41544086 - NBR - 14762-2010 - Dimensionamento - de - estruturas - de - aco - constituidas - por - perfis - formados - a-frio

41544086 - NBR - 14762-2010 - Dimensionamento - de - estruturas - de - aco -...

(Parte 3 de 14)

Is – momento de inércia da seção bruta do enrijecedor de borda, em torno do seu próprio eixo baricêntrico paralelo ao elemento a ser enrijecido. A parte curva entre o enrijecedor e o elemento a ser enrijecido não deve ser considerada

Ix ; Iy – momentos de inércia da seção bruta em relação aos eixos principais x e y, respectivamente J – constante de torção

KxLx – comprimento efetivo de flambagem global em relação ao eixo x KyLy – comprimento efetivo de flambagem global em relação ao eixo y

KzLz – comprimento efetivo de flambagem global por torção L – comprimento de referência empregado no cálculo do efeito shear lag

– distância entre pontos travados lateralmente da barra

– comprimento da barra

– comprimento do cordão de solda

– vão teórico entre apoios ou o dobro do comprimento teórico do balanço

MA – momento fletor solicitante, em módulo, no 1o quarto do segmento analisado para FLT

MB – momento fletor solicitante, em módulo, no centro do segmento analisado para FLT

MC – momento fletor solicitante, em módulo, no 3o quarto do segmento analisado para FLT

Mdist – momento fletor de flambagem distorcional elástica Me – momento fletor de flambagem global elástica (FLT – flambagem lateral com torção) M! – momento fletor de flambagem local elástica Mmáx – momento fletor solicitante máximo, em módulo, no segmento analisado para FLT

Mn – momento fletor solicitante calculado considerando as combinações de ações para os estados-limites de serviço, conforme 6.7.3

MRd – momento fletor resistente de cálculo MRe – valor característico do momento fletor resistente, associado à flambagem global MRk – valor característico do momento fletor resistente MR! – valor característico do momento fletor resistente, associado à flambagem local

ABNT NBR 14762:2010

© ABNT 2010 - Todos os direitos reservados 7

Nex ; Ney– forças axiais de flambagem global elástica por flexão em relação aos eixos x e y,

MRdist – valor característico do momento fletor resistente, associado à flambagem distorcional MRser – momento fletor resistente, conforme Anexo C, calculado substituindo o produto Wfy por Mn Mx,Rd ; My,Rd – momentos fletores resistentes de cálculo em relação aos eixos principais x e y, respectivamente MSd – momento fletor solicitante de cálculo Mx,Sd ; My,Sd – momentos fletores solicitantes de cálculo em relação aos eixos principais x e y, respectivamente M1 ; M2 – menor e maior momento fletor de extremidade da barra, respectivamente Nc,Rd – força axial de compressão resistente de cálculo Nc,Re – valor característico da força axial de compressão resistente, associado à flambagem global Nc,Rk – valor característico da força axial de compressão resistente Nc,R! – valor característico da força axial de compressão resistente, associado à flambagem local Nc,Rdist – valor característico da força axial de compressão resistente, associado à flambagem distorcional Nc,Sd – força axial de compressão solicitante de cálculo Ndist – força axial de flambagem distorcional elástica Ne – força axial de flambagem global elástica respectivamente

Sser, Slim– valor dos efeitos estruturais de interesse, obtidos com base nas combinações de serviço das

Nez – força axial de flambagem global elástica por torção Nexz – força axial de flambagem global elástica por flexo-torção N! – força axial de flambagem local elástica Ns,Rd – força axial de compressão resistente de cálculo do enrijecedor de alma Nt,Rd – força axial de tração resistente de cálculo Nt,Sd – força axial de tração solicitante de cálculo Rd – valor de cálculo dos esforços resistentes, em geral Sd – valor de cálculo dos esforços solicitantes, em geral ações, e valores-limites para esses efeitos, respectivamente

VRd – força cortante resistente de cálculo

VSd – força cortante solicitante de cálculo

W – módulo de resistência elástico da seção bruta em relação à fibra extrema que atinge o escoamento

ABNT NBR 14762:2010

8 © ABNT 2010 - Todos os direitos reservados

Wc – módulo de resistência elástico da seção bruta em relação à fibra extrema comprimida Wc,ef – módulo de resistência elástico da seção efetiva em relação à fibra extrema comprimida

Wef – módulo de resistência elástico da seção efetiva em relação à fibra extrema que atinge o escoamento

Xf – valor médio do fator fabricação Xm – valor médio do fator material

3.2.2 Letras romanas minúsculas a – distância entre enrijecedores transversais de alma am – largura da alma referente à linha média da seção b – largura do elemento, é a dimensão plana do elemento sem incluir dobras bc – largura do trecho comprimido de elementos sob gradiente de tensões normais, conforme indicada nas Tabelas 4 e 5 bef – largura efetiva bef,1 ; bef,2 – larguras efetivas indicadas na Tabela 4 e na Figura 2 bf – largura nominal da mesa bf0 – largura de referência empregada no cálculo do efeito shear lag bm – largura da mesa referente à linha média da seção bs – largura nominal do enrijecedor em perfil rack bw – largura nominal da alma c – comprimento, na direção longitudinal da barra, de atuação da força concentrada cm – largura do enrijecedor de borda referente à linha média da seção d – largura do enrijecedor de borda

– diâmetro nominal do parafuso

– altura da seção

dh– diâmetro da cabeça ou do flange do parafuso auto-atarraxante

def – largura efetiva do enrijecedor de borda ds – largura efetiva reduzida do enrijecedor de borda dw – diâmetro da arruela do parafuso auto-atarraxante dwe – diâmetro efetivo associado ao rasgamento do metal base (pull-over)

ABNT NBR 14762:2010

© ABNT 2010 - Todos os direitos reservados 9 e – distância, na direção da força, do centro do furo-padrão à borda mais próxima do furo adjacente ou à extremidade do elemento conectado

– base do logaritmo natural, igual a 2,718

e1 ; e2 – distâncias do centro dos furos de extremidade às respectivas bordas, na direção perpendicular à solicitação fu – resistência à ruptura do aço na tração fub – resistência à ruptura do parafuso na tração fu1 – resistência à ruptura na tração do elemento conectado em contato com a arruela ou a cabeça do parafuso auto-atarraxante fu2 – resistência à ruptura na tração do elemento conectado que não está em contato com a arruela ou a cabeça do parafuso auto-atarraxante fw – resistência à ruptura da solda fy – resistência ao escoamento do aço fya – resistência ao escoamento do aço modificada, considerando o trabalho a frio fyc – resistência ao escoamento do aço na região das dobras do perfil fyf – resistência ao escoamento do aço, média, para as partes planas do perfil g – espaçamento dos parafusos na direção perpendicular à solicitação

– distância entre os parafusos ou soldas na direção perpendicular ao eixo da barra h – largura da alma (altura da parte plana da alma) – dimensão do enrijecedor em ligações com solda de filete em superfície curva

– altura do andar (distância entre centros das vigas de dois pisos consecutivos) j – parâmetro empregado no cálculo do momento fletor de flambagem global elástica conforme Anexo E k – coeficiente de flambagem local do elemento k! – coeficiente de flambagem local para a seção completa kv – coeficiente de flambagem local por cisalhamento m – distância entre o centro de torção e o plano médio da alma em perfil U

– parâmetro empregado no cálculo da resistência ao escoamento da região das dobras fyc – grau de liberdade

N – expoente empregado no cálculo do coeficiente de flambagem local k – número de ensaios

ABNT NBR 14762:2010

10 © ABNT 2010 - Todos os direitos reservados q – valor de cálculo da força uniformemente distribuída de referência empregada no dimensionamento das ligações de barras compostas submetidas à flexão r – raio de giração da seção bruta re – raio externo de dobramento ri – raio interno de dobramento ro – raio de giração polar da seção bruta em relação ao centro de torção rx – raio de giração da seção bruta em relação ao eixo principal x ry – raio de giração da seção bruta em relação ao eixo principal y s – espaçamento dos parafusos na direção da solicitação

– espaçamento dos parafusos ou soldas, na direção do eixo da barra, em barras com seção I compostas por dois perfis U, submetidas à flexão t – espessura da chapa ou do elemento – menor espessura da parte conectada tc – profundidade de penetração do parafuso auto-atarraxante tef – dimensão efetiva (garganta efetiva) da solda de penetração ou de filete ts – espessura do enrijecedor transversal t1 – espessura do elemento conectado em contato com a arruela ou a cabeça do parafuso auto-atarraxante t2 – espessura do elemento conectado que não está em contato com a arruela ou a cabeça do parafuso auto-atarraxante w1 ; w2 – pernas do filete de solda em superfícies planas xm – distância do centróide em relação à linha média da alma, na direção do eixo x x0 – distância do centro de torção ao centróide, na direção do eixo x y0 – distância do centro de torção ao centróide, na direção do eixo y

3.2.3 Letras gregas minúsculas

! ; !r ; !c ; !h – coeficientes empregados no cálculo da força resistente em barras sem enrijecedores transversais sujeitas a forças concentradas

!e – coeficiente empregado no cálculo da força resistente ao esmagamento em ligações parafusadas

" – coeficiente de dilatação térmica, adotado igual a 1,2 x 10-5 °C-1

"w ; "f ; "! – parâmetros empregados no cálculo do momento fletor de flambagem global elástica conforme Anexo E

"0 – índice de confiabilidade-alvo

ABNT NBR 14762:2010

© ABNT 2010 - Todos os direitos reservados 1

# – deslocamento, flecha, em geral

#0 –-contraflecha da viga #1 – deslocamento devido às ações permanentes, sem efeitos de longa duração

(Parte 3 de 14)

Comentários