O Que Motiva a 3º Idade a Buscar Entendimento/Estudo de um Idioma Estrangeiro

O Que Motiva a 3º Idade a Buscar Entendimento/Estudo de um Idioma Estrangeiro

(Parte 3 de 3)

Diante das adversidades que vivemos em nosso país que tem tido crescimento acelerado da população idosa, precisamos unir esforços com outros profissionais que tenham um compromisso com a causa do idoso em termos de melhorias nas suas condições de vida, para que o idoso brasileiro não seja visto como mais um "problema social", mas sim como sujeito que tem capacidade produtiva, a fim de que, através da solidariedade entre as gerações, tenha garantia de acesso aos seus direitos sociais e poder de decisão sobre as questões que lhe dizem respeito.

Para isto é preciso que nós profissionais percebamos os espaços dos programas de terceira idade como potencializadores da construção da cidadania do idoso, o que, a nosso ver, também irá contribuir para a consolidação de uma representação mais positiva da velhice em nossa sociedade. Precisamos repensar nossas representações a respeito dos processos de envelhecimento ao mesmo tempo em que amadurecemos nossa proposta de trabalho, buscando subsídios nas discussões de gênero e geração.

Como pudemos perceber, essas mulheres estão dispostas a rever valores e atitudes cristalizados em nossa sociedade a respeito de seu papel como mulheres idosas e estão se lançando em novos aprendizados nas atividades oferecidas nesse programa de universidade de terceira idade que lhes informa sobre novos modos de envelhecer.

Nos grupos descobrem interesses que são comuns a outras mulheres de sua geração que também buscam romper com o signo da velhice passiva aderindo à proposta de viver a terceira idade como um tempo de liberdade e de realizações.

O contato intergeracional das mulheres idosas com outras mulheres, coordenadoras de cursos ou com as jovens estudantes universitárias, tem propiciado novos olhares a respeito das reais possibilidades desse segmento que envelhece de forma ativa. As gerações mais jovens começam a rever suas concepções sobre a velhice, ajudando nesse processo de construção de uma imagem cidadã da terceira idade.

Fica visto que a contribuição pedagógica deste trabalho será de informar, conscientizar, divulgar e orientar a um grande número de pessoas, tanto profissionais da área pedagógica, como também alunos que estão iniciando seus estudos na elaboração de projetos sociais e principalmente lingüísticos. Ao final deste trabalho surgiu uma grande vontade da realização de uma estatística qualitativa e comparativa em relação aos grupos Alfasan e Sênior, mas isto não foi possível pelo fato da extensão desta monografia. Por isto deixo minha sugestão para um futuro complemento deste trabalho.

Referências

AMMANN, S.B. Participação Social. São Paulo: Cortez e Moraes, 1979.

BRASIL. Política Nacional do Idoso, Lei no.8842, jan. 1994.

Bock, Ana M. Bahia. Psicologias. Uma introdução ao estudo de Psicologias, 1º ed. – São Paulo: Saraiva, 1998.

FRUTUOSO, D.L.F. A terceira idade na universidade: estudo do campo de representação. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação/ UFRJ, 1996 (datilografado)

Folha de São Paulo. São Paulo, 10 maio 1998. p.9.

GOLDMAN, S.N. Universidade Para a Terceira Idade: Uma lição de cidadania. Tese (Doutorado).São Paulo: Faculdade de Serviço Social / PUC/SP, 1999 (mimeo).

HEILBORN, M.L. Gênero, Sexualidade e Saúde. In: Saúde, sexualidade e reprodução: compartilhando responsabilidades. Rio de Janeiro

MAGALHÃES, D.N. A Invenção Social da Velhice. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 1987.

MOTTA, A. B. da. Terceira Idade - Gênero, Classe Social e Moda Teórica. X Encontro Anual da ANPOCS. Minas Gerais, Caxambu, Outubro de 1996.

PALMA, L.T.S. Educação permanente e qualidade de vida: indicativos para uma velhice bem - sucedida. Passo Fundo: UPF Editora, 2000.

Netto, Antonio Jordão. Programa de Educação Permanente. Universidade Sênior Sant’Anna. São Paulo, 19 de Abril de 1996.

SANT’ANNA, M. J. UnATI: A Velhice que se aprende na escola, um perfil de seus usuários. In VERAS, R. (org.). Terceira idade: um envelhecimento digno para o cidadão do futuro. Rio de Janeiro: Relume- Dumará – UERJ - UnATI, p. 75-102, 1995.

Schütz, R. - Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil <http://w.sk.com.br/skmotiv.html>. Online. 10 de novembro de 2003.

w.ache.com.br. Acessado em 10/12/2004.

w.IBGE.com.br. Acessado em 25/1/2004.

w.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2003/L1 0.741.htm. Acessado em 06/05/2005.

w.sociologia.com.br – A teoria de Maslow, e sua relação com a educação de adultos: Gloria M. Veríssimo Lopes Pisandelli, 05/12/2004.

OMS: World Health Organization: Assessment of fracture risk and its application to screening for postmenopausal osteoporosis: report of a Who study group,1994.

w.themaiuiemarketing.com. Acessado em 31/05/2004.

(Parte 3 de 3)

Comentários