(Parte 1 de 3)

Consumer Care João Paulo L. Siqueira

1a Edição • 2008 gestão de estoques

Agradecimentos:

Coordenaçãoe Revisão Técnica: José Lupoli Jr.

Gustavo Godoy, Rogério Franco, Marcial Guimarães, Márcia Santos, Tânia Longaresi, José Lupoli, Cibele Quirino, Lígia Favoretto, Renata Castro Bardelli, Ângela Viel, Débora Mendonça, Érika Finatti, Mauro Souza, Carlos Papai, Francisca Ferreira e Marcelo Kilhian

Apoio:

João PAuLo LARA de SiqueiRA

Engenheiro civil pela Escola de Engenharia Mauá/ Mestre em

Administração pela FEA-USP/ Doutor em administrtação pela FEA-USP Professor de marketing e logística nos cursos de pós-graduação, especialização e MBA da FIA/

Professor de marketing da Trevisan

Escola de Negócios/ Professor de marketing da Universidade Cidade de São Paulo/ Co-autor de livros e capítulos de livros sobre varejo publicados pela Ed. Atlas/ Autor e co-autor de artigos sobre marketing, logística e varejo publicados em revistas técnicas e científicas/ Onze anos de experiência na realização de pesquisas de mercado.

SobRe o PdV 10

O Programa de desenvolvimento do Varejo – PdV 10 é um programa de capacitação para profissionais do varejo farmacêutico. Por meio de fascículos encartados no Guia da Farmácia e do acesso a um ambiente restrito na Internet (w.pdv10.com.br), oferece conteúdo alinhado com as melhores e mais modernas técnicas e práticas do mercado, elaborado por consultores com relevante formação e experiência profissional no setor varejista. Ao concluir o programa, o aluno tem os conhecimentos atestados pelo Certificado de Gestão do Varejo PdV 10.

Podem participar do PdV 10 profissionais do varejo farmacêutico, assinantes ou não do Guia da Farmácia, desde que se cadastrem no site para ter acesso ao download dos materiais, às avaliações e aos certificados.

Para saber mais acesse w.pdv10.com.br. Faça seu cadastro no site e aproveite essa grande oportunidade de deixar o seu PDV nota 10!

Siqueira, João Paulo de Lara.
S618Manual de gestão de estoques / João Paulo de Lara Siqueira.
20p. : il. ; 21cm. – (Programa de desenvolvimento do
varejo ; v. 8)
ISBN 978-85-61607-07-4
“PDV10”
1. Contorle de estoque. 2. Administração de material
– Medicamentos. I. Título. I. Série.

2008 • PDV 10 • 5

Neste manual será discutida a gestão dos estoques do ponto de vista do varejista, que precisa ter mercadorias à disposição para efetuar vendas e atender satisfatoriamente o cliente, mas, por outro lado, não deseja que seus custos sejam excessivos. Essa visão é o ponto de partida para a discussão de diversos tópicos que, em conjunto, concorrem para esses fins.

Inicialmente é analisada a importância do estoque e são apresentados os seus diversos tipos. Em seguida, são discutidas as formas de prever o consumo do estoque, que é a informação básica para todos os cálculos que serão realizados. Pela análise da demanda, é possível introduzir o conceito do lote econômico de compra, que é a ferramenta empregada para definir o tamanho dos pedidos.

A seguir, trataremos das técnicas e sistemas de reposição dos estoques, que objetivam garantir que cada tipo de empresa seja reabastecido da forma mais conveniente possível.

Por último, as formas de cálculo do custo do estoque, divididas nos aspectos financeiro e operacional, sendo a primeira relacionada ao conceito econômico de custo de oportunidade (referente ao valor das mercadorias estocadas) e a segunda aos gastos ligados diretamente à atividade de guardar mercadorias.

Embora sendo uma visão geral sobre gestão de estoques, espera-se que este texto auxilie nesta difícil tarefa, ressaltando que o aprofundamento do assunto pode ser conseguido na bibliografia recomendada. Boas vendas!

O que é o estoque?06
A importância do estoque06
A gestão do estoque07
As necessidades de estoque08

Sumário

do estoque10
O lote econômico de compra1

A previsão de consumo

estoque de segurança12
Como repor o estoque13

A manutenção dos estoques e o

do estoque14

O custo financeiro

do estoque15
Bibliografia recomendada16

O custo operacional Prefácio

6 • PDV 10 • 2008 o que é o eSToque?

Em uma empresa varejista, o estoque é o conjunto de mercadorias que foram compradas para serem comercializadas. Além das mercadorias para revenda, também faz parte do estoque o material de consumo, como o material de escritório (utilizado em atividades administrativas), os produtos de limpeza e de copa, as embalagens e tudo o mais que for usado no dia-a-dia. Já nas empresas prestadoras de serviço só há estoque de material de consumo.

O material de consumo, geralmente, “pesa menos” em termos de custos para a empresa do que o estoque de mercadorias para revenda, mas não deve ser desprezado, porque seus valores não são irrisórios. Alguns estudos mostraram que, em média, cada funcionário administrativo consome em torno de R$ 800 por ano apenas em material de escritório.

Via de regra, os maiores bens de uma empresa varejista são seus estoques e seu valor costuma ser elevado. O valor do estoque é calculado multiplicando-se a quantidade de mercadorias armazenadas pelos seus respectivos preços de compra. É importante deixar claro que os preços a serem considerados nesse cálculo são o de compra – o que o varejista pagou pelas mercadorias – e não o preço pelo qual os produtos serão vendidos.

Dificilmente, todo o estoque de uma empresa está em um único local. Existem mercadoria e material de consumo no estoque da loja, no salão de vendas e, em alguns casos, no centro de distribuição. Além disso, também existe o estoque em trânsito, que é composto pelas mercadorias que estão sendo enviadas do centro de distribuição para as lojas ou de uma loja para outra.

A imPoRTânCiA do eSToque

Toda empresa precisa de estoque, mesmo que seja apenas uma prestadora de serviços. No caso dos varejistas, então, o estoque é essencial, porque as vendas não acontecem na mesma velocidade com que as mercadorias são recebidas. Há dias em que se vende mais do que em outros e para que não faltem produtos é preciso estocá-los. O estoque funciona como um elemento regulador, pois permite que as vendas aconteçam mesmo sem uma reposição imediata do que saiu da empresa. Para se compreender quais são a função e a importância do estoque, basta compará-lo a uma caixa d’água. Este repositório permite aos moradores de uma casa realizar normalmente suas tarefas

2008 • PDV 10 • 7 e hábitos, mesmo quando não há água “da rua” 24 horas por dia. De uma forma semelhante, o estoque permite ao comerciante vender, mesmo sem uma reposição instantânea.

Mas, além de garantir a disponibilidade dos produtos para a venda, o estoque tem também outras funções. Uma delas é possibilitar que a empresa tire proveito das economias de escala. Os economistas costumam dizer que há efeito escala quando uma empresa obtém benefícios por trabalhar com grandes quantidades. Assim, se uma firma compra muita mercadoria de uma só vez, ela pode conseguir descontos e economizar no transporte, o que seria inviável se ela comprasse uns poucos produtos. Entretanto, para trabalhar “com escala”, ela precisa ter espaço para armazenar a mercadoria.

Uma terceira – e importante – função dos estoques é a de proteção, pois estes resguardam a empresa de aumentos nos preços das mercadorias, atrasos na entrega por parte de fornecedores e sinistros em geral, como furtos, incêndios e alagamentos.

A GeSTão do eSToque

Como foi visto até aqui, o estoque não pode faltar e, se isso é verdade, seria razoável supor que o ideal seria as empresas terem o maior estoque possível, afinal, dessa forma maximizariam os seus benefícios. Mas, infelizmente, isso não é verdade. O problema é que manter estoques é uma medida cara. O dinheiro que é investido no estoque

8 • PDV 10 • 2008 não rende juros, ao contrário do que acontece se ele for aplicado no banco.

Aliás, a administração do estoque também tem custos com proteção, manutenção, armazenamento, entre outros. Percebe-se que é preciso buscar um equilíbrio, de modo que o estoque seja suficiente para atender às necessidades dos clientes, mas não seja grande demais para gerar custos desnecessários. Procurar e encontrar esse equilíbrio são os objetivos da gestão do estoque.

Além de se preocupar em manter o estoque em um nível ideal, a gestão de estoques tem também outros objetivos e funções: cuidar do recebimento, da conferência e do armazenamento dos produtos, zelar pela sua segurança, mantê-los em boas condições de uso, ser capaz de dar informações a respeito das quantidades disponíveis de cada item, retirar os produtos que foram requisitados, despachá-los e realizar inventários periodicamente.

Entretanto, a principal preocupação de quem faz a gestão do estoque deve ser a de não deixar que ele cresça além do necessário. É preciso estar atento a isso diariamente, pois há muita pressão para o aumento dos níveis do estoque. Isso ocorre porque a diversidade dos produtos cresce a todo o momento, e faz que, mesmo que se tenha apenas uma quantidade mínima de cada produto, no cômputo geral a quantidade seja cada vez maior.

O estoque é algo que não deve faltar, mas que também não pode sobrar!

AS neCeSSidAdeS de eSToque

Os estoques são necessários, como já foi visto, para atender a diferentes finalidades. Para cada finalidade a que se destina, o estoque recebe uma denominação. Essa classificação é importante porque, além de nomear cada parte do estoque, possibilita, ao empresário e aos funcionários, que fiquem conscientes de que possuem produtos na quantidade adequada.

O primeiro tipo de estoque é o operacional, que visa a permitir a operação da loja com o nível de vendas habitual. O segundo tipo é o de segurança, que serve para que a empresa permaneça abastecida, se as vendas crescerem além do previsto ou se os fornecedores atrasarem as entregas. Finalmente, temos os estoques de produtos de troca. Alguns laboratórios ou distribuidores substituem produtos quando apresentam problemas ou quando vencem a validade em prateleira.

2008 • PDV 10 • 9

No caso de produtos cujas vendas apresentam variações sazonais, isto é, dependam de determinadas épocas do ano ou do mês, pode ser interessante manter um estoque estratégico para evitar que a farmácia fique sem, justamente na época de sua maior procura. Por exemplo: uma farmácia aumenta o estoque de medicamentos antigripais à medida que o inverno se aproxima.

Finalmente, pode ser interessante manter um estoque especulativo, com produtos comprados em promoções. Nesse caso, o ganho na compra deve compensar o investimento na aquisição das quantidades acima do necessário. A tabela a seguir resume os tipos de estoque e suas finalidades:

estoque operacionalAtender às vendas usuais estoque de segurançaAtender à variações na venda ou atrasos dos fornecedores estoque de itens recuperáveisReunir produtos que serão trocados / repostos pelo fornecedor / reutilizados estoque estratégicoAtender às vendas em períodos futuros (sazonalidade) estoque especulativoObtenção de ganhos adicionais com a valorização dos produtos

(Parte 1 de 3)

Comentários