RELATORIO DE ESTAGIO 8º PERIODO ALIENE RODRIGUES

RELATORIO DE ESTAGIO 8º PERIODO ALIENE RODRIGUES

(Parte 3 de 4)

ORIENTAR PACIENTE

COLETAR DADOS

MONTAGEM DO PRONTUÁRIO

ENCAMINHAR PARA S.SOCIAL

COMUNICAR AO C.C

SEGUIR A MESMA

ROTINA DE UNIDADE

DE INTERNAÇÃO

RESIDÊNCIA

COMUNICAR A RECEPÇÃO

PREPARAR AVISO DE ALTA

ENTREGAR EXAME DEVIDAMENTE PROTOCOLADO

UTI

QUARTO E/OU ENFERMARIA

IDENTIFICAR PACIENTE

CHECAR PREPARO DA CIRURGIA

CONDUZIR A S.O

RETORNO AO SETOR

DE ORIGEM

SRPA

CENTRO CIRÚRGICO

EXPLICAR QUANTO AOS PROCEDIMENTOS

PROTOCOLAR JÓIAS, PRÓTESES E ROUPAS

PREPARAR O PACIENTE PARA CIRURGIA

ENCAMINHAR PARA O C.C

CLÍNICA NEURO ORTOPÉDICA

CLÍNICA CIRÚRGICA

CLÍNICA MÉDICA

ORIENTAÇÕES GERAIS

DIRECIONAR PARA AS CLÍNICAS

SERVIÇO SOCIAL

SETOR DE ADMISSÃO

3.3.3 Número de funcionários

O seu quadro profissional é formado por aproximadamente 550 funcionários, distribuídos em diversos setores, entre eles: enfermeiros, dentista, médicos, auxiliares de enfermagem, psicólogos, fisioterapeutas, nutricionistas, farmacêutico/bioquímico, assistente social, auxiliares de laboratório, agentes de portaria, telefonistas, maqueiros, encarregado da limpeza e higienização, auxiliar administrativo, etc.

3.4 Importância do campo para a comunidade

O Hospital Geral, no que se refere à relação e importância para a comunidade é de grande valia, tendo em vista que o mesmo busca identificar as necessidades e os problemas de saúde da população doente, procurando meios para solucioná-los e também reduzi-los.

A Maternidade Benedito Leite, por sua vez, é de suma importância no atendimento às gestantes, pois no local as mesmas encontram assistência desde o pré-natal até o puerpério.

Tanto o hospital quanto a maternidade, são compostos por profissionais capacitados que poderão intervir prevenindo e recuperando, ou seja, reabilitando pacientes.

Sempre fazendo um trabalho sério e servindo bem toda a população que necessita, ambos prestam assistência gratuita para pacientes com ou sem risco de vida.

3.5 Descrição dos setores onde foi realizado o estágio

- Clínica Médica: é local onde ficam internados os pacientes com diferentes patologias clinicas, exceto com patologias cardíacas e vasculares.

- Clínica Cirúrgica: setor destinado ao paciente cirúrgico e todo doente cujo tratamento principal é a cirurgia, e este requer cuidados específicos, fazendo-se necessários esclarecimentos sobre os procedimentos a serem realizados.

- UTI: é o setor de alta complexidade, reservado e único no ambiente hospitalar, já que se propõe estabelecer a monitorização completa e vigilância 24 horas;

- C.M.E: é o setor responsável pela limpeza e processamento de artigos e instrumentais médico-hospitalares. É na C.M.E que se realiza o controle, o preparo, a esterilização e a distribuição dos materiais hospitalares;

- Centro Cirúrgico: é o local onde o conjunto de elementos destinados às atividades cirúrgicas, bem como à recuperação anestésico e pós-operatório.

4 ESTÁGIO

O estágio curricular II, na área de enfermagem em clinica médica teve como supervisora a Enfermeira Raquel Pereira Carvalho que nos distribuiu de maneira que todos tivessem oportunidades para a realização dos procedimentos. Iniciou no dia 11/08/2008(onze de agosto de dois mil e oito), no HTLF com termino no dia 12/12/2008(doze de dezembro de dois mil e oito), concluindo-se a carga horária de 180 horas em regime de 10 horas semanais em 18 semanas letivas.

Durante o estágio desenvolvemos as atividades planejadas e cumprimos rigorosamente o cronograma proposto, além de outras atividades que foram proveitosas.

Descreveremos a seguir as etapas realizadas no campo de estágio no HTLF para que haja uma melhor compreensão e acompanhamento das funções desempenhadas.

4.1 Conhecimento e adaptação do campo de estágio

Ao chegarmos ao campo de estágio, fomos recebidos pela supervisora técnica e docente, onde conhecemos todos os setores e a estrutura física, bem como toda rotina do campo de estágio. Com o passar dos dias fomos conhecendo os funcionários e nos familiarizamos as normas e rotinas de cada área e a equipe multiprofissional.

Consideramos que os objetivos, conhecimentos e adaptação no campo de estágio foram alcançados, pois fomos recebidos e posteriormente adaptados às rotinas e funcionamento do mesmo.

4.2 Atividades desenvolvidas no campo de estágio

Durante o decorrer do estágio foram desenvolvidas as seguintes atividades:

- Clínica Médica:

  • Conhecimento das normas e rotinas da instituição;

  • Controle e manutenção de equipamentos para o carro de parada;

  • Transcrição de horários

  • Elaboração de escalas do enfermeiro, auxiliar de enfermagem, maqueiros;

  • Aspiração de TOT;

  • Aspiração com estericat;

  • Estudo de caso de um paciente internado na clinica médica I;

  • Realização de curativo;

  • Aferição de P.A.;

  • Orientação de diabéticos;

  • Manuseio de Prontuário Hospitalar;

  • Glicemia capilar;

  • Administração de medicamentos;

  • Anamnese e exame físico;

  • Punção venosa V.O e E.V;

  • Ausculta cardíaca;

  • Sondagem vesical;

  • Verificação de sinais vitais;

- Saúde da Mulher:

  • Consulta de enfermagem à gestantes;

  • Visita no leito às puérperas;

  • Verificação de sinais vitais;

  • Ausculta de BCF;

  • Admissão de gestantes em trabalho de parto;

  • Observação de parto normal.

- Clínica Cirúrgica:

  • CME;

  • Degermação

  • Instrumentação cirúrgica;

  • Desinfecção de ferros cirúrgicos;

  • Empacotamento de materiais cirúrgico

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

O estágio curricular foi de grande importância para aquisição de novos conhecimentos e contribuição para nosso crescimento enquanto acadêmicos e futuros profissionais.

Verificou-se também que os objetivos foram alcançados, constatando assim que a teoria e a prática são elementos indissociáveis e de condição indispensável para a formação de qualquer profissional. O enfermeiro ao entrar em contato com o seu futuro campo profissional, através do estágio, poderá vivenciar que a teoria será revigorada pela prática, passando a ser formulada a partir da necessidade concreta da realidade em saúde.

(Parte 3 de 4)

Comentários