Pediatria é a especialidade médica dedicada à assistência à criança e ao adolescente, nos seus diversos aspectos, sejam eles preventivos (puericultura) ou curativo.

  • Pediatria é a especialidade médica dedicada à assistência à criança e ao adolescente, nos seus diversos aspectos, sejam eles preventivos (puericultura) ou curativo.

  • Aspectos preventivos envolvem ações, tais como aleitamento materno, imunizações (vacinas), prevenção de acidentes, além do acompanhamento e das orientações necessárias a um crescimento e desenvolvimento saudáveis (puericultura). Os curativos correspondem aos diversos procedimentos e tratamentos das mais diversas patologias exclusivas ou não da criança e adolescente.

Médico pediátra, é a pessoa com formação dirigida para os cuidados da criança e do adolescente.

  • Médico pediátra, é a pessoa com formação dirigida para os cuidados da criança e do adolescente.

  • O interesse da sociedade pelas crianças nem sempre esteve presente. Até o século XVII a criança era vista como um estorvo, desgraça, um fardo insuportável para a família. Os cuidados dispensados ao bebê nem sempre eram uma tarefa agradável aos pais. No final do século XVIII, algumas publicações motivaram novos sentimentos dos pais em relação à criança.

O índice de mortalidade infantil era elevado, especialmente entre as crianças que eram afastadas de seus pais e cuidadas por amas de leite. Outras causas eram a precariedade das condições de higiene e a ausência de especialidade médica direcionada à criança, surgida no século XIX.

  • O índice de mortalidade infantil era elevado, especialmente entre as crianças que eram afastadas de seus pais e cuidadas por amas de leite. Outras causas eram a precariedade das condições de higiene e a ausência de especialidade médica direcionada à criança, surgida no século XIX.

  • Alguns séculos se passaram se , comportamentos e pensamentos se modificaram e um novo olhar foi lançado para as crianças, expressas na Declaração dos Direitos da Criança em 1924, pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Declaração dos Direitos da Criança - 1959

  • Declaração dos Direitos da Criança - 1959

  • Adotada pela Assembléia das Nações Unidas de 20 de novembro de 1959 e ratificada pelo Brasil; através do art. 84, inciso XXI, da Constituição, e tendo em vista o disposto nos arts. 1º da Lei nº 91, de 28 de agosto de 1935, e 1º do Decreto nº 50.517, de 2 de maio de 1961.

  •  

Princípio 1

  • Princípio 1

  • A criança gozará todos os direitos enunciados nesta Declaração. Todas as crianças, absolutamente sem qualquer exceção, serão credoras destes direitos, sem distinção ou discriminação por motivo de  raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento ou qualquer outra condição, quer sua ou de sua família.

  • Princípio 2

  • A criança gozará proteção social e ser-lhe-ão proporcionadas oportunidades e facilidades, por lei e por outros meios, a fim de lhe facultar o desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, de forma sadia e normal e em condições de liberdade e dignidade. Na instituição das leis visando este objetivo levar-se-ão em conta sobretudo, os melhores interesses da criança.

  • Princípio 3

  • Desde o nascimento, toda criança terá direito a um nome e a uma nacionalidade

Princípio 4

  • Princípio 4

  • A criança gozará os benefícios da previdência social. Terá direito a crescer e criar-se com saúde; para isto, tanto à criança como à mãe, serão proporcionados cuidados e proteções especiais, inclusive adequados cuidados pré e pós-natais. A criança terá direito a alimentação, recreação e assistência médica adequadas.

  • Princípio 5

  • À crianças incapacitadas física, mental ou socialmente serão proporcionados o tratamento, a educação e os cuidados especiais exigidos pela sua condição peculiar.

  • Princípio 6

  • Para o desenvolvimento completo e harmonioso de sua personalidade, a criança precisa de amor e compreensão. Criar-se-á, sempre que possível, aos cuidados e sob a responsabilidade dos pais e, em qualquer hipótese, num ambiente de afeto e de segurança moral e material, salvo circunstâncias excepcionais, a criança da tenra idade não será apartada da mãe. À sociedade e às autoridades públicas caberá a obrigação de propiciar cuidados especiais às crianças sem família e àquelas que carecem de meios adequados de subsistência. É desejável a prestação de ajuda oficial e de outra natureza em prol da manutenção dos filhos de famílias numerosas.

Princípio 7

  • Princípio 7

  • A criança terá direito a receber educação, que será gratuita e compulsória pelo menos no grau primário. Ser-lhe-á propiciada uma educação capaz de promover a sua cultura geral e capacitá-la a, em condições de iguais oportunidades, desenvolver as suas aptidões, sua capacidade de emitir juízo e seu senso de responsabilidade moral e social, e a tornar-se um membro útil da sociedade.

  • Os melhores interesses da criança serão a diretriz a nortear os responsáveis pela sua educação e orientação; esta responsabilidade cabe, em primeiro lugar, aos pais.

  • A criança terá ampla oportunidade para brincar e divertir-se, visando os propósitos mesmos da sua educação; a sociedade e as autoridades públicas empenhar-se-ão em promover o gozo deste direito.

  • Princípio 8

  • A criança figurará, em quaisquer circunstâncias, entre os primeiros a receber proteção e socorro.

Princípio 9

  • Princípio 9

  • A criança gozará  de proteção contra quaisquer formas de negligência, crueldade e exploração. Não será jamais objeto de tráfico, sob qualquer forma. Não será permitido à criança empregar-se antes da idade mínima conveniente; de nenhuma forma será levada a ou ser-lhe-á permitido empenhar-se em qualquer ocupação ou emprego que lhe prejudique a saúde ou a educação ou que interfira em seu desenvolvimento físico, mental ou moral.

  • Princípio 10

  • A criança gozará de proteção contra atos que possam suscitar discriminação racial, religiosa ou de qualquer outra natureza. Criar-se-á num ambiente de compreensão, de tolerância, de amizade entre os povos, de paz e de fraternidade universal e em plena consciência que seu esforço e aptidão devem ser postos a serviço de seus semelhantes.

  • Em 1990, foi legalizada no Brasil (Lei Federal nº 8.069), o estatuto da Criança e do Adolescente. Entre outros direitos, foram assegurados: o direito à proteção, à vida e à saúde, bem como o direito de um dos pais ou responsáveis permanecer em tempo integral com a criança.

Condições precárias de moradia;

  • Condições precárias de moradia;

  • Analfabetismo infantil;

  • Péssimas condições de saúde;

  • Violência física, moral e sexual contra as crianças;

  • Exploração do trabalho infantil;

  • Prostituição;

  • Uso de drogas, etc.

Reduzir a mortalidade infantil;

  • Reduzir a mortalidade infantil;

  • Aumentar a cobertura imunológica;

  • Fornecer educação básica.

Crescimento diz respeito ao aumento quantitativo, é o resultado da divisão celular e do aumento do tamanho das células, implicando aumento de massa e de estrutura corporal da criança.

  • Crescimento diz respeito ao aumento quantitativo, é o resultado da divisão celular e do aumento do tamanho das células, implicando aumento de massa e de estrutura corporal da criança.

  • Desenvolvimento refere-se à diferenciação qualitativa das células e da maturação funcional, é o aumento da capacidade de realizações de funções cada vez mais complexas, medido por meio de provas funcionais.

Cada criança desenvolve-se dentro do seu rítmo e limitações. O crescimento e desenvolvimento progridem segundo direções e gradientes reguladores, e esses padrões relacionados refletem o desenvolvimento e a manutenção física das funções neuromusculares.

  • Cada criança desenvolve-se dentro do seu rítmo e limitações. O crescimento e desenvolvimento progridem segundo direções e gradientes reguladores, e esses padrões relacionados refletem o desenvolvimento e a manutenção física das funções neuromusculares.

  • O primeiro padrão é cefalocaudal, ou seja, acontece da cabeça para os pés. A criança primeiro controla a sustentação da cabeça, depois a do tronco, mantém primeiro o dorso ereto e depois consegue se sentar, utiliza primeiro os olhos e depois as mãos e controla primeiro as mãos e depois os pés.

O segundo padrão é o próximo-distal, ou seja, do mais próximo do eixo central para o mais distante. Na evolução das funções, a criança controla primeiro a mão como um todo para depois manipular minuciosamente os dedos.

  • O segundo padrão é o próximo-distal, ou seja, do mais próximo do eixo central para o mais distante. Na evolução das funções, a criança controla primeiro a mão como um todo para depois manipular minuciosamente os dedos.

  • O terceiro padrão é o desenvolvimento do geral para o específico, ou seja, há primeiro o domínio das operações mais simples para depois haver o das mais complexas.

Estágio oral – ocorre no 1º ano de vida. A libido centraliza-se na zona oral.

  • Estágio oral – ocorre no 1º ano de vida. A libido centraliza-se na zona oral.

  • Estágio anal – Coincide com a época de treinamento de hábitos higiênicos, no segundo ano de vida. A libido é focalizada na zona do ânus; a criança mostra satisfação em expulsar as fezes ou retê-las.

  • Estágio fálico – Ocorre dos 3 aos 6 anos, a libido centraliza-se nos órgãos genitais; há manipulação, exibicionismo, intensa curiosidade em relação aos genitais de ambos os sexos; as crianças reconhecem diferenças entre os sexos.

Estágio de latência – ocorre na fase escolar. É considerado um período de calmaria do instinto sexual; as energias física e psíquica canalizam-se para a aquisição do conhecimento e das brincadeiras rigorosas.

  • Estágio de latência – ocorre na fase escolar. É considerado um período de calmaria do instinto sexual; as energias física e psíquica canalizam-se para a aquisição do conhecimento e das brincadeiras rigorosas.

  • Estágio genital – Ocorre na época da adolescência. Com a maturação do sistema reprodutivo e produção de hormônios sexuais, a libido focaliza-se não mais no próprio corpo, mas em objetos heterossexuais; o indivíduo atinge a maturidade genital, e as fontes de tensão e prazeres centralizam-se nos órgãos genitais.

É considerada uma experiência estressante, tanto para a criança como para a família, impondo, muitas vezes, uma ruptura dos vínculos afetivos da criança, seja com família, ou com o ambiente doméstico. No processo de admissão, deve-se criar um ambiente de confiança entre a equipe de enfermagem, a criança e a família, diminuindo o estresse e aumentando a segurança entre as três partes envolvidas.

  • É considerada uma experiência estressante, tanto para a criança como para a família, impondo, muitas vezes, uma ruptura dos vínculos afetivos da criança, seja com família, ou com o ambiente doméstico. No processo de admissão, deve-se criar um ambiente de confiança entre a equipe de enfermagem, a criança e a família, diminuindo o estresse e aumentando a segurança entre as três partes envolvidas.

É o recebimento da criança no hospital. Sua finalidade é favorecer a adaptação da criança e de sua família ao hospital e auxiliar no diagnóstico e tratamento, cuidando de ambas através de intervenções terapêuticas. Para garantir uma boa assistência, visando a um pronto restabelecimento, a equipe de enfermagem deve conjugar esforços para ajudar a criança a dominar seus temores e incertezas.

  • É o recebimento da criança no hospital. Sua finalidade é favorecer a adaptação da criança e de sua família ao hospital e auxiliar no diagnóstico e tratamento, cuidando de ambas através de intervenções terapêuticas. Para garantir uma boa assistência, visando a um pronto restabelecimento, a equipe de enfermagem deve conjugar esforços para ajudar a criança a dominar seus temores e incertezas.

A doença e a hospitalização constituem uma importante crise na vida das crianças. Elas são particularmente vulneráveis às crises de doença e hospitalização porque:

  • A doença e a hospitalização constituem uma importante crise na vida das crianças. Elas são particularmente vulneráveis às crises de doença e hospitalização porque:

  • - Representam uma mudança do estado habitual de saúde e da rotina ambiental,

  • - As crianças possuem um número limitado de mecanismos para enfrentar e superar experiências estressantes.

Preparação da criança que ficará internada:

  • Preparação da criança que ficará internada:

  • - pelos pais;

  • - pelo médico e enfermagem (orientando os pais);

  • - o fato da criança estar brincando não significa que a criança não deva ser vigiada, deve ter sempre alguém junto;

  • - caso a criança esteja recebendo soro, contenção, SNG, sonda vesical, que a recreação seja difícil, deve-se programar uma recreação que atenda sua atividade física, ser coerente com a sua idade, tentando descobrir os gostos e preferências da criança.

  • - Oferecer a criança brinquedos que sejam seguros, laváveis, não tóxicos e sem bordas cortantes.

Cuidados de enfermagem nas restrições:

  • Cuidados de enfermagem nas restrições:

  • Restrição mecânica é a limitação dos movimentos através da contenção de um ou mais segmentos do corpo, a realização de exames ou tratamentos, garantindo assim a segurança da criança.Normalmente ela é indicada na realização de exames, manutenção da via de hidratação parenteral, proteção da criança inconsciente e ainda para evitar que a criança remova sonda ou drenos.Existem dois tipos de restrições a sabe:

  • Mumificação:

  • Consiste na imobilização total da criança, para a realização de exames, onde a equipe de enfermagem deverá obedecer aos seguintes procedimentos:

  • -  Lavar as mãos. -  Orientar a criança, se houver compreensão, e ou a mãe ou acompanhante sobre o motivo da restrição. -  Deitar a criança sobre um lençol dobrado em triangulo. -  Dobrar a extremidade direita do triangulo sobre o braço direito, posicionando-o ao longo do corpo.O tronco deve ser envolvido por estar extremidade observando-se que não fique solto ou muito apertado. -  Colocar o braço esquerdo da criança paralelo ao corpo, mantendo a mão sob os glúteos

Envolver a criança com a outra extremidade do lençol, imobilizando assim o membro superior esquerdo. -  Dobrar a extremidade restante sob os pés da criança imobilizando seus membros inferiores. -  Observar com freqüência se a criança tem condições de respirar satisfatoriamente. -  Desfazer a restrição tão logo seja possível.

  • Envolver a criança com a outra extremidade do lençol, imobilizando assim o membro superior esquerdo. -  Dobrar a extremidade restante sob os pés da criança imobilizando seus membros inferiores. -  Observar com freqüência se a criança tem condições de respirar satisfatoriamente. -  Desfazer a restrição tão logo seja possível.

  • Contenção das extremidades:

  • É o tipo de restrição usada principalmente para manter-se a via endovenosa ou evitar traumatismos em crianças que sejam agitadas.Na contenção de extremidades existem também procedimentos que deverão se seguidos rigorosamente:

Lavar as mãos -  Orientar a criança, se houver compreensão, e ou a mãe ou acompanhante sobe o motivo da restrição. -  Envolver o punho ou tornozelo da criança com a faixa de restrição,entrelaçando os cadarços com voltas duplas, observando para que não fique muito apertado. -  Atar o cadarço da faixa de restrição somente nas estruturas fixas do leito. -  A fixação nas grades móveis pode provocar graves lesões no membro restrito, ao serem abaixados. -  Verificar, com freqüência, a posição da criança e acomoda-la confortavelmente. -  Examinar, com freqüência, a perfusão sanguínea das extremidades restritas. -  Mudar, com freqüência, o decúbito da criança para evitar a formação de zonas de isquemia. -  Remover a restrição periodicamente, principalmente durante o banho e a alimentação.

  • Lavar as mãos -  Orientar a criança, se houver compreensão, e ou a mãe ou acompanhante sobe o motivo da restrição. -  Envolver o punho ou tornozelo da criança com a faixa de restrição,entrelaçando os cadarços com voltas duplas, observando para que não fique muito apertado. -  Atar o cadarço da faixa de restrição somente nas estruturas fixas do leito. -  A fixação nas grades móveis pode provocar graves lesões no membro restrito, ao serem abaixados. -  Verificar, com freqüência, a posição da criança e acomoda-la confortavelmente. -  Examinar, com freqüência, a perfusão sanguínea das extremidades restritas. -  Mudar, com freqüência, o decúbito da criança para evitar a formação de zonas de isquemia. -  Remover a restrição periodicamente, principalmente durante o banho e a alimentação.

Recém-nascidos (RN)

  • Recém-nascidos (RN)

  • O recém nascido é classificado, segundo a sua idade gestacional, da seguinte forma:

  • RN Pré-Termo

  • É a criança nascida em um período inferior a 37 semanas de gestação, que apresenta as seguintes características:

  • -  Estatura geralmente inferior a 47 cm. -  Peso geralmente inferior a 2.500 kg(o RN a termo que apresenta este mesmo peso é chamado de PIG- pequeno para a idade gestacional). -  Edema ocular intenso. -  Membros compridos em relação ao corpo. -  Excesso de lanugem. -  Ausência de vérnix caseoso.

  Insuficiência respiratória grave, por formação da membrana hialina e ausência de substância surfactante dentro dos alvéolos.

  •   Insuficiência respiratória grave, por formação da membrana hialina e ausência de substância surfactante dentro dos alvéolos.

  •   Predisposição á hemorragias

  • Testículos geralmente ausentes da bolsa escrotal. -  Intenso edema dos grandes lábios. -  Predisposição á infecções. -  Reflexos deficientes

RN a Termo

  • RN a Termo

  • É a criança nascida entre 38 a 40 semanas da gestação, que apresenta as seguintes características

  • -  Vérnix caseoso (substância gordurosa e esbranquiçada que recobre o corpo para proteção da pele. -  Milia sebácea(pequenos pontos de acúmulo de gordura na pele sempre localizados na face. -  Manchas Mongólicas(manchas azuladas que aparecem geralmente na região glútea, podendo diminuir ou perdurar por toda a vida. -  Lanugem (pelos finos e felpudos que recobre, todo o corpo e desaparecem após o primeiro mês de vida. -  Fontanelas (partes moles existentes entre os ossos do crânio e que se fecham com o decorrer do crescimento) as fontanelas deverão apresentar-se planas.

  A cabeça é grande em relação ao corpo (sendo o perímetro cefálico de 33 á 35 cm normal), pode ocorrer uma sobreposição dos ossos do crânio, devido a uma adaptação ao canal de parto, voltando a posição normal logo nas primeiras horas de vida.

  •   A cabeça é grande em relação ao corpo (sendo o perímetro cefálico de 33 á 35 cm normal), pode ocorrer uma sobreposição dos ossos do crânio, devido a uma adaptação ao canal de parto, voltando a posição normal logo nas primeiras horas de vida.

  • Bossas (saliências no couro cabeludo, que ocorrem devido a pressões sofridas pelos tecidos durante o trabalho de parto), podem ser edemas ou hematomas que desaparecem na primeira semana

-  Tórax (podem apresentar tumefação dos mamilos) -  O abdômen apresenta-se abaulado pelo aumento fisiológico do fígado e baço. -  Membros curtos em relação ao corpo. -  Reflexo de moro (hiperextenção dos quatro membros, seguida de flexão). -  Freqüência cardíaca(FC) em média de 140 bat/min. -  Freqüência respiratória  (FR) de 30 a 60 respiração/min, caracteriza-se por ser uma respiração abdominal superficial

  • -  Tórax (podem apresentar tumefação dos mamilos) -  O abdômen apresenta-se abaulado pelo aumento fisiológico do fígado e baço. -  Membros curtos em relação ao corpo. -  Reflexo de moro (hiperextenção dos quatro membros, seguida de flexão). -  Freqüência cardíaca(FC) em média de 140 bat/min. -  Freqüência respiratória  (FR) de 30 a 60 respiração/min, caracteriza-se por ser uma respiração abdominal superficial

  • P.A aproximadamente de 80 x 40 mmHg. -  O cordão umbilical possuem  2 artérias e 1 veia. -  Instabilidade térmica (queda de temperatura caso não seja corretamente aquecido).

  • RN Pós Termo

  • É a criança nascida após 41 semanas de gestação, que apresenta as seguintes características:

  • -  Deslocamento quase total do vérnix caseoso. -  Pele enrugada. -  Pouca lanugem. -  Variação da FC por estar entrando em sofrimento fetal.

Atendimento ao RN em sala de parto

  • Atendimento ao RN em sala de parto

  • Ligar previamente o berço aquecido, que deverá estar limpo e forrado com lençol. -  Pré aquecer o campo esterilizado no qual será envolto o RN. -  Anotar o horário correto do nascimento. -  Aspirar as vias aéreas superiores (com sonda própria para RN,introduzida delicadamente através da boca e narinas. Manter a aspiração inativa, durante introdução e a retirada da sonda, para não lesar as mucosas. -  Fornecer oxigênio úmido, através de máscara própria, para o rosto do RN. Lembrar que toda máscara deve abranger nariz e boca, não ultrapassando os limites do contorno da face.

Realizar (uso de Nitrato de Prata a 1% (argirol) sendo 01 gota em cada olho, para a prevenção de infecções oculares e principalmente infecção gonocócica). -  Prevenir hemorragia administrando 0,1 mg de Kanakion (IM) na região da coxa (face lateral externa). Jamais puncionar região glútea de um RN porque não se sabe qual é a localização correta do nervo ciático. -  Colocar clamp de cordão no coto umbilical deixando-o com apenas 2 cm de comprimento.Verificar que não haja nenhum sangramento pelo coto umbilical.

  • Realizar (uso de Nitrato de Prata a 1% (argirol) sendo 01 gota em cada olho, para a prevenção de infecções oculares e principalmente infecção gonocócica). -  Prevenir hemorragia administrando 0,1 mg de Kanakion (IM) na região da coxa (face lateral externa). Jamais puncionar região glútea de um RN porque não se sabe qual é a localização correta do nervo ciático. -  Colocar clamp de cordão no coto umbilical deixando-o com apenas 2 cm de comprimento.Verificar que não haja nenhum sangramento pelo coto umbilical.

  • -  Verificar o sexo da criança, informando a mãe de forma clara e precisa

Identificação do RN através da impressão da planta do pé (impressão plantar) e das digitais da mãe. Colocam-se pulseiras de identificação no RN e na mãe, sendo que estas devem conter o nome da mãe, sem abreviaturas, e devem ser preenchidas de forma absolutamente iguais. -  Manter o RN sempre aquecido. -  Colher amostra de sangue da mãe e do RN( pelo cordão umbilical). -  Observar presença de más formações aparentes. -  Encaminhar o RN ao berçário com os papéis de rotina devidamente preenchidos. -  Observar o APGAR do RN.

  • Identificação do RN através da impressão da planta do pé (impressão plantar) e das digitais da mãe. Colocam-se pulseiras de identificação no RN e na mãe, sendo que estas devem conter o nome da mãe, sem abreviaturas, e devem ser preenchidas de forma absolutamente iguais. -  Manter o RN sempre aquecido. -  Colher amostra de sangue da mãe e do RN( pelo cordão umbilical). -  Observar presença de más formações aparentes. -  Encaminhar o RN ao berçário com os papéis de rotina devidamente preenchidos. -  Observar o APGAR do RN.

APGAR:

  • APGAR:

  • É a avaliação do estado geral do RN, realizada no 1º e 5° minuto de vida, sendo repetida no 10º minuto, somente se o estado do RN não for considerado bom. Esta avaliação é feita através de notas dadas nos seguintes itens, sendo estas de 0 a 2, conforme o estado da criança:

  • Choro:

  • Ausente - zero (o) Fraco - um (1) Normal - dois (2)

Coloração:

  • Coloração:

  • Cianose generalizada - zero (0) Cianose nas extremidades - um (1) Corado (normal) - dois (2)

  • Tônus:

  • Atonia - zero (0) Hipotonia - um (1) Hipertonia (normal) - dois (2)

Freqüência cardíaca:

  • Freqüência cardíaca:

  • Ausente - zero (0) Bradicardia irregular - um (1) Normal - dois (2)

  • Freqüência respiratória:

  • Ausente - zero (0) Bradipnéia irregular - um (1) Normal - dois (2)

  • Cuidados com o RN no berçário:

  • -  Estar corretamente paramentado conforme rotina -  Checar o preenchimento correto dos papéis. -  Checar a identificação do RN. -  Manter o RN aquecido e em decúbito lateral ( riscos de hipotermia e da bronco aspiração. -  Lavar as mãos antes e depois de tocar em cada RN. -  Aspirar as secreções das V.A.S. sempre que necessário. -  Observar atentamente o nível de oxigenação do RN -  Pesar o RN diariamente, lembrando que nos primeiros dias de vida, ocorre uma perda de peso de até 10%.

  • Fazer a higiene sempre que necessária do RN, lembrando que o aspecto normal das fezes é pastoso, de coloração verde escura. -  Observar eliminação urinária e ainda seu aspecto, quantidade e freqüência. -  Anotar corretamente os procedimentos executados e as alterações observadas. -  É importante lembrar que após cada mamada, o RN deverá ser mantido em decúbito lateral por causa do risco de bronco aspiração.

Cuidados com o RN na Fototerapia:

  • Cuidados com o RN na Fototerapia:

  • Fototerapia é o tratamento a base de luz visando a retirada da bilirrubina impregnada na pele do RN.

  • A Fototerapia é usada nos casos de Icterícia Neonatal.

  • Icterícia Neonatal:

  • É uma distúrbio fisiológico que dá à pele e mucosas uma coloração amarelada em decorrência de pigmentos biliares na corrente sanguínea. É a função do fígado eliminar a bilirrubina da corrente sanguínea, sendo que esta é o resultado das destruição das hemácias, portanto, temos duas causas de icterícia.

Icterícia Fisiológica:

  • Icterícia Fisiológica:

  • Causada pelo excesso de hemácias destruídas, sobrecarregando o fígado. Surge após as primeiras 24 horas de vida e desaparece em uma semana em  média.

  • Icterícia Patológica:

  • Causada pela imaturidade do fígado do RN, que não é capaz de eliminar uma quantidade normal de hemácias destruídas.Surge nas primeiras 24 horas de vida e pode levar até mais de 10 dias para desaparecer. O tratamento da icterícia, tanto a fisiológica quanto a patológica é feito através da hidratação, fototerapia e exo-transfusão sanguínea em casos graves.

Cuidados de Enfermagem:

  • Cuidados de Enfermagem:

  •   Controle do tempo de permanência da lâmpada fluorescente ligada, com anotação de data e número de horas/dia( o tempo de vida útil da lâmpada é no máximo 200 horas). -  Manter as lâmpadas a 50 centímetros do RN, pois neste distância o RN receberá as radiações sem sofrer queimaduras. -  O RN poderá estar em berço. -  O RN deverá estar despido, sendo fundamental o uso de fraldas para proteção do períneo e das gônadas, da ação do calor. -  Proteção ocular para impedir o ressecamento da córnea, evitando assim lesões graves por ação da luz (na ausência de material próprio, manter os óculos com papel escuro e gaze). -  Controle rigoroso da temperatura corporal, pois pode ocorrer um hiper aquecimento pela ação do calor da lâmpada. -  Controle do estado de hidratação do RN, pois pode ocorrer desidratação devido á sudorese pela ação do calor.

-  Limpeza freqüência do berço e do RN. -  Retirada do RN da fototerapia para a amamentação, mesmo que a prescrição seja contínua. -  Fototerapia pode ser intermitente ou contínua de acordo com a prescrição médica. -  Retirada do RN da fototerapia, 15 minutos antes do banho, para que seu corpo não sinta a diferença de temperatura.

  • -  Limpeza freqüência do berço e do RN. -  Retirada do RN da fototerapia para a amamentação, mesmo que a prescrição seja contínua. -  Fototerapia pode ser intermitente ou contínua de acordo com a prescrição médica. -  Retirada do RN da fototerapia, 15 minutos antes do banho, para que seu corpo não sinta a diferença de temperatura.

  • -  Controle do estado de hidratação do RN, pois pode ocorrer desidratação devido á sudorese pela ação do calor. -  Mudança freqüente de decúbito para que a desimpregnação seja uniforme.

Comentários