Geografia bíblica

Geografia bíblica

(Parte 1 de 7)

PLANO DE AULA APOSTILADO Escola de Teologia do Espírito Santo

GeografiaBíblica

Estudando a geografia do livro sagrado

ESUTES – Escola de Teologia do Espírito Santo 2

© Copyright 2004, Escola de Teologia do ES

A Escola de Teologia do ES é amparada pelo disposto no parecer 241/9 da CES – Câmara de Ensino Superior O ensino à distância é regulamentado pela lei 9.394/96 – Artº 80 e é considerado um dos mais avançados sistemas de ensino da atualidade

■ Todos os direitos em língua portuguesa reservados por

ESCOLA DE TEOLOGIA DO ES Rua Cabo Ailson Simões, 560 - Centro – Vila Velha- ES

Todas as citações bíblicas foram extraídas da Bíblia Versão Almeida Corrigida e Fiel(ACF) ©2008, publicada pela Sociedade Bíblica Trinitariana, e da Bíblia King James (Tradução em português do Novo Testamento)©2008, publicada pela Sociedade Ibero-americana da Bíblia, salvo indicação em contrário

O presente material é baseado nos principais tópicos e pontos salientes da matéria em questão.

A abordagem aqui contida trata-se da “espinha dorsal” da matéria. Anexo, no final da apostila, segue a indicação de sites sérios e bem fundamentados sobre a matéria que o módulo aborda, bem como bibliografia para maior aprofundamento dos assuntos e temas estudados.

TEOLOGIA DO ES, Escola de - Título original: Geografia bíblica, Estudando a geografia do livro sagrado – Espírito Santo: ESUTES, 2004.

SUMÁRIO
UNIDADEI
OMMMMMMMMUUUUUUUUNNNNNNNNDDDDDDDDO DDDDDDDDO AAAAAAAANNNNNNNNTTTTTTTTIIIIIIIIGGGGGGGGO TTTTTTTTEEEEEEEESSSSSSSSTTTTTTTTAAAAAAAAMMMMMMMMEEEEEEEENNNNNNNNTTTTTTTTO
Antigüidade Oriental4
Aspectos Econômicos das Civilizações5
Aspectos comuns das Religiões Pagãs8
UNIDADEI
ATTTTTTTTEEEEEEEERRRRRRRRRRRRRRRRA DE CCCCCCCCANNNNNNNNAÃÃÃÃÃÃÃÃ -------- GGGGGGGGEEEEEEEEOOOOOOOOGGGGGGGGRRRRRRRRAFFFFFFFFIIIIIIIIA NNNNNNNNATTTTTTTTUUUUUUUURRRRRRRRALLLLLLLL DE IIIIIIIISSSSSSSSRRRRRRRRAEEEEEEEELLLLLLLL
A história de Israel começa no crescente fértil1
Localização13
Hidrografia15
Jerusalém18
As cidades e estradas da Palestina20
UNIDADEI
AGGGGGGGGEEEEEEEEOOOOOOOOGGGGGGGGRRRRRRRRAFFFFFFFFIIIIIIIIA HHHHHHHHUUUUUUUUMMMMMMMMANNNNNNNNA DE IIIIIIIISSSSSSSSRRRRRRRRAEEEEEEEELLLLLLLL
A Família hebraica e seus Costumes24
A vida social Hebraica25
Dinheiro, pesos e medidas28
Calendário e festas de Israel30
UNIDADEIV
AGGGGGGGGEOOOOOOOOGGGGGGGGRRRRRRRRAFFFFFFFFIIIIIIIIA PPPPPPPPOOOOOOOOLLLLLLLLÍÍÍÍÍÍÍÍTTTTTTTTIIIIIIIICCCCCCCCA DE IIIIIIIISSSSSSSSRRRRRRRRAELLLLLLLL E OS DDDDDDDDIIIIIIIIASSSSSSSS ATTTTTTTTUUUUUUUUAIIIIIIIISSSSSSSS
Introdução3
O cisma Israelita36
APENDICEI – Os impérios que dominaram o mundo Bíblico .....................................................................41

ESUTES – Escola de Teologia do Espírito Santo 4

O MMUUNNDDO DDO AANNTTIIGGO TTEESSTTAAMMEENNTTO

“O estudo da Geografia Bíblica nos possibilita o entendimento de diversas passagens bíblicas que certamente sem ela, seria improvável”.

As mais antigas civilizações da história surgiram na Antigüidade Oriental entre os anos 4.0 a.C. e 2.0 a.C. Foram as chamadas civilizações hidráulicas. Isso porque todas elas procuraram se instalar onde houvesse abundância de água., com a intenção de uma sobrevivência mais próspera. As Principais civilizações da Antigüidade Oriental foram: Egípcios (Vale do Nilo); Mesopotâmicos (Vale do Tigre e Eufrates); Hebreus (Vale do Jordão) fenícios (Líbano atual); Persas (Planalto do Irã); Hindus (Planície Indo-gangética); Chineses (Vales do Tang-tse e Huang Ho). Estas civilizações apresentaram características comuns como a escrita, a arquitetura monumental, a agricultura extensiva, a domesticação de animais, a metalurgia, a escultura, a pintura em cerâmica, a divisão da sociedade em classes e a religião organizada (estruturada com sacerdotes, lugares para reverenciar os deuses e assim por diante). A invenção da escrita permitiu ao homem registrar e difundir idéias, descobertas e acontecimentos que ocorriam ao seu redor. Esse avanço é responsável por grandes progressos científicos e tecnológicos que possibilitaram o surgimento de civilizações mais complexas. Exemplos de tipo de escrita: Suméria - cuneiforme (gravação de figuras com estilete sobre tábua de argila); Egito - hieroglífica (com ideogramas);Fenícia (atual Líbano) Fonético - (alfabeto).

Crescente Fértil – Assim chamado, por causa de sua abrangência territorial em forma de lua crescente.Apesar da fixação dos diversos grupos humanos em áreas próximas aos rios

ESUTES – Escola de Teologia do Espírito Santo 5

(abastecimento de água e comunicação) ter ocorrido em regiões distintas, a maioria das civilizações da Antigüidade se desenvolveu no Crescente Fértil. Esta área possui a forma de arco e estende-se do Vale do Jordão à Mesopotâmia, além de abrigar os rios Tigres e Eufrates. A revolução agrícola e a fixação de grupos humanos em locais determinados ocorreram simultaneamente no Crescente Fértil. Neste mesmo período outras civilizações se desenvolveram às margens dos rios Nilo (egípcia), Amarelo (chinesa), Indo e Gânges (paquistanesa e indiana).

ASPECTOS ECONÔMICOS DAS CIVILIZAÇÕES Predomínio da agricultura de subsistência e de regadio, devido ao aumento das comunidades ribeirinhas que tornaram-se conhecidas como civilizações hidráulicas. Neste período, a construção de canais de irrigação que permitiam levar a água onde fosse necessária era de grande importância.

Principal Atividade Cultivo de cereais. Comércio e artesanato eram atividades secundárias.Com exceção dos fenícios, dedicados predominantemente ao comércio marítimo (talassocracia no Mediterrâneo).

Aspectos Sociais Predomínio da sociedade estamental; nessa, cada grupo social tem uma posição e uma função definida. A posição social é determinada pela hereditariedade. A estrutura é estática (não há mobilidade social) e hierárquica, sendo vinculada às atividades econômicas.

Regime de Trabalho A maior parcela da comunidade trabalhava sob um regime de servidão coletiva . As Comunidades camponesas produziam excedentes agrícolas entregues ao Estado sob a forma de impostos (os camponeses não eram escravos já que viviam em comunidades, produziam seus próprios alimentos e construíam suas moradias).

Divisão da Sociedade Soberano e aristocracia (nobres e sacerdotes); Grupos intermediários (burocratas, militares, mercadores e artesãos);Camponeses; Escravos utilizados na construção de obras públicas (obras de irrigação, templos, palácios e outros).

Exceções Fenícios, sociedade de classes (hierarquia baseada na riqueza móvel); Hindus, sociedade de castas

(de origem religiosa e absolutamente impermeável). O núcleo básico da sociedade oriental era a Família Patriarcal. O Patriarca (homem mais velho) era respeitado e obedecido por todos. Como líder do clã familiar exercia as funções de chefe, de juiz e de sacerdote, mantendo todos sob seu absoluto domínio. A mulher era geralmente considerada como propriedade do marido e a este deveria obedecer e chamar de ‘meu senhor. Sua função, como mulher, resumia-se a procriação e a cuidar da casa e dos filhos. A população escrava sempre foi muito numerosa entre as sociedades orientais e constituía a base de todo meio de produção, ou seja, a mão-de-obra escrava sustentava o poder econômico e político dos Estados organizados e o prestígio das classes dominantes: nobres membros das famílias reais, sacerdotes, escribas e demais funcionários civis e militares.

Particularidades e ddiifferrennççaass dos mmooddellooss eccoonnôômmiiccooss e sociais

ESUTES – Escola de Teologia do Espírito Santo 6

Egito Vale do Nilo Mesopotâmia

Tigre e Eufrates

Sul da Ásia, Planície Indogangética

Norte da China, o Hwang Ho

Soberano e aristocracia

Faraó e os sacerdotes da família real, oficiais do palácio

Nobreza = família real, altos sacerdotes, oficiais reais

Falta de evidências

O rei, a classe aristocrática e a burocracia estatal faziam parte da nobreza guerreira

Grupos intermediá- rios

Sociedade relativamente aberta; habilidade + ambição = mobilidade social

Clientes = cidadãos livres trabalhando para a nobreza

Comércio com a Mesopotâmia, Sul da Índia e Afeganistão

Artesãos/escultores comerciantes

Camponeses

Camponeses = servos, pequenas propriedades de terras

Plebe = cidadãos livres proprietários de terras

Fazendeiros plebeus (servos)

Escravos

Escravos eram prisioneiros de guerra; camponeses eram submetidos a recrutamento forçado tanto para serviços militares como para grupos de trabalhos escravos escravos

Aspectos políticos Estado fortemente centralizado que possuía as terras e controlava a mão-de-obra. A religião justificava o poder absoluto do governante, por isto, neste período, havia predomínio das monarquias despóticas (absolutas) de caráter teocrático. Teocracia é uma forma de governo na qual a autoridade, proveniente de um Deus, é exercida por seus representantes na terra. O Egito

Antigo foi um dos exemplos mais extremados de teocracia

Exceção Fenícios, organizados em cidades-estados monárquicas ou republicanas, controladas por oligarquias mercantis.

Aspectos Políticos

Egito

(Parte 1 de 7)

Comentários