Riscos e efeitos da radiação - X

Riscos e efeitos da radiação - X

(Parte 1 de 5)

Fernando Henrique Cardoso MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO Paulo Jobim Filho

Humberto Carlos Parro DIRETOR EXECUTIVO

José Gaspar Ferraz de Campos DIRETOR TÉCNICO

João Bosco Nunes Romeiro DIRETOR DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS

Antonio Sérgio Torquato ASSESSORA ESPECIAL DE PROJETOS Sonia Maria José Bombardi

Robson Spinelli Gomes

Bacharel em Física pela PUC-SP

Mestre em Ciência Ambiental pela USP Pesquisador da FUNDACENTRO

Robson Spinelli Gomes

permitiu aos ser humano crescer, prosperar, sonhar, acreditar, realizar

A cada um de nós Deus permitiu a existência, e nesta existência ele

A ele agradeço a possibilidade de desenvolver o raciocínio e o discernimento na Ciência Ambiental.

À minha querida mãe Odila Amorim Gomes in memoriam, a quem dedico toda a minha carreira científica.

Às minhas tias e irmãos, Leda, Vera e Elizete.

professora Dra. Marcília Medrado Faria, pelo incentivo, paciência e orientação que me transmitiu no desenvolvimento deste trabalho. Ao corpo docente, discente e secretaria do PROCAM, que me possibilitaram a visão interdisciplinar e multiinstitucional da questão da Ciência Ambiental.

Às colegas da equipe na Fundacentro, Claudia Carla Gronchi e Sonia

Garcia Pereira Cecatti, pela ajuda primordial na primeira fase deste trabalho.

Ao amigo e colega Júlio César Bezerra Lucas, porque sem sua colaboração este estudo, tudo seria mais difícil.

Às amigas e colegas Sonia Maria José Bombardi e Iracema Fagá, que sempre apoiaram e colaboraram para a minha dedicação a este trabalho.

Ao instituto de Radiologia do Hospital das Clínicas, que possibilitou a execução do trabalho, em particular ao Prof. Dr. Giovanni Guido Cerri, Diretor Clínico e Diretor da Divisão de Clínica Radiológica, e ao Sr. Antonio Carlos da Silva, Diretor Técnico de Serviço de Saúde. Ao físico José Salvador Caballero, responsável pela Proteção Radiológica do Hospital das Clínicas.

A todos os técnicos de radiologia, a quem espero poder colaborar com as informações e recomendações aqui relatadas.

LISTA DE FIGURAS 13 LISTA DE TABELAS E QUADROS 15 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS 19 LISTA DE FOTOS 21 RESUMO 23 ABSTRACT 25 INTRODUÇÃO GERAL 27

CAPÍTULO 1 – ASPECTOS TÉCNICOS DE RADIAÇÃO TIPO RAIOS X 1.1 Propriedades, usos, efeitos e controle dos Raios X 29 1.2 Princípios científicos e éticos das aplicações dos Raios X 32 1.3 Indicadores de exposição a radiação ionizante 38 1.3.1 Unidades das radiações ionizantes 40 1.3.2 Limite de dose de exposição 41 1.4 Natureza, características e produção dos Raios X 1.4.1 Fatores que modificam o espectro e a qualidade dos Raios X 45

CAPÍTULO 2 – ASPECTOS TÉCNICOS DE RADUILOGIA MÉDICA 2.1 Raios X na radiologia médica 53 2.2 Avaliação ambiental e indicadores de exposição no Brasil 54 2.3 Indicadores biológicos de efeitos da exposição 58 2.4 Objetivos do estudo 59

CAPÍTULO 3 – MATERIAL E MÉTODOS 3.1 Análise do uso e medidas de controle dos Raios X em serviços de radiologia do Estado de São Paulo 61 3.2 Avaliação de condições de riscos e medidas de controle de radiação (Raios X) do serviço de radiologia de um hospital público da Grande São Paulo 62

de controle 72

CAPÍTULO 4 – RESULTADOS 4.1 Resultados da avaliação da utilização dos Raios X e medidas de radioproteção nos serviços de radiologia dos hospitais do Estado de São Paulo 65 4.2 Resultados da análise de condições de riscos e medidas de controle do serviço de radiologia de um hospital público da Grande São Paulo 71 4.2.1 Percepção e comportamento dos trabalhadores em relação às técnicas radiológicas, riscos e medidas 4.2.2 Informações prestadas pelo Serviço de Segurança do trabalho, Serviço de Higiene e Medicina do Trabalho 81

CAPÍTULO 5 – DISCUSSÃO 113 CONCLUSÃO 121

ANEXOS Anexo 1 Questionário – Pesquisa sobre os serviços de radiologia do Estado de São Paulo 127

Anexo 2 Roteiro – Entrevista com técnicos do Serviço de Radiologia 131

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 135

Figura 1 Tubo de Raios X 43 Figura 2 Ilustração do campo luminoso 4 Figura 3 Espectro total dos Raios X 45 Figura 4 Variação do espectro dos Raios X pela variação da kV 46 Figura 5 Espectro dos Raios X e material do alvo 47 Figura 6 Formada onda aplicada em um tubo de Raios X 48 Figura 7 Espectro dos Raios X e forma da onda aplicada 49 Figura 9 Modificação do espectro dos raios X pelo uso dos filtros 50 Figura 10 Os filtros e os espectros dos Raios X 51 Figura 1 Disposição dos filtros de cobre e alumínio 51

Tabela 1 Fator de qualidade “Q” das distintas radiações 40 Tabela 2 Limites de dose recomendados pela ICRP 60 41 Tabela 3 Limites primários anuais de dose estabelecidos pela CNEN – NE-3.01 57

Tabela 4 Distribuição percentual do responsável pelo setor de Raios X em 176 hospitais 6

Tabela 5 Distribuição percentual referida do responsável pela radioproteção em 176 hospitais 6

Tabela 6 Distribuição percentual dos tipos de equipamentos de diagnósticos emissores de Raios X nos serviços de radiologia 67

Tabela 7 Distribuição percentual da sinalização de advertência existente nas 463 salas de Raios X em 176 hospitais de São Paulo 67

Tabela 8 Distribuição percentual do tipo de Sala de Comando dos equipamentos de Raios X em 176 hospitais de São Paulo 67

Tabela 9 Distribuição percentual referente ao tipo de colimação utilizada nos aparelhos de Raios X em 176 hospitais de São Paulo 68

Tabela 10 Distribuição percentual referida da filtração indicada no equipamento de Raios X em 176 hospitais de São Paulo 68

Tabela 1 Distribuição percentual da existência de manutenção preventiva nos equipamentos de Raios X em 176 hospitais de São Paulo, por setor hospitalar 69

Tabela 12 Distribuição percentual referida da periodicidade da manutenção preventiva nos equipamentos de Raios X em 176 hospitais de São Paulo 69

Tabela 13 Distribuição percentual referida da existência de indicação da espessura de chumbo nos aventais dos 176 hospitais de São Paulo 70

Tabela 14 Distribuição percentual referida aos tipos de dosímetro utilizado em 176 hospitais de São Paulo 70

Tabela 15 Distribuição percentual referida aos tipos de equipamentos de proteção individual disponíveis nas 463 salas de Raios X em 176 hospitais de São Paulo 71

Tabela 16 Distribuição percentual do INRAD no Serviço de Radiologia segundo o sexo 72

Tabela 17 Distribuição percentual dos trabalhadores do

INRAD no Serviço de Radiologia segundo o estado civil 73

Tabela 18 Distribuição percentual da faixa etária do grupo

Amostrado no INRAD 73

Tabela 19 Distribuição dos trabalhadores segundo o tempo de trabalho na instituição e no serviço radiológico 74

Tabela 20 Distribuição percentual da referência dos técnicos do INRAD do último treinamento em proteção radiológica 74

(Parte 1 de 5)

Comentários