O Matrimonio Perfeito

O Matrimonio Perfeito

(Parte 2 de 7)

A Doutrina da Síntese não pode prejudicar a ninguém, porquanto é a síntese de todas.

Convidamos os devotos de todos os cultos, escolas e crenças a fazerem um estudo comparativo das Religiões.

Introdução

Convidamos os estudantes dos diversos sistemas de auto−educação Íntima, a estudarem o Esoterismo Sexual de todas as Escolas Secretas de Mistérios. Convidamos todos os loguis para que estudem o Sexo−Ioga e o Tantrismo Branco da Índia, sem o qual nenhum logui logrará a libertação absoluta.

A Magia Sexual e o Cristo constituem a síntese de todo estudo esotérico, seja qual for seu nome, forma religiosa ou sistema educacional.

Os ataques de que temos sido vítimas, as perseguições, os anátemas, as excomunhões, etc., devem−se à ignorância e à falta de estudo.

Qualquer forma religiosa ou sistema esotérico enriquece−se com a Síntese. A Síntese não pode prejudicar a ninguém. Amamos profundamente todas as formas religiosas; sabemos que elas são a manifestação amorosa da Grande Religião Cósmica Universal.

No Matrimônio Perfeito acha−se a Suprema Síntese Religiosa. Deus é Amor e Sabedoria. No Cristo e no Sexo encontra−se a última síntese de todas as Lojas, Ordens, Escolas, Seitas, Sistemas e Métodos de Auto−Realização Íntima, tanto no Oriente quanto no Ocidente, tanto no Norte, como no Sul.

Paz Inverencial Samael Aun Weor

Introdução

Introdução 8

O Amor

Deus como Pai é Sabedoria. Deus como Mãe é Amor.

Deus como Pai reside no olho da Sabedoria. O olho da Sabedoria se acha situado no entrecenho.

Deus como Amor se encontra no Templo−Coração. Sabedoria e Amor são as duas colunas torais da Grande Loja Branca.

é ternura infinitao amor é a vida que palpita em cada átomo, como palpita

Amar, quão belo é amar. Só as grandes almas podem e sabem amar. O amor em cada Sol.

O amor não se pode definir, porque é a Divina Mãe do Mundo; é aquilo que advém a nós quando estamos realmente enamorados.

O amor é sentido no fundo do coração, é uma vivência deliciosa, um fogo que consome; é vinho divino, delírio para quem o bebe. Um simples lencinho perfumado, uma carta, uma flor, promovem no fundo da alma tremendas inquietudes íntimas, êxtases exóticos, voluptuosidade inefável.

Ninguém jamais pôde definir o amor; tem−se que vivê−lo, tem−se que senti−lo. Só os grandes enamorados sabem realmente o que é isso que se chama Amor.

O Matrimônio Perfeito é a união de dois seres que verdadeiramente sabem amar.

Para que haja verdadeiramente amor, é preciso que o homem e a mulher se adorem em todos os sete grandes planos cósmicos.

Para que haja amor, é necessário que exista uma verdadeira comunhão de almas nas três esferas de pensamento, sentimento e vontade.

Quando os dois seres vibram afins em seus pensamentos, sentimentos e volições, então o Matrimônio Perfeito realiza−se nos sete planos de consciência cósmica.

Há pessoas que estão casadas nos planos físico e etérico, porém não o estão no plano astral. Outras, acham−se casadas nos planos físico, etérico e astral, mas não o estão no plano mental; cada um pensa a seu modo, a mulher tem uma religião e o homem outra, não estão de acordo no que pensam, etc., etc.

Existem matrimônios afins nos mundos do pensamento e do sentimento, porém, absolutamente opostos no mundo da vontade. Constantemente ocorrem choques entre o casal, não são felizes.

O Matrimônio Perfeito deve efetuar−se nos sete planos de consciência cósmica. Há matrimônios que nem sequer chegam ao plano astral. Nesses casos não existe sequer a atração sexual, esses são verdadeiros fracassos. Este é o tipo de casamento que se fundamenta exclusivamente na fórmula matrimonial.

Algumas pessoas vivem a vida de casadas no plano físico com determinado cônjuge e no plano mental vivem com outro diferente. Raramente encontramos na vida um Matrimônio Perfeito. Para que haja amor, é necessário existir afinidade de pensamentos, sentimentos e vontades.

Onde existe o cálculo aritmético, não há amor. Infelizmente, na vida moderna o amor cheira à conta de banco, mercadorias e celulóide. Naqueles lares onde só existem somas e subtrações, não existe amor. Quando o amor sai do coração, dificilmente regressa. O amor é um menino muito esquivo.

O matrimônio que se realiza sem amor, fundamentado unicamente em interesses econômicos ou sociais é, realmente, um pecado contra o Espírito Santo. Matrimônios desse tipo fracassam inevitavelmente. Os enamorados confundem muitas vezes o desejo com o amor, e o pior é que se casam, acreditando estarem enamorados. Consumado o ato sexual, satisfeita a paixão carnal, vem então o desencanto, resta a terrível realidade.

Os enamorados devem auto−analisar−se antes de se casarem, para saberem se realmente estão enamorados. A paixão se confunde facilmente com o amor. O amor e o desejo são absolutamente opostos. Quem está verdadeiramente enamorado, é capaz de dar até a última gota de seu sangue pelo ser adorado. Examina−te antes de te casares. És capaz de dar até a última gota de sangue pelo ser que adoras? Serias capaz de dar tua vida

O Amor para que o ser adorado vivesse? Reflete e medita ...

Existe verdadeira afinidade de pensamentos, sentimentos e vontades com o ser que adoras? Lembra−te que, se essa afinidade completa não existe, o teu casamento, ao invés de ser um céu, será um verdadeiro inferno. Não te deixes levar pelo desejo. Mata não só o desejo, mas até a própria sombra da árvore tentadora do desejo.

O amor começa com um relâmpago de simpatia deliciosa, substancializa−se com ternura infinita e sintetiza−se em suprema adoração.

Um Matrimônio Perfeito é a união de dois seres que se adoram de forma absoluta. No amor não existem planos, nem contas de banco. Se estás fazendo planos e cálculos, é porque não estás enamorado.

Reflete antes de dar o grande passo. Estás realmente enamorado? Cuida−te da ilusão do desejo. Recorda que a chama do desejo consome a vida e fica então a tremenda realidade da morte.

Contempla os olhos do ser que adoras, perde−te na felicidade das suas pupiIas, porém, se queres ser feliz, não te deixes levar pelo desejo.

Homem enamorado, não confundas o amor com a paixão. Auto−analisa−te profundamente. É urgente saber se ela te pertence em espírito. É necessário saber se tens completa afinidade com ela nos três mundos de pensamento, sentimento e vontade.

O adultério é o resultado cruel da falta de amor. A mulher verdadeiramente enamorada preferiria a morte ao adultério. O homem que adultera não está enamorado.

O amor é terrivelmente divino. A bendita Deusa Mãe do Mundo é isso que se chama Amor.

Com o fogo terrível do Amor podemos transformar−nos em Deuses para penetrarmos cheios de majestade no Anfiteatro da Ciência Cósmica.

O Amor

O Amor 12

O Filho do Homem

Deus é Amor e seu Amor cria e torna novamente a criar.

As palavras deliciosas do amor conduzem ao beijo ardente da adoração. O ato sexual é a real consubstanciação do amor, no tremendo realismo de nossa natureza psicofisiológica

Quando um homem e uma mulher se unem sexualmente, algo se cria. Nesses instantes de suprema adoração, ele e ela são realmente um só ser andrógino, com poderes para criar como os deuses.

Os Elohim são varão e varoa. O homem e a mulher unidos sexualmente, durante o êxtase supremo do amor, são, na realidade, um Elohim terrivelmente divino.

Nestes instantes da união sexual estamos realmente no Laboratorium Oratorium da Santa Alquimia. Os grandes clarividentes podem ver, nesses momentos, o casal envolto em esplendores terrivelmente divinos. Então penetramos no Sanctum Regnum da Alta Magia. Com essas forças espantosamente divinas podemos desintegrar o diabo que trazemos dentro de nós e transformar−nos em grandes Hierofantes.

À medida em que o ato sexual se prolonga, conforme aumentam as carícias deliciosas do êxtase adorável, sente−se uma voluptuosidade espiritual encantadora. Então estamos nos carregando de eletricidade e magnetismo universal. Poderosas forças cósmicas acumulam−se no fundo da alma; cintilam os chacras do corpo astral, enquanto as forças misteriosas da Grande Mãe Cósmica circulam por todos os canais de nosso organismo.

O beijo ardente, as carícias íntimas, transformam−se em notas milagrosas que ressoam comovedoras na aura do universo.

(Parte 2 de 7)

Comentários