acido urico

acido urico

Relatório Ácido úrico

Introdução

ácido úrico é um composto orgânico de carbononitrogêniooxigênio e hidrogênio. Sua fórmula química é C5H4N4O3.

O ácido úrico é uma substância produzida pelo nosso organismo quando da utilização de todas as proteínas que nós comemos na alimentação do dia-a-dia. Numa explicação mais simples, pode-se dizer que quando as moléculas de proteínas dos alimentos são partidas em pedaços dentro do nosso organismo para servir de energia, o que sobra de todo esse processo é o ácido úrico.

O ácido úrico é encontrado na urina em pequenas quantidades (o produto de excreção principal é a uréia). Em alguns animais, como aves e répteis é o principal produto de eliminação, e é expulso com as fezes. O alto teor de nitrogênio no ácido úrico é a razão pelo qual o guano é tão valioso como fertilizante na agricultura.

Bebidas alcoólicas, principalmente as fermentadas, e alimentos ricos em purina (ervilhas, feijão, carnes, tomate, frutos do mar etc.) é reconhecidamente uma importante fonte para o aumento do nível de ácido úrico no organismo.Ácido Úrico e Doenças Renais.

Objetivo

Este exame pode ser usado para avaliar os níveis do ácido úrico. Pode ser usada para diagnosticar gota, artrite úrica, insuficiência renal aguda e/ou crônica, calculo renal. Ele é utilizado para medir a concentração de acido úrico no sangue.

Materiais e reagentes

Tubos de ensaio (sangue, soro, teste, padrão)

EPI’S (jaleco, luvas, mascara)

Seringa e agulhas

Centrifuga

Espectrofotômetro

Cronometro

Micropipeta de 500 e 50 microlitros

Algodão, álcool e garrote

Cubeta

Ponteiras para micropipeta

Reagente de trabalho (formado pela mistura do reagente 1 e 2)

Padrão

Procedimento

Identificar o paciente e seus dados

Coleta do material sanguínea de acordo com o POP

Centrifugar por 15 minutos o material sanguíneo

Adicionar 0,02ml soro no tubo teste

Adicionar 0,02ml padrão no tubo padrão

Adicionar 1,0ml reagente trabalho nos 3 tubos(branco, teste, padrão)

Deixar em banho Maria por 10 minutos a 37Cº

Calibrar o espectrofotômetro

Adicionar o conteúdo do tubo branco na cubeta para zerar o espectrofotômetro

Adicionar o conteúdo do tubo teste na cubeta e fazer a leitura

Adicionar o conteúdo do tubo padrão para valores de referencia

Cálculos

Interferentes

Cuidado com o tempo de reação, temperatura de trabalho e pipetagens são extremamente importantes para obtenção de resultados corretos.

Verificar a data e a armazenagem dos reagentes.

Níveis elevados de ascorbato (vitaminaC) produzem interferência negativa.

Amostras hemolisadas produzem interferentes

Conclusão

Os níveis de ácido úrico de referencia são de 1,6 a 6.

Valores altos indicam inflamação do liquido sinovial, articulação.

Considera-se que há hipouricemia, quando o ácido úrico plasmático é inferior a 2,5 mg%. É uma síndrome clínica assintomática com várias causas, pouco conhecida.

A hipouricemia deve ser investigada e tratada para evitar conseqüências desagradáveis como a formação de cálculos de ácido úrico, que ocorre pelas grandes perdas renais de uratos. A hipouricemia pode ser primária (permanente) ou adquirida (intermitente).

Na hipouricemia adquirida, o ácido úrico está muito baixo porque é eliminado em grandes quantidades pela urina. Isto pode ocorrer pelo uso de substâncias uricosúricas que aumentam a perda de ácido úrico pela urina como aspirina em altas doses, benziodarona, citrato, probenecide, ácido ascórbico, estrógenos e outros. Outro tipo de hipourecemia adquirida ocorre com o uso indiscriminado e não controlado de alopurinol, substância inibidora da ação da enzimaxantina oxidase, que transforma a xantina em ácido úrico.

O tratamento da hipouricemia é evitar as causas que levam à diminuição de ácido úrico plasmático.

A hiperuricemia é o termo referente ao estado sangüíneo no qual o ácido úrico no plasma (soro) está acima de 6 mg% nas mulheres e 7 mg% nos homens.

De uma maneira geral, os homens hiperuricêmicos têm o início da elevação do ácido úrico na puberdade, mas os sintomas clínicos surgem de 10 a 20 anos após. A hiperuricemia ocorre em 10-15% da população acima de 40 anos. Geralmente assintomática, a hiperuricemia está relacionada a outras doenças, como:  a acidose metabólica, alcoolismo, diabete, gota, hipertiroidismo, oxemia gravídica, policitemia, uso abusivo de diuréticos leucemia, e, em certos casos, de cálculos renais 

Também ocorre na ingesta exagerada de proteínas (purinas) e nos exercícios extenuantes. Para explicar a razão por que o ácido úrico está correlacionado à hiperglicemia, descobriu-se que níveis elevados de ácido úrico aumentam a resistência de nossos tecidos à ação da insulina. Por isso, é freqüente ocorrer hiperuricemia e hiperglicemia.

Há 3 doenças renais (nefropatias) importantes, entre outras, provocadas pelas anormalidades do ácido úrico. Nefropatia úrica aguda Nefropatia úrica intersticial crônica Lítiase renal úrica (cálculos renais) 

A nefropatia úrica aguda ocorre pela precipitação aguda de uratos dentro dos túbulos renais provocando uma obstrução à passagem da urina. Caracteriza-se por ausência de urina (anúria) ou pequena produção de urina (oligúria), levando o paciente a uma situação de insuficiência renal aguda. 

A nefropatia úrica crônica se deve a elevação exagerada e constante dos uratos com precipitação crônica anormal no interstício do rim. É uma doença que impregna todo o tecido do rim, resultando em processo inflamatório generalizado que resulta em fibrose do tecido renal, principalmente na zona central que chamamos de medula do rim. Essa fibrose que torna o rim endurecido traz consigo a perda de massa renal e como conseqüência o rim não filtra bem e surge a insuficiência renal crônica. 

Os cálculos renais de ácido úrico representam de 3 a 5% de todos os cálculos, no grande universo da litiáse na qual predominan as pedras de cálcio (90-95%). 

Gota é uma doença caracterizada pela elevação de ácido úrico no sangue, o que leva a um depósito de cristais de monourato de sódio nas articulações. É este depósito que gera os surtos de artrite aguda secundária que tanto incomodam seus portadores. 

Comentários