Nbr 9649 - Projeto De Redes De Esgoto

Nbr 9649 - Projeto De Redes De Esgoto

(Parte 1 de 4)

Copyright © 1986, ABNT–Associação Brasileira de Normas Técnicas Printed in Brazil/ Impresso no Brasil Todos os direitos reservados

Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 - 28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Telex: (021) 34333 ABNT - BR Endereço Telegráfico: NORMATÉCNICA

ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas

Palavras-chave: Rede coletora. Esgoto sanitário7 páginas

Projeto de redes coletoras de esgoto sanitário

NBR 9649NOV 1986

SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Documentos complementares 3 Definições 4 Condições gerais 5 Condições específicas ANEXO - Grandezas e notações

1 Objetivo

Esta Norma fixa as condições exigíveis na elaboração de projeto hidráulico-sanitário de redes coletoras de esgoto sanitário, funcionando em lâmina livre, observada a regulamentação específica das entidades responsáveis pelo planejamento e desenvolvimento do sistema de esgoto sanitário.

2 Documentos complementares Na aplicação desta Norma é necessário consultar:

NBR 8160 - Instalações prediais de esgotos sanitários - Procedimento

NBR 9648 - Estudo de concepção de sistemas de esgoto sanitário - Procedimento

3 Definições

Para os efeitos desta Norma são adotadas as definições de 3.1 a 3.13.

3.1 Ligação predial

Trecho do coletor predial (ver NBR 8160) compreendido entre o limite do terreno e o coletor de esgoto.

3.2 Coletor de esgoto

Tubulação da rede coletora que recebe contribuição de esgoto dos coletores prediais em qualquer ponto ao longo de seu comprimento.

3.3 Coletor principal

Coletor de esgoto de maior extensão dentro de uma mesma bacia.

3.4 Coletor tronco

Tubulação da rede coletora que recebe apenas contribuição de esgoto de outros coletores.

3.5 Emissário

Tubulação que recebe esgoto exclusivamente na extremidade de montante.

3.6 Rede coletora

Conjunto constituído por ligações prediais, coletores de esgoto, e seus órgãos acessórios.

3.7 Trecho

Segmento de coletor, coletor tronco, interceptor ou emissário, compreendido entre singularidades sucessivas; en-

Origem: NB-567/1986 CB-02 - Comitê Brasileiro de Construção Civil CE-02:009.27 - Comissão de Estudo de Projetos de Sistemas de Esgoto Sanitário

Procedimento

2NBR 9649/1986 tende-se por singularidade qualquer órgão acessório, mudança de direção e variações de seção, de declividade e de vazão quando significativa.

3.8 Diâmetro nominal (DN)

Simples número que serve para classificar em dimensão os elementos de tubulação e acessórios.

3.9 Órgãos acessórios

Dispositivos fixos desprovidos de equipamentos mecânicos.

3.9.1 Poço de visita (PV)

Câmara visitável através de abertura existente em sua parte superior, destinada à execução de trabalhos de manutenção.

3.9.2 Tubo de inspeção e limpeza (TIL)

Dispositivo não visitável que permite inspeção e introdução de equipamentos de limpeza.

3.9.3 Terminal de limpeza (TL)

Dispositivo que permite introdução de equipamentos de limpeza, localizado na cabeceira de qualquer coletor.

3.9.4 Caixa de passagem (CP)

Câmara sem acesso localizada em pontos singulares por necessidade construtiva.

3.9.5 Sifão invertido

Trecho rebaixado com escoamento sob pressão, cuja finalidade é transpor obstáculos, depressões do terreno ou cursos d’água.

3.9.6 Passagem forçada Trecho com escoamento sob pressão, sem rebaixamento. 3.10 Profundidade

Diferença de nível entre a superfície do terreno e a geratriz inferior interna do coletor.

3.1 Recobrimento

Diferença de nível entre a superfície do terreno e a geratriz superior externa do coletor.

3.12 Tubo de queda

(Parte 1 de 4)

Comentários