Raças de bovinos

Raças de bovinos

(Parte 1 de 2)

existentes com as raças européias

O gado zebu é um bovino da subespécie Bos taurus indicus, apelidado por sua característica marcante de boi de corcova. A "corcova" é também chamada giba ou cupim, no Brasil, país onde a sub-espécie demonstrou grande potencial de adaptação e foi largamente utilizado em cruzamentos com os rebanhos de gado crioulo no país. O gado indiano, conhecido pela sua habilidade de viver nos trópicos, adaptou-se de tal forma em nossa terra que em pouco tempo povoou grandes extensões de campos nativos, melhorando consideravelmente a pecuária de corte nacional. Mas apesar de sua rusticidade, verificou-se ser o gado zebu inferior às raças européias quanto à precocidade e rendimento de carne, foi então quando se decidiu fazer melhoramento genético dos bovinos

Entre as diversas raças bovinas existentes no Brasil a mais comum é a raça nelore; uma das raças zebuínas. Atualmente, estima-se que o total do efetivo bovino brasileiro seja da ordem de mais de 190 milhões de cabeças. Desse total, 80% têm o sangue zebuíno. O Brasil tornou-se a segunda pátria do zebu e o principal país na exploração do gado de origem indiana com finalidades econômicas.

O nelore provou ser o melhor gado para o Brasil graças a sua adaptabilidade ao clima tropical do país. As raças européias se adaptam melhor à Região Sul. São utilizadas para o que se chama de ' cruzamento industrial ' isto é, cruzamento de gado zebu com gado europeu.

As raças taurinas originárias do Continente Europeu, foram selecionadas inicialmente para tração e trabalho, o que provocou um aumento da massa muscular e do peso adulto. As raças são conhecidas pelo elevado peso no nascimento, grande potencial de crescimento (ganho de peso), alto rendimento de carcaça aliada à pouca gordura de cobertura.

O Nelore é essencialmente uma raça produtora de carne.

Dentre as variedades trazidas da Índia, é a que vem sofrendo mais intensa seleção, tendo em vista a obtenção de novilhos para corte. Tem a seu favor uma boa conformação, cabeça pequena e leve, ossatura fina e leve, e alcança bom desenvolvimento. Como todo o Zebu, tem especial habilidade para o aproveitamento das forragens, mesmo grosseiras.É um gado muito vivo, ligeiro e manso, desde que convenientemente cuidado.

Variedades da raça Nelore:

o Nelore mocho: admitido no Registro desde 1969, veio a se tornar um dos mais importantes grupamentos, dentro das raças zebuínas, pelo contingente e pela qualidade do rebanho; o Nelore de Pelagem Vermelha e Amarela: conhecido desde os primórdios da seleção, foi admitido no Registro em 1984, havendo plantéis em vários Estados; o Nelore Malhado de Preto: igualmente com Registro desde 1984, vem há tempos sendo selecionado por pequeno número de criadores, com bons resultados.

Padrão da raça: → pêlos curtos, finos e lisos que auxiliam na eliminação do calor; → pelagem branco-cinza, e a pele preta apresentam um conjunto de propriedades físicas de refletir, absorver, irradiar e filtrar as diversas radiações solares dos trópicos;

→ É um animal que possui bons aprumos, cascos e ligamentos firmes, umbigo curto, vergalho bem direcionado, com testículos largos, bem conformados e curtos.

O gado Gir constituiu durante várias décadas o grupamento étnico mais numeroso mais valorizado dentro do rebanho Zebuíno brasileiro;

Observa-se que das raças indianas, a Gir é a que apresenta os menores pesos ao nascer;

É também muito utilizada em cruzamentos com a raça Holandesa preta e branca e com a Holandesa vermelho e branca, que dão origem a uma nova raça chamada Girolanda. Ainda possui uma linhagem para a produção de leite, denominada de Gir Leiteiro;

Padrão da raça: o extremamente dócil, com aptidões para o leite e carne, o caracteriza-se por apresentar perfil convexo e ultraconvexo, testa proeminente, com chifres laterais freqüentemente retorcidos, o barbela desenvolvida e com pelagens das mais variadas, podendo apresentar pêlos brancos, vermelhos, amarelos e pretos em combinações muito variadas.

Trata-se de um dos mais antigos tipos de gado Zebu asiático. Observou-se também que um de seus traços mais característicos, os chifres em lira, é encontrado em algumas variedades do Zebu africano, devido à remota infusão de seu sangue;

De dupla aptidão, tem leite com elevado teor de, seus chifres são utilizados para a fabricação de berrantes;

Padrão da raça: o sub-côncavo a retilíneo; o orelhas Pendentes. Médias, relativamente largas e de pontas arredondadas; o chifres desenvolvidos.simétricos.De seção circular ou elíptica,na base, dirigindo-se horizontalmente para fora ao sair do crânio, curvando-se para cima, em forma de lira, com as pontas voltadas para dentro e para trás; o pelos Finos, curtos e sedosos e pele preta ou escura. solta, fina e flexível e rósea nas partes sombreadas.

Origem nos Estados Unidos, o gado de origem indiana recebe o nome de Brahman. É o resultado do cruzamento das raças Nelore, Guzerá, Gir, Valley e Sindi,a despreocupação do criador americano em relação à raça, visando uma melhor seleção econômica, levou o gado Brahman a ser uma mescla de raças indianas altamente produtiva;

Padrão da raça:

É um gado exclusivamente dedicado à produção de carne, apropriado para cruzamentos com as raças européias. As raças

Santa Gertrudis, Braford e Brangus originaram-se desses cruzamentos; tamanho intermediário entre as raças de corte. Os touros pesam geralmente de 720 a 990 quilos e as vacas de 450 a 630 quilos.

Os bezerros são pequenos no nascimento, pesando de 30 a 40 quilos;

As cores predominantes no Brahman têm tonalidades cinza claro, vermelho e preto.

O cruzamento entre indivíduos de raças diferentes, onde o touro é geralmente de raça pura e busca aumentar a eficiência na produção de carne. A razão principal para se fazer o cruzamento orientado entre raças é aumentar a lucratividade (renda líquida), através do aumento da produtividade (eficiência de produção). Nenhuma raça é perfeita. Cada uma tem seus pontos fortes e fracos. O animal produto do cruzamento deverá combinar o elevado potencial de produção da raça de clima temperado com a adaptação da raça tropical, produtividade, e, consequentemente, maior a lucratividade.

Escolhendo-se as raças apropriadas para o cruzamento, o potencial de produção e a adaptação tropical dos animais cruzados podem ser combinados ao seu ambiente - quanto mais complementares forem as raças, maior é a busca de gerar heterose, ou vigor híbrido, para um grupo de características comercialmente importantes, particularmente de reprodução e sobrevivência. A heterozigose dá um ganho gratuito adicional que permite que a produtividade dos cruzados exceda a produtividade de ambas as raças-base.

Originário da Índia, o Indubrasil é a raça mais difundida no exterior, sendo a primeira raça neozebuína do mundo, formada por cruzamentos entre o guzerá e o nelore, desde 1890 até 1920. Com a introdução da raça gir, entre 1911 e 1920, os produtos adquiriram seu aspecto definitivo, exibindo um grande porte, habilidade para longas caminhadas e matrizes eficientes. Atualmente, seu habitat está restrito ao Nordeste brasileiro e à região de Minas Gerais, sendo registrados 205.297 animais, na história, e 1.661 nos últimos 5 anos.

Tem como grandes vantagens produtivas a rusticidade, a conformação frigorífica,a habilidade materna, a velocidade no ganho em peso, ótima conversão alimentar,grande porte e adaptação ao clima tropical;

O indubrasil apresenta a mais comprida orelha entre as raças bovinas do mundo. Em uma ampla pesquisa realizada na dê de 1980, confirmou o aumento do seu tamanho ainda mais, nos últimos tempos.

Padrão da raça: o cabeça: largura, comprimento e espessura médios; o chifres: médios; o olho: escuros, elípticos, de olhar sonolento, protegido por peles; o orelha: pendentes, de médias a longas; o cauda e vassoura: comprida e fina, na linha ou abaixo dos jarretes. Vassoura ligeiramente mesclada; o úbere e tetas; de volume médio, com pele sedosa, tetas sedosas e bem distribuídas; o pelagem: uniforme, branca e cinza, em suas diversas variedades. Admite-se a amarela e vermelha uniforme; o pele: preta ou escura, solta, fina, flexível, macia, oleosa, róseo no úbere e região inguina

Canchim, Raça Sintética produzida na Embrapa Pecuária

Sudeste de São Carlos pelo cruzamento de Charolais e Zebu principalmente Indubrasil, além de Nelore e Guzerá, com 5/8 Charolais e 3/8 de sangue Zebu. Mas a preferência aos animais indubrasil se deu pela facilidade de se obter um plantel numeroso e a preços razoáveis, o que teria sido difícil em se tratando de vacas das raças gir, nelore ou guzerá.

O touro canchim, cobrindo a campo vacas aneloradas, produz novilhos precoces, mas quando comparado a número de bezerros produzidos este é igual aos outros touros, porem com qualidade superior devido os animais serem mais pesados, cumprindo assim a finalidade a qual foi idealizado.

Padrão da raça: o pelagem: cinza, vermelha e branca; o perfil é retilíneo ou subcôncavo o cabeça: forma de ataúde com tamanho, peso, largura e comprimento médios; o orelhas: de tamanho médio; o chifres: ovais; o focinho: enfumaçado em várias tonalidades de róseo; o peito: largo, profundo e saliente;

A raça bovina Simbrasil é um cruzamento industrial que possui 5/8 de sangue Simental(Bos taurus) e 3/8 de sangue Zebu que traz consigo características importantes como pelo curto, cascos fortes, pele bem segmentada e solta, o que imprime maior rusticidade, adaptação e longevidade. Já o Simental traz precocidade, produção de leite e qualidade de carcaça.

o padrão genético da raça é a coloração avermelhada, com manchas brancas ou amareladas, mas admitem-se partes mais escuras devido ao cruzamento com as diversas raças zebuinas nacionais.

As fêmeas pesam em media 600 kg e os machos em media 1.0 kg. Os novilhos atingem em media 470 kg no abate aos 18-24 meses. As fêmeas apresentam alta produtividade leiteira por serem provenientes do cruzamento de Simental com Guzerá que apresentam grande capacidade materna.

O tabapuã vem sendo criado com sucesso em quase todos os Estados do Brasil. É a raça zebuína que mais cresceu nos últimos 10 anos, tanto nos registros genealógicos de nascimento (RGNs), como também nos registros genealógicos definitivos (RGDs), mostrando que os criadores estão realmente satisfeitos com o desempenho da raça atualmente considerada como uma das melhores para produção de carne em menor tempo, fazendo jus ao título de "O Zebu Mais Precoce".

Existe várias qualidades para esses animais, tais como a docilidade, fertilidade, precocidade reprodutiva, boa conformação frigorífica e uma excelente habilidade materna, ou seja, vacas precoces, férteis e amorosas que criam bem os seus bezerros, os quais atingem melhores pesos na desmama dentre todas as raças zebuínas. É altamente produtivo no regime de confinamento e de semiconfinamento.

→ São muito poucos os zebuínos dessa raça criados no

Brasil. É o menor dos rebanhos zebuínos, sendo a criação do sindi reduzida a pequenos núcleos, como na Paraíba, onde estão localizados os maiores criadores da raça. O sindi foi importado como de aptidão leiteira mas hoje é um bom produtor de carne.

Angus é uma raça de bovinos, destinada à produção de carne de qualidade superior, tem as suas origens no Nordeste da Escócia, onde o seu aperfeiçoamento começou há cerca de 200 anos. Sendo encontrado nas veriedades Aberdeen Angus e Red Angus.

Padrão da raça:

o mocho e de tamanho médio; o pelagem apresenta-se curta e de cor preta ou vermelha; o O peso varia entre 550 a 700 kg de uma fêmea adulta e 900 a 1000 kg de um macho; o As vacas atingem a idade de reprodução com cerca de 15 meses.

A raça é especializada em produzir grande massa muscular, com pequena capa de gordura, associando sua qualidade rústica e adaptabilidade a uma variedade climática do frio ao subtropical;

Um gado precoce e especializado em carne, destacando-se pelo grande rendimento de carcaça, estrutura física (conformação), com preponderantes características raciais e maturidade sexual.

Padrão da raça:

o A linhagem brasileira é resultante de três padrões distintos: o francês (animais de maior massa muscular), o inglês (gado mais elevado, mais comprido, mais moderno); o argentino (intermediário entre os tipos francês e inglês). Originou, assim, o charolês de pelagem clara e grande porte.

Raça de grande rusticidade, com alto desenvolvimento corporal e desenvolvimento muscular intenso com alto rendimento de carcaça.

Padrão da raça:

o A pelagem é de uma só cor: parda variando até o ligeiramente vermelho ou do amarelo é claro até o amarelo escuro; o O pelo é suave e curto, mas nunca eriçado. Condenamse as manchas brancas, negras ou de cor vermelha escura, nas extremidades, na parte inferior do abdômen e nos flancos; o A pele é flexível, de grossura media e coloração rosada, sem pigmentação negra ou castanha em torno dos orifícios naturais; o Os chifres são horizontais, encurvando-se para baixo e adiante, mas as pontas podem dirigir-se para frente ou para trás, com coloração amarelada, e com a ponta escura, mas nunca negra.

(Parte 1 de 2)

Comentários