Os seres vivos e suas interações com o ecossistema

Os seres vivos e suas interações com o ecossistema

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO

gestão ambiental

jucélio duarte ferreira

Os seres vivos e suas interações com o ecossistema

Pirapora

2009

jucélio duarte ferreira

Os seres vivos e suas interações com o ecossistema

Trabalho apresentado ao Curso gestão ambiental da UNOPAR - Universidade Norte do Paraná, para a disciplina ecologia aplicada.

Orientador: Prof. Andréia de Freitas Zômpero.

Pirapora

2009

1º Etapa

Os seres vivos e suas interações com o ecossistema

O rio São Francisco é uma paraíso que tem como justificativa a força do seu potencial hídrico, vazão de águas em abundância que deságuam no mar, chegam vigorosas e empurram as águas salgadas com imponência e soberbia inúteis, porque, mais adiante, não muito longe dali, a mistura e integração são inevitáveis. Nesse ecossistema existe uma comunidade de seres bióticos (seres vivos que habitam o lugar; animais, plantas, microorganismos), vivendo e interagindo com os componentes abióticos; aspectos físicos do local, como água, solo, luminosidade, temperatura e ar.

O rio com grande extenção de planície, permite a navegabilidade de embarcações com calados regulares até um metro e meio, podendo chegar a 50 metros de comprimento e o de boca, capacidade de carga superior a 80 toneladas, principalmente, no período das enchentes, devido ao considerável aumento do volume de água.

Em conversa com os barranqueiros, através das coletâneas de ensinamentos e informações dos seus ancestrais, é fácil saber que a exploração do rio pelos navegantes fluviais vem de tempos remotos. Observe na figura 2 que a márgem do rio foi desmatada, e nessa mata haviam diversas populações que se interagiam em perfeito equilíbrio natural entre os seres bióticos e abióticos que ali existiam antes das mudaças do ambiente provocado pela interferência do homem.

Os olhos ficavam extasiados, diante da beleza da natureza e da diversidade do local. Muitas árvores formavam uma grande copa, com galhos carregados de frutos que alimentavam uma quantidade variada de espécies do habitat, principalmente pássaros e peixes. O tipo de planta que crescia na quele solo de floresta nativa, árvores robustas, arbustos, gramíneas, relvas e muitas plantas aquáticas disputavam o espaço vazio entre a margem do rio, (árvores frutíferas e silvestres; cagaitas, araçás, bananinhas, jatobás, mangabas, genipapos, umbus, gravatas, pitombas, pequis, e tantas outras frutas sazonais do lugar ), compunham o habitat que sustentava a vida de várias espécies que possuem o nicho ecológico diferente, ( jaburus, garças, quero-queros, saracuras, seriemas, emas, cardeais, trinca-ferros, sofrês, sabiás, bicos brancos, pássaros-pretos, casacas-de-couro, canários, juritis, tico-ticos, pica-paus, curiós, papa-capins entre outros), conviviam harmonicamente com mamíferos, ruminantes ou roedores que cruzavam as trilhas e as alamedas da orla fluvial, fazendo a reciclagem da matéria em busca de raizes, folhas, flores, frutos e pequenos insetos que faziam a polinização das flores demonstrando perfeita interação entre indivíduos diferentes, com benefício para ambas as espécies. Destruindo a mata ciliar para introduzir as lavoutas de cana-de-açucar, mandioca, feijão, arroz e outras plantas considerada exóticas para o habitat, houve a destruição dos dois ecossistemas: terrestre e aquático, pois os frutos das árvores serviam de alimento para os (animais silvestres; araras, papagaios, jandaias, periquitos, e outras aves ariscas que faziam seus ninhos em confortáveis ocos das árvores instintivamente, se protegendo dos predadores e aves de rapina. Pássaros, aves, répteis, insetos e peixes (cardumes de piabas, piaus, pirás, pacomões, piranhas, acaris, caborges, lambaris, corvinas, curimbatás, traíras, matrinchãs, dourados, bagres, mandis, surubis e outros procriam e habitam as águas saciados pela comida fácil do ambiente), viam-se pescadores exibindo peixes de vários tamanhos e variedades, mesmo em época de piracema, nenhuma lei ambiental proibitiva existia. Embora ainda praticada em várias regiões do país, a caça e pesca predatória estão legalmente proibidas, sabe-se que ainda existe, e é uma atitude ecologicamente incorreta, com forte impacto ambiental. A atividade é ilegal, sendo punida com penas severas. Mesmo assim, o homem não respeita a natureza e nem demonstra qualquer temor da lei.

No São Francisco, havia fartura. Tempo bom aquele! Com a retirada da vegetação, a margem do rio ficou desprotegida, sem a vegetação que fixava o solo, haverá erosão e consequentemte aumentará o assoreamento do rio comprometendo ainda mais a qualidade de vida das colônias e sociedades que habitam às margens do rio São Francisco. Cabe observar, no entanto, que o sucesso de uma população depende de vários fatores, como temperatura, disponibilidade de nutrientes, umidade, falta de espaço, clima, presença de competidores.  Qualquer condição que exceda o limite de tolerância para uma população pode ser considerado como fator limitante. O conjunto desses fatores limitantes produzem uma resistência ao meio. O oxigênio, por exemplo, pode ser um fator limitante para os peixes que não conseguem sobreviver  em lagos ou rios onde exista muita matéria orgânica dissolvida, nesse caso, as bactérias utilizam grande parte do oxigênio disponível para decomposição dos resíduos arrastados para o rio pelo assoreamento podendo provocar a morte dos peixes, pois a multiplicação elevada de microalgas absorvendo todo o oxigênio disponível do lugar (água) provoca a morte dos peixes. Sistemas ecológicos são caracterizados por todos os organismos heterótrofos de um ecossistema, ou seja, além de depender do alimento produzido pelos produtores (algas, plantas, fazendo a fotossíntese liberando o oxigênio no ar), também estão sujeitos aos efeitos das mudanças climáticas.

2ºEtapa. Ações que possibilitam o desenvolvimento sustentável em nosso município.

No município de Pirapora MG, existem algumas ações que possibilitam o desenvolvimento sustentável.

1º ação: é a produção de mudas de plantas nativas. Como a maior riqueza do município está ligada a preservação do Rio São Francisco de Assis a fim de revitalizá-lo, as mudas serão replantadas em áreas degradadas para recuperação de sua mata ciliar, fator imprescindível à recuperação de suas margens. Recuperando a mata ciliar, recupera-se o equilíbrio do ecosistema melhorando a fotossintese, produzindo mais oxigênio contribuindo para melhorar o ciclo da água, proporcionando melhor temperatura no planeta. Sabemos que com o aumento da temperatura do planeta provocado pela queima de combustíveis fósseis e a retirada da vegetação fotossintetizante mais rápido do que eles possam crescer novamente, a temperatura do planeta pode subir alterando o ciclo do carbono destruindo os habitats selvágens e modificando de maneira desastrosa, (o sistema de chuva e seca se altera). Com a elevação da temperatura do planeta, o clima da terra entra em colapso exterminando a agricultura e a pecuária, lembrando que o Brasil é banhado pelo Atlantico Sul e segundo os cientistas poderá haver furacões devastando cidades da costa Brasileira.

2º ação: a coleta seletiva de lixo. Fator importante à saúde de toda a população, afim de separar o lixo orgânico, papéis, plásticos que são recolhidos nos dias marcados pela Prefeitura e destinados ao aterro sanitário. A coleta seletiva do lixo é um gerador renda para as famílias carentes que selecional e reciclam, papeis, plástico fabricando utensílios de limpeza, como vassoouras e rodos.A conservação ambiental e a manutenção da qualidade de vida eram consideradas incompatíveis com o desenvolvimento. Por tanto a poluição e a degradação do meio ambiente eram consequências consideradas inevitáveis do desenvolvimento industrial e econômico. Na visão do modelo econômico atual, pouco foi feito para melhorar a situação, os recursos naturais ainda são vistos por alguns empresários apenas como fonte de lucro, sempre disponível e gratuitos.

3º ação: tratamento de água e esgoto. O SAAE (Serviço Autônomo de Água e Esgoto) em Pirapora é responsável pela qualidade da água potável que recebemos, e por obras de saneamento básico ( redes de esgoto e estação de esgoto), revitalização da orla fluvial. O homem usa cada vez mais produtos químicos na lavoura, que acabam sendo levados para os rios, polui o ar com fumaça e gases tóxicos (como é o caso de Pirapora, nossa cidade), as pessoas lotam os hospitais com problemas respiratórios e infecções estomacais cada vez mais expostos aos efeitos da poluição do ar e das águas. Algumas indústrias ainda despejam seus dejetos nas águas do rio sem tratamento adequado. Os metais pesados como (chumbo e mercúrio), e os compostos orgânicos sintéticos também podem entrar nas cadeias alimentares. A cadeia alimentar é uma seqüência de alimentação composta por diferentes níveis tróficos. A energia é maior nos primeiros níveis tróficos e vai sendo dissipada nos níveis seguintes. Diferente do que ocorre com a energia, os nutrientes são constantemente reciclados devido à ação dos decompositores ,  sendo novamente aproveitados pelas plantas voltando a fazerem parte da cadeia. Quantidades mesmo pequenas desses produtos,  podem ser absorvidas e acumuladas pelos organismo dos animais que compoem a cadeia alimentar, sendo transferindos para os seres humanos e assim alcançarem níveis tóxicos insuportáveis. Sabemos que o termo sustentabilidade tornou-se objeto do desejo de muitos. Porém, nem todos aplicam o seu conceito na íntegra ou de forma corretamente ecológica, como podemos observar na segunda foto apresentada. Tendo o conhecimento dos conceitos da ecologia, o ser humano deveria interferir na natureza de modo consciente para preservá-la. Para desenvolver atitude de preservação é necessário adiquirir conhecimento sobre relações ecológicas. Salvar florestas depende de algumas ações preventivas. A primeira delas é a criação de unidades de conservação. Em Pirapora MG estamos tomando o caminho inverso, pois o IBAMA, só tem um funcionário para atender todas as cidade próximas, e a polícia ambiental não consegue dar o apoio necessario para inibir atitudes que prejudicam o meio ambiente. Uma segunda ação seria o reflorestamento com espécies nativas das áreas já degradadas.

“É uma forma de criar um mecanismo para capturar carbono e ao mesmo tempo restabelecer a umidade da região”. De um lado está o aquecimento global, de outro há o esgotamento das reservas de água potavel do planeta. Em outras palavras estamos chegando a um limite extremo, onde as populações que habitam as áreas mais áridas da terra vivem o que se chama “estresse hídrico” , provocado por uma união de fatores ambientais, como falta de chuva, e sócioeconômicos, como crescimento demográfico muito elevado, que resulta em gente demais para água de menos.

“Para atingir o desenvolvimento sustentável e uma melhor qualidade de vida das pessoas, os países devem eliminar os padrões insustentáveis de produção e consumo. “ A frase é da declaração do rio, um documento elaborado durante a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento,em 1992.

A população humana, cresce em ritimo acelerado, causando, por isso, muitos problemas de sobrevivência. O crescimento da população humana acentuou-se por volta de 200 anos atrás. Para o autor Miller Jr. (2006), esse aumento deve-se à capacidade de utilizar ferramentas, ao desenvolvimento da agricultura; disponibilizando maior oferta de alimentos e ao desenvolvimento da medicina; que proporcionou o tratamento de muitas doenças. Houve melhora significativa das condições de higiene, aumentando a espectativa de vida, além do desenvolvimento de vacinas e antibióticos que trouxe melhorias nas condições de saude. Um dos maiores problemas ocorridos nas cidades é o acúmulo de resíduos, originados na entrada de produtos trazidos de outras regiões para sustentar a população. A falta de reciclagem do lixo, favorece o desenvolvimento de espécies invasoras que se adaptam no ambiente urbano, como ratos e muitas espécies de mosquito que, por sua vez podem transmitir doênças aos humanos e ao animais do ambiente. A sobrevivencia no mundo globalizado e capitalista, não é sustentada apenas pelo poder de consumo, já que a possibilidade de vida no planeta terra tambem está ligada à existência da fauna e da flora. O setor industrial é o que mais polui,devasta e gera danos à natureza, por outro lado, é o que mais emprega, exporta e investe (principalmente em tecnologia). A economia mundial deverá estar aliada à preservação ambiental, para conseguir o desenvolvimanto sustentável. É necessário mais atitude dos governantes dos paises, no sentido de consumir com consciência ecológica e educar as gerações futuras para a melhoria da qualidade de vida de todos. Hoje o grande desafio do mundo é a sustentabilidade .

Para desenvolvermos atitudes de preservação aos recursos do ambiente, é necessário que possamos entender como as relações ecológicas que se estabelecem. Proporcionar esta compreensão é um dos objetivos da disciplina de Ecologia Aplicada. Sabemos que os ecossistemas urbanos trazem sérios problemas ao ambiente, conforme você pode perceber no tópico sobre Ecologia Urbana. Atualmente várias propostas pensando no

desenvolvimento sustentável têm sido pensadas para melhorar as condições ambientais das cidades.

Concluimos que, atualmente pouco ou quase nada tem sido feito para reverter a situação da degradação do meio ambiente. Falta consciência ecológica de todos os países e políticas públicas de conservação, em busca da sustentabilidade dos recursos naturais do planeta.

Anexos

Imagens do rio São Francisco.

Margem direita do Rio São Francisco.

Desmatamento da mata ciliar do Rio São Francisco.

Comentários