Sindrome Hipertensiva Gestação

Sindrome Hipertensiva Gestação

Características do Agravo

  • Características do Agravo

Hipertensão Crônica (HAC):

  • Hipertensão Crônica (HAC):

  • HA identificada antes da 20ª semana.

  • Hipertensão Gestacional (HG):

  • HA isolada após a 20ª semana.

  • Pré-Eclâmpsia (PE):

  • HA identificada após a 20ª semana com proteinúria. Normalização do quadro 3 meses após o parto.

  • Eclâmpsia:

  • Convulsões em gestantes com Pré-Eclâmpsia não atribuídas a outras causas.

  • Síndrome HELLP:

  • Complicações da Eclâmpsia e Pré-Eclâmpsia.

  • Hemólise – Trombocitopenia – Disfunção Hepática

Cardio-Pulmonares:

  • Cardio-Pulmonares:

  • Normal: Hipotensão Gestacional (segundo trimestre) vasodilatação periférica

  • aumento do volume plasmático

  • diminuição da PA média

  • elevação do DC

  • Pré-Eclâmpsia: Hipertensão e Hipoproteinemia

  • aumento da RVP

  • retração do volume plasmático

  • *Oligúria:

  • Não reflete necessáriamente a depleção de volume.

  • Administração inaqueda de volume -> Edema Pulmonar

  • Aumento da pressão no capilar pulmonar (IC)

  • Redução da pressão osmótica do sangue (Hipoproteinemia)

  • Aumento da permeabilidade do endotélio (Citocina)

Renais:

  • Renais:

  • Diminuição progressiva do Fluxo Plasmático Renal e da Taxa de Filtração Glomerular.

  • Glomeruloendoteliose:

  • aumento de volume e vacuolização de células glomerulares.

  • diminuição do espaço de Bowman e superfície filtrante.

  • Diminuição da excreção de Cálcio: Reabsorção Tubular

  • Perda Proteíca Espasmo Vascular

  • *Oligúria

Circulação Útero-Placentária:

  • Circulação Útero-Placentária:

  • Redução no fluxo útero placentário (Insuficiência Placentária)

  • Falha da invasão da decídua pelo trofoblasto

  • Dificuldade de perfusão placentária

  • Aumento da resistência vascualar

Cerebrais:

  • Cerebrais:

  • A intensidade do vasoespasmo ultrapassa a capacidade de auto-regulação cerebral.

  • Hipóxia (diminui metabolismo neuronal)

  • Edema cerebral (decorre da lesão endotelial)

  • Hemorragia parenquimatosa (eventual)

  • *Causa mais frequente de morte na hipertensão.

Pré-Eclâmpsia:

  • Pré-Eclâmpsia:

  • pressão arterial elevada (PAD ≥ 90 mmHg)

  • aumento súbito de peso (1 kg/semana ou 3 kg/mês)

  • proteinúria

  • cefaléia – dor em hd – distúrbios visuais

  • Eclâmpsia: gestação (mais frequente), parto e puerpério.

  • convulsões (tônico-clônico)

  • coma

  • Hipertensão Crônica:

  • Metildopa 750mg-2g /dia (associação com nifedipina ou nifedipina + tiazídico)

  • Crise Hipertensiva: PAM ≥ 130 mmHg após 30min de decúbito lateral esquerdo.

  • Hidralazina EV 5 mg lento, repetido a cada 30 min (máx: 25 mg)

  • Nifedipina SL 5 mg, repetido a cada 30 min (máx: 20 mg)

Eclâmpsia iminente ou eclâmpsia:

  • Eclâmpsia iminente ou eclâmpsia:

  • Tratamento prevêntivo ou na presença de sinais de comprometimento cerebral

  • Sulfato de Magnésio 4g EV (ataque) e 2g/hora (manutenção)

  • sinais de intoxicação -> gluconato ou cloreto de cálcio

  • Controle do volume urinário (oligúria) nível terapêutico: 4,5 – 7,5 mEq/L

  • Reflexo patelar abolição do reflexo: 10 mEq/l

  • Ritmo respiratório paralisia do diafragma: 15 mEq/L

Detecção precoce da pré-eclâmpsia:

  • Detecção precoce da pré-eclâmpsia:

  • Avaliação da PA

  • Avaliação do peso

  • último mês: exame pelo menos 1 vez por semana

  • dois meses anteriores: exame a cada duas semanas

  • Aconselhar o relato imediato:

  • cefaléia – dor em HD – distúrbios visuais

  • *edema: mãos e faces

AAS em baixa dose: 1 mg/Kg/dia

  • AAS em baixa dose: 1 mg/Kg/dia

  • desequilíbrio prostaciclina/tromboxane

  • inibe com mais eficiência o tromboxane A2 (plaquetas)

  • Suplementação de Cálcio:

  • transporte de Ca aumenta 7x na 20ª semana

  • aumento do hormonio paratireoideano (HPT) -> hiperparatireodismo

  • Fisiológico

  • dieta pobre: aumento HPT – aumento de Ca intracelular – reatividade do m. Liso vascular

Incidência:

  • Incidência:

  • Geral: 5 a 10% - Países Desenvolvidos: 6% - Brasil: 9,8%

  • Distribuição:

Prevalência

  • Prevalência

  • Morbidade Hospitalar do SUS - por local de residência - Brasil

  • Internações por Ano competência

  • Capítulo CID-10: XV. Gravidez, parto e puerpério

  • Lista Morb CID-10: Edema protein transt hipertens gravid parto puerp

  • Período: 1998-2006

  • Fonte: DATASUS

Prevalência

  • Prevalência

  • Morbidade Hospitalar do SUS - por local de residência - Brasil

  • Internações por Região e Faixa Etária 1

  • Capítulo CID-10: XV. Gravidez parto e puerpério

  • Lista Morb CID-10: Edema protein transt hipertens gravid parto puerp

  • Faixa Etária 1: 15 a 19 anos, 20 a 29 anos, 30 a 39 anos, 40 a 49 anos, 50 a 59 anos, 60 a 69 anos

  • Período:1998-2006

Mortalidade

  • Mortalidade

  • Taxa de Mortalidade matrerna

  • Grupo CID10: Edema proteinúria, transtornos, hiperts gravidez, parto puerpério

  • Nº de óbitos maternos por 100.000 nascidos vivos, segundo região

  • Período: 1997-2004

Eclâmpsia:

  • Eclâmpsia:

  • Países desenvolvidos: 6 em cada 10.000 partos

  • Países em desenvolvimento: 45 em cada 10.000 partos

Paridade:

  • Paridade:

  • 6 a 8x maior em primigesta (eclâmpsia e pré-eclâmpsia)

  • Gestação Multipla:

  • 5x maior (pré-eclâmpsia)

  • Mola Hidatiforme:

  • 10x maior (DHEG)

  • Hipertensão Arterial Pré-existente:

  • Alguns autores consideram 70% de ocorrência (pré-eclâmpsia)

  • Nefropatia hipertensiva: 25 a 50%, caso grave 100%

Tendencia Familiar:

  • Tendencia Familiar:

  • 4x maior com antecedênte familiar (pré-eclâmpsia)

  • Fatores Socio-Econômicos e Culturais:

  • Eclâmpsia

  • Suécia: 1/3450 partos

  • Nigéria: 1/108 partos

  • Buscar um direcionamento

  • + seguro e

  • + efetivo

  • no tratamento da eclâmpsia

  • 5% a 10% das gestantes,

  • no último trimestre da gravidez apresentam

  • DHEG

  • ↑ alta incidência

  • ↑ grandes índices de mortalidade (eclâmpsia)

  • 77 pctes portadores de eclâmpsia;

  • Período – 03/96 – 06/98;

  • Maternidade Dona Evangelina de Souza, Teresina – PI;

  • 2 grupos - MgSO4 e Fenitoína;

  • Não houve tratamentos paralelos e anteriores;

  • Forma aleatória de divisão;

  • *** obs: se recidiva de convulsões – Diazepan 10mg EV

  • Sulfato de Magnésio

  • 5 ampolas de 10 ml a 50% - 5g;

  • Ataque - 5g EV;

  • Manutenção - 1g/hora EV cont;

  • Não exceder 20g em 24h;

  • 1 - presença de recidiva de convulsões

  • 2 - intercorrências clínica durante o período de internação

  • a – hemorragia pós-parto

  • b – desconforto respiratório em neonatos

  • O que você receitaria?

  • Por que a fenitoína tem resultado inferior?

  • Quer ficar rico?

MgSO4 é ↑ eficiente na prevenção e controle de pacientes com eclâmpsia

  • MgSO4 é ↑ eficiente na prevenção e controle de pacientes com eclâmpsia

  • Porém ↑ hemorragia pós-parto e

  • ↑ desconforto respiratório para o neonato

  • Fenitoína apresenta-se como droga alternativa p/ o tto de eclâmpsia nos casos em que houver contra-indicação do uso de sulfato de magnésio

Observacionais

  • Observacionais

  • Relato de Caso

  • Série de Casos

  • Estudo transversal

  • Estudo Ecológico

  • Estudo de Coorte

  • Estudo de Caso Controle

Ensaio Clínico – qto a unidade de pesquisa

  • Ensaio Clínico – qto a unidade de pesquisa

  • Qto a forma de intervenção?

  • Profilático x Terapêutico

  • Qto ao propósito?

  • Descritivo x Analítico

  • Qto ao seguimento?

  • Transversal x Longitudinal

  • Qto ao tempo?

  • Prospectivo x Retrospectivo

  • Randomizado?

  • Controlado?

  • Duplo-Cego?

Comentários