Carlos Walter Porto Gonçalves - A GEOGRAFIA ESTÁ EM CRISE VIVA A GEOGRAFIA

Carlos Walter Porto Gonçalves - A GEOGRAFIA ESTÁ EM CRISE VIVA A GEOGRAFIA

(Parte 1 de 2)

O SABER POSTO EM QUESTÃO Ruy Moreira. (org)

A GEOGRAFIA ESTÁ EM CRISE. VIVA A GEOGRAFIA!* Carlos Walter Porto Gonçalves

Muita tinta se tem gasto para discutir o que seria uma geografia científica. Esta busca de cientificidade é, até certo ponto, um esforço de legitimação do intelectual perante a sociedade como um todo. O ritual que envolve o trabalho intelectual tem, portanto, um caráter de busca de legitimidade que dá ao exercício do pensar o real uma dinâmica específica.

Todavia, a produção de conhecimento não se dá fora de um contexto histórico-social, onde uma série de linhas de forças se entrechocam na realidade; relações de forças essas das quais o trabalho intelectual tem que dar conta. Através dessas observações, queremos deixar claro que a ambicionada cientificidade, que é o modo específico de legitimação do trabalho intelectual, é relativa na própria medida em que o real é um movimento que se faz através de contradições que, por sua vez, atravessam a própria prática do intelectual.

Qualquer esforço no sentido de desvendar a natureza da crise de um determinado segmento do espaço do saber deve, portanto, partir da premissa de que o trabalho intelectual, embora possuindo uma dinâmica específica, sofre influência do próprio contexto histórico que constitui a materialidade do trabalho científico. Neste ensaio, o que pretendemos fazer é exatamente lançar ao debate algumas idéias acerca de natureza da crise da geografia, tomando por base a prática dos geógrafos pensada historicamente.

Neste momento se discutem os impasses gerados pelo próprio projeto da geografia enquanto um segmento do saber científico capaz de dar conta, compreender e explicar, enfim, os problemas concretos que se inscrevem no espaço geográfico em que vivemos: poluição; “desequilíbrio” — desigualdades regionais e sociais; as guerras de independência-conquista neocoloniais; redução do espaço geográfico sob o controle do capitalismo imperialistaexpansão do socialismo, etc. São essas algumas das evidências de uma crise que se materializa em espaços definidos e para a qual os geógrafos teriam que dar a sua resposta — Uma Geografia da Crise. Na medida em que hesitam, não reformulando uma base teórica de há muito envelhecida e não assumem, portanto, uma posição crítica, os geógrafos, em geral, deixam de lado a geografia da crise e são levados de roldão pela crise da geografia. E isto porque os fatos são teimosos e estão aí a exigir de nós uma compreensão que possa efetivamente nortear uma prática que leve à superação desses problemas. Se as teorias dos geógrafos não explicam e não compreendem os fatos, pior para as teorias!

Não pretendemos com essas afirmações demonstrar a inutilidade da geografia. Apenas alertamos para o fato de que essa alienação da maioria dos geógrafos tem ocorrido exatamente num momento em que cada vez mais se acentuam as referências ao espaço, em que este é discutido e divulgado, exigindo de nós um posicionamento. Está em questão a cientificidade da geografia e algumas colocações têm de ser feitas para que seja legítima a própria existência da geografia enquanto um segmento da divisão do trabalho científico. E o problema que nos parece ser o crucial diz respeito à definição do solo teórico da geografia, à determinação do seu objeto científico.

Embora não pretendamos esgotar o tema, devemos reconhecei que o que temos apresentado à sociedade em que vivemos não tem sido capaz de levá-la à superação dos seus problemas espaciais e que, de certa forma, temos sido os mistificadores dos reais processos que governam a organização do espaço, fetichismo este que sob diversas capas tem escondido o caráter histórico do espaço. AS DIVERSAS “VISÕES” DA GEOGRAFIA OU A GEOGRAFIA DE ANTOLHOS

Os geógrafos elaboraram, desde o século passado, uma série de modos de abordar a realidade, tanto do ponto de vista teórico como metodológico, que passaram a denominar de “visões” ou “perspectivas” da geografia:

A visão espacial será expressa como um estudo de organização espacial,

proporcionando, desse modo, uma implicação de antropocentrismo; uma visão que pode ser, por outro lado, levada ao ponto de pura geometria. A visão homem-terra ou ecológica como que enfatizando as relações entre o homem e o seu meio ambiente natural ou biológico. A terceira visão será expressa de várias maneiras : estudo de área, estudo regional, inter-relações de área, corologia ou diferenciação de área. Será referida também como sendo uma visão integrativa, uma vez que sua característica definitiva é a sintetização de alcance relativamente amplo. Existe, obviamente, tanto superposição quanto separação nestes três pontos de vista” (TAAFFE, 1975:6).

O que observamos nos diversos trabalhos que procuraram fazer uma história da geografia é que essas “visões” sempre existiram, sendo que, em determinados momentos, uma teria predominado sobre as demais. Neste eixo de abordagem são destacadas três fases: 1°) A “visão homem-terra” ou “ecológica” que teria sido predominante até a década de 30, caracterizando bem esse período a abordagem determinista de Sumple e Huntington, num primeiro momento, e a “visão ecológica” da Escola de Chicago e o estudo de “gênero de vida” de La Blanche, num segundo momento. 2°) A “visão regional” ou “estudo de área” que firmaria posição a partir do clássico trabalho de R. Hartshorne: The Nature of Geography (1939), estendendo-se até a primeira metade da década de 50. 3°) A “visão espacial” que começa a se firmar a partir do libelo anti-hartshorneano de Schaeffer (1953) e dos escritos de Uliman e que viria a se consolidar na década de 60 com os escritos de Berry e de Harvey, para ficarmos somente com os exemplos dos norte-americanos e ingleses (TAAFFE, 1975).

Cremos não haver entre os geógrafos nenhuma polêmica de fundo relativa a esta periodização. O problema mais grave que vemos na historiografia da geografia é a tradição historicista, evolucionista, que pouco ou nada nos esclarece sobre o problema do desenvolvimento e da natureza das crises do pensamento geográfico. O fato é que ao se limitar a dispor através do tempo a predominância de uma “visão” sobre as demais, num determinado momento, pouco nos permite extrair acerca da natureza das mudanças que, por exemplo, se deram nas décadas de 30 e de 50. Ou seja, a concepção comum entre aqueles que se propõem a analisar a evolução do pensamento geográfico é a do caráter de continuidade da história, o que, exatamente por isso, não abre espaço para pensar e analisar as rupturas, as mudanças, as revoluções e contra-revoluções.

Ora, que tipo de problemas se apresentaram às “visões” hegemônicas nas décadas de 30 e de 50, levando a essas mudanças de hegemonia? Eis aqui a pergunta fundamental que se coloca se quisermos pensar a natureza das crises da geografia e para refletirmos sobre novos horizontes teórico-metodológicos, pois se não percebermos a natureza da crise que ora atravessamos, produziremos uma nova “visão” que correrá o risco de exercer uma nova hegemonia não pelos problemas que efetivamente coloca, mas porque simplesmente será nova e produzirá novos modismos e novos papas muito bem instalados nos altares das academias e instituições oficiais.

Ao mergulharmos na natureza das crises através das quais a geografia tem caminhado, não podemos, como tem acontecido com a maior parte dos nossos historiógrafos, deter-nos no plano das idéias (teorias) para explicar a sua própria evolução. O que temos visto entre esses autores é uma concepção teleológica da história do pensamento geográfico. Para nós, não é centrando a atenção simplesmente na cronologia que poderemos dar conta da natureza das crises, mas, ao contrário, ou seja, procurando compreender esses momentos cinzentos em que se realiza a passagem de hegemonia de uma “visão” a outra, como, por exemplo, as décadas de 30 e 50, através da interpretação dos problemas que se apresentaram às “visões” até então predominantes. Como afirmamos no início deste ensaio, a produção científica, em que pese a sua especificidade, não pode ser pensada fora do contexto histórico em que foi elaborada. Por mais que queiramos expressar ou colocar o discurso científico como uma “visão” neutra e acima de qualquer outro discurso, ele se inscreve naquilo que Marx chamou de superestrutura. O discurso científico é uma aproximação do real efetivada por indivíduos inscritos em relações sociais, que, no caso da sociedade de classes, é de onde emanam os antagonismos através dos quais a história se move.

Com o advento do capitalismo, a atividade científica adquire um significado muito particular, dada a própria natureza deste modo de produção que é a de transformar tudo em mercadoria. Neste sentido, a própria força de trabalho é transformada em mercadoria, incluindo-se aí a força de trabalho do cientista desprovido de meios próprios de produção. Uma série de limitações daí decorrem com relação à produção do saber, limitações essas que apresentarão variações de grau, segundo a correlação de forças em presença numa determinada formação social capitalista¹.

A partir da crescente concentração dos meios de produção do conhecimento nas mãos de algumas poucas corporações e do Estado, a tendência que observamos se faz no sentido da monopolização do saber. Não é fortuito que a tecnocracia se afirme cada vez mais e uma nova ideologia se consolide: o cientificismo. Isto porque sendo a acumulação de capital, baseada na extração de mais-valia, o motor propulsor do modo capitalista de produção, tem este a necessidade de estar munido dos conhecimentos que lhe permitam uma forma superior de extrair valor excedente, qual seja, a mais-valia relativa.

A ciência adquire com o capitalismo os foros que possuía a ideologia religiosa sob o feudalismo, não sendo fortuito, aliás, o fato de chamarmos os grandes sábios da matemática, da física, da história ou da geografia de “papas”. São os “papas” de um novo tempo, de um modo de produção que laicizou o saber, porém, para protegê-los construiu novos “templos” que são as novas academias de ensino e pesquisa. Este “novo” intelectual se constitui numa correia de transmissão entre a superestrutura e a infra-estrutura, procurando compreendê-la melhor para reproduzir a própria estrutura que o produziu. Antonio Gramsci nos fornece a exata medida dessa situação ao dizer que:

portanto, aos interesses das classes dominantes. Neste campo, a escola () e os
tribunais () são setores da atividade estatal essenciais: Mas, de fato, há uma

“Qualquer Estado tem um conteúdo ético, na medida em que uma de suas funções consiste em elevar a grande massa da população a um certo nível cultural e moral, nível (ou tipo) que corresponde à necessidade de desenvolver as forças produtivas e, multiplicidade de outras mi- ciativas e atividades ditas privadas que tendem no mesmo sentido e que compõem o aparelho de hegemonia política e cultural das classes dominantes” (Macciocchi, 1977: 150)².

Deste modo, estamos procurando evidenciar o caráter histórico da produção intelectual que se pretende científica e, obviamente, chamando a atenção para o fato de as “corporações geográficas”, tal e qual nos fala Armen Mamigoniam³, constituírem-se em aparelhos ideológicos, conforme procuraremos aprofundar mais adiante.

Jacques Rancière em Sobre a Teoria da Ideologia nos diz que “o saber só tem existência institucional enquanto instrumento de dominação de uma classe”. Isto nos permite entender o porquê da “ausência” de certas “visões” na trajetória do pensamento geográfico acadêmico, um saber que, como nos diz Yves Lacoste, “serve antes de mais nada para fazer a guerra”.(Lacoste 1977).

Por outro lado, é preciso deixar claro que não se trata, como gostam de fazer os mistificadores cientificistas, de propor uma distinção radical entre ciência e ideologia. Também não se pretende operar com uma distinção muito cara aos stalinistas entre ciência burguesa e ciência proletária. Trata-se, isto sim, de deixar bem evidente o caráter de apropriação de classes do saber, do caráter de classe que atravessa a sua divulgação por meio das instituições que, como vimos, “compõem o aparelho de hegemonia política e cultural das classes dominantes”. Esta colocação deve servir, ainda, de alerta face a um certo tipo de marxismo “domesticado”, despolitizado, que começa a grassar nos meios acadêmicos da geografia.

Essas observações, em suma, pretendem enfatizar que a produção do saber não pode ser compreendida sem pensarmos a totalidade social no qual está inserida. E é tendo sempre em mente essas considerações que nos propomos a analisar as crises de hegemonia através das quais se tem movido o pensamento geográfico.

Antecipando um pouco o eixo de nossa análise, avançamos a concepção de que tais crises de hegemonia não constituem somente crises teóricas e metodológicas de uma determinada “visão” da geografia, mas sim crises que estariam subjacentes a essas questões; para o que uma abordagem epistemológica se faz necessária. Em outras palavras, sustentamos que as crises de hegemonia são provenientes da não-resposta de uma dada “visão” a uma realidade historicamente determinada e, portanto, não satisfatoriamente explicada, segundo as necessidades daqueles que controlam as instituições. A “nova visão” que substitui a anterior somente será válida, igualmente, enquanto atender aos interesses dos que a tornaram hegemônica, garantindo para ela um lugar acadêmico e o status de “científica”. Como acentuaram Marx e Engels:

“os pensamentos da classe dominante são também, em todas as épocas, os pensamentos dominantes, ou seja, a classe que tem o poder material dominante numa dada sociedade é também a potência dominante espiritual. A classe que dispõe dos meios de produção material, dispõe igualmente dos meios de produção intelectual, de tal modo que o pensamento daqueles a quem são recusados os meios de produção intelectual está submetido igualmente à classe dominante. Os pensamentos dominantes são apenas a expressão ideal das relações materiais dominantes, concebidas sob a forma de idéias e, portanto, a expressão das relações que fazem de uma classe a classe dominante; dizendo de outro modo, são as idéias do seu domínio” (Marx & Engels 1976).

A geografia surge como saber institucional, como cátedra universitária, quando da consolidação da burguesia e, conseqüentemente, do capitalismo. Influenciada, de um lado, pelo extraordinário avanço das ciências naturais no século XIX e, por outro lado, pelo caráter expansionista do capital, ela se afirma cada vez mais à medida que o capital conquista o mundo. Geografia colonial é uma expressão que define bem o contexto em que surge a geografia “científica”.

Uma concepção filosófica, ao mesmo tempo bela e ambiciosa, cunhada nesses primórdios da geografia moderna é a da unidade existente entre o homem e a natureza. A abordagem de tal unidade tornar-se-á um desafio constante em toda a história da geografia. A totalidade homem-natureza será preocupação central da chamada “visão homem-meio” que se afirma através do determinismo geográfico; uma abordagem que caracteriza bem o final do século XIX.

Em tal abordagem, as diferentes formas de organização do espaço, suas desigualdades, eram pensadas de modo a-histórico, como resultado de condições ambientais, climáticas, sobretudo. Como sói acontecer com a ideologia dominante, “naturalizava” os problemas, pondo-os para fora da história. As explicações para os fenômenos eram sempre de ordem climática ou biológica (o racismo é filho direto desta concepção).

Não é por acaso que, nesse quadro, duas “escolas nacionais” se destacassem: a norteamericana e a alemã, nações que se afirmam enquanto potências capitalistas ao apagar das luzes do século XIX, quando o caráter monopolista do capitalismo já se manifestava.

F. Ratzel, E. Semple e Huntington são os grandes expoentes do determinismo geográfico. E a época em que não faltam financia-mentos das “associações geográficas” para viagens de levantamento dos “recursos naturais e humanos” da geografia colonial.

Poucos são os estudiosos que ousam nos dias atuais refutar a íntima ligação entre o imperialismo e o determinismo geográfico que, embora historicamente mais antigo que o imperialismo, se ajustou como urna luva aos fins expansionistas do capitalismo monopolistafinanceiro.

Evidentemente nem todos os geógrafos do período se comprometeram com o imperialismo, honrosas exceções podem ser ressaltadas, como no caso de E. Reclus, que em suas obras apresentava uma visão radicalmente diversa, segundo nos informa Yves Lacoste.

Talvez por isso suas idéias não tenham atravessado o Atlântico, “defendido” que estava o Novo Mundo pela Estátua da Liberdade, dificultando a penetração em território americano das idéias libertárias daquele anarquista francês. Reclus permaneceu um desconhecido, ele que já sentia a importância de pensar as relações entre os centros urbanoindustriais e o campo, abrindo caminho à compreensão dos fluxos espaciais de mercadorias, de onde e como a riqueza se acumulava e da conseqüente unidade na diversidade do espaço. Não queremos dizer que essas questões estivessem claramente explicitadas nas obras de Reclus, mas simplesmente afirmar que, segundo nos atesta Lacoste, a sua preocupação com as relações cidade-campo permite perceber o movimento da riqueza no espaço. O “esquecimento” de E. Reclus mais uma vez evidencia que as instituições burguesas sabem selecionar dentre os cientistas aqueles que lhes permitam desenvolver e reproduzir a sua forma de regime social.

A Escola Nacional Francesa reagirá às concepções da Escola Nacional Alemã acusando-as de deterministas. Segundo a Escola Francesa, a geografia deveria ser o saber que afirmasse o “caráter nacional”. A ameaça do imperialismo alemão que, ao final do século passado, já começava a mostrar a sua força, exigia uma formulação de idéias que justificasse os países com tradição colonial. Eis, assim, que na França surge uma “nova concepção” das relações homem-meio — o conhecimento dos “gêneros de vida” começa a ganhar expressão e Vidal de La Biache se torna o grande geógrafo francês: Cada comunidade ou agrupamento humano teria forjado todo um “gênero de vida”, toda uma cultura a partir de uma experiência que teria travado com uma fração específica da crosta terrestre sobre a qual, por diversas razões, terlhe-ia cabido habitar. Através dessa abordagem abrir-se-ia espaço para pensar as possibilidades de superação das imposições do “meio geográfico”. Surgia, assim, um novo “paradigma” da geografia. Manuel Correia de Andrade nos dá uma bela caracterização desta “Escola Francesa” de Vidal de La Blache ao dizer que ele

realizou uma série de estudos regionais, de análises que poderíamos chamar de

microgeográficas, onde procurou demonstrar que o meio exercia influência sobre o homem, mas que o homem tinha possibilidades de modificar e de melhorar o meio, dando origem ao possibilismo. Possibilismo que seria útil ao governo francês, não só por melhor conhecer e orientar a política de utilização dos recursos naturais do espaço francês, como também tornar desnecessário o desenvolvimento de uma teoria radical como a da superioridade da raça branca sobre os nativos da Ásia e da África, de vez que o domínio colonial francês estava, nestes continentes, em fase de consolidação. A França deglutia, no início do século X, o segundo império da superfície da terra, necessitando, naturalmente, de confundir a política colonial com os interesses humanitários de levar a civilização a povos incultos e capazes de ser educados e absorvidos pela civilização ocidental, em vez de pregar uma política de extermínio ou de conquista de povos ditos inferiores” (Andrade 1977).

O que o possibilismo não conseguiu demonstrar é por que certos lugares tiveram “possibilidades” maiores que outros. Ou que fatores teriam possibilitado a alguns países, ou regiões, ou lugares, superar as imposições do “meio”. O que não conseguiam ou não queriam ver é que as tais possibilidades também são determinadas. E os geógrafos, em geral, parecem temer culposamente essa expressão, porque não conseguem ver determinações a não ser na- quilo que as suas sensações e percepções, historicamente produzidas pela formação acadêmica, observam no “concreto” da paisagem (o relevo, a vegetação, o clima, etc.).

O possibilismo continua postulando que o papel do geógrafo é estudar as relações homem-meio, contudo, em sua ótica, o homem é mantido como categoria genérica, não diferenciado em classes e o meio como um dado a ser explorado, ignorando-se o caráter da sua apropriação real e das relações sociais de produção.

As próprias possibilidades de superação dos problemas com que um dado agrupamento humano se depara ao se relacionar na e com a natureza são, na verdade, determinadas por circunstâncias que a cada dia e, já àquela época, mais fogem aos controles “locais”. O possibilismo realmente obstaculizou a compreensão desse caráter de dominação que o imperialismo assume. Ao isolar cada comunidade para o estudo das inter-relações homem-meio, cumpria bem o seu papel de dividir o espaço, segmentá-lo em regiões estanquizadas, deslocando assim a análise do espaço do seu real movimento. Dessa forma, foi eficiente em sua missão de preparar o terreno para a expansão do capital monopolista financeiro, para a partilha do mundo segundo os interesses imperialistas.

Nos Estados Unidos as teorias do sistema ecológico surgiam como os correspondentes das idéias desenvolvidas por La Blache na França. A escola de Carl Sauer — geografia cultural — não deixava também de ter em La Blache as suas origens intelectuais.

Podemos ver claramente que o surgimento destas novas abordagens significou uma verdadeira reação, no sentido mais amplo que este termo pode sugerir. Ao deslocar a análise não fez uma crítica radical ao que até então havia sido produzido e nesta medida se constituiu numa contra-revolução ao pôr no lugar daquilo que acreditavam ser uma falsa interpretação uma interpretação falsa. De fato, o possibilismo não passou de um caso particular de determinismo.

A Primeira Guerra Mundial põe a nu o real movimento da sociedade capitalista que as “visões hegemônicas da geografia ironicamente não conseguiam ver. A década de 20 assistirá a uma Europa marcada por uma profunda crise e a hegemonia imperialista se deslocando para os EUA. O fim desta década verá exposta com enorme evidência toda a engrenagem da máquina imperialista, pois a crise que eclode no coração do sistema, atingindo todas as suas peças, demonstra o caráter mundializado da sociedade criada pelo capitalismo.

Na Europa, a crise do capitalismo receberá como resposta momentânea a solução autoritária dos regimes nazi-fascistas. Nesse contexto geral de crise, surge uma obra que viria marcar profundamente o pensamento geográfico. Trata-se de The Nature of Geography de R. Hartshorne, publicada às vésperas da Segunda Guerra Mundial (1 939) . Ë interessante notar que esta obra é produzida por um observador político-militar americano em missão na Europa, para observar problemas de fronteiras na Europa Ocidental. Dada na década de 50. Entretanto, essa nova geografia, sem romper com os fundamentos básicos da chamada geografia tradicional, levará ao paroxismo o positivismo lógico, essência filosófica do que pretendia criticar. O pretenso atributo de “nova” conferido a esta geografia que começava a se tornar hegemônica não nos impede de constatar que esta geografia, no essencial, se mostra tão velha quanto a própria geografia institucional.

cânones do positivismo lógico

Dispondo de instrumentos técnicos de pesquisa até então desconhecidos, passaram os pseudonovos geógrafos a utilizar o computador, o que lhes abria amplas possibilidades de quantificação e exigia que tudo fosse transformado em número. O empiricismo atinge os seus estertores, o que referendava a postura tradicional da geografia. Procedimentos matemáticoestatísticos serviam de suporte à crença da superação das dificuldades de análises multivariadas que constituem o complexo instrumental da geografia. O cálculo das probabilidades começa a ser considerado a forma mais “eficiente” de observar o devenir histórico e geográfico. O futuro é visto como uma projeção linear do presente, sendo que as contradições sociais que se manifestam no espaço são afastadas para se evitar a interferência de qualquer “subjetividade”. Os dados falam por si mesmos ou através de modelos a priori tomados de empréstimo às ciências da natureza, o que lhes garantia a “cientificidade”. As análises dos processos sociais são, conseqüentemente, preteridas e substituídas por indicadores cuja validade é atestada pela sua quantidade e freqüência, ignorando-se que a própria seleção de variáveis ou indicadores revela ou pressupõe um arcabouço teórico explícito ou implícito. A causalidade é, por conseguinte, jogada fora, para evitar-se a busca de determinantes, sendo substituída pelas análises de correlação e analogia, um dos pilares da geografia tradicional. A geografia atingia, assim, o clímax da “cientificidade”, segundo os

Sem romper com os fundamentos teóricos e filosóficos da geografia tradicional, a chamada “nova geografia” não fez mais que precisar (matematicamente) as imprecisões da geografia tradicional e, assim, viria a facilitar a identificação dos seus problemas. Esta sim sua maior contribuição.

Todavia, apesar dessas implicações, ou até mesmo por elas, a “nova geografia” exercerá um papel significativo no pensamento geográfico. Gozando de enormes facilidades de autopromoção, através de revistas especializadas, realização de congressos e simpósios, ainda terá à disposição os novos e poderosos meios de comunicação de massa que se encarregarão de abrir espaço para sua chegada triunfante aos quatro cantos da terra. As disparidades regionais passavam a ser anunciadas amplamente através de toda uma numeralogia, sem que se desse conta do processo real — o movimento de circularidade do capital — que está subjacente e que produz as desigualdades.

Muitos investimentos passaram a ser feitos para criação de “pólos de desenvolvimento”, para “difusão de inovações” atendendo aos interesses dos capitais disponíveis nos centros hegemônicos do capitalismo. A hegemonia que a chamada “visão espacial” começava a exercer, através das teorias de localidades centrais ou de outros nomes como a teoria dos pólos de desenvolvimento ou a teoria de difusão de inovações, não se deveu ao fato de ter apreendido o movimento real que governa a natureza do espaço, mas porque atendia aos novos interesses de um modo de produção incapaz historicamente de superar os problemas que criou.

Nesse sentido, pode-se dizer que a “nova geografia” não produziu um novo conhecimento, mas sim um novo desconhecimento, capaz de fazer sobreviver por mais tempo algo que a história já condenou. Portanto, trata-se de uma nova contra-revolução no pensamento geográfico, tal e qual tivemos às vésperas das duas guerras mundiais. Ao subordinar o espaço aos interesses do capital, produziu esse espaço-prisão, planejado pelos Estados que cada vez mais se tornam capitalistas.

Se, por um lado, a chamada “nova geografia” se desenvolvia amplamente nos países anglo-saxões, não podemos deixar de colocar, também, os danos trazidos aos países subordinados ao imperialismo pelos geógrafos franceses. De acordo com a “visão espacial” da geografia francesa, o estudo do subdesenvolvimento assumia um significado muito importante, sendo absorvido nos países periféricos por grande parte dos estudiosos que se pretendiam críticos. Não percebiam esses estudiosos, entre os quais muitos geógrafos, que o tema subdesenvolvimento constituía um falso problema nos marcos etnocêntricos em que era colocado e no qual o próprio problema já vinha com uma definição de modelo a ser atingido, ou seja, do que era o desenvolvimento. Este se caracterizava por elevados níveis de renda per capita; elevado nível de urbano-industrialização; elevado índice de alfabetização; forte grau de integração nacional, etc. Era tudo uma questão de quantidade e não de processo. Àqueles’ países que apresentavam tais indicadores em níveis reduzidos se atribuía o prefixo Sub, não se questionando a raiz que vinha depois Desenvolvimento. A ausência de integração nacional nos países chamados subdesenvolvidos não era vista como um produto da divisão internacional do trabalho nos marcos do sistema capitalista que se materializava em espaços nacionais e que agora, numa nova fase do capitalismo caracterizada pelo predomínio dos conglomerados, e oligopólios, com níveis organizacionais altamente sofisticados, necessitou ser rompida para que os grandes capitais “planejassem” melhor o seu passeio pelo espaço.

Os trabalhos de Yves Lacoste4: Os Países Subdesenvolvidos e Geografia do

Subdesenvolvimento, constituíram, durante muito tempo, o suporte teórico dos geógrafos brasileiros que se pretendiam críticos. E a própria crise com que hoje se defronta a sociedade brasileira não se teria construído com a contribuição da ideologia desenvolvimentista que ajudamos a criar?

De fato, tanto de um lado como de outro do Atlântico Norte se forjaram “teorias” que responderam às necessidades das classes dominantes ao nível internacional e nacional, se é que é possível fazer esta distinção tão marcada numa época em que os nacionalismos, ao nível das classes dominantes, foram de há muito secundarizados.

(Parte 1 de 2)

Comentários