Biologia - Citologia

Biologia - Citologia

(Parte 1 de 2)

Diferenciações da membrana plasmática

Microvilosidades Expansões da membrana, semelhante a dedos de luvas, que ampliam a superfície celular, oferecendo maior contato entre as células e o meio. Favorecendo com isso a absorção de nutrientes (intestino delgado) e secreção de substancias (células glandulares) Calcula-se que cada célula possui em média 2.500 microvilosidades.

Região de grande aderência, que ligam fortemente duas células vizinhas, são compostos por substancias cimentantes entre as duas membranas, a qual corresponde um sistema de finíssimas fibras (tonofibrilas) nos citoplasmas vizinhos. Cada desmossomo pertence às duas células ligadas por ele

aderência que ligam fortemente duas células vizinhas, devido às dobras que suas membranas apresentam.

Plasmodesmas · Existentes apenas em células vegetais, são finíssimas extensões citoplasmáticas.

Que interligam uma célula a outra atuando como pontes de comunicação ente elas.

Formadas por conexões que permitem a passagem de íons e moléculas pequenas, existente somente em células animais.

Especializações Ocorrência Função

Microvilosidades Epitélio intestinal

Amplia a superfície de contato

Desmossomos Epitélios de revestimento

Aumenta a adesão entre as células vizinhas

Interdigitações Epitélios de revestimento

Aumenta a adesão entre as células vizinhas

Plasmodesmos Células vegetais

Interligação citoplasmática

Desmossomos Interdigitação

Microvilosidades

Componentes da célula

Hialoplasma

Também chamado de citoplasmas ou citosol, possui consistência gelatinosa é composto por várias substancias principalmente água e proteína. As proteínas podem ser:

• Insolúveis formando fibrilas (microfilamentos) ou microtúbulos. Que formam o esqueleto interno, flexível e dinâmico. As fibrilas são formadas de filamentos de actina e miosina, são capazes de contração e distensão, propriedade útil nos movimentos amebóides e contração muscular.

• Solúveis, muitas das quais são enzimas, que lhes conferem a consistência gelatinosa (estado coloidal), consistência essa que não é homogênea em todo o citoplasma.

As amebas e os glóbulos brancos se deslocam e englobam partículas através da projeção do citoplasma, que empurram a membrana plasmática, formando assim pseudópodes.

Quando o hialoplasma se desloca ele arrasta consigo as organelas, esse movimento contínuo é chamado de ciclose.

Organelas citoplasmáticas

Ribossomos

Grãos formados por RNA e proteínas visíveis no microscópio eletrônico, e se encontram presentes em todos os seres vivos, sendo encontrados no citoplasma (tanto de procariotos como de eucariotos) ou associados a membranas do retículo (eucariotos). Há diferenças estruturais entre os ribossomos dos eucariotos e o dos procariotos.

São os ribossomos os responsáveis pela síntese das proteínas.

Centríolos

São estruturas observadas nas células dos animais, protozoários e outros eucariontes, não sendo encontrados nas células vegetais. Somente visíveis no microscópio eletrônico ele é visto como um par de cilindros formando um ângulo reto entre si.

Ao redor de cada centríolo há uma reunião de microtúbulos (áster), que vão formar o fuso acromático que é quem, durante a divisão, celular separa os cromossomos.

Sistema de canais

A partir de modificações da membrana, surgiram no citoplasma várias organelas como:

Retículo endoplasmático

Rede de canais ou vesículas achatados existente nas células eucariotas, formadas por invaginações da membrana. Ele aparece em toda a célula, servindo inclusive para a formação da membrana nuclear. Quando possui ribossomos na superfície é chamado de Retículo endoplasmático Rugoso (RER) ou ergastoplasma. E quando não possui os ribossomos é chamado de Retículo Endoplasmático Liso (REL)

Funções

• Aumenta a superfície de contado com o meio externo facilitando a entrada e saída de substâncias.

• O RER atua na síntese e no transporte de proteínas e lipídios para a membrana, núcleo, lisossomos e outras organelas celulares.

• Nas células glandulares as proteínas fabricadas pelo RER serão encaminhadas para o Complexo de Golgi, e dali será secretada para o exterior.

• O REL está ligado à síntese de lipídios, sendo bem desenvolvido nas células que produzem hormônios esteróides como por ex. o Supra renais corticoiesteróides o Testículos testosterona o Ovário estrógenos e progesteronas

• O REL também se encontra bem desenvolvido nas células musculares, onde é chamado de Retículo Sarcoplasmático e pode servir como veículo para o impulso elétrico ou na armazenagem de íons de cálcio e ATP.

• Atua também na síntese de glicídios e lipídios que formarão a membrana plasmática. Essa síntese se completa no Complexo de Golgi

Complexo de Golgi

Bem desenvolvido em células secretoras um dos primeiros papeis conhecidos do complexo de Golgi, é o de acumular e “embalar” o material protéico oriundo do RER, para posterior secreção. (figura abaixo)

Funções

• Possui enzimas Responsáveis pela complementação da síntese de glicídio, iniciada no REL, esses glicídios serão usados de diversas maneiras. o Formação dos glicocalix o Constituição da parede celular e da lamela média (que divide a ce. Vegetal no final da divisão celular).

o Associados a proteínas formam o muco que protege as cavidades do corpo

• Participa da formação do acrossoma, vesícula rica em enzimas existente no espermatozóide.

Lisossomos

(Parte 1 de 2)

Comentários