Desenho Tecnico Arquitetonico - Leitura de Projetos

Desenho Tecnico Arquitetonico - Leitura de Projetos

(Parte 1 de 2)

DESENHO TÉCNICO - PROF. CARLOS J. ENGEL 1 CAPÍTULO 1

1. NORMAS DE DESENHOS TÉCNICOS

As normas procuram unificar os diversos elementos do desenho técnico de modo a facilitar a execução (uso), a consulta (leitura) e a classificação.

A Norma Brasileira de Desenho Técnico é a NB 8 R, que trata de assuntos que serão estudadas adiante como: Legendas, convenções de traços, sistema de representação, cotas, escalas.

Linha grossa Linha média ( metade da anterior ) Linha fina (metade da anterior)

D - Partes invisíveis

A - Linhas gerais B - Linhas principais C - Linhas auxiliares (cota, ladrilhos, etc.). E - Eixos de simetria F - Seções G - Interrupções

2. FORMATO

É a dimensão do papel. Os formatos de papel para execução de desenhos técnicos são padronizados. A série mais usada de formatos é originária da Alemanha e conhecida como: série DIN - A (Deutsch Industrien Normen - A), cuja base é o formato A0 (A zero), constituído por um retângulo de 841 m x 1189 m = 1 m², aproximadamente.

Mediante uma sucessão de cortes, dividindo em duas partes iguais os formatos, a partir do A0 obtém-se os tamanhos menores da série.

DESENHO TÉCNICO - PROF. CARLOS J. ENGEL 2

Veja pelas figuras abaixo, que a maior dimensão de um formato obtido corresponde à menor do formato anterior.

O espaço de utilização do papel fica compreendido por margens, que variam de dimensões, dependendo do formato usado. A margem esquerda, entretanto, é sempre 25 m a fim de facilitar o arquivamento em pastas próprias.

FORMATOSDIMENSÕES MARGENS
4A01682 x 2378 20
2A01182 x 1682 15
A0841 x 1189 10
A1594 x 841 10
A2420 x 594 10
A3297 x 420 10
A4210 x 297 5
A5148 x 210 5
A6105 x 148 5

DESENHO TÉCNICO - PROF. CARLOS J. ENGEL 3 3. LEGENDAS

A legenda ou identificação na gíria profissional chama-se Carimbo, que tem a finalidade de uniformizar as informações que devem acompanhar os desenhos. Os tamanhos e formatos dos carimbos obedecem à tabela dos

i - Local para nomenclatura necessária ao arquivamento do desenho;

formatos A. Recomenda-se que o carimbo seja usado junto à margem, no canto inferior direito. Esta colocação é necessária para que haja boa visibilidade quando os desenhos são arquivados. O carimbo deve possuir as seguintes informações principais, ficando, no entanto, a critério do escritório, o acréscimo ou a supressão de outros dados: a - Nome do escritório, Companhia etc; b - Título do projeto; c - Nome do arquiteto ou engenheiro; d - Nome do desenhista e data; e - Escalas; f - Número de folhas e número da folha; g - Assinatura do responsável técnico pelo projeto e execução da obra; h - Nome e assinatura do cliente; j - Conteúdo da prancha.

4. REPRESENTAÇÃO EM CORES - CONVENÇÃO

DESENHO TÉCNICO - PROF. CARLOS J. ENGEL 4

Na representação de uma reforma é indispensável diferenciar muito bem o que existe e o que será demolido ou acrescentado. Estas indicações podem ser feitas usando as seguintes convenções:

Obs. Essa pintura deve ser feita, na cópia heliográfica, contínua e em tom suave; ou diretamente no desenho feito com o AUTOCAD.

5. ETAPAS DE UM PROJETO

5.1. Estudo Preliminar

Cabe ao cliente dizer os objetivos que pretende atingir com sua construção, fornecer um programa ou lista de necessidades, fixar o tempo que gastará para construir e o custo máximo para a obra.

No diálogo cliente - engenheiro vão surgindo problemas e soluções. Ao mesmo tempo o arquiteto estará fazendo suas pesquisas e anotações de modo a orientar suas primeiras idéias (croquis).

coeficiente de aproveitamento

A partir da localização do terreno (lote, quadra e bairro), faz-se a consulta prévia na prefeitura, que é um documento obrigatório para aprovação de projetos. Este documento fornece os parâmetros mínimos recomendados pela prefeitura, como: recuos, altura máxima da edificação, taxa de ocupação, Logo depois o projeto vai tomando forma em esboços.

5. 2. O Anteprojeto.

DESENHO TÉCNICO - PROF. CARLOS J. ENGEL 5

Do esboço passado a limpo surge o anteprojeto, feito geralmente no papel sulfurizê a mão livre ou com instrumentos, em cores, perspectivas internas e externas, localização de mobílias etc.

5. 3. O Projeto.

Discutido o anteprojeto junto com o cliente, e feitas as modificações necessárias, parte-se para o desenho definitivo - o projeto-, o qual é desenhado com instrumentos e deve ser apresentado às repartições públicas e servirá de orientação para a construção.

5.4. Os detalhes e os projetos complementares

O projeto completo deve ser acompanhado de detalhes construtivos (portas, janelas, balcões, armários, e outros) e de especificações de materiais (piso, parede, forros, peças sanitárias, coberturas, ferragens, etc.). Com estes dados preparam-se o orçamento de materiais, e os projetos complementares como: projetos estrutural, elétrico, telefônico, hidro-sanitário, prevenção contra incêndio e outros.

Todos estes projetos, chamados de originais, chegam à construção sob forma de cópias, em geral feitas em papel heliográfico ou sulfite (AUTOCAD). O papel heliográfico (tipo azul ou preto) é o resultado da ação química do amoníaco em presença da luz ou vice-versa.

5.5. Tipos de papel

Atualmente o papel mais utilizado para anteprojetos é o papel sulfurizê, que são transparentes apesar de opacos, recomendados para desenhos coloridos e desenhos a lápis. São vendidos em rolo ou em folha padronizada.

Para os desenhos feitos a tinta (nanquim), são utilizados o papel vegetal, semitransparente e seu peso varia de 50 a 120 g por m². Não pode ser dobrado. É o mais indicado para o desenho de projetos por ser resistente ao tempo e por permitir correções e raspagens. É vendido em rolo de 20 m nas larguras de 1.10m ou 1.57m e também nos formatos recomendados pela ABNT, tendo as margens já impressas.

O Papel heliográfico encontra-se nas cores azul marrom ou preto. Uma de suas faces é tratada por processo químico e reage em presença do

DESENHO TÉCNICO - PROF. CARLOS J. ENGEL 6

resistente

amoníaco. Existem diversos tipos de papel heliográfico, do mais fino ao mais

disquetes, no padrão PLT

Os projetos realizados através de recursos computacionais, são plotados em folhas sulfite e cortados nos tamanhos adequados. Neste caso, as cópias podem ser coloridas ou não, sendo as originais, os arquivos salvos em

5.6 Aprovação de projetos

Para aprovação do projeto na prefeitura, são necessários: a) 3 cópias do projeto arquitetônico; b) Consulta Prévia c) Matrícula do terreno d) Requerimento para pedido de aprovação e) Guia de ART paga (órgãos públicos)

6. ESPECIFICAÇÕES DE MEDIDAS

correspondem às medidas

6.1 COTAS: Representam sempre dimensões reais do objeto e não dependem, portanto, da escala em que o de senho está executado. São os números que

Obs. As cotas devem ser escritas na posição horizontal, de modo que sejam lidas com o desenho em posição normal, colocando-se o leitor do lado direito da prancha. Para localizar exatamente uma cota e indicar qual a parte ou elemento do objeto a que ela se refere é necessário recorrer a dois tipos de linhas que são:

a) linhas de chamada (ou de extensão ou, ainda linha de referencia). b) linhas de cota (ou de medida).

As setas podem ser substituídas por:

DESENHO TÉCNICO - PROF. CARLOS J. ENGEL 7

6.2 PRINCÍPIOS GERAIS:

1. Tanto as linhas de chamada como as linhas de cota se desenham com traço contínuo fino. As linhas de chamada devem, em princípio, ser perpendiculares ao elemento a cotar, mas em casos excepcionais, pode haver conveniência em que sejam desenhadas obliquamente, preferindo-se nesses casos inclinações de 60° ou 75º;

2. As linhas de cota não devem ser escritas muito próximo das linhas de contorno, dependendo a distancia a que se colocam as dimensões do desenho e do tamanho do algarismo das cotas;

3. Os ângulos serão medidos em graus, exceto em coberturas e rampas que se indicam em porcentagem (%).

4. As linhas de cota paralelas devem ser espaçadas igualmente.

5. Colocar as linhas de referencia de preferencia fora da figura.

6. Evitar repetições de cota.

7. Todas as cotas necessárias serão indicadas.

8. Não traçar linha de cota como continuação de linha da figura. 9. As cotas prevalecem sobre as medidas calculadas no desenho.

DESENHO TÉCNICO - PROF. CARLOS J. ENGEL 8

10. As cotas de um desenho devem ser expressas na mesma unidade.

1. A altura dos algarismos é uniforme dentro do mesmo desenho. Em geral usa-se 2.5 a 3mm.

12. No caso de divergência entre cotas de desenhos diferentes, prevalece a cota do desenho feito na escala maior.

13. As linhas de cota são desenhadas paralelas à direção de medida.

7. SISTEMAS DE REPRESENTAÇÃO GRÁFICA

As projeções ortogonais da geometria descritiva são usadas no desenho arquitetônico apenas mudando os termos técnicos.

Um objeto pode ficar claramente representado por uma só vista ou projeção (ex. lâmpada incandescente). Outros ficarão bem mais representados por meio de 3 projeções ou vistas.

Haverá casas ou objetos que somente serão definidos com o uso de maior numero de vistas, como mostra a fig. abaixo.

DESENHO TÉCNICO - PROF. CARLOS J. ENGEL 9

As Normas Brasileiras NB-8R estabelecem a convenção usada também pelas normas italianas, alemãs, russas e outras, em que se considera o objeto a representar envolvido por um cubo. O objeto é projetado em cada uma das seis faces do cubo e, em seguida, o cubo é aberto ou planificado, obtendo-se as seis vistas.

DESENHO TÉCNICO - PROF. CARLOS J. ENGEL 10

A vista de frente é também chamada de elevação, a qual deve ser a vista principal. Por esta razão, quando se pensa obter as vistas ortográficas de um objeto, é conveniente que se faça uma analise criteriosa do mesmo, a fim de que se eleja a melhor posição para a vista de frente.

Para essa escolha, esta vista deve ser: a. Aquela que mostre a forma mais característica do objeto; b. A que indique a posição de trabalho do objeto, ou seja, como ele é encontrado, isoladamente ou num conjunto; c. Se os critérios acima continuarem insuficientes, escolhe -se a posição que mostre a maior dimensão do objeto e possibilite o menor numero de linhas invisíveis nas outras vistas.

Na obtenção das vistas, os contornos e arestas visíveis são desenhados com linha grossa continua.

As arestas e contornos que não podem ser vistos da posição ocupada pelo observador, por estarem ocultos pelas partes que lhe ficam à frente, são representados por linha média tracejada (linha invisível).

8. SÍMBOLOS GRÁFICOS

DESENHO TÉCNICO - PROF. CARLOS J. ENGEL 1

janelas, louças sanitárias, telhas, concreto

O desenho arquitetônico, por ser feito em escala reduzida e por abranger áreas relativamente grandes, é obrigado a recorrer a símbolos gráficos. Assim utilizaremos as simbologias para definir, como por exemplo, as paredes, portas,

Normalmente as paredes internas são representadas com espessura de 15 cm, mesmo que na realidade a parede tenha 14 cm ou até menos. Nas paredes externas o uso de paredes de 20 cm de espessura é o recomendado, mas não obrigatório. É no entanto obrigatório o uso de paredes de 20cm de espessura quando esta se situa entre dois vizinhos (de apartamento, salas comerciais...).

Convenciona-se para paredes altas (que vão do piso ao teto) traço grosso contínuo, e para paredes a meia altura, com traço médio contínuo, indicando a altura correspondente.

1. Porta interna - Geralmente a comunicação entre dois ambientes não há diferença de nível, ou seja, estão no mesmo plano, ou ainda, possuem a mesma cota.

DESENHO TÉCNICO - PROF. CARLOS J. ENGEL 12

2. Porta externa - A comunicação entre os dois ambientes (externo e interno) possuem cotas diferentes, ou seja, o piso externo é mais baixo.

Nos banheiros a água alcança a parte inferior da porta ou passa para o ambiente vizinho; os dois inconvenientes são evitados quando há uma diferença de cota nos pisos de 1 a 2 cm pelo menos. Por esta razão as portas de sanitários desenham se como as externas.

3. Outros tipos de porta: - De correr ou corrediça

- Porta pantográfica

DESENHO TÉCNICO - PROF. CARLOS J. ENGEL 13

- Porta pivotante - Porta basculante

- Porta de enrolar

DESENHO TÉCNICO - PROF. CARLOS J. ENGEL 14

O plano horizontal da planta corta as janelas com altura do peitoril até 1.50m, sendo estas representadas conforme a figura abaixo, sempre tendo como a primeira dimensão a largura da janela pela sua altura e peitoril correspondente. Para janelas em que o plano horizontal não o corta, a representação é feita com linhas invisíveis.

DESENHO TÉCNICO - PROF. CARLOS J. ENGEL 15 DESENHO TÉCNICO - PROF. CARLOS J. ENGEL 15

DESENHO TÉCNICO - PROF. CARLOS J. ENGEL 16 V. MOVEIS - SALA/QUARTO/COZINHA

DESENHO TÉCNICO - PROF. CARLOS J. ENGEL 17 VIII. CONCRETO

DESENHO TÉCNICO - PROF. CARLOS J. ENGEL 18

As seções das lajes de piso ou cobertura, assim como seções de vigas, sapatas das fundações etc., de concreto, deverão ser pintadas de verde ou recorrer aos símbolos gráficos.

9. ILUMINAÇÃO E VENTILAÇÃO

Todo compartimento deve ter, em plano vertical, ao menos uma abertura para o exterior. Estas aberturas devem ser dotadas de persianas ou dispositivos que permitam a renovação do ar. Nos compartimentos destinados a dormitórios não será permitido o uso de material translúcido, pois é necessário assegurar sombra e ventilação simultaneamente.

As áreas destas aberturas serão proporcionais às áreas dos compartimentos a iluminar e ventilar, e variáveis conforme o destino destes compartimentos.

As frações que representam as relações entre áreas de piso e de esquadrias que apresentaremos, são as mínimas. Por isso sempre que houver disponibilidade econômica, os vãos devem ter as maiores áreas possíveis.

I. DORMITÓRIOS (local de permanência prolongada, noturna). A área das aberturas não deverá ser inferior a 1/6 da área do piso.

I. SALAS DE ESTAR, REFEITÓRIOS, COPA, COZINHA, BANHEIRO, WC etc. (local de permanência diurna). A área das aberturas não deverá ser inferior a 1/8 da área do piso.

DESENHO TÉCNICO - PROF. CARLOS J. ENGEL 19

Essas relações serão de 1/5 e 1/7, respectivamente, quando os vãos abrirem para áreas cobertas ou varandas e não houver parede oposta a esses vãos a menos de 1.50 m do limite da cobertura dessas áreas.

Estas relações só se aplicam às varandas, alpendres e marquises, cujas coberturas excedam a 1.0 m e desde que não exista parede nas condições indicadas:

a. A relação passará para ¼ e 1/5 respectivamente, quando houver a referida parede a menos de 1.50 m do limite da cobertura. b. As aberturas nos dormitórios que derem para áreas cobertas são consideradas de valor nulo para efeito de iluminação e ventilação. c. Em hipótese alguma serão permitidas aberturas destinadas a ventilar e iluminar compartimentos com menos de 0.60m2. d. Também não serão considerados como iluminados e ventilados os pontos que distarem mais de 2 vezes o valor do pé direito, quando o vão abrir para área fechada, e 2 vezes e meia para os demais casos.

A iluminação e ventilação por meio de clarabóias serão toleradas em compartimentos destinados a escadas, copa, despensa, oficina, e armazém para depósito, desde que a área de iluminação e ventilação efetiva seja igual à metade da área total do compartimento.

Quando a iluminação do compartimento se verificar por uma só de suas faces, não deverá existir nessa face pano de parede que tenha largura maior que 2 vezes e meia a largura da abertura ou a soma das aberturas.

As escadas serão iluminadas em cada pavimento por meio de janelas ou de vitrais o mais alto possível e que podem ser parcialmente fixos.

As janelas devem, se possível, ficar situadas no centro das paredes, por questão de equilíbrio na composição do interior.

(Parte 1 de 2)

Comentários