A nbr-iso-9000-2005

A nbr-iso-9000-2005

(Parte 6 de 9)

NOTA- Uma permissão de desvio é, geralmente, dada para uma quantidade limitada de produto ou para um período de tempo limitado, e para um uso especifico.

3.6.13
liberação

permissão para prosseguir para o próximo estágio de um processo (3.4.1)

NOTA – Em inglês, no contexto de programa de computador, o termo “release” é freqüentemente usado para referir à versão do próprio programa.

3.7.1
informação

3.7 Termos relacionados com a documentação dados significativos

3.7.2
documento

informação (3.7.1) e meio no qual ela está contida

EXEMPLO – Registro (3.7.6) especificação (3.7.3) documento de procedimento, desenho, relatório, norma.

NBR ISO 9000:2005

NOTA 1 – O meio físico pode ser papel, magnético, disco de computador de leitura ótica ou eletrônica, fotografia ou amostra padrão, ou uma combinação destes.

NOTA 2 – Um conjunto de documentos, por exemplo, especificações e registros, são freqüentemente chamados de “documentação”.

NOTA 3 - alguns requisitos (3.1.2) (por exemplo: o requisito de ser legível) relaciona-se a todos os tipos de documentos. Entre tanto, pode haver diferentes requisitos para especificações (por exemplo: o requisito de ter revisão controlada) e registros (por exemplo: o requisito de ser recuperável).

3.7.3
especificação

documento (3.7.2) que estabelece requisitos (3.1.2)

NOTA – Uma especificação pode relacionar a atividades (por exemplo: documento de procedimento, especificação de processo e especificação de ensaio) ou a produtos (3.4.2) (por exemplo : especificação de produto, especificação de desempenho e desenho).

3.7.4
manual da qualidade

documento (3.7.2) que especifica o sistema de gestão da qualidade (3.2.3) de uma organização (3.3.1)

NOTA – Manuais da qualidade podem variar em detalhe e formato para se adequarem ao tamanho e à complexidade de uma organização.

3.7.5

plano da qualidade documento (3.7.2) que especifica quais os procedimentos (3.4.5) e recursos associados, devem ser aplicados, por quem e quando, a um empreendimento (3.4.3), produto (3.4.2) processo (3.4.1) ou contrato específicos

NOTA 1 – Estes procedimentos compreendem, geralmente, aqueles que se referem aos processos de gestão da qualidade e aos processos de realização de produto.

NOTA 2 – Um plano da qualidade faz, com freqüência, referencia a partes do manual da qualidade (3.7.4) ou documentos de procedimentos.

NOTA 3 – Um plano de qualidade é, geralmente, um dos resultados do planejamento da qualidade (3.2.9).

3.7.6
registro

documento (3.7.2) que representa resultados obtidos ou fornece evidências de atividades realizadas

NOTA 1 – Registros pode ser usados, por exemplo, para documentar a rastreabilidade (3.4.5) e fornecer evidências de verificação (3.8.4), ação preventiva (3.6.4) e ação corretiva (3.6.5).

NBR ISO 9000:2005

3.8.1
evidência objetiva

NOTA 2 – Registro, normalmente, não precisam ter controle de revisão. 3.8 termos relacionados com o exame dados que apóiam a existência ou a veracidade de alguma coisa

NOTA – A evidência objetiva pode ser obtida através de observação, medição, ensaio (3.8.3), ou outros meios

3.8.2
inspeção

avaliação da conformidade pela observação e julgamento, acompanhada, se necessário, de medições, ensaios ou comparação com padrões.

3.8.3
ensaio

[ABTN ISO/IEC Guia 2] determinação de uma ou mais características (3.5.1) de acordo com um procedimento (3.4.5)

3.8.4
verificação

comprovação, através de fornecimento de evidência objetiva (3.8.1), de que requisitos (3.1.2) especificados foram atendidos

NOTA 1 – O termo “verificado” E usado para designar uma situação correspondente. NOTA 2 – A comprovação pode compreender atividades tais como: - Elaboração de cálculos alternativos;

- Comparação de uma especificação (3.7.3) de um projeto com uma especificação de projeto similar provado;

- Realização de ensaios (3.8.3) e demonstrações;

3.8.5
validação

- Análise crítica de documentos antes da sua emissão. comprovação, através do fornecimento de evidência objetiva (3.8.1),de que os requisitos (3.1.2) para uma aplicação ou uso específicos pretendidos foram atendidos

NOTA 1 – O termo “valido” é usado para designar uma situação correspondente. NOTA 2- As condições de utilização pode ser reais ou simuladas.

NBR ISO 9000:2005

3.8.6

24 processo de qualificação processo (3.4.1) para demonstrar a capacidade de atender a requisitos (3.1.2) especificados

NOTA 1 – O termo “qualificado” é usado para designar uma situação correspondente.

NOTA 2 - Qualificação pode ser aplicada a pessoas, produtos (3.4.2), processos ou sistemas (3.2.1).

3.8.7

EXEMPLO – Processo de qualificação de auditor, processo de qualificação do material. análise critica atividade realizada para determinar a pertinência, a adequadação e a eficácia (3.2.14) do que esta sendo examinado, para alcançar os objetivos estabelecidos

NOTA- Análise crítica pode, também,incluir a determinação da eficiência (3.2.15).

EXEMPLO – Análise crítica pela administração, análise crítica do projeto e desenvolvimento, análise crítica dos requisitos do cliente e análise crítica de não – conformidade.

3.9.1
auditoria

3.9 Termos relacionados com a auditoria processo (3.4.1) sistemático, documentado e independente, para obter evidência da auditoria (3.9.4) e avaliá-la objetivamente para determinar a extensão na qual os critérios de auditoria (3.9.3) são atendidos

NOTA 1 - auditorias internas, algumas fezes chamadas de auditorias de primeira parte, são conduzidas pela própria organização, ou em seu nome, para propósitos internos, e podem formar a base para uma autodeclaração de conformidade (3.6.1) da organização.

ISO 9001 e NBR ISO 14001:1996

NOTA 2 - Auditorias externas incluem o que normalmente se dominam “auditorias de segunda” ou “terceiras parte”. uditorias de segunda parte são conduzidas pelas partes que têm um interesse pela organização, tais como clientes, ou por outras pessoas em seu nome. uditorias de terceira parte são conduzidas por organizações externas. Tais organizações fornecem certificados ou registros de conformidade com requisitos, tais como os da NBR

NOTA 3 - Quando dois ou mais sistemas de gestão (3.2.2) auditado juntos, isto é chamado de auditoria combinada.

NOTA 4 – Quando duas ou mais organizações de auditoria cooperam para auditar um único auditado ( 3.9.8 ), isto é chama de auditoria conjunta.

3.9.2

programa de auditoria

NBR ISO 9000:2005 conjunto de uma ou mais auditorias (3.9.1) planejadas para o período dec tempo determinado e direcionadas a um propósito especifico

3.9.3
critérios da auditoria

conjunto de políticas, procedimentos (3.4.5) ou requisitos (3.1.2) usados como uma referência

Os critérios de auditoria são usados como uma referência contra os quais é comparada a evidência da auditoria ( 3.9.4).

3.9.4

evidência da auditoria registro (3.7.6), apresentação de fatos ou outras informações (3.7.1), pertinentes aos critérios de auditoria (3.9.3) e verificáveis

3.9.5

NOTA - Evidência da auditoria pode ser qualitativa ou quantitativa constatações da auditoria resultados da avaliação da evidência da auditoria (3.9.4) coletada, comparada com critérios da auditoria (3.9.3)

NOTA – As constatações da auditoria podem indicar tanto a conformidade quanto a nãoconformidade com os critérios de auditoria, ou oportunidades para melhoria.

(Parte 6 de 9)

Comentários