(Parte 1 de 8)

e um sentido (Ex.: para frente, para cima,). Porém, para problemas elementares, onde há deslocamento apenas em

Velocidade A velocidade de um corpo é dada pela relação entre o deslocamento de um corpo em determinado tempo. Pode ser considerada a grandeza que mede o quão rápido um corpo se desloca. A análise da velocidade se divide em dois principais tópicos: Velocidade Média e Velocidade Instantânea. É considerada uma grandeza vetorial, ou seja, tem um módulo (valor numérico), uma direção (Ex.: vertical, horizontal,...) uma direção, o chamado movimento unidimensional, convém tratá-la como um grandeza escalar (com apenar valor numérico). As unidades de velocidade comumente adotadas são:

m / s (metro por segundo); km / h (quilômetro por hora);

No Sistema Internacional (S.I.), a unidade padrão de velocidade é o m/s. Por isso, é importante saber efetuar a conversão entre o km/h e o m/s, que é dada pela seguinte relação:

smh km

A partir daí, é possível extrair o seguinte fator de conversão:

h kms smh

Velocidade Média Indica o quão rápido um objeto se desloca em um intervalo de tempo médio e é dada pela seguinte razão:

t s vm ∆

Onde vm = Velocidade Média; ∆s = Intervalo do deslocamento [posição final – posição inicial → (Sfinal - Sinicial)]; ∆t = Intervalo de tempo [tempo final – tempo inicial → (tfinal - tinicial)]

Velocidade Instantânea Sabendo o conceito de velocidade média, você pode se perguntar: “Mas o automóvel precisa andar todo o percurso a uma velocidade de 60km/h?” A resposta é não, pois a velocidade média calcula a média da velocidade durante o percurso (embora não seja uma média ponderada, como por exemplo, as médias de uma prova). Então, a velocidade que o velocímetro do carro mostra é a Velocidade Instantânea do carro, ou seja, a velocidade que o carro está no exato momento em que se olha para o velocímetro.

A velocidade instantânea de um móvel será encontrada quando se considerar um intervalo de tempo (∆t) infinitamente pequeno, ou seja, quando o intervalo de tempo tender a zero (∆t → 0).

Movimento Retilíneo Uniforme Quando um móvel se desloca com uma velocidade constante, diz-se que este móvel está em um movimento uniforme (MU). Particularmente, no caso em que ele se desloca com uma velocidade constante em trajetória reta, tem-se um movimento retilíneo uniforme. Uma observação importante é que, ao se deslocar com uma velocidade constante, a velocidade instantânea deste corpo será igual à velocidade média, pois não haverá variação na velocidade em nenhum momento do percurso. A equação horária do espaço pode ser demonstrada a partir da fórmula de velocidade média.

t s v m ∆

==→ tvs∆=∆. ; 0sssf−=∆ → tvssf∆+=.0

Características do Diagrama s x t → Reta que cresce ou decresce uniformemente em função do tempo.

→ A inclinação da reta fornece o valor da velocidade que é constante.

Características do Diagrama v x t → Reta paralela ao eixo das abcissas (eixo do tempo), devido ao movimento ser uniforme, ou seja, a velocidade não muda no decorrer do tempo. → A área sob a reta compreendida no intervalo de tempo considerado, fornece o valor do deslocamento do móvel.

Movimento Retilíneo Uniformemente Variado Também conhecido como movimento acelerado, consiste em um movimento onde há variação de velocidade, ou seja, o móvel sofre aceleração à medida que o tempo passa. Mas se essa variação de velocidade for sempre igual em intervalos de tempo iguais, então dizemos que este é um Movimento Uniformemente Variado (também chamado de Movimento Uniformemente Acelerado), ou seja, que tem aceleração constante e diferente de zero. O conceito físico de aceleração, difere um pouco do conceito que se tem no cotidiano. Na física, acelerar significa basicamente mudar de velocidade, tornando-a maior, como também menor. Já no cotidiano, quando pensamos em acelerar algo, estamos nos referindo a um aumento na velocidade. O conceito formal de aceleração é: a taxa de variação de velocidade numa unidade de tempo, então como unidade teremos:

2sms s tempo velocidade ==

Aceleração Assim como para a velocidade, podemos definir uma aceleração média se considerarmos a variação de velocidade ∆v em um intervalo de tempo ∆t, e esta média será dada pela razão:

t v am ∆

No entanto, quando este intervalo de tempo for infinitamente pequeno, ou seja, ∆t → 0, tem-se a aceleração instantânea do móvel.

Função Horária da Velocidade A função horária da velocidade do MRUV, descreve a velocidade em função do tempo [v = f (t)]. Quando a aceleração é constante, a aceleração instantânea a é igual à aceleração média am , assim

t v a m ∆

Entretanto, se considerarmos t0 = 0, teremos: tavv.0+=

Função Horária da Posição (Deslocamento)

A melhor forma de demonstrar esta função é através do diagrama velocidade versus tempo (v x t) no movimento uniformemente variado.

O deslocamento será dado pela área sob a reta da velocidade, ou seja, a área do trapézio.

t v s .

0+=∆; tavv.0+= → t

vtav s .

.0++=∆

Logo:

tvs+=∆; 0sss−=∆ → 2

Interpretando esta função, podemos dizer que seu gráfico será uma parábola, pois é resultado de uma função do segundo grau.

Equação de Torricelli Até agora, conhecemos duas equações do movimento uniformemente variado, que nos permitem associar velocidade ou deslocamento com o tempo gasto. Torna-se prático encontrar uma função na qual seja possível conhecer a velocidade de um móvel sem que o tempo seja conhecido. Para isso, usaremos as duas funções horárias que já conhecemos:

(1) tavv.0+=(2) 2

Isolando-se t em (1) e substituindo em (2) teremos:

v a v vss → 2 v a

a vvvva v s

Reduzindo-se a um denominador comum:

Características do Diagrama s x t → Parábola com concavidade para cima ou para baixo.

→ A inclinação da reta tangente a qualquer ponto do gráfico fornece o valor da velocidade. Quanto maior a inclinação em relação ao eixo das abcissas (eixo do tempo), maior a velocidade.

Características do Diagrama v x t → Reta que cresce ou decresce uniformemente em função do tempo.

→ A inclinação da reta fornece o valor da aceleração que é constante.

→ A área sob a reta compreendida no intervalo de tempo considerado, fornece o valor do deslocamento do móvel.

Movimento Vertical Se largarmos uma pena e uma pedra de uma mesma altura, observamos que a pedra chegará antes ao chão. Por isso, pensamos que quanto mais pesado for o corpo, mais rápido ele cairá. Porém, se colocarmos a pedra e a pena em um tubo sem ar (vácuo), observaremos que ambos os objetos levam o mesmo tempo para cair. Assim, concluímos que, se desprezarmos a resistência do ar, todos os corpos, independente de massa ou formato, cairão com uma aceleração constante: a aceleração da Gravidade. Quando um corpo é lançado nas proximidades da Terra, fica então, sujeito à gravidade, que é orientada sempre na vertical, em direção ao centro do planeta.

O valor da gravidade (g) varia de acordo com a latitude e a altitude do local, mas durante fenômenos de curta duração, é tomado como constante e seu valor médio no nível do mar é:

g = 9,80665 m/s² No entanto, como um bom arredondamento, podemos usar sem muita perda nos valores:

Lançamento Vertical Um arremesso de um corpo, com velocidade inicial na direção vertical, recebe o nome de Lançamento Vertical. Sua trajetória é retilínea e vertical, e, devido à gravidade, o movimento classifica-se com Uniformemente Variado. As funções que regem o lançamento vertical, portanto, são as mesmas do movimento uniformemente variado, revistas com o referencial vertical (h), onde antes era horizontal (s) e com aceleração da gravidade (g).

(1) tgvv.0±=(2) 2
.tgtvhh±+=(3) hgvv∆±=..2202

Lançamento Vertical para Cima (g é negativo)

Como a gravidade aponta sempre para baixo, quando jogamos algo para cima, o movimento será acelerado negativamente, até parar em um ponto, o qual chamamos Altura Máxima.

Lançamento Vertical para Baixo (g é positivo)

No lançamento vertical para baixo, tanto a gravidade como o deslocamento apontam para baixo. Logo, o movimento é acelerado positivamente. Recebe também o nome de queda livre.

Vetores Determinado por um segmento orientado AB, é o conjunto de todos os segmentos orientados equipolentes a AB.

Se indicarmos vr com este conjunto, simbolicamente poderemos escrever:

[ ]ABXYXYv ~/=r onde XY é um segmento qualquer do conjunto.

O vetor determinado por AB é indicado por ABou B - A ou vr .

Um mesmo vetor ABé determinado por uma infinidade de segmentos orientados, chamados representantes desse vetor, os quais são todos equipolentes entre si. Assim, um segmento determina um conjunto que é o vetor, e qualquer um destes representantes determina o mesmo vetor. Usando um pouco mais nossa capacidade de abstração, se considerarmos todos os infinitos segmentos orientados de origem comum, estaremos caracterizando, através de representantes, a totalidade dos vetores do espaço. Ora, cada um destes segmentos é um representante de um só vetor. Consequentemente, todos os vetores se acham representados naquele conjunto que imaginamos.

As características de um vetor vr são as mesmas de qualquer um de seus representantes, isto é: o módulo, a direção e o sentido do vetor são o módulo, a direção e o sentido de qualquer um de seus representantes.

O módulo de vr se indica por |vr|.

Soma de Vetores

Se vr = (a,b) e wr

= (c,d), definimos a soma de vr e wr , por: vr +wr = (a+c,b+d)

Propriedades da Soma de Vetores

Diferença de Vetores

Se vr = (a,b) e wr

= (c,d), definimos a diferença de vr e wr , por: vr -wr = (a - c,b - d)

Produto de um Número Escalar por um Vetor

Se vr = (a,b) é um vetor e c é um número real, definimos a multiplicação de c por vr como: c. vr = (ca , cb)

Propriedades do Produto de Escalar por Vetor

Quaisquer que sejam k e c escalares, vr e wr vetores:

Módulo de um Vetor

O módulo ou comprimento do vetor vr = (a,b) é um número real não negativo, definido por:

Vetor Unitário Vetor unitário é o que tem o módulo igual a 1.

Existem dois vetores unitários que formam a base canônica para o espaço R2 , que são dados por: i = (1,0) ; j = (0,1)

Para construir um vetor unitário ur que tenha a mesma direção e sentido que um outro vetor vr , basta dividir o vetor vr pelo seu módulo, isto é:

v u=

Obs: Para construir um vetor ur paralelo a um vetor vr , basta tomar ur = cvr , onde c é um escalar não nulo. Nesse caso, ur e vr serão paralelos:

Se c = 0, então u será o vetor nulo.

Se 0 < c < 1, então ur terá comprimento menor do que vr .

Se c > 1, então ur terá comprimento maior do que vr .

Se c < 0, então ur terá sentido oposto ao de vr .

Decomposição de vetores em Vetores Unitários Para fazer cálculos de vetores em apenas um dos planos em que ele se apresenta, pode-se decompor este vetor em vetores unitários em cada um dos planos apresentados. Sendo simbolizados, por convenção, i como vetor unitário do plano x e j como vetor unitário do plano y. Caso o problema a ser resolvido seja dado em três dimensões, o vetor utilizado para o plano z é o vetor unitário k.

Então, a projeção do vetor Ar no eixo x do plano cartesiano será dado por Ax i, e sua projeção no eixo y do plano será

Ay j. Este vetor pode ser escrito como: Ar

= (Ax i, Ay j), respeitando que sempre o primeiro componente entre parênteses é a projeção em x e o segundo é a projeção no eixo y. Caso apareça um terceiro componente, será o componente do eixo z.No caso onde o vetor não se encontra na origem, é possível redesenhá-lo, para que esteja na origem, ou então descontar a parte do plano onde o vetor não é projetado.

Produto escalar

Dados os vetores ur = (a,b) e vr

= (c,d) definimos o produto escalar entre os vetores ur e vr , como o número real obtido por:

ur . vr = a.c + b.d

Ângulo entre dois vetores

O produto escalar entre os vetores ur e vr pode ser escrito na forma:

onde x é o ângulo formado entre ur e vr

Através desta última definição de produto escalar, podemos obter o ângulo x entre dois vetores genéricos ur e vr , como, vu x

cos=; pi≤≤x0

desde que nenhum deles seja nulo.

Vetor Posição

Imagine um móvel deslocando-se em uma trajetória aleatória, com uma origem O. Se colocarmos um plano cartesiano situado nesta origem, então poderemos localizar o móvel nesta trajetória por meio de um vetor.

O vetor r é chamado vetor deslocamento e possui módulo, direção e sentido.

r = P – O

Velocidade Vetorial

Vetor Velocidade Média: Considere-se um móvel percorrendo a trajetória do gráfico acima, ocupando posições P1 e P2 nos instantes t1 e t2 , respectivamente. Sabendo que a velocidade média é igual ao quociente do vetor deslocamento pelo intervalo de tempo:

t r r r

Obs: O vetor velocidade média tem a mesma direção e sentido do vetor deslocamento, pois é obtido quando multiplicamos um número positivo 1 / ∆t pelo vetor. r∆

Vetor Velocidade Instantânea: Análogo à velocidade instantânea, quando o intervalo de tempo tender a zero (∆t→ 0), a velocidade calculada será a velocidade instantânea.

Aceleração Vetorial

Vetor Aceleração Média: Considerando um móvel que percorre uma trajetória qualquer com velocidade 1vr em um instante t1 e velocidade 2vr em um instante posterior t2, sua aceleração média será dada por:

Obs: Assim como para o vetor velocidade, o vetor aceleração terá o mesmo sentido e mesma direção do vetor velocidade, pois é resultado do produto deste vetor (vr∆) por um número escalar positivo, 1 / ∆t.

Vetor Aceleração Instantânea: A aceleração vetorial instantânea será dada quando o intervalo de tempo tender a zero

(∆t → 0). Sabendo esses conceitos, podemos definir as funções de velocidade em função do tempo, deslocamento em função do tempo e a equação de Torricelli para notação vetorial:

+=(2) 2
++=(3) ravv

Movimento Oblíquo Um movimento oblíquo é um movimento parte vertical e parte horizontal. Por exemplo, o movimento de uma pedra sendo arremessada em um certo ângulo com a horizontal, ou uma bola sendo chutada formando um ângulo com a horizontal. Com os fundamentos do movimento vertical, sabe-se que, quando a resistência do ar é desprezada, o corpo sofre apenas a aceleração da gravidade.

Lançamento Oblíquo ou de Projétil O móvel se deslocará para a frente em uma trajetória que vai até uma altura máxima e depois volta a descer, formando uma trajetória parabólica.

Para estudar este movimento, deve-se considerar o movimento oblíquo como sendo o resultante entre o movimento vertical (y) e o movimento horizontal (x).

Na direção vertical o corpo realiza um Movimento Uniformemente Variado, com velocidade inicial igual a yv,0r e aceleração da gravidade (g)

Na direção horizontal o corpo realiza um movimento uniforme com velocidade igual a xv,0r .

Obs: Durante a subida a velocidade vertical diminui, chega a um ponto (altura máxima) onde 0=vr , e desce aumentando a velocidade. O alcance máximo é a distância entre o ponto do lançamento e o ponto da queda do corpo, ou seja, onde y = 0.

A velocidade instantânea é dada pela soma vetorial das velocidades horizontal e vertical, ou seja, 2 yxvvv+=.

O vetor velocidade é tangente à trajetória em cada momento.

Lançamento Horizontal Trata-se de uma particularidade do movimento oblíquo onde o ângulo de lançamento é zero, ou seja, é lançado horizontalmente. Por exemplo, quando uma criança chuta uma bola que cai em um penhasco, ou quando um jardineiro está regando um jardim com uma mangueira orientada horizontalmente.

Movimento Circular Grandezas Angulares

As grandezas até agora utilizadas de deslocamento/espaço (s, h, x, y), de velocidade (v) e de aceleração (a), eram úteis quando o objetivo era descrever movimentos lineares, mas na análise de movimentos circulares, devemos introduzir novas grandezas, que são chamadas grandezas angulares, medidas sempre em radianos. São elas:

(Parte 1 de 8)

Comentários