Modulo II - aula 07 - doenças causadas por vírus

Modulo II - aula 07 - doenças causadas por vírus

(Parte 1 de 2)

PROFº: HUBERTT GRÜN. Página 1

Vamos ver a seguir as principais viroses da espécie humana.

ﺽ Gripe e resfriado comum

Embora causados por vírus diferentes, seus sintomas são semelhantes: coriza, obstrução nasal, tosse e espirro; a febre geralmente só aparece nos casos de gripe. Ambas as doenças são transmitidas por gotículas eliminadas pelas vias respiratórias (fala, espirro, tosse, etc.). Recomenda-se apenas repouso, boa alimentação, ingestão de uma grande quantidade de líquidos e, se necessário, antitérmicos e descongestionantes. Se os sintomas persistirem por mais de uma semana é necessário consultar o médico.

ﺽ Poliomielite

Na maioria das pessoas essa virose causa apenas febre e malestar, no entanto, em alguns indivíduos ela pode atacar o sistema nervoso, provocando paralisia. O vírus penetra através de alimentos contaminados ou por contato com a saliva do doente. Uma vez instalada a doença, não há um procedimento específico para curá-la, sendo feito apenas um tratamento fisioterápico nos casos em que ocorre paralisia (a doença é conhecida também como paralisia infantil, embora não ataque apenas crianças), visando melhorar a coordenação muscular. Assim sendo, para evitar tal doença é muito importante que os pais vacinem seus filhos na época recomendada pelo médico.

ﺽ Febre Amarela

É causada por um vírus transmitido pela picada do mosquito

Aedes aegypti (nas cidades) e do mosquito do gênero Haemagogus (no campo). Provoca febre, vômito, dor no estômago e lesões no fígado, o que torna a pele amarelada (icterícia). O tratamento visa apenas a compensar a desidratação e a perda de sangue para dar tempo ao organismo de reagir, mas em alguns casos pode ocorrer morte por problemas cardíacos ou renais. A prevenção é feita pelo combate ao mosquito e pela vacinação, principalmente nas pessoas que vivem ou se dirigem para as regiões onde a doença se manifesta.

ﺽ Raiva

Essa doença fatal ataca o sistema nervoso. A contração dos músculos responsáveis pela deglutição torna o ato de comer e beber muito doloroso — daí a hidrofobia (hidro = água; fobia = medo, obsessão), típica da doença. É transmitida por animais domésticos, principalmente o cão e o gato, sendo por isso obrigatória a vacinação e o recolhimento dos animais soltos na rua. Pode ser transmitida também por outros animais como ratos e morcegos hematófagos (que se alimentam de sangue). Quando uma pessoa ê mordida por qualquer animal, deve-se lavar o local da ferida várias vezes com água e sabão e depois aplicar um desinfetante. O médico deve ser avisado e se houver risco de contrair o vírus, a vítima recebe soro e vacina anti-rábicos, que evitam a doença.

ﺽ Hepatite Viral

A hepatite é uma inflamação do fígado que pode ser causada por parasitas. A hepatite viral é provocada por cinco tipos de vírus diferentes: A, B, C, D e E. Os sintomas das diversas formas são parecidos: icterícia (pele e olhos amarelados), febre, náuseas, vômitos, falta de apetite etc.

Transmitida por água e alimentos contaminados, a hepatite A normalmente regride sozinha com repouso e dieta adequada. A hepatite B é transmitida principalmente por sangue, derivados dele e relações sexuais. Embora na maioria dos casos a doença desapareça sem deixar conseqüências, 5% dos pacientes necessitam de hospitalização e 10% tornam-se doentes crônicos e podem desenvolver cirrose (lesões no fígado) e câncer de fígado. Para esta forma de hepatite (B) já existe uma vacina eficaz.

A evolução das hepatites C e D é semelhante à da hepatite B (mas não há vacinas), enquanto o tipo E evolui de modo semelhante ao tipo A.

ﺽ Herpes

O vírus produz pequenas vesículas cheias de líquido que quando arrebentam formam feridas nas mucosas ou na pele, com mais freqüência nos lábios (herpes simples) ou na região genital (herpes genital). Embora as feridas cicatrizem em poucos dias, o vírus permanece no organismo e pode provocar novas lesões. A transmissão se dá por contato direto com o portador. Há medicamentos que, embora não curem a doença, diminuem muito a freqüência e a intensidade dos sintomas.

ﺽ Dengue

É transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, pequeno e de cor escura, que vive nas regiões urbanas e tem hábitos diurnos.

Alguns dias depois da picada (período de incubação), há febre alta com duração de quatro a sete dias, dores musculares e articulares (daí o nome popular de "quebra-ossos"), na cabeça e nos olhos — pode haver fotofobia (aversão à luz) —, inflamação na garganta e sangramento na boca e no nariz. Fora isso, há possibilidade de surgimento de manchas avermelhadas na pele semelhantes às do sarampo. Cerca de uma semana depois, essas manifestações começam a desaparecer aos poucos, mas em pessoas subnutridas e debilitadas a doença pode levar à morte.

A dengue não tem tratamento específico: o doente deve ficar de repouso, ingerir muito líquido e tomar medicamentos para dor e febre, indicados pelo médico. A prevenção é a mesma que a contra a febre amarela: como o mosquito põe seus ovos em águas paradas e limpas, devemos conservar tampados caixas - d'água, poços e cisternas, trocando semanalmente a água de vasos de plantas e impedindo o acúmulo de objetos que retenham água, como pneus, latas, garrafas etc.

Quem já teve dengue — mesmo de uma forma assintomática (sem sintomas) — ou quem é portador de doença crônica, como a diabetes, a artrite reumatóide ou o lúpus, está sujeito a contrair a dengue hemorrágica, provocada por outro tipo de vírus. Ela começa do mesmo modo que a outra dengue, mas, quando termina a fase febril, os sintomas se agravam, com queda de pressão arterial, hemorragias da pele, intestino e gengivas, e aumento no tamanho do fígado. Neste caso, as pessoas devem permanecer em observação no hospital, uma vez que, se não houver assistência médica, a doença pode levar o paciente à morte em 10% dos casos.

ﺽ Sarampo

Ataca principalmente crianças até dez anos de idade, provocando tosse, febre alta e manchas vermelhas no corpo. O doente fica curado naturalmente em poucos dias, mas, sobretudo em crianças subnutridas, podem ocorrer complicações, como a broncopneumonia, provocadas por bactérias e que exigem pronto atendimento médico. A transmissão se dá de um doente para outro por eliminação do vírus pelas vias respiratórias. A prevenção é feita pela vacina.

ﺽ Rubéola

É também típica de crianças, produzindo sintomas semelhantes aos da gripe e manchas rosadas na pele, menores que as do sarampo. Tem evolução benigna, mas nas mulheres grávidas, o vírus pode passar através da placenta e provocar problemas no feto (surdez, doenças cardíacas etc). A prevenção é feita com a vacina.

ﺽ Catapora (Varicela)

Ataca principalmente crianças, provocando febre, enjôo, vômitos e pequenas bolhas no corpo. O doente melhora sozinho em poucos dias, mas é necessário procurar o médico e manter a criança isolada. Não se deve coçar as bolhas, para evitar contaminação por bactérias. Não há vacina específica e em alguns casos o vírus pode permanecer em estado latente e, mais tarde,

PROFº: HUBERTT GRÜN. Página 2 no adulto, provocar bolhas na pele e febre alta: é o berpes-zoster ou "cobreiro".

ﺽ Caxumba

Provoca inflamação da parótida, uma glândula salivar (daí o nome parotidite). A cura é espontânea, mas o doente deve ficar em repouso. Entretanto, principalmente nos adultos, ela pode trazer complicações para outros órgãos, como os testículos (neste caso, pode causar esterilidade).

ﺽ Condiloma ou Verruga Genital

É causado pelo vírus HPV (papiloma vírus) que provoca lesões em forma de "verrugas" na vulva, vagina e pênis, sendo transmitido pelo ato sexual. A lesão deve ser retirada com bisturi elétrico ou produtos químicos. Mulheres que têm ou tiveram o vírus devem fazer exames ginecológicos periódicos, já que alguns subtipos do vírus têm relação com o câncer no colo do útero.

ﺽ Aids

A Aids é um processo de destruição do sistema imunológico, que é um conjunto de células que defendem o corpo contra infecções e alguns tipos de câncer. Por isso, os doentes de Aids apresentam uma grande vulnerabilidade a infecções por germes chamados oportunistas, que para eles são fatais. Vem daí o nome da doença: Aids é a sigla de "Acquired Immunodeficiency Syndrome" (Síndrome da imuno-deficiência adquirida), o que significa que esta deficiência imunológica não é herdada dos pais, mas adquirida pelo contato com o vírus (o termo síndrome indica um conjunto de sinais e sintomas de uma doença).

O nome do vírus adotado oficialmente é HIV, iniciais de "human immunodeficiency virus" — o vírus da imunodeficiência humana. Há dois tipos: o HIV-1, responsável pela quase totalidade dos casos, e o HIV-2, que é bem mais raro e produz uma forma um pouco menos agressiva da doença.

Sintomas: A maioria das pessoas não apresenta nenhum sintoma logo após ter sido contaminada pelo vírus (mas é importante saber que, mesmo sem sintomas, ela pode transmitir o vírus para outras pessoas). Duas a quatro semanas depois do contato com o vírus, é possível que ocorram febre, diarréia, cansaço, falta de ar, aumento dos gânglios linfáticos nas axilas, pescoço e virilha, manchas avermelhadas na pele, sapinho (candidíase) e uma série de sintomas que podem aparecer em outras doenças, como a mononucleose. Por isso, somente um diagnóstico médico é capaz de indicar se a pessoa tem realmente a doença.

Uma ou duas semanas depois os sintomas desaparecem, mas o vírus continua a se reproduzir no corpo. Após um tempo variável, surgem as infecções oportunistas, acompanhadas por emagrecimento e fraqueza. Uma vez instalada a doença, ela é fatal.

Transmissão: O contágio ocorre principalmente através de esperma, sangue, leite materno e secreções vaginais, que entram em contato com o sangue de outra pessoa através de lesões na pele ou mucosas. Portanto, a infecção pode acontecer nas relações sexuais, transfusões, gravidez, parto, amamentação e uso de agulhas e outros instrumentos contaminados (bisturis, tesouras etc). Até a década de 1990, não foi registrado nenhum caso de contágio do vírus da Aids através de picadas de mosquito, apertos de mão, abraços, beijos sociais, tosse, espirro, uso de piscinas ou uso comum de roupas, toalhas, copos, talheres, privadas, serviços de lavanderia etc.

Existem pessoas infectadas há mais de quinze anos que ainda não desenvolveram a doença. Não se sabe ainda por que; talvez elas sejam resistentes ao vírus da Aids.

Diagnóstico: Tanto os doentes quanto os portadores assintomáticos podem ser identificados através de testes em amostras de sangue. O mais usado é o Elisa. Mas como há a possibilidade de um resultado positivo falso, é necessário submeter a amostra duas vezes ao teste ou recorrer a um teste mais preciso, como o Western-Blot.

Tratamento: Ainda não existe cura para a Aids, mas medicamentos como o AZT, ddI, ddC, que inibem a enzima transcriptase reversa, e os chamados inibidores de proteases (outra enzima de vírus) prolongam a vida do paciente e melhoram suas condições de existência.

Os doentes devem ter acompanhamento médico constante, de modo que as infecções possam ser prontamente identificadas (como a pneumonia, o herpes, a candidíase) e tratadas com antibióticos e outras medicações específicas.

As vacinas contra a Aids estão em fase experimental, mas a capacidade que o vírus tem de sofrer mutações, produzindo novas linhagens de vírus imunes aos anticorpos contra as linhagens antigas, diminui a probabilidade de se conseguir uma vacina eficaz.

Prevenção: A melhor proteção contra a transmissão da Aids por via sexual é o uso do preservativo masculino ou camisinha.

Para prevenir-se contra a transmissão por via endovenosa (pelo sangue) é necessário controlar os bancos de sangue e utilizar apenas seringas ou agulhas descartáveis.

Mulheres portadoras do vírus não devem ficar grávidas; e os instrumentos que possam ser contaminados pelo sangue de pessoas infectadas devem ser esterilizados.

Vírus e Câncer

O câncer aparece quando certos genes que controlam o crescimento e a divisão celular sofrem alguma alteração, que pode ser provocada por radiação, produtos químicos ou certos tipos de vírus, como o HTLV-1 (human T-cell lymphotrophic vírus type 1). Este vírus é similar ao da Aids e, em vez de destruir as células de defesa do organismo, como faz o vírus da Aids, faz com que elas se reproduzam descontroladamente, provocando leucemia. O vírus se transmite por transfusão sanguínea, contato sexual, seringas contaminadas e amamentação.

Os Vírus Emergentes

(Parte 1 de 2)

Comentários