Escoliose, lordose e cifose

Escoliose, lordose e cifose

Escoliose Lordose Cifose

  • Quando a coluna vertebral é observada lateralmente, vê-se pequenas aberturas laterais, estas são os forames intervertebrais. Eles são importantes para permitir que os nervos (sistema nervoso periférico) se comuniquem com a medula espinhal (que faz parte do sistema nervoso central).

Escoliose

Classificação

  • Escoliose não estruturadas:

    • Escolioses posturais: freqüentes em adolescentes, as curvas são leves e desaparecem por completo com a flexão da coluna vertebral ou bem com o decúbito.
    • Escolioses secundárias e dismetria: a diferente longitude dos membros inferiores levam a uma obliqüidade pélvica e secundariamente a uma curva vertebral. A curva desaparece quando o paciente senta-se ou ao compensar a dismetria com a alça do sapato correspondente. Da mesma forma pode corrigir o comprimento da perna (sem cirurgia) caso encontre quem o saiba fazer.

Escoliose estruturada transitoriamente:

  • Escoliose estruturada transitoriamente:

    • Escoliose ciática: secundária a uma hérnia discal, pela irritação das raízes nervosas.
    • Com a cura da lesão desaparece a curva
    • Escoliose histérica: requer tratamento psiquiátrico
    • Escoliose inflamatória: em casos de apendicite ou bem abscessos perinefrítico.

Escoliose estruturada:

  • Escoliose estruturada:

    • Escoliose idiopática: hereditária na maioria dos casos. Provavelmente se trata de uma herança multifatorial. É o grupo mais freqüente das escolioses. Segundo a idade de aparição há três tipos:
      • Infantil – antes dos três anos de idade: Geralmente são muito graves, pois ao final do crescimento podem vir a apresentar uma angulação superior a 100 graus;
      • Juvenil - desde os três até os 10 anos;
      • Adolescente - desde os 10 anos até a maturidade: Após a primeira menstruação e ao final da puberdade antes da maturidade óssea completa.

Escoliose Estruturada:

  • Escoliose Estruturada:

    • Escoliose congênita: provavelmente não é hereditária, se não o resultado de uma alteração ocorrida no período embrionário – tipos:
      • Defeito de forma vertebral;
      • Vértebra em cunha;
      • Hemivertébra;
      • Defeito de segmento vertebral;
      • Unilateral (barra);
      • Bilateral (bloco vertebral);
      • Funções costais congênitas;
      • Complexas.

Diagnóstico

  • Geralmente, uma escoliose discreta não causa sintomas. A pessoa pode sentir fadiga nas costas após permanecer muito tempo sentada ou em pé. A fadiga pode ser seguida por dor muscular nas costas e, finalmente, por uma dor mais intensa.

Um quadril pode estar mais alto que o outro. Uma escoliose discreta pode ser detectada durante um exame físico de rotina na escola.

  • Um quadril pode estar mais alto que o outro. Uma escoliose discreta pode ser detectada durante um exame físico de rotina na escola.

  • Um dos genitores, um professor ou um médico pode suspeitar de uma escoliose quando uma criança apresenta um ombro que parece mais alto que o outro ou quando suas roupas não tem um caimento adequado.

  • Para diagnosticar esse problema, o médico pede à criança que ela se incline para frente e observa a coluna vertebral por trás, pois a curvatura anormal pode ser mais facilmente visualizada nessa posição. As radiografias ajudam a confirmar o diagnóstico.

Tratamentos

  • O tratamento das escolioses baseia-se:

    • Na idade;
    • Na flexibilidade;
    • Na gravidade da curva;
    • Na sua etiogia.
    • Inclui fisioterapia e utilização de coletes, adaptação de palmilhas posturais que incrementam a eficácia e o tempo do tratamento ou o tratamento cirúrgico.

Fisioterapia

  • Caso se trate de uma atitude escoliótica, a fisioterapia costuma dar bons resultados

Coletes

Cirurgias

Exames

Comentários