Metrologia - Instrumentos de Medição

Metrologia - Instrumentos de Medição

(Parte 1 de 10)

OPERAÇÕES MECÂNICAS I OM--I –– Controle Dimensional

Instrutor: Amilton Cordeiro [Revisão-0] w.TecnologiaMecanica.com.br

REDE: ARQUIVO-REV: AUTOR: PAGINA: F:\TECMEC\APOSTILA\ METROLOGIA-OMII-0.PDF Amilton Cordeiro -- 2 / 6 --

Objetivo: Ao término do programa, os participantes deverão ser capazes manusear instrumentos de medição, bem como suas aplicações, funções e interpretações trigonométricas e de tolerâncias.

Conteúdo:

Régua e mesa de Seno.

Rugosidade. Projetores de perfil.

Máquina universal de medir.

Medição tridimensional. Controle trigonométrico.

Tolerância geométrica de forma. Tolerância geométrica de orientação. Tolerância geométrica de posição.

w.TecnologiaMecanica.com.br

REDE: ARQUIVO-REV: AUTOR: PAGINA: F:\TECMEC\APOSTILA\ METROLOGIA-OMII-0.PDF Amilton Cordeiro -- 3 / 6 --

Régua de seno

A régua de seno é constituída de uma barra de aço temperado e retificado.

Com formato retangular, possui dois rebaixos: um numa extremidade e outro próximo à extremidade oposta. Nesses rebaixos é que se encaixam os dois cilindros que servem de apoio à régua.

Os furos existentes no corpo da régua reduzem seu peso e possibilitam a fixação das peças que serão medidas. A distância entre os centros dos cilindros da régua de seno varia de acordo com o fabricante.

Recordando a trigonometria:

Então:

O fabricante garante a exatidão da distância (L). A altura (H) é conseguida com a utilização de blocos-padrão.

Por exemplo: deseja-se inclinar a régua de seno 30º (α), sabendo que a distância entre os cilindros é igual a 100 m (L). Qual é a altura (H) dos blocos-padrão?

w.TecnologiaMecanica.com.br

REDE: ARQUIVO-REV: AUTOR: PAGINA: F:\TECMEC\APOSTILA\ METROLOGIA-OMII-0.PDF Amilton Cordeiro -- 4 / 6 -- seno α = HL ⇒ H = seno α . L

H = seno 30o . 100

H = 0,5 . 100 H = 50 m

Mesa de seno

A mesa de seno é semelhante à régua de seno. Suas proporções, entretanto, são maiores. Possui também uma base, na qual se encaixa um dos cilindros, o que facilita sua inclinação.

A mesa de seno com contrapontas permite medição de peças cilíndricas com furos de centro.

Técnica de utilização:

Para medir o ângulo de uma peça com a mesa de seno, é necessário que a mesa esteja sobre o desempeno e que tenha como referência de comparação o relógio comparador.

w.TecnologiaMecanica.com.br

REDE: ARQUIVO-REV: AUTOR: PAGINA: F:\TECMEC\APOSTILA\ METROLOGIA-OMII-0.PDF Amilton Cordeiro -- 5 / 6 --

Se o relógio, ao se deslocar sobre a superfície a ser verificada, não alterar sua indicação, significa que o ângulo da peça é semelhante ao da mesa. Com a mesa de seno com contrapontas, podemos medir ângulos de peças cônicas. Para isso, basta inclinar a mesa, até a superfície superior da peça ficar paralela à base da mesa. Dessa forma, a inclinação da mesa será igual à da peça fixada entre as contrapontas.

Medição de pequenos ângulos

Nessa medição, a mesa de seno e a mesa de seno com contrapontas possuem uma diferença de plano (dp). Essa diferença de plano varia de acordo com os fabricantes, sendo que as alturas mais comuns são de 5, 10 e 12,5 m.

Para obter a igualdade de plano colocam-se blocos-padrão que correspondam à diferença de altura entre a base e o cilindro. Com esse recurso podemos fazer qualquer inclinação, por menor que seja, e ainda usar blocos-padrão protetores.

w.TecnologiaMecanica.com.br

REDE: ARQUIVO-REV: AUTOR: PAGINA: F:\TECMEC\APOSTILA\ METROLOGIA-OMII-0.PDF Amilton Cordeiro -- 6 / 6 --

Rugosidade

Rugosidade das superfícies

As superfícies dos componentes mecânicos devem ser adequadas ao tipo de função que exercem.

Por esse motivo, a importância do estudo do acabamento superficial aumenta à medida que crescem as exigências do projeto.

As superfícies dos componentes deslizantes, como o eixo de um mancal, devem ser lisas para que o atrito seja o menor possível. Já as exigências de acabamento das superfícies externas da tampa e da base do mancal são menores.

A produção das superfícies lisas exige, em geral, custo de fabricação mais elevado.

Os diferentes processos de fabricação de componentes mecânicos determinam acabamentos diversos nas suas superfícies.

As superfícies, por mais perfeitas que sejam, apresentam irregularidades. E essas irregularidades compreendem dois grupos de erros: erros macrogeométricos e erros microgeométricos.

Erros macrogeométricos são os erros de forma, verificáveis por meio de instrumentos convencionais de medição, como micrômetros, relógios comparadores, projetores de perfil etc.

Entre esses erros, incluem-se divergências de ondulações, ovalização, retilineidade, planicidade, circularidade etc.

Durante a usinagem, as principais causas dos erros macrogeométricos são: defeitos em guias de máquinas-ferramenta; desvios da máquina ou da peça; fixação errada da peça; distorção devida ao tratamento térmico.

Erros microgeométricos são os erros conhecidos como rugosidade. Rugosidade:

É o conjunto de irregularidades, isto é, pequenas saliências e reentrâncias que caracterizam uma superfície. Essas irregularidades podem ser avaliadas com aparelhos eletrônicos, a exemplo do rugosímetro. A rugosidade desempenha um papel importante no comportamento dos componentes mecânicos. Ela influi na: qualidade de deslizamento; resistência ao desgaste; possibilidade de ajuste do acoplamento forçado; resistência oferecida pela superfície ao escoamento de fluidos e lubrificantes;

(Parte 1 de 10)

Comentários