Determinação do teor de ferro em latossolos utilizados para o plantio de feijão

Determinação do teor de ferro em latossolos utilizados para o plantio de feijão

(Parte 3 de 4)

O projeto de pesquisa teve início em março de 2010, com o término previsto para outubro do mesmo ano.

Os meios utilizados para estudo foram artigos científicos, livros, internet e questionário com agricultores onde foram coletadas as amostras de solo. ANEXO 1 e 2.

Foram coletadas amostras de latossolos em área destinada ao plantio de feijão e enviadas para análise na FEPAGRO de Porto Alegre.

A amostra de solo 01 com coloração vermelho intenso foi coletada na BR 386 Km 415, Rua Nova, s/nº, bairro interior, em Montenegro.

A amostra de solo 02 com coloração vermelho mais claro foi coletada na BR 386 Km 418, Bom Jardim do Caí, s/nº, bairro interior, em Montenegro.

Para a coleta das amostras foi utilizado o método fornecido pela EMATER de Montenegro. ANEXO 3.

Para determinar o teor de umidade do solo, foi utilizado o método descrito no livro Análise de solo, plantas e outros minerais do Departamento de Solos da Faculdade de Agronomia/UFRGS.

Para determinar o teor de ferro em latossolo foram utilizados dois métodos: o primeiro da FEPAGRO através da espectrofotometria de absorção atômica e o segundo da EETSJB através da espectrofotometria de absorção na região do visível (em desenvolvimento).

6.1 Determinação de Umidade no solo

A umidade do solo é determinada secando-se o mesmo em estufa a 105° por 2 horas, sendo expressa em base de peso seco.

6.2 Determinação Espectrofotométrica de Ferro com ’DIPIRIDILA

O método está sendo desenvolvido com o objetivo de determinar a concentração de ferro (I) através de espectrofotometria de absorção na região do visível analisando a formação de um complexo colorido do ferro (I) com

’ dipiridila.

O cloridrato de hidroxilamina (agente redutor) reduz o íon Fe3+ a Fe2+ e todo ferro contido na amostra é determinado como Fe2+.

O íon Fe2+ reage com ’ dipiridila resultando na formação de um complexo corado (avermelhado).

A função da solução-tampão acetato/ácido acético é manter o pH da solução entre 2 e 9, para que ocorra a formação de complexo corado e eliminar a ação de interferentes.

7 RESULTADOS E DISCUSSÕES Determinação de Umidade no solo

Amostra

Umidade no Solo (%)

Tabela 1 – Resultado teor de umidade no solo

Nos solos analisados no laboratório da Escola Estadual Técnica São

João Batista obtivemos uma média de 18,96% de umidade no solo da amostra 1, e 1,59% de umidade no solo da amostra 2.

Determinação teor de Ferro

As análises de Ferro foram realizadas no laboratório da Escola Estadual

Técnica São João Batista por espectrofotometria de absorção na região do visível e no laboratório da FEPAGRO por espectrofotometria de absorção atômica. VER RESULTADOS FEPAGRO ANEXO 4.

Média (%) Amostra EETSJB FEPAGRO

2 0,08 0,05 Tabela 2 – Resultados Teor de Ferro

VER CURVA DE CALIBRAÇÃO (EETSJB) – ANEXO 5

Na análise dos resultados obtidos consideramos o resultado da

FEPAGRO como sendo o valor esperado e o resultado do laboratório da escola como sendo o desejado - experimental.

Amostra 1 apresentou os seguintes resultados: FEPAGRO - 0,14% Fe e

Escola - 0,37% de Fe. Nesta amostra observamos que o método em desenvolvimento apresentou um valor bem acima do esperado. Mesmo assim, esta amostra apresenta uma diferença que para nós não é muito significativa, pois estes valores são muito baixos. Porém, entendemos a necessidade de identificarmos possíveis causas desta diferença.

Amostra 2 apresentou os seguintes resultados: FEPAGRO - 0,05% Fe e

Escola - 0,08% de Fe. Nesta amostra observamos que o método em desenvolvimento apresentou um resultado muito próximo do esperado. Porém, entendemos que há necessidade de identificarmos possíveis causas desta pequena diferença.

As análises demonstram que os latossolos possuem ferro, pois neste tipo de solo é onde podemos encontrar maiores quantidades de óxidos de ferro. No Brasil, os latossolos são os solos mais importantes do ponto de vista da representação geográfica; ocorrem em praticamente todas as regiões do país, sobre diferentes tipos de rochas. Dessa forma, o método que está em desenvolvimento, comprova que as análises feitas no laboratório da FEPAGRO e as análises feitas no laboratório da escola são compatíveis.

23 CONCLUSÃO

Foram realizadas análises por espectrofotometria de absorção atômica na região do visível no laboratório da Escola Estadual Técnica São João Batista, onde foi comprovada a presença do ferro no latossolo coletado.

A diferença dos valores encontrados em cada amostra pode ser explicada pela coloração avermelhada mais intensa na amostra 01 e menos intensa na amostra 02, devido ao tipo de adubação em cada solo onde as amostras foram coletadas (Amostra 01: calcário e adubo orgânico. Amostra 02: adubo orgânico), e pelas características de cada solo amostrado no projeto.

A diferença dos resultados entre os laboratórios FEPAGRO e EETSJB nas amostras analisadas, terá uma seqüência de estudos para identificarmos as principais causas. Porém, consideramos que o método em desenvolvimento no laboratório da EETSJB apresentou resultados satisfatórios.

24 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

DA SILVA FILHO. Ademar Virgolino; DA SILVA. Mônica Ishikawa Virgolino; Importância das Substâncias Húmicas para a Agricultura. Disponível em:

<http://w.emepa.org.br/anais/volume2/av209.pdf> Acesso em: 12 de maio de 2010.

LEPSCH. Igor F; FORMAÇÃO E CONSERVAÇÃO DOS SOLOS. São Paulo. 2002.

PRADO; Renato Mello. ABSORÇÃO,TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DOS NUTRIENTES. Nutrição de Plantas. 2004. Disponível em:

<http://w.nutricaodeplantas.agr.br/site/culturas/algodao/abs_transp_redistr_ nutr.php> Acesso em: 10 de maio de 2010.

ROCHA. Julio Cesar; ROSA. André Henrique; CARDOSO. Arnaldo Alves; INTRODUÇÃO À QUÍMICA AMBIENTAL. Artmed Editora S.A – 2004.

TEDESCO. Marino José; GIANELLO. Clesio; BISSANI. Carlos Alberto; VOLKWEISST. Sérgio Jorge; ANÁLISE DE SOLO, PLANTAS E OUTROS MATERIAIS. Departamento de Solos. Faculdade de Agronomia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. Editora Pallotti. 1995.

LIXIVIAÇÃO - extração ou solubilização dos constituintes químicos de uma rocha, mineral, solo, depósito sedimentar e etc. pela ação de um fluido percolante.

ALUVIÃO - Acumulação sucessiva de materiais (areias, cascalho, lodo etc.), depositados nas costas ou praias, ou na embocadura e nas margens dos rios, por inundações ou enchentes.

QUELATO - Qualquer composto em que se forma um anel, pelo enlace coordenado entre dois sítios de uma molécula.

(Parte 3 de 4)

Comentários