Controle Biológico e Químico de Pragas emcana-de-açúcar

Controle Biológico e Químico de Pragas emcana-de-açúcar

Prof. Dr. Paulo Sérgio Machado Botelho

-UFSCar

UFSCar UFSCar UFSCar

Controle Biológico e

Químico de Pragas em cana-de-açúcar

Brasil

Setor Sucroalcooleiro

Unidades: 344 ( Açúcar, Álcool e Açúcar / Álcool )

em relação ao Brasil em relação ao Brasil

Produz Produz

57 % de cana

65 % de álcool 56 % de açúcar milhões de toneladas de cana-de-açúcar Previsão -Safra 2007/08 -Aumento de 8%

São Paulo

Variedades

Pragas Pragas Pragas Pragas

Colo Colo Colo Colo - --

- Raiz

RaizRaiz Raiz

Procorniter mestriacifer Procorniter mestriacifer

Synter mes Synter mes sp

Heteroter mes Heteroter mes tenuis tenuis

Nasutiter mes Nasutiter mes sp

Neocapriter mes Neocapriter mes sp

Área de Forrageamentode Heterotermeste nuis x x x ( x = 1 Touceira )

Unidade Amostral-1 hectare x x x x x x x x x x x x x

Ter mitrap Ter mitrap®®

Toletes Toletes

Amostrage m Amostrage m

Iscas* Iscas*

Área ( ha)

Número

Unidade

Amostral

Touceiras ou Iscas

Cupins Subterrâneos em Cana-de-açúcar Amostrage m

Gêneros Nível de Controle

( % touceiras com presença de cupins )

1 -Heterotermes 10

5 -Nasutitermes 20

4 -Cylindrotermes 20

3 -Neocapritermes 20

7 -Syntermes 20

6 -Rhynchotermes 20

2 -Procornitermes 20

8 -Cornitermes 40

Nível de Controle Estimativa

Ter mitrap Ter mitrap

Toletes Toletes

Controle Controle

Biol Biolóó gico + Qu gico + Quíí mico

Beauveria Beauveria sp sp . ou . ou M. M. anisopliae anisopliae + Inseticida

+ Inseticida

Iscas* Iscas*

Controle Controle Controle Controle

Qu QuQu Quí í ímic o mic omic o mic o

Scaptocorisspp. Scaptocorisspp.

Medidas de Controle

Constatar a presença da praga no preparo do solo;

Demarcar a reboleirapara controle;

Aplicar inseticida no plantio.

Elasmopalpus lignoselus Elasmopalpus lignoselus

Medidas de Controle

Irrigar a Área Atacada Irrigar a Área Atacada

Sphenophorus levis Sphenophorus levis

Iscas para Controle Iscas para ControleIscas para Controle Iscas para Controle: 105 / ha

Raio: 9m / mês

Dispersã o Dispersã oDispersã o Dispersã o

Controle Controle

Biol Biolóó gico e gico e// ou Qu ou Quíí mico

Beauveria Beauveria sp sp . ou . ou M. M. anisopliae anisopliae e/ou Inseticida e/ou Inseticida

Iscas* Iscas* jan fev mar abr maijun jul ago set out nov dez

Flutuação populacional média de larvas de Sphenophoruslevis e m cana- de- açúcar

Meses

Medidas de Controle

Destruir Restos da Cultura Destruir Restos da Cultura

Migdolusfryanus

Ciclo Biológico Total 2 -3 Anos

Migdolusfryanus

Ciclo Biológico Total 2 -3 Anos

Ovo: 17 dias Larva

Pupa Adulto: 24(F) e 6(M) dias

Fonte: Arrigonietal. (1986)

Inimigos Naturais

Sarcodexiasternodontes

Acanthodotecarudis Acanthodotecainornata

Fero mônio Sexual ( 01 armadilha / 10 a 20 ha/ 3 a 4 semanas)

Fero mônio Sexual ( 01 armadilha / 10 a 20 ha/ 3 a 4 semanas)

Monitoramento

Amostragem / NCParâmetros Touceiras / ReboleiraAtacadaVariável

Larva -Dano / TouceiraPresença / Ausência Nível de ControlePresença da Praga -Dano

Migdolus

( Migdolusfryanus)

Demarcar Áreas Atacadas Demarcar Áreas Atacadas jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Meses

Flutuação média mensal de larvas de Migdolusfryanus e m cana- de- açúcar

Nematóides Ento mopatogênicos

Controle Controle Controle Controle

Biol BiolBiol Bioló ó ógico gicogico gico

Medidas de Controle

Destruir Restos da Cultura Destruir Restos da Cultura

Aplicar Inseticida no Plantio Aplicar Inseticida no Plantio

Mahanarva fimbriolata Mahanarva fimbriolata evapotranspiração potencial precipitação evapotranspiraçãoreal sobra d’água umedecimento do solo déficit d’água consumo hídrico

0 J F M A MJ J A S O N D

0 J F M A MJ J A S O N D

Balanço hídrico e flutuação populacional de Mahanarvafimbriolata.

Balanço hídrico e flutuação populacional de Mahanarvafimbriolata.

Linha 98% dos ovos

Entre Linha 2% dos ovos

Sítio de Oviposição Sítio de OviposiçãoSítio de Oviposição Sítio de Oviposição

Fonte: Botelho etal. (2004)

Mahanarva Mahanarva fimbriolata fimbriolata

Ciclo Biol Ciclo Biolóó gico gico

21 dias

37 dias

20 dias

Inimigos Naturais Salpingogaster nigra

Batkoa apiculata Metarhiziu m anisopliae

Ac mopolyne ma herv ali

Reduvídeos Carabídeos

Asilídeos For micídeos

Anagrus urichi

Fase: Ninfas

Pontos: a partir de 5 / ha

Cada ponto: 1 m linear NC: 2 a 3 ninfas / m

Amostragem AmostragemAmostragem Amostragem

Biológico Químico

Cultural Resistência de plantas

Métodos de Controle

Medidas de Controle Medidas de Controle

1. geraçãoa 2. geraçãoa

3. geração a controle danos relativos população de adultos população de ninfas

Ciclo Biológico da Cigarrinha-da-raiz, Mahanarva fimbriolata, em Cana-de-açúcar

Ciclo Biológico da Cigarrinha-da-raiz, Mahanarva fimbriolata, em Cana-de-açúcar

1 -Isolado Adequado Co mprovada mente virulento à Mahanarvafimbriolata

Fatores que afetam o controle microbiano Fatores que afetam o controle microbianoFatores que afetam o controle microbiano Fatores que afetam o controle microbiano

2 -Formulação Estável

Meio de cultura + fungo

Óleo vegetal + conídios Conídios separados

3 -Forma de Aplicação

Jato dirigido ao colo da planta de ambos os lados da touceira

4 -Volume de Calda Recomendado Mínimo: 300 L / ha

Fatores que afetam o controle microbiano Fatores que afetam o controle microbianoFatores que afetam o controle microbiano Fatores que afetam o controle microbiano

6 -Horário de Aplicação

Final da tarde e a noite

Raios UV: inviabilizam os conídios do fungo Dias nublados e / ou sob chuva fina -aplicar o dia todo

Fatores que afetam o controle microbiano Fatores que afetam o controle microbianoFatores que afetam o controle microbiano Fatores que afetam o controle microbiano

5 -Umidade Relativa e Temperatura

UR: igual ou superior a 65 %

Temperatura Suportável: entre 2 a 35°C

Temperatura Ideal: entre 26 a 28°C Cuidado: evitar os horários mais quentes

7 -Amostragem de Ninfas Iniciar preferencialmente em:

•Áreas de variedades susceptíveis

•Áreas que tenham sofrido ataque intenso no ano anterior

8 -Densidade da Praga

Controle de Ninfas: Primeira geração da praga Nível de Controle: 2 a 3 ninfas / m linear

Fatores que afetam o controle microbiano Fatores que afetam o controle microbianoFatores que afetam o controle microbiano Fatores que afetam o controle microbiano

5 x 10 12 conídios viáveis / hectare

[ 5 kg do Fungo ( Meio + Conídios )] Controle Biológico

[ 225 g do Fungo ( Conídios )] Metarhiziu m anisopliae

Controle Controle Controle Controle

Qu QuQu Quí í ímico micomico mico

Pragas PragasPragas Pragas das Folhas das Folhasdas Folhas das Folhas

Mahanarva Mahanarva posticata posticata

Ciclo Biol Ciclo Biolóó gico gico

2 dias

47 dias

10 dias

Viáveis por Hectare

5 kg do Fungo ( Meio + Esporos )

Controle Biológico

Spodoptera frugiperda

Comentários