Apostila de Moldes CEFET-RS

Apostila de Moldes CEFET-RS

(Parte 5 de 12)

-extração do canal de injeção, abertura (B);

CEFET-RS – Fundamentos de projetos de ferramentas – Prof. Mauro César Rabuski Garcia

-Abertura do molde, abertura ( C ); -Extração das peças (D).

Molde com mini canal de injeção

Molde mini canal de injeção

Este tipo de molde apresenta algumas vantagens relativamente aos anteriores: -São mais baratos e menos complexos, pois, em moldes multicavidades, não é necessário colocar um distribuidor, como aconteceria num molde em que se utilize exclusivamente sistema de canais quente;

-Na produção de peças de diâmetro reduzido, por exemplo tampas de esferográficas, pode-se fazer um molde mais pequeno pois não é necessário colocar um bico quente em cada cavidade;

-O material dos mini canais pode ser reutilizado/reciclado e entrar no processo produtivo de forma automática;

-O sistema de controle de temperatura é mais simples, mais barato, e a energia consumida no aquecimento é menor.

Moldes de Canais Quentes

Relativamente aos moldes de canais quentes, há basicamente dois tipos: -os moldes de bicos quentes;

-com bicos valvulados.

Moldes Família

O conceito de moldes família prende-se à idéia de no mesmo molde se poder moldar um conjunto de peças distintas, otimizando-se assim sinergias ligadas à capacidade produtiva do molde. Sendo as vantagens óbvias existe, no entanto, a necessidade de se balancear as distintas cavidades para que o fluxo de matéria plástica chegue ao mesmo tempo a todas elas.

CEFET-RS – Fundamentos de projetos de ferramentas – Prof. Mauro César Rabuski Garcia

Molde família

Split molde

O split molde caracteriza-se por ter os elementos móveis do lado da injeção (lado fixo do molde) e poderem ser acionados simultaneamente com a abertura do molde usando sistemas pneumáticos, hidráulicos ou mecânicos. A aplicação de molas não é aconselhável devido à sua fragilidade e baixa durabilidade.

Molde com cremalheira

O funcionamento do molde de desenroscamento com cremalheira é descrito a seguir: o hidráulico aciona as cremalheiras (1) e as barras laterais (2). As barras (2) têm a inclinação da rosca no percurso (3) no espaço necessário ao desenroscamento. No final do movimento, no espaço (4), as barras têm uma inclinação maior para se obter um impulso mais rápido para extrair a peça. A placa de extração (5), também pode ser acionada no fim do curso através de ligação à extração da máquina. Neste tipo de acionamento pode ser feito no interior da estrutura.

Molde em andares ( Molde Sandwich)

Neste tipo de molde é possível duplicar o número de peças a moldar utilizando-se a mesma força de fechamento da injetora.

A abertura do molde em andares (molde sandwich) faz-se com auxílio da abertura da injetora. O conjunto das cavidades (A), fica a meio dos conjuntos das buchas (B), resultado da aplicação do sistema de cremalheiras.

Durante a abertura e fechamento do molde deve-se ter em atenção para que o conjunto de cavidades (A), não saia do guiamento, como mostra a figura, para isso deve-se prever a utilização de barras de apoio no próprio molde ou nas colunas da máquina.

A extração pode ser feita através do movimento de abertura da máquina utilizando-se tirantes C.

CEFET-RS – Fundamentos de projetos de ferramentas – Prof. Mauro César Rabuski Garcia

Molde com cremalheira

Para que com a abertura da máquina a parte que suporta as cavidades fique a meio, os acionamentos podem ser efetuados através de: -cremalheira e roda dentada;

-fusos e porcas helicoidais;

- hidráulicos;

- alavancas;

- tirantes. O acionamento mais comum é através de cremalheira e roda dentada. Os sistemas de acionamento devem ser fortes e ajustados às dimensões do molde e à sua complexidade.

O movimento para a extração das moldagens pode ser efetuado através de: -tirantes, que corresponde ao exemplo apresentado, apesar de ser pouco habitual;

-hidráulico, que é o mais utilizado;

-braços ligados a processos de alavancas.

CEFET-RS – Fundamentos de projetos de ferramentas – Prof. Mauro César Rabuski Garcia

Molde em andares (molde sandwich)

Molde bi-material

O molde para a técnica de injeção de bi-material é um tipo de molde que corresponde à moldagem de dois ou mais materiais. Os materiais podem ser diferentes (compatíveis ou não) ou o mesmo material, mas com cores diferentes. A moldagem bi-material pode ser efetuada, através dos seguintes processos: -transferindo as moldagens de uma máquina para outra através de robôs;

-transferindo as moldagens da 1ª posição de injeção para a 2ª posição, no mesmo molde, através de robôs; -por rotação incorporada no molde ou na placa da máquina que tem duas, ou mais, unidades de injeção.

Os processo indicados são escolhidos de acordo com os seguintes fatores: - economia;

- produtividade;

-tipo de produto;

- equipamento disponível.

CEFET-RS – Fundamentos de projetos de ferramentas – Prof. Mauro César Rabuski Garcia

6. MATERIAIS PARA MOLDES

No projeto e fabricação de um produto é essencial que os materiais e os processos sejam compreendidos. Os materiais são um elemento chave dos sistemas de produção. Compreender as suas propriedades, características, aplicabilidade e usinabilidade é essencial para a competitividade das empresas industriais.

Como todos os produtos incorporam materiais, é fundamental o conhecimento das suas propriedades de modo a poder selecionar os mais aptos para cada aplicação e que, simultaneamente, determinam custos de produção mais baixos. Os aspectos econômicos na sua seleção são tão importantes como as considerações de ordem tecnológica relativas às suas propriedades.

A crescente introdução no mercado de uma vasta gama de novos materiais plásticos com características técnicas específicas determina, por vezes, um desgaste anormal por abrasão e corrosão química dos equipamentos de produção. Neste contexto, os fabricantes de moldes são confrontados com a necessidade de encontrar soluções para incrementar a resistência dos seus produtos e, simultaneamente, com níveis de exigência para a qualidade final dos produtos cada vez mais elevados.

O endurecimento superficial das peças é um conceito amplo e é um fator muito importante para o controle de desgaste das peças. Pode-se dividir os processos de endurecimento das superfícies em três grupos: revestimentos, tratamentos termoquímicos e tratamento térmico superficial.

(Parte 5 de 12)

Comentários