Projeto fogão a Lenha

Projeto fogão a Lenha

(Parte 1 de 2)

Universidade Federal de Viçosa

Departamento de Engenharia Agrícola Projeto de Extensão

Fogão a Lenha sem Fumaça

Ilda de Fátima Ferreira Tinôco Marcos Oliveira de Paula

Introdução

lenha, de tipos variados
As vantagens desse fogão no meio rural são inúmeras pela facilidade de se obter lenha, por

Em 1980, na zona rural do estado de Minas Gerais, 96,9% dos fogões domésticos eram a aquecer a casa e reunir a família na noites frias e, finalmente, por ser atribuído melhor paladar à comida preparada no fogão a lenha. Por reconhecer essas vantagens e buscando resolver os problemas de construção apontados pelo usuários do fogão a lenha, desenvolvemos esse fogão.

Objetivos deste fogão

- Evitar enfumaçar a cozinha e a casa.

- Aquecer bem, preparando as refeições com rapidez. - Queimar a lenha complemente, economizando combustível.

- Ser resistente, evitando o aparecimento de rachaduras.

- Ser adequado ao trabalho, tendo altura e superfície tecnicamente recomendáveis. - Ter boa aparência e satisfazer a toda a família.

Como funciona as partes do fogão

Fornalha: é dividida pelo “batente da lenha”, que separa o local onde a lenha é queimada do outro onde os gases ainda não queimados sofrem redemoinho , queimando melhor. A fornalha é tampada para evitar que o ar entre em excesso, prejudicando a eficiência do fogão. Caixa do forno: recebe os gases quentes da combustão que circulam em volta do forno e saem lateralmente pela chaminé.

Ao lado do forno, junto à fornalha, interiormente, está instalada uma chapa de ferro dobrada em “L”, para evitar que os gases queimados saiam diretamente da fornalha para a chaminé, sem circular no interior da caixa do forno. Ela deve ser de ferro porque este aquece rapidamente, dando, assim, partida imediata à tiragem feita pela chaminé. Cinzeiro se comunica com a fornalha através da grelha, que pode ser de ferro fundido ( 20 x

20 centímetros ) ou de tijolos assentados em cutelo(maneira de assentar o tijolo: de lado–figura 5).

A entrada de ar para a combustão será feita pelo cinzeiro através da grelha. A porta ( em forma de borboleta ) no cinzeiro controlará a entrada de ar, possibilitando uma

Chaminé: recebe os gases que saem da caixa do forno,através de uma conexão feita com
chapa dobrada na forma retangular ( ““ ). Os gases quentes que chegam à chaminé são

combustão mais ou menos ativa, conforme a necessidade.

menos densos que o ar externo, por isso sobem por ela ocasionando uma depressão no interior do fogão, que suga, através do cinzeiro, novo ar, estabelecendo, assim, uma seqüência contínua de entrada e saída de ar.

Depósito de Lenha: não contribui decisivamente para o funcionamento do fogão, sendo importante para a organização das tarefas de quem nele trabalha.

A Construção

Moldagem das lajes

Faça quatro lajes de concreto com, pelo menos, oito dias de antecedência ( 1:3:6 – cimento, areia, e brita número zero ). Veja o desenho das lajes A, B, C e D.

As lajes A, B, C e D terão espessura de 4 centímetros, armando-se a A e a B com ferros para concreto, grossura 3/16, e a C e D com arame farpado.

Observe os vazios que serão deixados na lajes B e D. Na B, para a instalação da grelha, e na D, para colocação da chapa de ferro fundido.

A laje A junto com a B formam o embasamento do fogão, a C fecha por cima a caixa onde fica instalado o forno e a D, em cima da fornalha, recebe a chapa do fogão ( veja as figuras 1, 2 e 3

Laje A

Laje B

Dentro das fôrmas de cada laje, é feito o entrelaçamento dos ferros e dos arames farpados, que serão apoiados próximos ao fundo e amarrados com o arame recozido nos cruzamentos, para não fugirem das posições.

As fôrmas são feitas com pedaços de caibros, formando quadros do tamanho que deverá ficar cada laje. Para a concretagem, apoiar as fôrmas num chão liso, perfeitamente nivelado e forrado, cuidadosamente, com folhas de jornal.

Ao fazer as lajes B e D, coloque dentro das fôrmas outras fôrmas menores, determinando os vazios necessários. O vazio da laje D será do mesmo tamanho da chapa de ferro fundido.

Deixe dentes nas bordas da laje D, onde será colocada a chapa, para que esta não fique ressaltada ( veja figura – 2 ).

É necessário também deixar folgas de ½ centímetro em volta da chapa, para permitir sua dilatação.

Os quadros das fôrmas deverão ficar em esquadro perfeito. Pregue nos cantos pedaços de ripa, formando travessas, para que o esquadro não fuja.

Laje C

25 quilos de cimento

O material necessário para moldagem das lajes é o seguinte:

85 litros de brita número zero
15 metros de arame farpado
Armação:10 quilos de ferro 3/16 para concreto
200 gramas de arame recozido
15 metros de caibro ( 4 X 6 )

Concreto : 52 litros de areia

200 gramas de pregos

Fôrmas : 4 metros de ripa

Notas: - A água utilizada para misturar o concreto deve ser limpa como se fosse de beber. Não deve ser colocada água em excesso. Quando menos água maior a resistência. Esta mesma recomendação serve para argamassa. - Com um pedaço de caibro, soque o concreto, a fim de que não fique vazios no seu interior.

A combustão no fogão gera calor e libera gases. Estas duas conseqüências são causadoras de dilatação e ataques químicos nos materiais de construção empregados.

Os materiais mais apropriados não estão disponíveis no meio rural. Entretanto, aqueles que são encontrados sendo selecionados e empregados com cuidado darão bons resultados.

Os materiais são os seguintes:

Tijolos: Neste projeto, foram previstos tijolos de 20 x 10 x 5 centímetros. Os melhores são feitos com argila, que quanto mais pura, mais resistente ao calor será o tijolo.

Além da necessidade de serem bem cozidos, os tijolos devem também Ter quinas vivas, tamanho uniforme e sem rachaduras. Argamassa: Para assentamento dos tijolos, será preparada a argamassa com cimento; cal em pó

( extinto) e areia na proporção de 1:3:8 em volume. A areia deverá ser média, lavada e limpa, e o cimento não deverá estar empedrado.

Marcação e elevação da alvenaria. Siga as recomendações abaixo. Observando as figuras 4, 5 e 6.

1. Prepare o local da construção, nivelando e compactando devidamente o terreno que receberá o peso do fogão. Na construção, acompanhe sempre os desenhos e considere o tijolo de 20 x 10 x 5 centímetros como módulo da construção.

2. Marque o local da construção, tendo-se cuidado para que os cantos fiquem em esquadro perfeito ( 90 graus ).

3. Marque com lápis, na parede próxima, as fiadas com 6 centímetros de altura ( 5 centímetros de do tijolo e 1 centímetro de junta ). Pense na altura do fogão. Você tem até a sétima fiada para ajustar a altura desejada. Para isso acrescente mais uma fiada ou altere a altura a grossura das juntas horizontais. Não faça mudança nas fiadas acima das lajes A e B, para não modificar as dimensões internas do fogão.

4. Siga a disposição dos tijolos no desenho, onde será o cinzeiro, faça enchimento com terra socada elevando o seu fundo até a altura da Segunda fiada, dando acabamento cimentado. No depósito de lenha, o enchimento será feito na altura da primeira fiada com o mesmo acabamento do cinzeiro.

5. Continue assentando os tijolos até a sétima fiada, sempre alinhando e nivelando de acordo com a marcação inicial e com as alturas das fiadas marcadas na parede.

(Parte 1 de 2)

Comentários