segurança do trabalho senai

segurança do trabalho senai

(Parte 1 de 13)

Espírito Santo _

Departamento Regional do Espírito Santo1

CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção Instrumentação

Procedimento de Segurança e Higiene do Trabalho

Espírito Santo _

2Companhia Siderúrgica de Tubarão

Procedimento de Segurança e Higiene do Trabalho - Instrumentação

© SENAI - ES, 1999

Trabalho realizado em parceria SENAI / CST (Companhia Siderúrgica de Tubarão)

SENAI - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial CETEC-AF – Centro de Educação e Tecnologia Arivaldo Fontes Departamento Regional do Espírito Santo Av. Marechal Mascarenhas de Moraes, 2235 Bento Ferreira - Vitória - ES. CEP 29052-121 Telefone: (027) 334-5211 Telefax: (027) 334-5217

CST - Companhia Siderúrgica de Tubarão Departamento de Recursos Humanos AV. Brigadeiro Eduardo Gomes, s/n, Jardim Limoeiro - Serra - ES. CEP 29160-972 Telefone: (027) 348-1286 Telefax: (027) 348-1077

Espírito Santo _

Departamento Regional do Espírito Santo3

Segurança e Higiene do Trabalho05
• Introdução05
Acidente do Trabalho06
• D efinição06
• Por que o Acidente do Trabalho deve ser evitado07
• Identificação das Causas do Acidente08
• Classificação do Acidente1
• P adrão Operacional12
Equipamento de Proteção13
• Introdução13
• Equipamento de Proteção Coletiva13
• Equipamento de Proteção Individual14
Riscos Ambientais21
• Introdução21
• Classificação dos Riscos21

Sumário

danos à Saúde2
• Vias de Entrada dos Materiais Tóxicos no Organismo23
• R iscos Químicos24
• R iscos Físicos26
• R iscos Biológicos28
• Principais Medidas e Controle dos Riscos Ambientais29
• Medidas Relativas ao ambiente29
• Medidas Relativas ao pessoal31
Riscos de Eletricidade3
• Introdução3
• O que é Eletricidade3
• Lei de OHM34
• Efeitos da Corrente Elétrica35
• Principais Sintomas Causados pelo Choque36

• Fatores que Colaboram para que os Produtos ou Agentes causem • R iscos Elétricos ................................................................. 37

Espírito Santo _

4Companhia Siderúrgica de Tubarão

• Cuidados nas Instalações Elétricas38
• Medidas Preventivas em Instalações Elétricas39
• A terramento Elétrico40
Noções Básicas de Demarcações de Segurança41
• Introdução41
• Cores e Sinalização na Segurança do Trabalho41
Noções Básicas de Combate à Incêndio49
• Princípios Básicos do Fogo49
• Condições Propícias para a Combustão52
• C ombustão56
• Combate à Incêndio6
• Tipos de Equipamentos para Combate à Incêndios69
Primeiros Socorros79
• Introdução79
• Material necessário para Emergência80
• F erimentos81
• H emorragias85
• Quei maduras8
• C hoque Elétrico89
• C alor90
• F rio92
• Estado de Choque93
• D esmaios94
• C onvulsão95
• Intoxicações e Envenenamentos96
• C orpos Estranhos98
• Fraturas e Lesões de Articulação9
• Acidentes por Animais Peçonhentos101
• Parada Cardíaca - Massagem Cardíaca103
• Parada Respiratória - Respiração Artificial105
• Resgate e Transporte de Pessoas Acidentadas107
Controle Ambiental1 15
• M eio Ambiente1 15
• P oluição1 15
• Controle Ambiental na CST118
• Padronização Ambiental118

Espírito Santo _

Departamento Regional do Espírito Santo5

Segurança e Higiene do Trabalho

Introdução

É sabido que o brasileiro, tradicionalmente, não se apega à Prevenção, seja ela de acidentes do trabalho ou não.

A nossa formação escolar não nos enseja qualquer contato com técnicas de

Prevenção de Acidentes, nem ao menos com a sua necessidade. Assim, até o nosso ingresso no mercado de trabalho e, assim mesmo, dependendo do setor de atividade e, pior ainda, da empresa em que trabalharemos, é que teremos o primeiro contato com a Prevenção de Acidentes, isso, já na idade adulta!

Na verdade, embora de forma precária, a única vez em que normalmente temos alguma noção de prevenção é no lar, através da mãe, ao nos puxar a orelha, dar-nos umas palmadas por alguma travessura, mas, incoerentemente, é, também, no próprio lar que somos desafiados, pela primeira vez, a demonstrar coragem, praticando o Ato Inseguro, juntamente, pelo próprio pai.

Daí, a grande necessidade que a empresa moderna tem de aplicar recursos, investir em treinamento, em equipamentos e em métodos de trabalho para incutir em seu pessoal o Espírito Prevencionista e, através de técnicas e de sensibilização, combater em seu meio o Acidentes do Trabalho que, conforme tem sido demonstrado, atinge forte e danosamente a Qualidade, a Produção e o Custo.

Espírito Santo _

6Companhia Siderúrgica de Tubarão

Acidente do Trabalho

Definição

O Acidente é toda e qualquer ocorrência imprevista e indesejável, instantânea ou não, que provoca lesão pessoal ou de que decorre risco próximo ou remoto dessa lesão. Se tal ocorrência estiver relacionada com o exercício do trabalho, estará, então, caracterizado o Acidente de Trabalho. Trocando o conceito em miúdos:

A ocorrência é imprevista por não ter um momento pré-determinado (dia ou hora) para acontecer. É preciso distinguir previsto/imprevisto de previsível/imprevisível.

O "previsto" significa programa, enquanto o "previsível" sugere possibilidade. Assim, pode-se dizer que o acidente é previsível em função de circunstâncias (uma escada de degraus defeituosos, um mecânico esmerilhando sem óculos, por exemplo), isto é, existe a possibilidade, clara, de ocorrer o acidente. No entanto, a ocorrência não está prevista, por não estar programada.

O indesejável, é óbvio, é por não se querer o acidente. Daí, se alguém, intencionalmente, joga, por exemplo, um alicate contra outro e o atinge, caracteriza-se o acidente, apesar de o indivíduo ter desejado atingir o outro. Isso se dá porque a ocorrência é caracterizada em função da vítima (ou vítima potencial) e é claro que ela não queria ser atacada.

O "instantânea ou não" faz a diferença entre o acidente típico, como o conhecemos (queda, impacto sofrido, aprisionamento, etc.) e a doença ocupacional ou do trabalho (asbestose, saturnismo, silicose, etc.). Esclarecendo: o acidente propriamente dito é a ocorrência que tem conseqüência (lesão) imediata em relação ao momento da ocorrência (queda = fratura, luxação, escoriações). A Doença Ocupacional é conseqüência mediata em relação à exposição ao risco (exposição ao vapor de chumbo hoje, saturnismo após algum tempo).

O acidente, não implica, necessariamente em lesão, podendo ficar somente no risco de provocá-la (acidente sem vítima). Assim, a queda de uma marreta, por exemplo, é o acidente que pode ser com vítima (provoca lesão) ou sem vítima (não atinge ninguém). A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), em sua NB 18 (Norma Brasileira no 18) focaliza o acidente sob os seguintes aspectos:

Tipo: Classifica o acidente quanto à sua espécie, como Impacto de Pessoa Contra (que se aplica aos casos em que a lesão foi produzida por impacto do acidentado contra um objeto parado, exceto em casos de queda); Impacto Sofrido (o movimento é de objeto); Queda com Diferença de Nível (ação da gravidade, com o objeto de contato estando abaixo da superfície em que se encontra o acidentado); Queda em Mesmo Nível (movimentado devido à perda de equilíbrio, com o objeto de contato estando no mesmo nível ou acima da superfície de apoio do acidentado); Atrito ou Abrasão; Aprovisionamento, etc.

Espírito Santo _

Departamento Regional do Espírito Santo7

Por que o Acidente do Trabalho deve ser evitado

Sob todos os ângulos em que possa ser analisado, o acidente do trabalho apresenta fatores altamente negativos no que se refere ao aspecto humano, social e econômico, cujas conseqüências se constituem num forte argumento de apoio a qualquer ações de controle e prevenção dos infortúnios ocasionais.

Aspecto Humano

Bastaria a consulta as estatísticas oficiais, que registram os acidentes que prejudicam a integridade física do empregado, para conhecimento do grande índice de pessoas incapacitadas para o trabalho e de tantas vidas truncadas, tendo como conseqüência a desestruturação do ambiente familiar, onde tais infortúnios repercutem por tempo indeterminado.

Aspecto Social

Em referência a este aspecto, vamos analisar o acidente do trabalho e suas conseqüências sociais, visando a estes dois aspectos:

• o acidente do trabalho como efeito; • o acidente do trabalho como causa.

Pode-se considerar o acidente do trabalho como efeito quando ele resulta de uma ação imprudente ou de condições inadequadas, isto é, quando ele resulta de uma inobservância das normas de segurança; pode-se considerá-lo como causa quando se tem em vista as conseqüências dele advindas. Como se deduz, são imensuráveis, em termos de extensão e proporção, as conseqüências dos acidentes do trabalho. Mas, o importante diante de todos os aspectos que possam ser apresentados, é que as pessoas se inteiram dessa realidade, interessando-se pela aplicação correta das medidas de prevenção do acidente, para não se tornarem vítimas do mesmo.

Aspecto Econômico

Um dos fatores altamente negativos, resultante dos acidentes do trabalho, é o prejuízo econômico cujas conseqüências atingem ao empregado, a empresa, a sociedade e, em uma concepção mas ampla, a própria nação.

Quanto ao empregado, apesar de toda a assistência e das indenizações recebidas por ele ou por seus familiares através da Previdência Social, no caso de acidentar-se, os prejuízos econômicos fazem-se sentir na medida em que a indenização não lhe garante necessariamente o mesmo padrão de vida mantido até então. E, dependendo do tipo de lesão sofrida, tais benefícios, por melhores que sejam, não repararão uma invalidez ou a perda de uma vida.

(Parte 1 de 13)

Comentários