apostila de DQO DBO

apostila de DQO DBO

(Parte 1 de 8)

DQO

&

DBO

APOSTILA DE LABORATÓRIO

Disciplina: ST 405 – QUÍMICA SANITÁRIA E LABORATÓRIO DE SANEAMENTO II

Profª.Dra. Maria Aparecida Carvalho de Medeiros,

Tecnóloga MSc. Josiane Aparecida de Souza Vendemiatti,

Tecnólogo MSc. Geraldo Dragoni Sobrinho,

Tecnóloga MSc. Anjaína Fernades de Albuquerque,

SÚMARIO DO LABORATÓRIO DE SANEAMENTO II

ASSUNTO PÁGINA

Critérios de avaliação DA PARTE EXPERIMENTAL 03

NORMAS DE SEGURANÇA 03

1A. EXP. DETERMINAÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DO OXIGÊNIO (DQO) 04

2A. EXP. OXIGÊNIO DISSOLVIDO (OD) (Parte 1) 09

2A. EXP. DEMANDA BIOQUÍMICA DE OXIGÊNIO (DBO5) (Parte 2) 12

3A. EXP. DETERMINAÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS 17

4A. EXP. DETERM. DE RESÍDUOS OU SÓLIDOS: SÉRIE COMPLETA 20

5A. EXP. DETERMINAÇÃO DA SÉRIE DO NITROGÊNIO 25

5A. EXP. DETERMINAÇÃO DE NITRITO EM ÁGUAS (Parte 1) 27

5A. EXP. DETERMINAÇÃO DE NITRATO EM ÁGUAS (Parte 2) 31

5A. EXP. NITR. AMONIACAL adaptado 4500 – NH3. B (Standard Methods) (P3) 34

6A. EXP. DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL 36

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 40

ANEXOS (NÃO SERÃO REALIZADOS EM AULA DE LABORATORIO) 41

A - 1A. EXP. DETERMINAÇÃO DA DQO (Método do Refluxo com dicromato 41

em balão de fundo chato, titulando a amostra com SFA na presença

do indicador ferroin (Standard Methods 5220B)

B - 2A. EXP. OXIGÊNIO DISSOLVIDO (OD) e DBO pelo Método de Winkler 44

C - 3A. EXP. DETERMINAÇÃO DO NITROGÊNIO KJELDAHL 48

T405 - QUÍMICA SANITÁRIA E LABORATÓRIO DE SANEAMENTO II

Experimentos a serEM REALIZADos, em EQUIPEs: Experiências 1 a 6. Os roteiros das experiências estão colocados nesta apostila e em papel no xerox do CESET.

AULAS NO LABORATÓRIO:

Pré-condições para a realização dos experimentos:

a) Apresentação do Pré-Laboratório(individual), em caderno de laboratório de partes do relatório: Título, Introdução (Fundamentação teórica dos conceitos envolvidos no experimento), Objetivos, Procedimento Experimental (Fluxograma esquemático do que será feito no experimento com os respectivos cálculos necessários, Cuidados a serem tomados na manipulação, bem como no uso de equipamentos e Procedimentos de descarte de substâncias e/ou materiais usados no experimento). A verificação destas informações, pelo(a) professor(a), será realizada durante o experimento.

b) Uso de avental e óculos de segurança, não será permitido a realização da experiência caso o aluno esteja sem avental e/ou óculos.

Critérios de avaliação DA PARTE EXPERIMENTAL:

Serão atribuídas duas notas para cada um dos alunos/equipes ao longo do período, como segue:

a) avaliação contínua (10%): Referente ao resultado das checagens do caderno de laboratório durante a realização de cada experimento, das respostas às questões formuladas e da postura/desempenho no laboratório.

b) relatório (20%): Após a realização do experimento em equipe, cada equipe deverá elaborar o relatório, contendo as seguintes partes: Título da experiência realizada, Introdução; Objetivos; Parte Experimental: Materiais, Equipamentos, Reagentes, Procedimento Experimental; Resultados e Discussão; Conclusões e Bibliografia. Ler a apostila de ST108 – Química Aplicada para obter detalhes de como redigir um relatório. O relatório deverá ser entregue 15 dias após a data da realização do experimento, não serão aceitos relatórios atrasados. O aluno que faltar na aula de laboratório ficará com zero naquele experimento.

NORMAS DE SEGURANÇA:

O Laboratório de Química Sanitária não é um local extremamente perigoso de se trabalhar, mas é necessário uma dose constante de prudência por parte de cada aluno (nada deve ser feito sem antes pensar nas possíveis conseqüências de cada ato). Esteja sempre alerta, inclusive com o que está acontecendo ao seu redor. Para a maioria das operações de laboratório existem instruções específicas que devem ser rigorosamente seguidas por cada aluno (esta observação aumenta a segurança de todos). As seguintes normas devem ser sempre observadas: a) o uso de avental e óculos de segurança; b) fazer somente a experiência indicada pela professora, lendo a apostila previamente e efetuando o pré-laboratório; c) ler atentamente os rótulos dos frascos de reagentes, antes de utilizá-los; d) ao manusear líquidos tóxicos ou voláteis, sempre utilizar uma das capelas; e) sempre usar banhos adequados para aquecer líquidos voláteis ou inflamáveis (nunca usar chama para aquecê-los!); f) ao diluir uma solução concentrada de ácido, sempre adicionar o ácido à água (nunca fazer o contrário!); g) se alguma solução ou reagente respingar na pele ou olho, lavar-se imediata e profusamente com água corrente; h) quaisquer acidentes devem ser imediatamente comunicados à professora e/ou tecnólogos; i) lavar as mãos antes de sair do laboratório.

CLASSES DE IncênDIOS E SEU COMBATE:

Existe um tipo de extintor de incêndio (CO2) no Laboratório de Saneamento, o qual deve ser usado como recomendado abaixo:

Classe A: queima de combustíveis sólidos comuns (papel, madeira etc.). Pode ser combatido com água (resfria, encharca e apaga) ou com espuma (abafa e resfria) ou com CO2 (abafa e resfria) ou com pó químico (apaga na superfície, por abafamento).

Classe B: queima de líquidos (gasolina, óleo etc.), graxas ou gases. Pode ser combatido com espuma (deve se direcionar o jato a um anteparo, visando a formação de uma camada de espuma) ou com pó químico ou com CO2 (este é o extintor recomendado se o incêndio envolver equipamentos eletro-eletrônicos, pois não deixa resíduos).

Classe C: queima de equipamentos eletro-eletrônicos. Deve ser combatido somente com CO2, pois não deixa resíduos ou causa danos. Não deve ser usada espuma químico, por ser condutora de corrente elétrica.

Nota: em caso de incêndio, procure manter-se calmo, pois uma aguda capacidade de raciocínio é fundamental para sua maior segurança.

1a. EXPERIÊNCIA: DETERMINAÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DO OXIGÊNIO (DQO)

A - Método Colorimétrico: DR2000 – Curva Padrão Inserida no. 955

Standard Methods 5220 D.

I – Introdução

A determinação do conteúdo de matéria orgânica é um a das características mais importantes no estudo das águas residuais e naturais.

A análise de matéria orgânica em água e esgoto pode ser classificada em dois tipos gerais de medidas: aquelas que quantificam uma quantidade de matéria orgânica agregada compreendendo constituintes orgânicos com uma característica comum e aquelas que quantificam compostos orgânicos individuais.

Vários métodos têm sido desenvolvidos para a determinação do conteúdo de matéria orgânica, entre eles aquele que nos permite determinar a demanda química de oxigênio ((DQO), em inglês, “chemical oxygen demand”(COD)), ou seja, quantidade de oxigênio consumido por diversos compostos orgânicos através de uma oxidação química.

Adicionalmente, tem-se a determinação do carbono orgânico total ((COT), em inglês “total organic carbon” (TOC) que consiste em um método instrumental, originalmente desenvolvido pela Dow Chemical Company.

O carbono orgânico em água e esgoto é composto de uma variedade de compostos orgânicos em vários estados de oxidação. Alguns destes compostos podem ser oxidados por processos biológicos ou químicos. A demanda bioquímica de oxigênio ((DBO), em inglês “biochemical oxygen demand” (BOD)) e a DQO são usadas para caracterizar estas frações.

Na análise da DQO, o oxigênio necessário para oxidar a matéria orgânica contida na água e possível de ser oxidada, é medido utilizando-se um composto fortemente oxidante como, por exemplo, o dicromato de potássio em meio fortemente ácido, oxidando até mesmo a matéria orgânica mais resistente à oxidação, convertendo-a em dióxido de carbono e água, conforme a equação química:

CnHaOb + c Cr2O72- + 8c H+n CO2 + [(a + 8c)/2] H2O + 2c Cr3+

Onde c = 2/3n + a/6 – b/3

Durante o processo de oxidação química, quaisquer sais inorgânicos presentes são também convertidos para as formas oxidadas.

O resultado da DQO é especificado em mg/L de oxigênio que seria consumido equivalente à quantidade de oxidante requerido, conforme exemplifica as equações químicas:

catalisador

3 CH2O + 2 Cr2O72- + 16 H+3 CO2 + 11 H2O + 4 Cr3+

calor

microorganismos

3 CH2O + 3 O2 3 CO2 + 3 H2O

Sob as condições fortemente oxidantes na análise da DQO, a maioria dos compostos orgânicos fornece de 95 à 100 % do oxigênio teórico consumido, mesmo para moléculas aromáticas mais estáveis, tais como benzeno e tolueno.

Portanto, a demanda química de oxigênio (DQO) indica a quantidade de oxigênio que seria consumido através de reações químicas de oxidação de diversos compostos orgânicos presentes, sem a intervenção de microrganismos, indicando de maneira indireta a quantidade de matéria orgânica presente no líquido.

A determinação da DQO é muito mais simples e rápida que a DBO, sendo assim a determinação da DQO cresce em importância, principalmente no caso de controles de efluentes ou de estações de tratamento. Pelo fato de ser uma oxidação química, na DQO todo o material existente no efluente (biodegradável ou não) é oxidado. Dessa forma os resultados de DQO são maiores ou iguais aos resultados da DBO. Para certos resíduos é possível estabelecer uma relação empírica entre estes dois parâmetros.

O ensaio da DQO se emprega tanto para águas naturais como residuárias industriais e municipais, possuindo como vantagem a rapidez e simplicidade na determinação: aproximadamente 3 horas para a DQO e no mínimo 5 dias para a DBO. Além dessas vantagens, a DQO pode ser empregada em casos onde não se pode determinar DBO com a exatidão necessária, como por exemplo, quando da presença de compostos tóxicos para os microrganismos.

O teste de DQO torna-se bastante importante para os estudos de corpos d’água, resíduos industriais e controle de esgotos sanitários.

II - Metodologia

O método de digestão do dicromato, trata-se de uma reação de oxidação em meio fortemente ácido e elevada temperatura na presença de um catalisador (o sulfato de prata). É usado o dicromato de potássio (cromo na forma de Cr6+) devido a sua forte capacidade oxidante, facilidade de manipulação e aplicabilidade, além de ser um padrão primário.

A utilização de um catalisador, como o sulfato de prata, é necessária para tornar possível a oxidação de compostos alifáticos de cadeia reta.

Após a oxidação da matéria orgânica presente, a DQO é obtida diretamente (mg O2/L) no espectrofotômetro DR2000, através de uma curva padrão inserida no laboratório.

III - Interferentes

As principais interferências no método são:

- traços de matéria orgânica existentes na vidraria, os quais são eliminados efetuando-se prova em branco;

- o sulfato de prata, utilizado como catalisador, pode reagir com cloretos, brometos, e iodetos produzindo precipitados diminuindo a sua ação catalítica. Para evitar a interferência principalmente de cloretos utiliza-se sulfato de mercúrio. A presença de cloretos só começa a ser prejudicial acima de 2000 mg/l.

IV - Amostragem

As amostras para esta análise devem estar bem homogêneas, principalmente aquelas que contenham muito sólidos sedimentáveis, como o caso dos esgotos, tornando necessário uma cuidadosa homogeneização antes de se tomar a alíquota adequada para análise. Desta forma devem ser observados os seguintes ítens:

- Tipo de frasco: polietileno, polipropileno ou vidro

- Volume necessário: 200 ml

- Preservação da amostra: adiciona-se ácido sulfúrico concentrado até pH  2, e refrigeração à 4ºC

- Prazo de análise: 7 dias

V - Materiais e equipamentos

a) equipamentos

- Espectrofotômetro DR2000 ou similar (= 600 nm)

- Tubo tipo ensaio de vidro com tampa rosqueável (medidas, Tabela 01)

- Bloco digestor com capacidade de 150 °C

- Balões volumétricos

- Pipetas volumétricas

- Béquers 100, 250 e 500 mL

- Agitador magnético

- Espátulas

Tabela 01 – Concentração dos reagentes versus dimensões do tubo de digestão (DQO).

Tubo de digestão

Amostra (mL)

Solução de digestão (mL)

Reagente de ácido sulfúrico (mL)

Volume Total (mL)

16x100 mm

2,5

1,5

3,5

7,5

20x150 mm

5,0

3,0

7,0

15,0

25x150 mm

10,0

6,0

14,0

30,0

Ampola padrão de 10 mL

2,5

1,5

3,5

7,5

b) reagentes

- Solução de digestão: adicionar em 125 mL de água destilada 2,554 g de dicromato de potássio (K2Cr2O7), previamente seco em estufa a 103ºC por 2 horas, 41,75 mL de ácido sulfúrico, 8,325 g de HgSO4. Dissolver, esfriar e completar com água destilada o volume em balão volumétrico de 250 mL.

- Reagente de ácido sulfúrico: adicionar sulfato de prata (Ag2SO4) cristal ou pó em H2SO4 numa proporção de 2,03 g de Ag2SO4 para 200 mL de ácido sulfúrico concentrado. A dissolução completa do sulfato de prata demora cerca de 24 horas, por isso se deve estar sempre atento à necessidade de se fazer nova solução.

- Solução padrão de Biftalato de potássio: de uma quantidade de Bifatalato de potássio, HOOCC6H4COOK, seca a 120ºC por 2 horas, pesar 425,0 mg e dissolver em aproximadamente 500 ml de água destilada e então completar o volume para 1000 ml em balão volumétrico. Esta solução é estável por até 3 meses quando guardada sob refrigeração. Relação teórica entre o biftalato de potássio e a DQO: 1 mg de biftalato de potássio= 1,171 mg O2.

- Ácido sulfúrico concentrado Ácido sulfúrico 20%: dissolver 20 mL de H2SO4 concentrado para cada 100 mL de solução.

VI – Curva Padrão de Calibração para DQO.

A Tabela 02 contém um exemplo de dados para a obtenção da curva de calibração da DQO. A Figura 01 mostra o gráfico da curva de calibração da DQO.

Observações:

  1. Toda vez que tiver que preparar nova solução, mudança de marca de reagente, etc, deverá ser feita nona curva de padronização.

  2. Correr um padrão conhecido a cada certo número de análises para certificar-se da validade da curva inserida.

Tabela 02 – Exemplo de Curva padrão para DQO.

Concentração de DQO (mg O2/L)

Volume da solução Padrão a completar para 100 (mL)

*Absorbância

0,0 (BRANCO)

0,0

0,000

50,0

10,0

0,009

100,0

20,0

0,029

200,0

40,0

0,068

300,0

60,0

0,098

400,0

80,0

0,149

500,0

SOLUÇÃO ESTOQUE (100 mL)

0,169

  • Obs.: A ser obtido no espectrofotômetro.

Figura 01 – Curva de calibração da DQO.

VI - Procedimento experimental

  1. Determinação da DQO de uma amostra:

1 – Lavar os tubos com H2SO4 20% para eliminar interferentes de amostras anteriores;

2 – Fazer uma prova em Branco, adicionando água destilada no lugar da amostra e executar o mesmo procedimento descrito para a amostra. O Branco será utilizado para “zerar”o espectrofotômetro.

A amostra de água residuária deve ser homogeneizada, agitando-se o frasco que contém a amostra, em seguida, quando for necessário fazer a diluição da amostra, deve-se diluir a amostra, utilizando-se o respectivo fator de diluição. A alíquota de amostra deve ser obtida com pipeta volumétrica, transferida em balão volumétrico e completado o volume com água destilada até o menisco. Em seguida, homogeneizar a amostra contida no balão, antes de retirar a alíquota a ser analisada na metodologia.

Em capela, executar as seguintes etapas:

3 - Colocar nos tubos, 1,5 mL da solução de digestão;

4 – Adicionar 2,5 mL de amostra de água residuária;

5 – adicionar 3,5 mL de reagente ácido sulfúrico;

6- fechar os tubos e agitar várias vezes para a homogeneização (cuidado: reação exotérmica (quente!));

7 – Colocar os tubos no bloco digestor para fazer a digestão da amostra a 150 °C por 2 horas (tempo estabelecido no Standard Methods, porém, na aula de laboratório haverá um ajuste do tempo para 30 min., apenas para viabilizar a execução da experiência dentro da duração da aula);

8- Retire os tubos do bloco digestor, esfriar, agitar e deixar sedimentar. Tomar o cuidado de limpar bem os tubos antes das leituras, para evitar a interferência na passagem da luz.

9 – ligar o espectrofotômetro, chamar o método 955, ajustar o comprimento de onda para 600 nm e “zerar” com a prova em Branco. Fazer a leitura da amostra. O valor obtido no espectrofotômetro já está expresso em mgO2/L de DQO.

Questões para serem respondidas como anexo no relatório (Pode ser manuscrito).

  1. Faça uma análise do resultado obtido na análise de DQO considerando:

    1. Não foi colocado o catalisador na reação de refluxo,

    2. Não foi deixado o tempo de refluxo necessário,

    3. Não foi colocado dicromato de potássio suficiente.

  2. (A) Quais são interferentes da análise de DQO?

(B) Explique o que significa a análise da DQO, Qual a metodologia utilizada? Quais as vantagens desta análise sobre a DBO?

(C) Escreva as equações químicas envolvidas nas reações de oxidações na análise de DQO.

(D) Explique porquê é efetuado a adição de sulfato de prata e de sulfato de mercúrio na análise de DQO.

3) FAÇA UMA ANÁLISE DA PROPOSTA DE “RECUPERAÇÃO DA ÁGUA RESIDUAL DA ANÁLISE DE DQO”, se possível faça outras sugestões para a recuperação da água residual da análise de DQO:

Considerando que a água residual da análise de DQO, possui concentração de ácido sulfúrico e sais, tais como prata e mercúrio, que se lançados no esgoto e são prejudiciais ao meio ambiente.

Diante deste contexto, as amostras após a análise devem ser armazenadas para posterior recuperação.

- PROCEDIMENTO

3.1- Utilizar um recipiente plástico para este procedimento.

3.2- Para cada litro de água residual, adicionar 40 g de sal de cozinha e deixar decantar por 3 dias (resíduo precipitado = prata).

3.3- Retirar o líquido por sifonação, não precipitado. O resíduo de prata deverá ser acondicionado em frasco fechado e identificado.

3.4- Na água residual (sem o precipitado de prata), adicionar água de torneira na proporção 1:1.

(Parte 1 de 8)

Comentários