Conteúdo do curso engenharia ambiental ufrrj

Conteúdo do curso engenharia ambiental ufrrj

(Parte 1 de 8)

Junho - 2010 SEROPÉDICA, RJ

1 Considerações Iniciais

1.1.1 – A Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – A Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro 1.1.1 – Histórico da UFRRJ

A Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro tem sua origem no Decreto número 8.319, de 20 de outubro de 1910, que estabeleceu as bases fundamentais do ensino agropecuário no Brasil, criando a Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária, vinculada à Pasta de Agricultura. Sua sede foi fixada em 1911, no então Palácio do Duque de Saxe, local onde hoje está instalada a Escola Técnica Federal Celso Suckow da Fonseca, no Maracanã. Oficialmente foi inaugurada em 4 de julho de 1913, possuindo um campo de experimentação e prática na localidade de Deodoro.

Em 1915, a Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária interrompeu suas atividades por falta de verbas, voltando a funcionar em março de 1916, com o mesmo nome, fundindo-se com a Escola Agrícola da Bahia e a Escola Média Teórico - Prática de Pinheiral. Naquele ano foi formada a primeira turma de Engenheiros Agrônomos, constituída de dois alunos e, no ano seguinte, a primeira turma de Médicos Veterinários, com quatro alunos.

Ainda sem instalações definitivas, a Escola foi transferida em 1918 para Niterói, onde se encontram, hoje instalados, a Secretaria de Agricultura e o Horto Botânico do Estado do Rio de Janeiro, na Alameda São Boaventura.

Projeto Pedagógico – Engenharia Agrícola e Ambiental - UFRRJ 2

Em março de 1920 foi aprovado o seu primeiro regulamento e criado o curso de Química Industrial, que, mais tarde, veio a dar origem à Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Com o objetivo de buscar melhores instalações a Escola passou a funcionar, a partir de 1922, na Avenida Pasteur, na Praia Vermelha, onde hoje se encontra instalado o Departamento Nacional de Produção Mineral.

Com vistas a uma reestruturação, através dos Decretos números 23.857 e 23.858 de fevereiro de 1934, foram extintos os cursos de Agronomia e Medicina Veterinária, da então Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária, sendo criadas a Escola Nacional de Agronomia - ENA e a Escola Nacional de Medicina Veterinária - ENV, vinculados ao Ministério da Agricultura. O curso de Química Industrial foi transformado na Escola Nacional de Química, vinculada ao então Ministério da Educação e Saúde, que viria a se constituir, mais tarde, na Escola de Engenharia Química da Universidade do Brasil e, posteriormente, a Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ainda nesse ano, em março, as Escolas tiveram seus regulamentos aprovados, tornando-se estabelecimentos padrões do Ensino Agronômico e Veterinário do País.

Em 1938, através do Decreto-Lei número 982, a Escola Nacional de Agronomia passou a integrar o, então criado, Centro Nacional de Ensino e Pesquisas Agronômicas (CNEPA), ficando a Escola Nacional de Veterinária diretamente subordinada ao Ministério do Estado.

Pelo Decreto-Lei número 6.155, de 30 de dezembro de 1943, o CNEPA foi reorganizado e foi criada a Universidade Rural, abrangendo, àquela época, a Escola Nacional de Agronomia, a Escola Nacional de Veterinária, os Cursos de Aperfeiçoamento e Especialização, os Cursos de Extensão, e o Serviço de Desportos. Com os Cursos de Aperfeiçoamento e Especialização iniciava-se o Programa de Ensino de Pós-Graduação em áreas específicas dos currículos de Agronomia e Veterinária.

Em 1944, com o novo regimento do CNEPA, aprovado pelo Decreto número 16.787, os Cursos de Pós-Graduação e Extensão existentes foram fundidos, criando-se o Curso de

Projeto Pedagógico – Engenharia Agrícola e Ambiental - UFRRJ 3

Aperfeiçoamento, Especialização e Extensão, bem como o Conselho Universitário, à semelhança do atualmente existente.

Finalmente, em fevereiro de 1948, a Universidade Rural se transfere para sua sede atual, no km 47 da Rodovia Rio - São Paulo, com instalações adequadas, cujas obras foram iniciadas no Governo de Getúlio Vargas, sob a supervisão do então Ministro da Agricultura Fernando Costa.

Com as alterações regimentais do CNEPA, em 1961, a Universidade Rural tem integrado, entre os novos órgãos, a Escola Técnica Agrícola, com a denominação de “Escola Agrotécnica Ildefonso Simões Lopes”.

A Lei Delegada número 9, de 1962, extinguiu o Centro Nacional de Ensino e Pesquisas

Agronômicas, criando o Instituto de Pesquisa e Experimentação Agropecuária do Centro-Sul (IPEACS) e a Universidade Rural do Brasil - URB.

Em 1963, pelo Decreto número 1984, a Universidade Rural do Brasil tem seu Estatuto aprovado, ampliando suas Escolas com a criação da Escola de Educação Técnica, da Escola de Educação Familiar e da Escola de Engenharia Florestal, além de manter dois cursos técnicos de nível médio através do Colégio Técnico de Economia Doméstica e do Colégio Técnico Agrícola Ildefonso Simões Lopes.

A atual denominação foi estabelecida em 1965, pela Lei número 4.759, passando a chamar-se Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ, quando a Escola Nacional de Agronomia e a Escola Nacional de Veterinária perderam o qualificativo "Nacional". No ano seguinte, voltou a ser oferecido o Curso Superior de Química com a criação da Escola de Engenharia Química.

Com a reorganização da estrutura educacional brasileira, através do Decreto número 60.731, de 1967, a UFRRJ foi transferida para a tutela do Ministério da Educação e Cultura. No

Projeto Pedagógico – Engenharia Agrícola e Ambiental - UFRRJ 4 ano seguinte, o Decreto número 63.492/68 estabeleceu a modificação para o Status Jurídico Autárquico, sendo as Escolas substituídas pelos respectivos Cursos de Graduação.

A partir de 1969, a UFRRJ inicia um processo de expansão com a reformulação dos cursos de Educação e a criação dos novos cursos de História Natural, Licenciatura em Química, Licenciatura em Ciências Agrícolas, Geologia, Zootecnia, Administração de Empresas, Economia e Ciências Contábeis, este último desativado a partir de 1978.

O sistema de crédito e matrícula por disciplina passou a ser adotado em 1972, seguindo os preceitos da Reforma Universitária, sendo elaborado o novo Estatuto e Regimento Geral, aprovados pelo CFE, pelos Pareceres 3716/74 e 1042/75, respectivamente.

Em 1986 foram reformulados alguns cursos, sendo criado o Curso de Graduação em

Ciências Biológicas, com habilitação em Bacharelado e Licenciatura; o Curso de Licenciatura em Física; o Curso de Matemática, com habilitação em Bacharelado e Licenciatura; e o Curso de Licenciatura em Química, através da Deliberação número 10, de 13 de junho de 1986, do Conselho Universitário.

No ano de 1990 a UFRRJ inicia nova expansão com a criação do Curso de Graduação em

Engenharia de Alimentos e a oferta do Curso de Graduação em Administração de Empresas, também em horário noturno.

Nova expansão se inicia em 1997, com a modalidade Industrial no Curso de Graduação em Química; em 1999, com a criação do Curso de Engenharia de Agrimensura, do Curso de Engenharia Agrícola e a Modalidade de Bacharelado em Matemática Aplicada e Computacional, no Curso de Graduação em Matemática, além da oferta do Curso de Graduação em Química, também em horário noturno. Completando esta fase de expansão, foram criados em 2000, o Curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo e o Curso de Licenciatura em História.

Projeto Pedagógico – Engenharia Agrícola e Ambiental - UFRRJ 5

No ano de 2008, a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro aderiu ao Plano de

Reestruturação e Expansão das Universidades Federais Brasileiras (REUNI), com um compromisso do aumento do número de vagas nos cursos já existentes na instituição, bem como a abertura de novos cursos. No primeiro semestre deste ano, o Conselho Universitário aprovou a expansão de vagas anuais nos Cursos de Engenharia de Agrimensura (25 vagas), Engenharia Florestal (10 vagas), Engenharia Química (20 vagas), Geologia (5 vagas), Arquitetura e Urbanismo (25 vagas), Ciências Biológicas (10 vagas), História (10 vagas) e Química Noturno (5 vagas), totalizando 105 vagas novas nos cursos mencionados.

Em reunião extraordinária realizada em 27 de maio de 2008, o Conselho de Ensino,

Pesquisa e Extensão da UFRRJ (CEPE) aprovou a implantação de 12 novos cursos de graduação a partir de 2009, integrantes do Plano de Reestruturação e Expansão da UFRRJ. Os novos cursos são História (vespertino), Ciências Sociais (vespertino), Filosofia (noturno), Letras - Língua Portuguesa, Letras - Língua Inglesa (noturnos), Belas Artes (noturno) e Geografia (vespertino). Todos estes cursos são de Licenciatura e serão oferecidos em Seropédica. Os cursos de História, Ciências Sociais e Geografia também terão a modalidade Bacharelado. O Curso de Direito foi aprovado em Seropédica (noturno), Nova Iguaçu (matutino) e Três Rios (noturno). No Instituto Multidisciplinar também serão oferecidos os cursos de Licenciatura em Letras - Língua Portuguesa e Letras - Língua Espanhola (matutino). No total, a UFRRJ oferecerá 650 novas vagas em cursos de graduação a partir de 2009, com ênfase na formação de professores e expansão de vagas no noturno.

O ano letivo de 2009 tornou-se particularmente desafiante e importante para o futuro da

UFRRJ devido à realização de um processo democrático de reforma do Estatuto e Regimento da Universidade e à continuidade do processo de discussão e implantação da expansão, avaliação e reestruturação dos Cursos de Graduação. Em 2009 tiveram início 12 novos cursos de graduação na área de humanidades distribuídos entre os campi de Seropédica, Nova Iguaçu e Três Rios (Licenciaturas em Belas Artes, Ciências Sociais, Filosofia, Geografia, História vespertino, Letras

Projeto Pedagógico – Engenharia Agrícola e Ambiental - UFRRJ 6

– Português, Espanhol e Inglês e Bacharelados em Direito, Ciências Sociais, Geografia e História).

A Instituição anuncia a criação de mais doze cursos a partir de 2010. Para o primeiro semestre são: Ciências da Computação (Nova Iguaçu), Comunicação Social/Jornalismo, Engenharia de Materiais, Gestão Ambiental (Três Rios), Hotelaria, Relações Internacionais e Sistemas de Informação. Terão início no 2º período letivo os cursos de Administração Pública, Ciências Contábeis, Farmácia, Geografia (Nova Iguaçu) e Psicologia. No total são 3480 vagas, sendo 1955 para 2010-I e 1525 para 2010-I.

A partir da implantação dos novos cursos, a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro investiu também na reestruturação dos já existentes, como Engenharia de Agrimensura, que agora é Engenharia de Agrimensura e Cartográfica, e o de Engenharia Agrícola, sendo agora, Engenharia de Agrícola e Ambiental.

O processo seletivo da UFRRJ para o ano de 2010 foi realizado pelo Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), em uma única fase.

1.1.2 – Finalidades da UFRRJ

Instituição Federal de Ensino Superior, pública e gratuita, que tem como objetivos gerar, socializar e aplicar o conhecimento nos diversos campos do saber, através do ensino, da pesquisa e da extensão, indissociavelmente articulados, de modo a contribuir para o desenvolvimento do País, visando à formação de profissionais-cidadãos com autonomia para o aprendizado contínuo, socialmente referenciados para o mundo do trabalho e capazes de atuar na construção da justiça social e da democracia.

Projeto Pedagógico – Engenharia Agrícola e Ambiental - UFRRJ 7

A Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro é uma autarquia diretamente subordinada ao Ministério da Educação, com ênfase nas Ciências Agrárias. Desde 1967, em conseqüência da Reforma Universitária (Decreto nº. 60731 de 19 de maio de 1967), a UFRRJ tem uma estrutura dinâmica e flexível, ampliando suas áreas de ensino, de modo a se tornar, atualmente, destacado Centro de Pesquisa e Ensino do País.

São finalidades básicas da UFRRJ:

ministrar, desenvolver e aperfeiçoar o ensino em todos os campos de conhecimento, visando ao preparo e ao aperfeiçoamento de pesquisadores, professores e técnicos;

estimular, promover e executar investigações científicas, com o objetivo de ampliar o acervo de conhecimentos, o enriquecimento da cultura e sua aplicação a serviço do Homem e ao desenvolvimento Nacional, principalmente no que se refere ao melhor aproveitamento de nossos recursos materiais e humanos;

contribuir para a divulgação de conhecimentos especializados, visando a melhor compreensão da realidade brasileira em seus múltiplos aspectos;

(Parte 1 de 8)

Comentários