Capacidades físicas importantes para a prática do basquetebol

Capacidades físicas importantes para a prática do basquetebol

André Murillo Carlos Guzzo Suanne Gomes

O basquete exige conhecimentos amplos e integrações contínuas com a preparação física, tática, técnica e psicológica. Quanto mais elevado o nível competitivo no basquete, maior são as exigências na adequação dos conhecimentos, para viabilizar transformações importantes no organismo do atleta, elevando seu estado de performance. Estas orientações correspondem a potencialização das capacidades e habilidades individuais, utilizando constantemente força, velocidade, resistência, flexibilidade, agilidade e suas diferentes formas de manifestações; estas atribuídas como capacidades condicionantes. As capacidades coordenativas também possuem um papel importante nas atividades competitivas do basquete, tanto no aspecto individual como coletivo. Observaremos nesse artigo assuntos referentes aos conteúdos e métodos da preparação física dos jogadores de basquetebol, no treinamento especializado, onde os conteúdos da preparação física, relacionam-se ao desenvolvimento das capacidades físicas dos atletas: resistência, força, velocidade, rapidez, flexibilidade e destreza (coordenação de habilidades). Palavras-chave: Basquetebol, Capacidades Físicas, Preparação Técnica.

Segundo o professor José Agramunt Lléo, capacidades físicas são fatores que determinam a condição física do sujeito, que orientam para uma a execução de uma determinada atividade física e possibilita, mediante o treinamento, que o sujeito desenvolva o máximo de seu potencial físico.

Acreditamos que o sucesso dos jogadores de basquetebol, em nível estadual, nacional e internacional, depende de múltiplos fatores; um deles e talvez o mais importante é o sistema de treinamento, o qual visa, nas fases de especialização no basquetebol no ensino formal e não formal, a busca dos resultados desportivos.

A elevação do estado funcional orgânico do atleta, depende de interpretação, adequação, organização e sistematização dos conteúdos que fundamentam a prática da ação motora competitiva no basquete. As diversas combinações são possíveis, porém, deve prevalecer à lógica e orientação fisiológicas de tais combinações, pois essas dependem da dinâmica especifica para resolver e buscar uma estratégia de comportamento adequado, culminando na otimização da preparação desportiva individual e coletiva da equipe.

A preparação especializada do jogador de basquetebol, neste estudo, acontece fundamentalmente, de forma pedagógica; o desenvolvimento das capacidades físicas e o aperfeiçoamento das técnicas e táticas sugeridas.

A) O desenvolvimento da resistência A capacidade física é a resistência física bastante desenvolvida, a qual possibilita aos atletas de basquetebol realizar a contração muscular por tempo prolongado, suportando as condições de grande esforço exigidas nos jogos, retardando ao máximo o aparecimento da fadiga muscular.

Para o desenvolvimento da resistência aeróbia exigida no basquetebol, sugerimos os métodos de exercícios sincronizados, circuito training e corridas variadas, fazendo uso dos elementos técnicos do jogo – passes, dribles e lançamentos efetuados na própria quadra de jogo. Para o desenvolvimento da resistência anaeróbica, recomendamos a interação da tática e técnica com intervalos rítmicos de recuperação e intensidade alta na execução das tarefas, podendo ser superior à competição, com pouco tempo de recuperação: jogos de 1x1, 2x2, 3x3, 3x2, 2x1 etc.; e com rapidez na execução dos gestos técnicos buscando sempre a eficiência tática.

B) O desenvolvimento da força

Força é a capacidade que o músculo tem gerar tensão para opor-se a uma resistência externa. Para o desenvolvimento da força no processo em longo prazo, no basquetebol, recomendamos exercícios dentro da musculação com alteres e pesos adicionais na quadra de basquetebol, levando em consideração a idade e tempo de prática.

Há alguns métodos de repetição dos exercícios com pesos que podem ser aplicados pelos alunos/atletas e controlados pelas repetições e as séries por semana de treinamento: entre eles o método pliométrico (salto em profundidade seguido de corridas rápidas, utilizando os fundamentos do jogo de basquetebol) e o método de repetição com sobrecarga, tração com aparelhos para força rápida.

O treinamento da força visa a um aprimoramento por meio de exercícios gerais e específicos, juntamente com determinados movimentos do basquetebol. Cabe ao técnico/professor criar elementos planejados e organizados que motivem os praticantes em cada treinamento.

Os exercícios gerais dão suporte no fortalecimento da musculatura do corpo, não sendo necessário ser idênticos aos movimentos de jogo, mas se o forem, podem levar os atletas a apresentarem um melhor desempenho dentro das partidas. Exemplo: RML na mudança com pesos com intensidade baixa - média, com pouco peso e maior número de repetição.

Os exercícios específicos objetivam aproximar os gestos às estruturas de jogo, nas quais o movimento pode ser executado combinando exercícios de membros superiores com inferiores. Exemplo: flexão dos joelhos com halteres, saltos com halteres, saltos com sacos de areia, uso de coletes, dentre outros.

O próprio jogo desenvolve a força e a resistência da força. Nos treinamentos, o método de jogo deve ser utilizado para aprimorar as funções especiais dos músculos.

Os exercícios para os membros inferiores podem ser desenvolvidos em saltos em profundidade seguidos de altura e comprimento; saltos em diferentes posições e de pés alternados; salto com intervenção dos braços sobre obstáculos; saltos em comprimentos e verticais; saltos seguidos de outro salto; salto pulando cordas.

Os exercícios para os membros superiores podem ser desenvolvidos por meio do lançamento do medicine-baal para cima, para frente, para o lado e para trás; comprimir objetos elásticos; lançamento do medicine-baal utilizando-se os fundamentos do passe; utilização da barra para força dos ombros.

C) O desenvolvimento da velocidade Velocidade é a capacidade de desenvolver uma resposta motriz em um menor tempo possível. A velocidade de ação bem desenvolvida possibilita ao jogador de basquetebol reagir a estímulos provocados pelo jogo, resolvendo problemas com pouca demora. A velocidade pode ser desenvolvida ao som de apitos, palavras ou simples sinal, com ou sem utilização da bola, em espaços de, no máximo, 28 metros, em métodos de repetição de exercícios cíclicos e acíclicos.

O treinamento da velocidade no basquetebol depende da força, estabilidade, técnica e tática do desportista.

As formas de treinamento devem contemplar as corridas rápidas com lançamento à cesta; corridas rápidas com passes (2x2 ou 3x3); corridas avaliativas no tempo e nos respectivos intervalos de recepção com e sem bola; utilização de estímulos ópticos e auditivos em diferentes posições: sentido, em pé, deitado para frente, lado e trás; corrida com elevação no joelho; aceleração com parada brusca e saídas rápidas e com mudança de direção com e sem bola; utilização dos fundamentos da técnica com a tática de jogo, principalmente a transição contraataque.

D) O desenvolvimento da flexibilidade Flexibilidade é a capacidade de extensão máxima de um movimento em uma determinada articulação. O desenvolvimento da flexibilidade permite ao jogador de basquetebol executar movimentos em grande amplitude. Sua ausência poderá ocasionar lesões e atrapalhar o desenvolvimento da força e da rapidez, levando à realização de esforços desnecessários.

Deve-se executar no basquetebol o trabalho através de exercícios com movimentos amplos antes e depois de cada sessão de treinamento, condição elementar para a qualidade do movimento, principalmente durante a adolescência, constituindo um hábito natural.

E) O desenvolvimento da Coordenação

O desenvolvimento da coordenação possibilita direcionar os movimentos dos jogadores de basquetebol de acordo com as condições das tarefas motoras. Seu melhor momento acontece nas idades infantis e no início da adolescência.

A coordenação deve ser desenvolvida levando-se em consideração as percepções visuais, auditivas e sinestésicas, e pode ser desenvolvida também junto às ações físico- técnica e táticas.

Segundo Barbanti (1979),Trabalhando a coordenação dos atletas e ou alunos praticantes de basquetebol conseguem dominar de forma mais concreta suas capacidades motoras, levando o desportista ao domínio de movimentos considerados complicados e aprender novos movimentos.

Alguns exemplos de treinamentos que garantem o aperfeiçoamento dos diferentes tipos de capacidades físicas podem ser realizados através de um conjunto de exercícios onde os atletas precisam correr pela quadra de basquete tocando as demais linhas da quadra, com picos de alta velocidade e outros com pouca velocidade. Tal forma de treinamento contribui para aumentar a resistência anaeróbica e também a velocidade de deslocamento dos atletas.

Para o trabalho de força e de potencia de membros inferiores precisarão ser realizados exercícios de corrida com cintas que irão estar conectados no companheiro. O objetivo é correr rápido puxando o companheiro.

Por fim, o trabalho de coordenação poderá ser feito através de exercícios com a bola de basquete fazendo dribles com duas bolas ao mesmo tempo. Outro exemplo também é o drible com duas bolas sendo que uma bola batendo no solo e a outra na parede. Enfim, existem vários tipos de exercícios que podem contribuir ainda mais para o desenvolvimento e aperfeiçoamento das capacidades físicas, o importante é dedicação e muito treino para os atletas, pois esses fatores contribuem para um bom desempenho durante jogos de competições.

CONCLUSÃO Podemos concluir que as capacidades físicas possuem uma extrema importância para atletas praticantes de basquetebol, pois é a partir também da aplicação de treinamentos voltados ao desenvolvimento dessas capacidades que professores e ou treinadores conseguem alcançar um aperfeiçoamento constante das táticas e técnicas desses atletas submetidos a elas.

TUBINO Manoel José Gomes, MOREIRA Sérgio Bastos, Metodologia Científica do Treinamento Desportivo, 13ª edição revista e ampliada – 2003, Editora Shape: Rio de Janeiro.

BARBANTI, Valdir José. Teoria e prática do treinamento desportivo. São Paulo: Edgard Blucher, 2000.

LLÉO José Agramunt, Capacidades Físicas Básicas, Artigo retirado do site w.4shared.com.br.

Comentários