Manual Desenho Técnico

Manual Desenho Técnico

(Parte 1 de 6)

1. Normalização para Desenho técnico3
1 .1Objectivo e importância da normalização no desenho técnico3
2. Material de Desenho5
2 .1 Superfície de Desenho5
3. Dimensões Normalizadas6
4. Dobragem do papel1
4 .1 Métodos de dobragem1
4.1.1Dobragem conservando margem de fixação1
4.1.2Dobragem modular com cartão para fixação12
4.1.3 Dobragem modular com folhas soltas13
5. Grupos de Traços13
5 .1 Tipos de Linhas13
5 .2 Espessuras15
5 .3 Grupos de Traços15
5 .4Minas a utilizar em Desenho Técnico17
5.4.1 Minas brandas17
5.4.2 Minas médias17
5.4.3 Minas duras17
6. Projecções Ortogonais17
6 .1 Projecção num plano17
6 .2Métodos de representação das vistas18

6.2.1Métodos do primeiro diedro ( ou método Europeu)

18

6.2.2Métodos do Terceiro diedro ( ou método Americano)

19
6.2.3 Métodos das Flechas Referenciadas21
6 .3 Regras práticas21
6 .4Escolha da vista mais conveniente2
6 .5 Escolha da vista principal2
6 .6 Escolha de outras vistas2
6 .7 Perspectiva central23
6 .8Perspectiva ortogonal ou perspectivas rápidas24
8. Tipos de Desenhos28
8 .1 Desenhos de Projecto28
8.1.1 Desenhos de Obra28
8 .2 Desenhos de Oficina30

8 .3Desenhos de Projecto ( continuação )

31
8.3.1 Escalas3
8.3.2 Legendas3
8 .4 Desenhos de Conjunto35
8.4.1 Plantas35
8.4.2 Cortes36
8 .5 Desenhos de Pormenor37
8.5.1Convenções para o desenho de armaduras37
8.5.2 Vigas38
8.5.3 Pilares39
8.5.4Elementos a representar nos desenhos de pormenor41

1.Normalização para Desenho técnico

Portugal aderiu àInternational System OrganizationISO pelo que as normas Portuguesas NP estão em concordância com as recomendações ISO.

1 .1Objectivo e importância da normalização no desenho técnico

A normalização é a actividade que procura fornecer soluções de aplicação repetidapara problemas do âmbito da ciência, da técnica e da economia, tendo em vista a obtenção de um grau óptimo de ordem em determinado contexto.”

Elaboração, publicação e implementação de documentos designados NORMAS. “Norma é um documento que define características de um produto ou de um serviço, tais como as níveis de qualidade ou de eficiência, a segurança ou as dimensões”. As normas daInternational Standards Organization são identificadas pela sigla ISO, seguida de um número de ordem e, entre parêntesis,o ano da sua publicação. Outras normas encontradas com alguma frequência são as normas DIN Deutsche Industrie Normen, ASAAmerican Standard Association, BS British Standard e NFNorme Française.

Ano Assunto NP ISO

82Princípios gerais de representação327, 328 e 671128 82Linhas e sua utilização62128 85 Cotagem 297 129 82Inscrição de tolerâncias dimensionais406406 83Inscrição de tolerância geométricas9761101 78Inscrição de estados de superfície9761302 82Cotagem de perfis9761660 73Representação de molas10562162 73Representação de engrenagens10562203 74Cotagem de elementos cónicos7163010 74Escrita- caracteres correntes893098 77Símbolos na regulação de proc. Industr.893511 77Símbolos na técnica do vazio893753 81Símbolos para esquemas cinemáticos893952 83Símbolos para procedimentos de soldadura894063 81Desenho de construções metálica895261 79 Escala 717 5455 80Formatos e elementos gráficos das folhas17, 48 e 7185457 81Tolerâncias geométricas- referências17, 48 e 7195459 81Representação de roscas10066410 82Representação de furos de centros10065411 82Desenhos de vidrarias10066414 82 Micrografia 1006 6428 81Referência dos elementos10066433 84Dobragem das folhas497067 83Dimensões dos símbolos para tol. Geom.497083 84 Legendas 204 7200 83Nomenclatura-Lista de peças2057573

Tabela1– Normalização para Desenho Técnico

MANUAL DEDESENHO TÉCNICO 2. Material de Desenho

2 .1Superfície de Desenho A qualidade das superfícies de desenho é normalmente medida pela sua gramagem (isto é, peso por metro quadrado) apresentando-se sob 2 formas:

em rolo ou peça

(90 ou 125cm de largura) em folhas com formatos normalizados podendo ser de diversos tipos: papel opaco- pouco utilizado em desenhos definitivos pela dificuldade que coloca na reprodução de grandes formatos.

papel translúcido (papel vegetal)

– utilizado para desenhos definitivos pela facilidade de reprodução ( cópia hel iográfica). tela– mais resistente e menos sujeito às variações de humidade e de temperatura que o papel vegetal caiu actualmente em desuso pelo seu preço elevado. plástico– utilizado em desenhos definitivos; fácil reprodução

; resistente eainda menos sujeito às variações de humidade e de temperatura que a tela ocupou o lugar que esta desempenhava há uns anos atrás; é ainda consideravelmente mais caro que o papel vegetal. papeis especiais– opacos ou translúcidos têm normalmente um aspecto acetinado devido à baixa rugosidade para melhor desempenho na

utilização com traçadores de gráficos ( plotters

MANUAL DE DESENHO TÉCNICO 3. Dimensões Normalizadas

) fixa os formatos das folhas que devem ser utilizadas em Desenho Técnico. Estas pertencem à chamadasérie A, que tem por base o formatoA0 cuja área é 1m2.

Em qualquer formato da série, o lado maior da folha (a

) é igual à diagonal

), e a relação entre os seus lados é dada porba2 . Resulta destas condições que o formatoA0 tem as dimensõesa=1189mm,b=841mm.

Figura1– Relação entre os lados de uma folha do formatosérie A

Os formatos seguintes, são obtidos tomando o lado maior igual ao lado menor e o lado menor igual a metade do lado maior do formato anterior a b

Figura2– Obtenção de vários formatos dasérie A por subdivisão do formatoA0

A grande diferença entre dois formatos consecutivos dasérie A, levou à criação de duas séries adicionais, asséries B eC, definidas pela NP-17 (1970). As dimensões dos formatos dasérie B são a média aritmética de dois formatos consecutivos dasérie A. A base do formato dasérie B é oB0, cujas dimensões se obtêm pela média geométrica dos formatos A0 e 2A0.

Os restantes formatos dasérie B obtêm-se de modo semelhante aos da série A.

Os formatos dasérie C obtêm-se pela média aritmética das dimensões de dois formatos consecutivos dasséries A eB.

Série ASérie BSérie C Design.Dim. mmxmmDesign.Dim mmxmmDesign.Dim mmxmm

A0841 x 1189B01000 x 1414C0917 x 1297

A1594 x 841B1707 x 1000C1648 x 917 A2420 x 594B2500 x 707C2458 x 648 A3297 x 420B3353 x 500C3324 x 458 A4210 x 297B4250 x 353C4229 x 324 A5148 x 210B5176 x 250C5162 x 229 A6105 x 148B6125 x 176C6114 x 162

Tabela2– Comparação dos formatos dasséries A, Be C

Apenas os formatos dasérie A se devem usar em Desenho Técnico—de

—, servindo asséries Be C como formatos para envelopes,dossiers, pastas, etc.

MANUAL DEDESENHO TÉCNICO 19,024

Figura3– Exemplificação da utilização das Normas

Figura4– Pormenor do canto inferior esquerdo da folha de desenho

A legenda é a parte do desenho onde estão contidas as informações necessárias à identificação e utilização do que está representado.

O rectângulo que envolve a legenda deve ser localizado com dois dos lados sobrepostos ao canto inferior direito da esquadria, considerando a folha orientada na posição de leitura do desenho. A legenda, juntamente com a margem, não deve ter largura superior a 185 m, de modo que, quando o desenho for dobrado, a totalidade da legenda fique no frontispício, facilitando a rápida identificação do desenho. A norma NP 204 fixa os tipos de legenda quese devem usar em desenho técnico.

Figura5– Pormenor da legenda no canto inferior direito da folha de desenho

Designação ou titulo. A designação deve referir-se ao objecto representado e ser independente do fim particular a que se destina, com a finalidade de não restringir o campo de aplicação do Zona 1 desenho em ocasiões futuras Indicações complementares do titulo. Têm normalmente por objectivo identificar a finalidade ou o destino do desenho. Indicam,por exemplo: A entidade que encomendou o desenho, o grupo de estudos a que destina, um conjunto de desenhos de que faz parte,

Zona 2 a obra a que se destina,… Responsáveis e executantes do desenho. Inscreve-se, normalmente o tipo de responsabilidade,

( Projecto, desenho, cópia, verificação, etc..)

Zona 3

A data e a rubrica do responsável respectivo.

Zona 4Entidade que executa ou promove a execução do desenho

Entidade co-proprietária do desenho.

Inscreve-se apenas no caso de o desenho não se desti-Zona 4a _nar à entidade executante. Número de registo do desenho. É o número com que o desenho está registado pela entidade executante que se indica na zona 4.

(Parte 1 de 6)

Comentários