As propriedades físico-químicas da beterraba e seus benefícios

As propriedades físico-químicas da beterraba e seus benefícios

(Parte 1 de 4)

AS PROPRIEDADES FÍSICO-QUÍMICAS DA BETERRABA E SEUS BENEFÍCIOS1

Correia, Adriana dos Santos2

Nascimento, Maricelly dos Santos3

Santos de, Cleverton Jesus4 Jackson5

Resumo: este artigo objetiva comprovar as propriedades benéficas da beterraba, bem como conscientizar as pessoas a inserirem na sua refeição alimentos saudáveis como a beterraba. Pois muitas pessoas não sabem o quanto o consumo de legumes, bem como uma alimentação saudável é eficaz na prevenção de inúmeras doenças possibilitando uma longevidade maior e de melhor qualidade. Esse legume apresenta em sua composição vitaminas: A, do Complexo B e vitamina C e, em sais minerais, como sódio, potássio, zinco, e magnésio, Ferro. Para comprovar algumas propriedades benéficas da beterraba foi inserido um consumo diário de 400 mL de suco de beterraba (Beta vulgaris) ou placebo por cinco dias consecutivos a oito pessoas. E por meio deste foi possível observar algumas propriedades benéficas que a beterraba proporciona ao ser humano como: a diminuição da pressão arterial, a diminuição das dores musculares após o exercício físico, um aproveitamento maior do raciocínio, uma melhora no sistema digestivo por sua propriedade diurética. Já por meio da enquete, conseguimos descobrir até que ponto a população tem ciência das propriedades benéficas da beterraba e os problemas causados pela sua deficiência, tentamos ainda conscientizá-las sobre as propriedades benéficas e as interrogamos sobre a possibilidade de inserir em sua alimentação diária. Palavras-chave: beterraba, pressão arterial, diurética, atividade física, conscientizar.

1 INTRODUÇÃO

“Se cuidássemos melhor da nossa alimentação, viveríamos mais, e acabaríamos de vez com esse câncer embutido que há em todo esse lixo comestível” (KRETUS, [s.d], [n.p.]).

É crescente a preocupação em nossa sociedade com uma alimentação cada vez mais saudável. Uma das razões deste fenômeno é devido a uma maior veiculação pelos meios

1 Artigo elaborado na disciplina metodologia da pesquisa cientifica ministrada pelo professor Jackson. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe 2 Aluna de Licenciatura em Química 3 Aluna de Licenciatura em Química 4 Aluno de Licenciatura em Química 5 Professor Metodologia da Pesquisa Científica.

de comunicação de informações referentes à alimentação e aos hábitos alimentares. Torna-se claro que a inserção de nutrientes, vitaminas e sais minerais, presentes em alimentos naturais: legumes, frutas, verduras e cereais, são importantes para o bom funcionamento do metabolismo humano.

O objetivo do nosso trabalho é comprovar as propriedades benéficas da beterraba, bem como conscientizar as pessoas a inserirem na sua refeição alimentos nutritivos como a beterraba e os problemas causados pela sua deficiência. Pois muitas pessoas não sabem o quanto o consumo de legumes, bem como uma alimentação saudável é eficaz na prevenção de inúmeras doenças possibilitando uma longevidade maior e de melhor qualidade.

1.2 A BETERRABA E SUAS QUALIDADES

“A beterraba, nome científico – (Beta vulgaris L.), é uma planta herbácea da família das Quenopodiaceae, tem origem sua origem na Costa do Mediterrâneo e Oeste da Ásia. Na Roma Antiga, suas folhas e raízes eram consumidas” (EMBRAPA, [s.d.], [n.p.]). Segundo Wikipédia ([s.d.], [n.p.]) as principais espécies da beterraba são:

• Beta adanensis A. Pamukc. ex Aellen • Beta maritima Lineu

• Beta atriplicifolia Rouy • Beta vulgaris Lineu

• Beta cicla Lineu • Beta macrocarpa Guss.

• Beta corolliflora Zossimovic • Beta trojana Pamukc. ex Aellen

• Beta patellaris Moq. • Beta nana Boiss. & Heldr.

• Beta procumbens Lineu • Beta patula Aiton

• Beta trigyna Waldst. & Kit. • Beta vulgaris Lineu

De acordo com Grangeiro et al, (2007, p. 267), no Brasil, as principais regiões produtoras de beterraba estão nos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, onde se encontram 42% das propriedades produtoras dessa hortaliça tuberosa. No Nordeste, seu cultivo é reduzido, pois as altas temperaturas reduzem a pigmentação e conseqüentemente a qualidade do produto.

Para Saúde Alternativa (2008, [n.p.]):

se extrai o açúcar; e vermelha, que é utilizada na alimentaçãoAlém do

[...] a beterraba é uma raiz que aparece em duas colorações: branca, de onde açúcar, esse legume é muito rico em vitaminas: A, do Complexo B e vitamina C e, em sais minerais, como sódio, que protege o organismo contra a perda excessiva de líquidos; potássio, necessário para a atividade muscular normal; zinco, elemento necessário aos tecidos cerebrais; e magnésio, que é constituinte do osso e regula as funções musculares e nervosas. Esta hortaliça é recomendada para anêmicos por sua riqueza em Ferro.

Os principais compostos químicos da raiz da beterraba são saponiside, fitosterol, betaina, leucina, tirosina, betacianina, betaxanatina e beta caroteno. A cor da beterraba vem da combinação de dois tipos de pigmentos presentes nesses compostos: betacianina (roxo) e betaxanatina (amarelo) (MEDICINA POPULAR, [s.d.], [n.p.]).

Além de conter um carboidrato natural D-manitol, usado para a indústria alimentícia, indústria farmacêutica, na medicina como diurético, e na síntese orgânica (OLIVEIRA, 2009).

2 MATERIAL E MÉTODO

Para comprovar a veracidade de algumas propriedades benéficas da beterraba, submetemos 8 pessoas ao consumo diário de 400 mL de suco de beterraba (Beta vulgaris) ou placebo durante 5 dias. Esses voluntários tinham entre (19-26) anos, praticavam alguma ou nenhuma atividade física. Nenhum deles era fumante de tabaco ou usuário de suplementos dietéticos. Essas pessoas aceitaram s ser submetidas à realização de provas físicas e psicotécnicas, sendo instruídos a chegar ao local da prova no Parque da Sementeira, descansados e hidratados.

Foi dividido em dois grupos: grupo experimental com cinco pessoas que tomariam 400 mL de suco de beterraba com um pouco de essência e um grupo de controle com três pessoas que tomariam 400 mL de essência de groselha com uma concentração insignificante de beterraba. Nenhum dos participantes soube quem estava tomando o placebo ou suco de beterraba.

Houve uma separação em duas fases, a primeira antes do consumo do suco e a segunda fase depois de tomarem o suco por cinco dias. Os voluntários foram numerados, o grupo experimental e o grupo controle, de um a oito, para sua identificação na pesquisa, e tratados a partir daquele momento como números.

2.1 A PRIMEIRA FASE DA PESQUISA ANTES DO CONSUMO

Iniciamos pela medição da pressão arterial em cada individuo em estado de repouso, com ajuda de uma auxiliar de enfermagem, usando um aparelho esfigmomanômetro. Os testes foram realizados as 09h30min da manhã.

Após a medição da pressão, aplicamos a primeira prova de resistência, esta consistia em dois minutos de aquecimentos, e logo após iniciou-se a corrida limitada a resistência de cada individuo. Conforme cada indivíduo chegasse ao seu limite físico, aferimos novamente a pressão arterial e aplicávamos o teste psicotécnico com trinta questões subjetivas e objetivas.

2.2 SEGUNDA FASE DA PESQUISA APÓS O SUCO

Os grupos foram submetidos a tomarem durante cinco dias o placebo suco de groselha com uma pequena concentração de beterraba ou o suco de beterraba com uma pequena concentração de essência de groselha, assim ambos teriam o gosto parecido, o que não alterou suas propriedades.

Realizada no mesmo local e horário, com condições climáticas semelhantes ao da primeira fase da pesquisa. Medimos a pressão de cada indivíduo em estado de repouso do grupo experimental e do grupo controle.

Após a medição da pressão arterial, aplicamos a segunda prova de resistência, esta consistia em dois minutos de aquecimentos, e logo após iniciou-se a corrida limitada a resistência de cada individuo. Conforme cada indivíduo chegasse ao seu limite físico, mediamos novamente à pressão arterial dos grupos e aplicávamos o teste psicotécnico com trinta questões subjetivas e objetivas.

Além disso, desenvolvemos uma enquete com o objetivo de descobrir até que ponto a população tinha ciência das propriedades benéficas da beterraba e conscientizá-las a inserir a beterraba além de outros legumes e verduras na sua alimentação diária. Esta enquete foi realizada no centro da cidade, no mercado central, em pontos de comercialização e no Instituto Federal de Sergipe (IFS). Formulário da enquete. Apêndice( 1).

3 RESULTADOS E DISCUSSÃO

Foram obtidos resultados satisfatórios com a inserção do suco de beterraba na alimentação diária dos indivíduos, comprovando as propriedades benéficas da beterraba relacionada ao bom funcionamento do metabolismo humano.

3.1.1 Dores Musculares

3.1 COMPROVAÇÃO DAS PROPRIEDADES DA BETERRABA

Todas as pessoas relataram dores musculares ao decorrer da semana, após o 1º teste prático. Na 2º prova prática 80% do grupo experimental constatou uma diminuição significativa das dores musculares. Em contrapartida o grupo controle não apresentou melhoras. As dores musculares são o resultado de micro traumas que desencadeiam um processo inflamatório a partir do rompimento de membranas celular presentes no músculo. O que ocorre no organismo a cerca de 24 horas após a atividade física. O ácido lático também tem sua parcela de culpa, que são as dores imediatas (BARROS, 2007).

Esses microtraumas por sua vez são originário do consumo de oxigênio durante o exercício físico que promove o aumento de radicais livres do oxigênio ou somente radicais livres como são conhecidos (SCHNEIDER; OLIVEIRA, 2004).

Radicais livres são átomos ou moléculas que contém oxigênio com um elétron não pareável em sua orbita externa. O excesso de radicais livres no corpo ocasiona uma série de danos, já que eles ávidos por emparelhar seu elétron solitário atacam compostos como proteínas, lipídeos e até o material genético, ocasionando problemas como envelhecimento precoce, doenças cardíacas, diabetes, cataratas e alguns tipos de câncer (SABA, 2008; FERREIRA; MATSUBARA, 1987).

De acordo com WEBER; RAMOS (2009, p. 3) os antioxidantes podem ser classificados como de prevenção (impedem a formação de radicais livres), varredores (impedem o ataque dos radicais livres as células) e de reparo (favorecem a remoção de danos da molécula de DNA e a reconstituição das membranas celulares danificadas.

A beterraba possui antioxidantes que são as vitaminas C, A, e flavonóides como betacianina. Para Barros, (2007) esses antioxidantes protegem o músculo dos traumas do exercício físico ao impedir o rompimento das membranas celulares a partir da neutralização dos radicais livres, diminuindo as dores musculares.

De acordo com os resultados observados, 80% das pessoas do grupo

3.1.2 Pressão Arterial experimental que consumiram o suco de beterraba durante cinco dias apresentaram uma diminuição em sua pressão sistólica e diastólica.

Pressão Arterial Sistólica

2 6 7 Voluntários

H g Antes do suco

Após o suco

(Parte 1 de 4)

Comentários