Ecologia Geral - resumo 1

Ecologia Geral - resumo 1

(Parte 1 de 3)

ECOLOGIA GERAL Ernest Haeckel (1866) → Ecologia

Eco → oikos → lugar onde se vive, casa, ambiente Logia → logos → estudo, ciência, tratado

Ecologia: estudo dos seres vivos em sua casa, no seu ambiente e/ou ciência que estuda as relações dos seres vivos com o meio ambiente.

Odum (1972) → Ciência que estuda a estrutura e funcionamento da Natureza, considerando que a humanidade é uma parte dela.

→ Auto-ecologia: estuda as respostas das espécies aos fatores ambientais, em função de suas fisiologias e respectivas adaptações.

→ Sinecologia: estuda as interações entre as diferentes espécies que ocupam um mesmo ambiente, como estas se inter-relacionam e de que maneira interagem com o meio ambiente.

Meio Ambiente

“É o conjunto de condições físicas (luz, temperatura, pressão...), químicas (salinidade, oxigênio dissolvido...) e biológicas (relações com outros seres vivos) que cercam o ser vivo, resultando num conjunto de limitações e de possibilidades para uma dada espécie: o meio ambiente é tudo que nos cerca.”

Sempre heterogêneo, o meio ambiente, segue variando de um local para outro, dando origem a agrupamentos de seres vivos diferentes. Tais agrupamentos, as comunidades, interferem na composição do meio e são beneficiados ou prejudicados com essas transformações. O meio ambiente assim evolui, para melhor ou para pior, conforme a espécie considerada.

Indivíduos melhor adaptados ao ambiente mutante 'foram selecionados', por meio da seleção natural.

A seleção nem sempre é natural. O homem aprendeu a utilizar a mutação para produzir organismos que atendam a algum propósito útil ou desejável, criando o processo de seleção artificial.

Hábitat: local onde um organismo vive; ou ainda, é o ambiente que oferece um conjunto de condições favoráveis ao desenvolvimento de suas necessidades básicas – nutrição, proteção e reprodução.

Nicho ecológico: papel de uma espécie numa comunidade – como ela faz para satisfazer as suas necessidades.

Teoricamente, o hábitat seria aquele ambiente em que as condições ambientais atingem o ponto ótimo e uma espécie consegue reproduzir em toda a sua plenitude, ou seja, consegue desenvolver o seu potencial biótico. Porém, a reprodução sem oposição não pode manter-se por muito tempo em um ambiente de recursos limitados. Desse modo, o ambiente se encarrega de controlar o crescimento da população através da resistência ambiental, o que pode fazer com que a população retorne ao ponto de partida.

A resistência ambiental compreende todos os fatores – fome, enfermidades, alterações climáticas, competição, etc. - que impedem o desenvolvimento do potencial biótico. O processo funciona do seguinte modo: quando a densidade populacional aumenta, aumenta também a resistência ambiental, que por sua vez origina uma diminuição da densidade populacional.

A interação entre o potencial biótico e a resistência ambiental resulta num aumento, ou numa diminuição, do número total de organismos de uma população, ou seja, o seu crescimento populacional. O hábitat é então a região onde a resistência ambiental para a espécie é mínima, ou seja, onde ela encontra melhores possibilidades de sobrevivência.

Níveis de Organização Biológica ECOLOGIA GERAL

População: conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que ocupa uma determinada área.

Comunidade: conjunto de populações que interagem de forma organizada, vivendo numa mesma área.

Ecossistema: conjunto resultante da interação entre a comunidade e o ambiente inerte.

Biosfera ou Ecosfera: sistema que inclui todos os organismos vivos da Terra, interagindo com o ambiente físico, como um todo.

Região do planeta que contém todo o conjunto dos seres vivos e na qual a vida é permanentemente possível. O termo 'permanentemente possível' é atrelado ao conceito de biosfera significando

'ambiente capaz de satisfazer às necessidades básicas dos seres vivos, de forma permanente'.

A biosfera não passa de uma delgada casquinha em torno do planeta, uma vez que as condições de vida vão diminuindo à medida que nos afastamos da superfície, até que cessam a, aproximadamente,

7 km acima do nível do mar e abaixo deste não ultrapassa 6 km. No total a biosfera não vai além de 13 km de espessura.

Na realidade o termo correto para biosfera seria ecosfera (eco = oikos = casa), correspondendo ao conjunto da biosfera, atmosfera, litosfera e hidrosfera.

Porém popularizou-se o termo biosferaque é usado no seu sentido funcional e não descritivo, ficando esta dividida em três regiões: litosfera, hidrosfera e atmosfera.

Litosfera: camada superficial sólida da Terra, constituída de rochas e solos, acima do nível das águas. Compreende ¼ da biosfera, apresenta variações de temperatura, umidade, luz, etc. Possui enorme variedade de flora e fauna.

Hidrosfera: representada pelo ambiente líquido:

rios, lagos e oceanos. Recobre ¾ da superfície total do planeta, apresenta condições climáticas bem mais constantes do que na litosfera, salinidade variável (nos oceanos chega a 35 gramas/litro) e possui menor variedade de plantas (20 para 1) e de animais (9 para 1) que na litosfera.

Atmosfera: camada gasosa que circunda toda a superfície da Terra, envolvendo portanto, os dois ambientes acima citados.

Recursos naturais: são recursos que a natureza coloca à disposição dos seres vivos, para que estes possam satisfazer suas necessidades (ar, água, solo, minerais, flora e fauna).

A existência da biosfera está condicionada à disponibilidade desses recursos que podem ser divididos em: renováveis e não-renováveis.

Renováveis: são aqueles que naturalmente podem ser regenerados após o uso, como: a água, o ar, a energia solar, a energia eólica, a madeira, as plantas produtoras de fibras, os vegetais usados na alimentação, animais usados na alimentação e na confecção de agasalhos e os nutrientes.

Não-renováveis: são aqueles que não podem ser naturalmente regenerados após o uso ou são regenerados em tempos geológicos muito extensos. O calcário, a argila, o petróleo e o carvão mineral são exemplos de recursos naturais nãorenováveis.

Necessidade Conceito Tipos Organismos

NutriçãoProcesso de obtenção de energia e matéria pelos seres vivos

Autótrofa: sintetizam o próprio alimento

Heterótrofa: não produzem o próprio alimento

Vegetais clorofiliados, algas e algumas bactérias

Animais, fungos, vírus, protozoários e o restante das bactérias

ProteçãoMecanismo utilizado pelos seres vivos para se defenderem das intempéries e dos seus inimigos naturais

Espinhos, substâncias urticantes, perda de folhas

Aspecto repulsivo, agressão, fuga, camuflagem

Vegetais Animais

ReproduçãoProcesso desenvolvido pelos seres vivos para gerar descendentes e dar continuidade às espécies

Assexuada: sem mistura de genes e indivíduos idêntico aos que deram origem

Sexuada: mistura de genes, novas combinações genéticas

Bactérias e alguns protozoários

Maioria dos seres vivos

(Parte 1 de 3)

Comentários