Informática

Informática

(Parte 1 de 14)

1. CONCEITOS DE INTERNET E INTRANET

2. CONCEITOS BÁSICOS E MODOS DE UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS, FERRAMENTAS, APLICATIVOS E PROCEDIMENTOS ASSOCIADOS A INTERNET/INTRANET.

2.1 - FERRAMENTAS E APLICATIVOS COMERCIAIS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS, DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA

2.2 - CONCEITOS DE PROTOCOLOS, WORLD WIDE WEB, ORGANIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO PARA USO NA INTERNET, ACESSO A DISTÂNCIA A COMPUTADORES, TRANSFERÊNCIA DE INFORMAÇÃO E ARQUIVOS, APLICATIVOS DE ÁUDIO, VÍDEO, MULTIMÍDIA, USO DA INTERNET EM EDUCAÇÃO, NEGÓCIO, MEDICINA E OUTROS DOMÍNIOS.

2.3 - CONCEITOS DE PROTEÇÃO E SEGURANÇA

2.4 - NOVAS TECNOLOGIAS E OUTROS

A Internet é a uma rede mundial de computadores conectados entre si, que se caracteriza pela forma descentralizada como atua. Oferece serviços de comunicação de dados, como acesso remoto, transferência de arquivos, correio eletrônico, Web e muitos outros.

A utilização da Internet na área biomédica foi a grande notícia do final do século vinte. Ela permite compartilhar, instantaneamente, resultados de testes com novos medicamentos, pesquisas, estudos de casos e colabora tremendamente no desenvolvimento das ciências biomédicas. Além disso, ela alarga as fronteiras do próprio conhecimento, tornando, por exemplo, a medicina e ciências afins mais eficientes. Graças à Internet, os profissionais da área da saúde estão mais próximos das notícias médicas, das informações, dos resultados de pesquisas, da bibliografia, de novos equipamentos e, assim, de seus clientes, das suas investigações e de seus alunos.

Na década de 60, em plena Guerra Fria, temendo as conseqüências de um ataque nuclear, o Departamento de Defesa (DoD) dos Estados Unidos iniciou o desenvolvimento de uma rede de computadores que não pudesse ser destruída por bombardeios e fosse capaz de ligar pontos estratégicos, como centros de pesquisa e tecnologia.

A idéia culminou na ARPAnet (ARPA = Advanced

Research Projects Agency), que era uma rede sem centro, que permitia que todos os computadores tivessem o mesmo status, e que os dados trafegassem em qualquer sentido, em rotas intercambiáveis. No ano de 1972, a ARPA apresentou ao mundo um novo aplicativo, desenvolvido pelo engenheiro Ray Tomlinson, que permitia o envio de mensagens individuais, de pessoa para pessoa. Atualmente chamamos esse serviço pelo nome de e-mail (ou correio eletrônico).

Com dezenas de novos pedidos para fazer parte da rede e centenas de sugestões para aperfeiçoá-la, foi necessário unificar a linguagem de todos os sistemas conectados. Esse conjunto de regras foi escrito em conjunto pela equipe de Bob Kalin, da ARPA, e por especialistas da Universidade de

Stanford, liderados por Victon Cerf. O documento desenvolvido em 1974 se chamava Protocolo de Controle de Transmissão, ou em inglês Transmission Control JorotocollInternet Protocol (TCP/IP).

O número de conexões foi crescendo em proporção geométrica, e, no momento em que havia 200 instituições conectadas na rede, o nome "protocolo" foi abolido e passou a se chamar apenas "Internet".

Em 1985, a Fundação de Ciência Nacional dos

Estados Unidos criou a NSFnet (NSF= National Science Foundation), constituída por uma série de redes destinadas à educação e investigação. Baseada nos protocolos da ARPAnet, a NSFnet construiu uma infra-estrutura que conectava instituições de ensino e pesquisa. Ao mesmo tempo, foram formadas estruturas regionais, que permitiam a ligação das diferentes instituições à rede nacional, inserindo a comunidade acadêmica na Internet.

No início dos anos 90, a Internet ultrapassou a marca de um milhão de usuários e teve início a utilização comercial da rede. Empresas pioneiras (como, por exemplo, Compuserve e America Onfine) montam redes próprias de comunicação, conectadas à Internet, e passam a cobrar do público em geral pelo acesso à rede.

Em 1993, quatro anos após o início do desenvolvimento do conceito de World Wide Web (W) pelos cientistas do laboratório nuclear suíço CERN, coordenados pelo cientista Tim Berners-Lee, o Centro Nacional para Aplicações em Supercomputadores (NCSA), sediado em Chicago (EUA), lançou o primeiro browser gráfico: o Mosaic.

A partir do lançamento do NCSA Mosaic, o crescimento da Internet tornou-se espantoso, agregando a sua rede servidores e usuários de todos os locais do mundo. Em maio de 1995, uma portaria conjunta do Ministério das Comunicações e do Ministério da Ciência e Tecnologia criou a figura do provedor de acesso privado no Brasil, liberando a operação comercial da Internet no Brasil. Atualmente o Brasil conta com mais de 12 milhões de internautas, segundo estimativas do http://www.ibope.com.br/eratings/

A capacidade de os computadores trocarem informações entre si, não importando onde estiverem, usando uma rede de conexões, permite aos usuários da Internet usufruírem de uma série de serviços. A Internet oferece serviços com finalidades, atuação e detalhes técnicos específicos, que são resumidamente descritos a seguir.

World Wide Web (W) - teia de alcance mundial

A World Wide Web, também conhecida como W,

Web ou W3, é o serviço mais popular disponível na Internet, a ponto de muitas pessoas confundirem a Web com a própria Internet. A Web é uma coleção de servidores que contém páginas com elementos hipertexto e multimídia (textos, imagens, animações, sons e vídeos) que compõem os sites ou websites (locais da Web). A principal característica da Web é o seu caráter hipertextual, ou seja, as páginas são interligadas entre si de forma não linear, por vínculos denominados links ou hyperlinks, que, quando acessados, levam o usuário a outra parte da mesma página ou a outros documentos localizados em outros servidores ao redor do mundo. Esse procedimento de clicar com o mouse sobre um link (que pode ser uma palavra sublinhada, um botão, uma imagem ou ícone) e ser levado a outra página, é conhecido informalmente como navegar ou surfar na Web.

Para acessarmos a Web, é necessário que tenhamos instalado em nosso computador um navegador da Web (Web Browser , como, por exemplo, o Internet Explorer (Microsoft) ou Netscape (AOL Netscape), e que saibamos o endereço da página que desejamos visualizar. Os documentos da Web possuem um endereço único e exclusivo conhecido por URL (Uniforni Resource Locator - Localizador Uniforme de Recursos), que é composto da seguinte forma:

http://www.saude.gov.br

* http://: indica que o endereço corresponde a uma página da Web o w: letras não obrigatórias, mas presentes na maioria dos endereços

- saude: nome do site e, geralmente, corresponde à empresa ou instituição à qual pertence

- gov: extensão que indica a categoria em que o site se enquadra (governamental, comercial, educacional, etc.)

- br: indica o país onde está localizado o computador que hospeda o site (e não a nacionalidade da empresa ou instituição responsável por ele)

Em geral, cada site da Web possuí uma página de entrada, a homepage, a partir da qual o usuário escolhe que áreas deseja visitar.

As páginas da Web são documentos de hipertexto, programados em uma linguagem chamada HTML (Hyper Text Markup Language - Linguagem de Marcação de Hipertexto) e transferidos do computador hospedeiro para o cliente através do protocolo de transferência de hipertexto (HyperText Transfer Protocol -HTTP), conhecido pelo prefixo hup:1.

Alguns elementos que formam uma página Web:

E-mail (electronic mail) - correio eletrõnico

Sistema de computação que permite a troca de mensagens escritas entre um usuário de um computador e um ou mais receptores, semelhante à troca de cartas. Os provedores de acesso disponibilizam uma conta de e-mail para o usuário, o que corresponde a uma porção do disco rígido de seu servidor para uso exclusivo na recepção de mensagens. Deste modo, tanto a transmissão como a recepção de mensagens são realizadas pelo computador hospedeiro (provedor). Assim, ao se conectar com o servidor, é verificada a presença ou não de mensagens novas. Existindo correspondência, elas são enviadas para o computador do usuário (Ver capítulo 8). Além de textos, é possível enviar fotos, sons, programas, vídeos e materiais de todos os tipos que possam ser convertidos em arquivos binários.

Para enviar uma mensagem pelo e-mail, é necessário indicar o nome do destinatário e seu endereço eletrônico. Esses endereços contêm o nome do usuário, o símbolo arroba @ e os dados do domínio do provedor de serviços (nome, tipo de sistema e país). Exemplo:

rodrigo @ lapnet.com.br - rodrigo: nome do usuário

- @: arroba

- lapnet: nome do provedor

- com: tipo de sistema

- br: país Teleconferências (Chat)

A teleconferência, também conhecida como Chat - que em português significa bate-papo -, permite a comunicação com outros usuários da Internet em tempo real ("conversar" de forma instantânea) via teclado, entre computadores ligados à rede.

O serviço de Chat permite ao usuário se conectar a um servidor, que se encontra dividido em "salas" (ou "canais") e que, na verdade, subdivide tematicamente assuntos dos mais variados possíveis. As pessoas se identificam por apelidos (nicknames). Por meio desse serviço, o usuário pode realizar conversas públicas ou privadas com outros usuários.

Existem milhares de servidores ("lugares") disponíveis para realizar esse tipo de comunicação. Pode-se usar os bate-papos via Web (webchats) pelo acesso a um site que ofereça tal serviço, sem a necessidade de ter um programa especial, utilizando apenas o seu navegador. As teleconferências também são possíveis por meio de vários programas, tais como o Microsoft Chat, que faz parte do pacote Internet Explorer e vem incoporado ao Windows, ou por meio do mIRC, um aplicativo shareware bastante completo, que oferece muitas funções avançadas (Ver capítulo 1).

Listas de Discussão

As Listas de Discussão (Mailing Lists, Discussion

Lists) funcionam como um periódico que é enviado por e-mail diretamente à caixa postal eletrônica do assinante. Cada lista de assinantes tem um tópico específico. O usuário se associa àquelas que apresentam tópicos pelos quais tem interesse (Ver Capítulo 9).

Grupos de Notícias

Os Grupos de Notícias (newsgroups), também conhecidos como Grupos de Discussão, são espaços virtuais ou foros, onde os usuários mantêm discussões sobre um tema específico. Utilizam o envio e o recebimento de mensagens públicas, disponíveis para todos (Ver Capítulo 10).

Vídeoconferências

Comunicação entre duas ou mais pessoas, que se realiza em tempo real na Internet, fia qual é transmitido vídeo, através de uma câmara especial (webcam), e som, através de um microfone comum. Para realizar uma videoconferência, é necessário ter um programa específico, como o Microsoft NetMeeting ou o CUSeeMe.

FTP - Protocolo de transferência de arquivos

O FTP (File Transfer Protocol) é um sistema utilizado na transferência de arquivos entre dois computadores conectados à Internet. Apresenta um conjunto de comandos que permitem descarregar ("baixar" ou "fazer download") da Internet milhares de documentos e programas. Pode-se também fazer upload de uma página da Web, de um micro no qual ela foi montada para o servidor onde ela ficará hospedada.

Um programa de FTP mostra a árvore de diretórios de um computador remoto. Muitas vezes, os aplicativos são gratuitos e podem ser acessados; outras vezes, a cópia de arquivos não é permitida. Os servidores FTP públicos são conhecidos como "login anonymous". Permitem que qualquer um faça a conexão como "anônimo", sem possuir uma conta especial ou uma senha. Os arquivos disponibilizados para download estão localizados em uma pasta pública (\pub).

A utilização do FTP pode ser realizada a partir de um browser (navegador) Web, dando cliques em links que se conectam com sites FTP. Também é possível inserir o endereço FTP diretamente na caixa de endereço na forma de um URL que começa com "fIp:1" e, em seguida, o endereço da Internet do site FTP. Para fazer o upload de arquivos é necessária a utilização de um programa FTP, como, por exemplo, o CUTEFTP (http:lw.cuteftp.com) ou o WS-FTP PRO (hUpWw~ipswitch.com).

Telnet - Rede de teletipos

A Telnet (Teletype Network) é um serviço que permite ao usuário a conexão em tempo compartilhado com computadores remotos. Diferente da Web, entretanto, a Telnet não suporta uma interface gráfica. Emprega obscuros comandos no teclado, como manter pressionada a tecla Ctrl e outras teclas simultaneamente, o que pode frustrar e dificultar a sua utilização após ter utilizado a elegância e simplicidade da Web.

Para superar essas dificuldades, os administradores de muitos dos sites Telnet estão disponibilizando os seus serviços via Web. Existem recursos na Internet - como catálogos de bibliotecas e serviços de informações exclusivas - que estão apenas, ou principalmente, disponíveis via Telnet.

É necessário um programa específico para rodar sessões da Telnet. Esse programa está presente no Windows. Para executá-lo, é preciso clicar em Iniciar Executar, digitar telnet na caixa de diálogo. Abrir e dar um clique em OK. E encontrado também no site Tucows: (http:lw.tucows.com/).

Muitos olham a Internet como o modelo do negócio do futuro. Antes que isso possa acontecer plenamente, os usuários terão que se sentir seguros na transmissão de dados pessoais, como o número de cartão de crédito. Devido à própria tecnologia, os dados passam por diversos computadores antes de chegar ao destinatário, havendo assim possibilidade de serem interceptados. Apesar dessa prática não ser muito comum, os esforços para tentar evitar esse tipo de situação têm sido tremendos e grandes quantias de dinheiro têm sido gastas para tornar a Internet 100% segura.

Segurança

A segurança é conseguida através de uma tecnologia chamada encriptação. Um software codifica uma mensagem (cifra) no computador de origem, que posteriormente é decodificada (decifra) pelo computador receptor. Desse modo, se os dados forem interceptados no caminho, não poderão ser visualizados, pois trafegam na Internet de forma criptografada. Atualmente existem duas tecnologias de encriptação que são amplamente utilizadas no comércio eletrônico: a SSL (Secure Sockets Layer - desenvolvida pela Netscape) e a SET (Secure Eletronic Transactions - desenvolvida pela Mastercard e Visa). Nas páginas da Web em que os dados são criptografados, o endereço do site (visível na barra de endereços do browser) não começará com http:l, e sim com https:l. Isso acontece porque os servidores seguros utilizam um protocolo especial chamado HTTPS (Secure Hyper Text Transfer Protocol - Protocolo Seguro de Transferência de Hipertexto), que garante o sigilo das informações. Além disso, durante a navegação nestas páginas aparecerá um ícone de segurança na barra de Status do navegador (no Internet Explorer representado por um cadeado e no Netscape, por uma chave),

Para aumentar a segurança das transações na

Internet e a proteção dos dados pessoais, é importante que o usuário utilize sempre a última versão disponível do browser e que instale todas as atualizações disponibilizadas pelo fabricante. É recomendável também a instalação de um firewall -software que bloqueia o tráfego de informações não autorizadas pelo usuário. Entre os mais populares estão: o Norton Personal Firewall http://www.symantec.com e os freewares Zone alarms http://zonelabs.com) Sygate Personal Firewall http://www.sygate.com/

(Parte 1 de 14)

Comentários