidade de “proprietárias” dos recursos produtivos, fornecem às firmas os diversos fatores de produção: Trabalho, Terra, Capital e Capacidade Empresarial. Como pagamento elas recebem salários, aluguéis, juros e lucro, e é com essa renda que compram os bens e serviços oferecidos pelas firmas. Tanto na compra desses bens como na venda dos serviços dos fatores de produção, as decisões da unidade econômica familiar são guiadas pelo propósito de maximizar a satisfação das necessidades. Firmas são unidades encarregadas de produzir e/ou comercializar bens e serviços. A produção é realizada por meio da combinação dos fatores produtivos adquiridos juntos às famílias. Tanto na aquisição de recursos produtivos quanto na venda de seus produtos, as decisões das firmas são guiadas pelo objetivo de se conseguir o máximo lucro. O Governo, por sua vez, inclui todas as organizações que, direta ou indiretamente, estão sob o controle do Estado, nas suas esferas federais, estaduais e municipais. Muitas vezes o governo intervém no sistema econômico atuando como empresário e produzindo bens e serviços através de suas firmas estatais; em outras, ele age como comprador — quando, além de contratar serviços, adquire materiais, equipamentos etc. —, tendo em vista a realização de suas tarefas; outras vezes, ainda, o governo intervém no sistema econômico por meio de regulamentos e controles com a finalidade de disciplinar a conduta dos demais agentes econômicos.

4.4 - Mercado Entende-se por mercado um local ou contexto em que compradores (que compõem o lado da procura) e vendedores (que compõem o lado da oferta) de bens, serviços ou recursos estabelecem contatos e realizam transações. O lado dos compradores é constituído tanto de consumidores, que são compradores de bens e serviços, quanto de firmas, que são compradoras de recursos (trabalho, terra, capital e capacidade empresarial) utilizados na produção de bens e serviços. Já o lado dos vendedores é composto pelas firmas, que vendem bens e serviços aos consumidores, e pelos proprietários de recursos (trabalho, terra, capital e capacidade empresarial), que os vendem (ou arrendam) para as firmas em troca de remuneração (salários, aluguéis etc.). É importante notar que, para fins de análise econômica, o conceito de mercado não implica, necessariamente, a existência de um lugar geográfico em que as transações se realizam. Na realidade, as mercadorias são vendidas segundo os mais diferentes dispositivos institucionais, tais como feiras, lojas, bolsas de valores etc., podendo o termo mercado aplicar-se a qualquer um deles. Basta, para isso, que compradores e vendedores de qualquer bem (ou serviço, ou recurso) interajam, resultando daí a possibilidade de comercializar esse bem.

4.5 Preços 4.5.1 Preços Absolutos (Monetários) Entende-se por preços absolutos aqueles relacionados a alguma unidade monetária; são preços tomados isoladamente, sem comparações com outros. Os preços absolutos são totalmente irrelevantes para a tomada de decisão até que, inconscientemente, nós os convertamos em preços relativos.

4.5.2 Preços Relativos Entende-se por preço relativo o preço de um bem em relação aos preços dos outros bens. Esse é o preço relevante em economia.

4.5.3 Preço de Mercado Ao nos referirmos a mercados, estamos falando da possibilidade de ocorrerem transações entre compradores e vendedores, ou seja, da possibilidade de mercadorias serem comercializadas a determinados preços. Se o mercado for competitivo, possivelmente um único preço vai prevalecer nesse mercado, e será chamado preço de mercado. Caso os mercados não sejam competitivos, poderá ocorrer de encontrarmos preços diferentes para o mesmo produto. Por exemplo, dois supermercados, localizados próximos um do outro, podem estar vendendo a mesma marca de sabão em pó a preços diferentes. Outro caso que pode ocorrer é uma empresa cobrar preços mais baixos para tentar conquistar clientes da concorrência. Assim, duas marcas de sabão em pó podem ser vendidas no mesmo supermercado a preços diferentes. Nesses casos, o preço de mercado será dado pela média do preço entre as marcas ou supermercados. O preço de mercado da maioria das mercadorias poderá sofrer alterações ao longo do tempo. Tais alterações, entretanto, poderão ser rápidas, particularmente quando se trata de mercadorias vendidas em mercados competitivos. Como exemplo, podemos citar os preços de commodities, tais como o café, o açúcar, a soja, o trigo, cujos preços podem variar (subir ou descer) de maneira significativa ao longo de um dia, de um dia para outro ou de uma semana para outra.

4.6 Fluxos e Estoques Geralmente, em Economia, tratamos de coisas que podem ser mensuradas. Podemos, a título de exemplo, mensurar o preço de um produto, o volume de mercadorias produzido por uma fábrica ou o número de pessoas empregadas em um país. Definiremos, então, como variável qualquer mensuração capaz de variar. Assim o preço de um produto será considerado variável se puder aumentar ou diminuir, ou seja, caso não seja tabelado; da mesma forma, a produção de uma fábrica será considerada variável se puder expandir-se ou contrair-se; ou ainda o nível de emprego será considerado variável caso o número de pessoas empregadas possa sofrer uma elevação ou um decréscimo. Devemos observar também que o fato de essas magnitudes serem variáveis não implica que deverão mudar, mas apenas que podem mudar. As variáveis de fluxo são medidas dentro de intervalos de tempo. As variáveis de estoque, por sua vez, são medidas em pontos (ou momentos, ou instantes específicos) do tempo.

4.7 Renda e Riqueza É importante que façamos a distinção entre renda e riqueza. Renda é aquilo que você ganha em um determinado período de tempo — $ 2.0 por mês ou $ 24.0 por ano. A riqueza, por sua vez, é constituída pelo valor total das coisas que você possui (dinheiro em mãos, dinheiro em contas bancárias, ações, conjunto de bens que constituem seu patrimônio — propriedades, obras de arte etc.) menos tudo o que você deve (hipotecas de residências, débitos em cartões de crédito, empréstimos pessoais e assim por diante).

PARTE 2 - QUESTÕES ECONÔMICAS FUNDAMENTAIS

1 – QUESTÕES ECONÔMICAS Como vimos anteriormente, a sociedade não dispõe de recursos produtivos em quantidade suficiente para produzir tudo o que a população deseja. Assim é que toda sociedade, qualquer que seja sua organização política, se defronta com três questões econômicas básicas decorrentes do problema de escassez: a) O que e quanto produzir? Já que não se pode produzir a quantidade desejada pela sociedade dos mais diversos tipos de bens e serviços, a sociedade deve escolher entre as várias alternativas, quais bens e serviços serão produzidos e em que quantidade. Devemos produzir mais automóveis do que roupas? Mais roupas e menos alimentos? Quanto de roupas e quanto de alimentos? b) Como produzir? Em segundo lugar, a sociedade tem de decidir a maneira pela qual o conjunto de bens escolhido será produzido. Normalmente os bens podem ser obtidos mediante diferentes combinações de recursos e técnicas. Nesse sentido, deve-se optar pela técnica que resulte no menor custo por unidade de produto a ser obtido. c) Para quem produzir? Uma vez decidido que bens produzir e como produzi-los, a sociedade tem que tomar uma terceira decisão fundamental: quem vai receber esses bens e serviços? Sabemos que a produção total de bens e serviços deverá ser distribuída entre os diferentes indivíduos que compõem a sociedade. De que maneira essa distribuição ocorrerá? Será que todas as pessoas receberão a mesma quantidade de bens e serviços? Ou será que a distribuição de bens e serviços será feita segundo a contribuição de cada um à produção? Ou a cada um segundo a sua necessidade?

2 - A CURVA DE POSSIBILIDADES DE PRODUÇÃO: UMA ILUSTRAÇÃO DO PROBLEMA DA ESCASSEZ E DA ESCOLHA

2.1 Introdução A análise das ilimitadas necessidades humanas e da escassez de recursos empreendida até aqui conduz à conclusão de que a Economia é uma Ciência ligada a problemas de escolha. Esse fato pode ser exemplificado através da utilização de gráficos e de exemplos aritméticos. Para fins de simplificação, discutiremos o dilema da opção e suas possíveis soluções aplicados a um empreendimento agrícola. Três hipóteses básicas são necessárias para que possamos desenvolver o modelo da “Curva de Possibilidades de Produção”: • Existência de urna quantidade fixa de recursos. A quantidade e a qualidade dos recursos produtivos permanecem inalteradas (constantes) durante o período da análise. • Existência de pleno emprego dos recursos. A economia opera com todos os fatores de produção plenamente empregados e produzindo o maior nível de produto possível. • A tecnologia permanece constante.

2.2 Uma Fazenda e sua Fronteira de Possibilidades de Produção Consideremos inicialmente uma fazenda com uma determinada extensão de terra, um conjunto de instalações, máquinas e equipamentos e um número fixo de trabalhadores. Consideremos ainda que o proprietário dessa fazenda possua qualificações técnicas que lhe permitam se dedicar a qualquer tipo de atividade agrícola. Ao decidir o que e como produzir, o fazendeiro estará decidindo a maneira pela qual os seus recursos produtivos serão distribuídos entre as várias combinações de bens possíveis. Quanta terra será destinada à pastagem? E à produção de soja? Será conveniente utilizar parte da área destinada à lavoura de soja e parte para o plantio de milho? Por que não introduzir também a cultura de arroz? De que modo os empregados serão utilizados nas várias atividades? Como a análise simultânea de tais problemas é bastante complicada, vamos, para simplificar, supor que essa fazenda só produza dois tipos de bens: milho e soja. Se o fazendeiro utilizar toda a terra para cultivar milho, não haverá área disponível para o plantio de soja. Por outro lado, se ele quiser se dedicar somente à cultura de soja, utilizando-se de toda a sua propriedade para este fim, não poderá plantar milho. Estamos diante de duas opções extremas. Existirão soluções alternativas intermediárias, com a utilização de parte das terras para o plantio de soja, ficando a fração restante para a cultura de milho. As várias possibilidades de produção podem ser ilustradas através de um exemplo numérico.

Quadro 1: Possibilidades de produção de uma fazenda

Suponhamos, então, que o fazendeiro decida utilizar toda a sua propriedade (e demais recursos) no cultivo de milho. Nesse caso será possível produzir no máximo 8.0 quilos de milho (alternativa A) e nenhuma quantidade de soja. No outro extremo, imaginemos que todos os recursos (terra, trabalhadores etc.) sejam investidos na produção de soja. Nesse caso, o volume máximo a ser produzido seria de 5.0 quilos, enquanto a produção de milho será zero (alternativa F). O Quadro 1 nos fornece uma escala numérica, com algumas possibilidades intermediárias (B, C, D, E), que refletem a disposição do produtor de optar pela produção conjunta de ambos os bens. Devemos observar que na hipótese de plena utilização da terra (e demais recursos), aumentos na produção de soja ocorrerão somente mediante utilização das áreas destinadas à cultura do milho. Logo, reduz-se a produção de milho em benefício da lavoura de soja. Vamos, a seguir, representar graficamente a escala de possibilidades de produção entre milho e soja (Figura 1). O ponto A indica uma situação em que toda a terra está sendo utilizada na produção de milho. Nesse caso, a produção de soja é zero. O ponto F indica o outro extremo, ou seja, quando toda a terra é usada exclusivamente para plantar soja; logo, a produção de milho é nula. Os pontos B, C, D e E indicam possíveis combinações intermediárias ao alcance do produtor na hipótese de a terra (e demais recursos) estar sendo plenamente utilizada. Podemos, agora, unir os pontos de A até F. A linha resultante denomina-se Curva de Possibilidades de Produção (ou Fronteira de Possibilidades de Produção) e nos mostra todas as combinações possíveis entre milho e soja que podem ser estabelecidas, quando todos os recursos disponíveis estão sendo utilizados (significando estar havendo pleno emprego de recursos). A Figura 2 nos fornece a representação gráfica desse nosso exemplo.

2.2.1 Eficiência Produtiva No nosso exemplo, a fazenda estará funcionando de maneira eficiente sempre que, ao aumentarmos a produção de um bem, tivermos de reduzir a produção de outro bem. Assim, teremos eficiência produtiva somente se estivermos situados sobre a fronteira (ao longo da linha AF), na qual aumentos na produção de soja deverão vir, necessariamente, acompanhados de diminuições na produção de milho. Imaginemos, então, que a fazenda esteja operando no ponto D. Nesse ponto são produzidos 5.0 quilos de milho e 3.0 quilos de soja. Se o fazendeiro optar por um aumento na produção de soja, a fazenda poderá passar a operar, por exemplo, no ponto E, no qual serão produzidos 4.0 quilos de soja. Entretanto, esse aumento de produção (de 3.0 para 4.0 quilos) só será possível se parte dos recursos (como, por exemplo, parte das terras), anteriormente destinada à produção de milho, for desviada para a produção de soja. Conseqüentemente haverá uma diminuição na produção de milho, de 5.0 para 3.0 quilos.

2.2.2 Custo de Oportunidade Se a fazenda estiver usando eficientemente seus recursos (o que indica uma situação de pleno emprego), um aumento na produção de soja somente ocorrerá mediante diminuição na produção de milho. Assim, o custo de um produto poderá ser expresso em termos da quantidade sacrificada do outro. Custo de Oportunidade é expressão utilizada para exprimir os custos no que se refere às alternativas sacrificadas. Ainda de acordo com o nosso exemplo, se estivermos no ponto C da curva (6.500 quilos de milho e 2.0 quilos de soja) e quisermos passar para o ponto D, aumentando a produção de soja para 3.0 quilos, esse aumento só será conseguido mediante o sacrifício de 1.500 quilos de milho. O Custo de Oportunidade desses 1.0 quilos adicionais de soja será dado pelos 1.500 quilos de milho a serem sacrificados. Seguindo essa linha de raciocínio, o Custo de Oportunidade de se aumentar a produção de soja de 3.0 para 4.0 quilos (passagem do ponto D para o ponto E da curva de possibilidades de produção) será de 2.0 quilos de milho. Sintetizando, para que tenhamos a ocorrência de Custo de Oportunidade é preciso não só que os recursos sejam limitados, mas que estejam sendo plenamente utilizados. Qualquer que seja o movimento ao longo da curva de possibilidades de produção haverá uma “troca” entre soja e milho. Essa “troca” é conhecida em economia como Custo de Oportunidade. O Custo de Oportunidade é definido como o valor da próxima melhor alternativa que deve ser sacrificada quando uma escolha é feita. Aprendemos desde muito cedo que as pessoas têm de fazer escolhas porque existe a escassez. Devido às nossas ilimitadas necessidades em face dos limitados recursos existentes, algumas dessas necessidades não serão satisfeitas. Devemos, então, fazer escolhas. O maior valor da oportunidade ou alternativa não escolhida vem a ser o que chamamos custo de oportunidade. Toda vez que fazemos uma escolha, incorremos em um custo de oportunidade. Você pode, por exemplo, fazer uma escolha: jogar futebol. Ao fazer essa escolha, você negou a si mesmo os benefícios que obteria ao fazer qualquer outra atividade. Certamente, você estará deixando de lado uma série de outras coisas que também gostaria de fazer: ler um livro, ir ao cinema, assistir a uma novela na televisão etc. Qualquer coisa que você escolha fazer ao decidir não jogar futebol é o seu custo de oportunidade de jogar futebol. Exemplificando: se você optar por ir ao cinema em vez de jogar futebol — supõe-se que ao não jogar futebol você optou por aquilo que considera a próxima melhor alternativa, uma vez que age racionalmente, e não iria escolher uma alternativa pior —, então o custo de oportunidade de jogar futebol é ir ao cinema.

2.2.3 Desemprego Pode acontecer, muitas vezes, que a fazenda esteja produzindo abaixo de suas possibilidades. Isso pode ocorrer porque os recursos produtivos estão ociosos (terras inativas, trabalhadores desocupados). Essa situação é representada pelo ponto G no interior da curva de possibilidades de produção (Figura 2). Nesta hipótese, a produção de milho ou a de soja ou ambas podem ser aumentadas até alcançar a curva, simplesmente utilizando o serviço dos fatores ociosos. Fazendo assim poderemos, por exemplo, passar ou de G para o C (com a mesma produção de soja e uma quantidade maior de milho), ou de G para E (com a mesma quantidade de milho e uma produção maior de soja) ou então de G para D, quando então teremos uma produção maior de ambos os bens. Em contraposição, pontos situados além da curva, tais como o ponto H, são inatingíveis, uma vez que envolvem uma combinação de milho e soja que a fazenda, em virtude dos recursos e tecnologia disponíveis, não pode produzir. Conclui-se, portanto, que pontos situados além da fronteira só poderão ser alcançados mediante aumento na disponibilidade de fatores de produção (a incorporação de novas terras, por exemplo) e/ou mediante evolução tecnológica (a introdução de sementes melhoradas, por exemplo) que permita aumento nas possibilidades de produção com os mesmos recursos produtivos.

3 - ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA

3.1 Introdução As soluções para os problemas centrais de uma sociedade vão depender, fundamentalmente, do tipo de organização econômica vigente. De maneira geral, pode-se dizer que são três as formas pelas quais a sociedade organiza sua economia, a fim de resolver os problemas de o que, como e para quem produzir: economia de mercado (ou de livre-empresa), economia planificada centralmente e economia mista.

3.2 Economia de Mercado O sistema de Economia de Mercado é típico das economias capitalistas, as quais têm a propriedade privada dos meios de produção, tais como fábricas e terras, e sua operação, tendo por objetivo a obtenção de lucro, sob condições em que predomine a concorrência. Em uma economia baseada na propriedade privada e na livre iniciativa, os agentes econômicos (indivíduos e empresas) preocupam-se em resolver isoladamente seus próprios problemas, tentando sobreviver na concorrência imposta pelos mercados. Nesse tipo de sistema econômico, os consumidores e empresas, agindo individualmente, interagem através dos mercados, acabando por determinar o que, como e para quem produzir.

3.2.1 O Sistema de Preços Em uma Economia de Mercado a ação conjunta de indivíduos e firmas permite que milhares de mercadorias sejam produzidas de maneira espontânea, sem que haja uma coordenação central das atividades econômicas. Na verdade, existe um mecanismo de preços automático e inconsciente, que trabalha garantindo o funcionamento do sistema econômico, dando a ele uma ordenação, de maneira tal que tudo é realizado sem coação ou direção central de qualquer organismo consciente. Para se ter uma idéia, tomemos como exemplo a cidade de São Paulo: milhares de mercadorias abastecem a cidade diariamente, sem que para isso exista o comando de qualquer organismo consciente. A esse mecanismo de preços automático e inconsciente é que se dá o nome de “Sistema de Preços”. E como funciona o sistema de preços? Vimos anteriormente que todos os bens econômicos têm seu preço. Em um mercado livre, caracterizado pela presença de um grande número de compradores e vendedores, os preços refletem as quantidades que os vendedores desejam oferecer e as quantidades que os compradores desejam comprar de cada bem. Para exemplificar, suponhamos que por um motivo qualquer as pessoas passem a desejar uma quantidade maior de calçados. Se a quantidade disponível de calçados for menor que a quantidade procurada, então haverá uma disputa entre os compradores para garantir a aquisição desse bem. Isso fará que o preço do calçado acabe se elevando, em parte porque as pessoas se dispõem a pagar mais pelo produto, em parte porque os produtores, percebendo o grande interesse pela sua mercadoria, acabam por elevar-lhe o preço. A elevação de preço acabará por excluir os que não dispõem de recursos para pagar preços mais altos. Com a alta do preço, os produtores de calçados serão estimulados a aumentar a produção. Se esse aumento na produção for muito grande, poderá haver excesso de calçados no mercado, além da quantidade procurada. Como conseqüência haverá uma concorrência entre os produtores, a fim de desovar o excesso de mercadoria. Essa concorrência provocará diminuição no preço. Um preço mais baixo estimulará o consumo de calçados, e os produtores procurarão ajustar a produção à quantidade adequada. Em uma Economia de Mercado, tanto os bens e serviços quantos os recursos produtivos têm seus preços e quantidades determinados pelo livre jogo da oferta e da procura, ou seja, pela livre competição. Do confronto entre oferta e procura resulta um preço, e é esse preço que exerce uma função econômica básica. E ele que, por suas variações, orienta a produção e o consumo. O mecanismo de preços é, portanto, um vasto sistema de tentativas e erros, de aproximações sucessivas, para alcançar o equilíbrio entre oferta e procura. O desejo das pessoas determinará a dimensão da procura, enquanto a produção das firmas determinará a dimensão da oferta. O equilíbrio entre a oferta e a procura será atingido pela flutuação do preço. O que é verdade para mercados de bens e serviços também o é para mercados de recursos produtivos (Terra, Trabalho, Capital e Capacidade Empresarial). Assim, se houver maior necessidade de engenheiros do que de advogados, as oportunidades de emprego serão mais favoráveis aos primeiros. O salário dos engenheiros tenderá a aumentar e o dos advogados, a diminuir. Em uma economia complexa e interdependente, as pessoas não conseguem dizer diretamente aos produtores o que desejam consumir. O mecanismo de mercado fornece, através dos preços, uma forma de comunicação indireta entre consumidores e produtores, possibilitando uma adaptação da produção às necessidades de consumo; possibilita, ao mesmo tempo, uma adaptação do consumo à escassez relativa dos diferentes tipos de bens e serviços.

3.3 Economia Planificada Centralmente Essa modalidade de organização econômica é típica dos países socialistas, em que prevalece a propriedade estatal dos meios de produção. Nesse tipo de sistema as questões de “o que”, “como” e “para quem” produzir não são resolvidas de maneira descentralizada, por meio de mercados e preços, mas pelo planejamento central, em que a maior parte das decisões de natureza econômica é tomada pelo Estado. A ação governamental se faz presente por meio de um órgão central de planejamento, a quem cabe elaborar os planos de produção de todos os setores econômicos. Tais planos são elaborados a partir de um levantamento não só das necessidades a serem atendidas, como também dos recursos e técnicas disponíveis para a produção, a fim de dimensionar o que cada firma, seja ela agrícola, comercial ou industrial, pode realmente produzir. Identificadas as disponibilidades existentes, fixam-se as metas de produção, ou seja, as quantidades a serem produzidas de cada bem. Procura-se, na medida do possível, atender às necessidades de consumo da sociedade. Equaciona-se, dessa forma, a questão “o que e quanto” produzir. Cabe, da mesma forma, ao órgão de planejamento determinar os processos de produção a serem utilizados. Fica então resolvida a questão “como produzir”. A questão “para quem produzir”, que trata da maneira pela qual a produção total de bens e serviços será distribuída entre os indivíduos, é também resolvida pelo órgão de planejamento, a quem cabe determinar os salários dos diferentes tipos de profissão. Nesse tipo de economia, o “Sistema de Preços” tem por finalidade facilitar ao Estado atingir os seus objetivos de produção. Assim sendo, os preços são meros recursos contábeis que ajudam a controlar a eficiência com que os produtos são fabricados, tendo como referência firmas de eficiência “média”. Exemplificando, as firmas têm cotas de matérias-primas; entretanto, nenhum pagamento é realizado, sendo os valores de aquisição registrados como custos de produção. Dessa forma, caso alguma firma esteja produzindo de forma ineficiente, os prejuízos financeiros acusarão tal fato. Caso contrário, surgirão os lucros. Sintetizando, a fixação dos preços dos recursos pelo Estado permite que se estruture uma contabilização dos custos de produção, capacitando-o a julgar o desempenho das firmas. Devemos observar que, se em uma economia de mercado o “Sistema de Preços” serve como elemento sinalizador do comportamento tanto de consumidores quanto de empresários, em uma economia centralizada a expansão e a contração industrial são determinadas pelo Estado, e não pelo mecanismo de preços. Assim sendo, se o governo deseja estimular determinada indústria, ele pode fazê-lo, mesmo que essa indústria seja ineficiente e apresente prejuízos. Alternativamente, pode o governo decretar o fechamento de uma indústria eficiente, mesmo que ela venha obtendo lucros. Em uma economia centralizada, os preços são utilizados para auxiliar a distribuição de diversos produtos. Nesse tipo de sistema é o próprio governo que determina os diversos preços dos bens de consumo, evitando assim que ele seja obrigado a lançar mão de mecanismos de racionamento. Pode, então, haver diferença entre o custo de produção de um produto e seu preço de venda. Exemplificando, suponhamos que o custo de um aparelho de televisão seja de $ 500. Se houver uma procura muito grande por esse tipo de bem, o governo pode estabelecer seu preço em $ 800. Dessa forma, o equilíbrio entre oferta e demanda pode ser restabelecido, evitando-se, então, o mecanismo de racionamento.

3.4 Economia Mista Na realidade, as organizações econômicas descritas anteriormente (Economia de Mercado e Sistema de

Planejamento Central) nunca existiram em sua forma mais pura. O que se observa nos diversos países é uma mescla desses dois sistemas que ora se aproxima de um tipo de organização, ora de outro, conforme o grau da participação do Estado na economia. Nos sistemas de economia mista, uma parte dos meios de produção pertence ao Estado (firmas públicas) e a outra parte pertence ao setor privado (firmas privadas). Nesse tipo de sistema cabem ao Estado a orientação e o controle de muitos aspectos da economia. Para tanto, ele se utiliza das firmas públicas e de outros instrumentos a sua disposição, tais como a legislação, a tributação etc.

PARTE 3 - DEMANDA, OFERTA E EQUILÍBRIO DE MERCADO

1 – A DEMANDA

1.1 - Conceito de Demanda Individual A demanda (ou procura) de um indivíduo por um determinado bem (ou serviço) refere-se à quantidade desse bem que ele deseja e está capacitado a comprar, por unidade de tempo. Três elementos devem ser destacados nessa definição: 1) A demanda é uma aspiração, um desejo, e não a realização do desejo. A demanda é um desejo de comprar (um bem, um serviço). A realização do desejo se dá pela compra do bem desejado. Logo, não se pode confundir demanda (ou procura) com compra. 2) Para que haja demanda por um bem (ou serviço) é preciso que o indivíduo esteja capacitado a pagar por esse bem. Em outras palavras, é preciso que ele tenha renda que lhe permita participar do mercado desse bem. Na realidade, nem todo desejo do consumidor se manifesta no mercado sob a forma de demanda. O desejo de um consumidor comprar um bem somente influirá no preço de mercado desse bem se tal desejo puder ser traduzido em uma demanda monetária para o bem em questão. Em Economia, demanda significa desejo apoiado por dinheiro suficiente para comprar o bem desejado. 3) A demanda é um fluxo por unidade de tempo, ou seja, devemos expressar a procura por uma determinada quantidade em um determinado período de tempo. Assim, se dissermos que João deseja adquirir 20 litros de leite, e que essa é sua procura estaremos incorrendo em erro, uma vez que não teremos especificado a unidade de tempo em que João deseja comprar os litros de leite (se por dia, semana, a ano, ou outra unidade de tempo qualquer). Para que a informação esteja correta é preciso que se diga que João deseja adquirir 20 litros de leite por mês (ou outra unidade de tempo qualquer) sendo esta, então, a sua procura de leite.

1.2 - Elementos que Influenciam a Demanda do Consumidor Feitas estas observações, devemos identificar quais os elementos que influenciam a demanda do consumidor por um determinado bem (ou serviço).

a) A Demanda o preço do bem A quantidade demandada (procurada) de um bem é influenciada por seu preço. Normalmente é de se esperar que quanto maior for o preço de um bem, menor deverá ser a quantidade que o consumidor desejará adquirir desse bem; inversamente, quanto menor for o preço, maior deverá ser a quantidade que o consumidor desejará adquirir desse bem.

(Parte 1 de 6)

Comentários