Manutenção e Operação Frota

Manutenção e Operação Frota

(Parte 1 de 3)

ALAILTON CAVALCANTE FEITOSA / 06021002001 HEVERTON LEÃO MELO / 06021007001

Belém 2010

ALAILTON CAVALCANTE FEITOSA / 06021002001 HEVERTON LEÃO MELO / 06021007001

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Engenharia Mecânica - UFPA para obtenção do grau de Engenheiro Mecânico. Orientador: Prof. Carlindo Lins Pereira Filho.

Belém 2010

ALAILTON CAVALCANTE FEITOSA / 06021002001 HEVERTON LEÃO MELO / 06021007001

Trabalho de Conclusão de Curso para obtenção do grau de Engenheiro Mecânico.

Banca Examinadora Profº. Carlindo Lins Pereira Filho; Orientador Profº. Alcides Canêjo Linhares Franco, Membro Profº. Raimundo Lucier Marques Leal Junior, Membro Prof°. Roberto Tetizuo Fujiyama, Membro.

Agradeço primeiramente a Deus depois a toda minha família, especialmente aos meus pais e a minha esposa, Sônia, que sempre estiveram ao meu lado e a quem devo tudo o que eu sou, além de todo o apoio e amor que sempre me deram. Para minha esposa Sônia, pelo seu companheirismo, apoio e palavras de incentivo nos momentos difíceis e pela alegria e risadas que me proporcionou nos bons momentos. Agradeço grandemente também ao nosso orientador, Professor Carlindo Lins, pois com muita dedicação e paciência nos apoiou e conduziu de maneira honrosa e muito profissional para a realização deste trabalho. Alailton Cavalcante Feitosa Agradeço principalmente a Deus, logo depois a todos os meus familiares como meus pais, meus irmãos, minhas avós, minha namorada Germana e minha tia Rosana que me ajudaram, incentivaram e sempre estiveram ao meu lado dando força e segurança nos momentos mais difíceis, pois sem eles eu não estaria aqui neste momento fundamental para a minha formação como profissional e como pessoa. Heverton Leão Melo

"Há três coisas na vida que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida." Provérbio Chinês

As investigações e estudos sobre o gerenciamento dos processos de manutenção e operação de frotas têm sido motivos de inúmeras pesquisas no cenário nacional cujo objetivo maior é a contínua diminuição dos custos e a elevação da qualidade e produtividade abrangendo principalmente as grandes e médias empresas. Este trabalho teve como objetivo estudar como a Empresa de Concreto, doravante chamada de empresa, desenvolve práticas de manutenção e operação na filial de Belém no Estado do Pará. Foram realizados estudos de casos com abordagens qualitativas e quantitativas, mediante utilização de pesquisas de campo, tanto de manutenção como de operação dos veículos. Os principais instrumentos para coleta de dados foram às entrevistas, as observações diretas e indiretas, as análises de documentos, tabelas, gráficos e manuais de manutenção dos fabricantes dos veículos bem como ordens de serviço utilizadas pela empresa, além de processos de trabalho no período de julho a setembro do ano de 2010. Os resultados das investigações e estudos mostram que a empresa vem desenvolvendo continuamente processos para a melhoria da manutenção e operação e consequentemente o atendimento aos seus clientes. As investigações e os estudos mostraram uma série de atributos e variáveis positivas evidenciando a importância de planejar as funções e tarefas, de trabalhar com foco no cliente, no aperfeiçoamento dos recursos humanos, financeiros, tecnológicos visando à maximização dos resultados para todos aqueles que direta ou indiretamente contribuem para o funcionamento e crescimento da empresa.

Palavras Chaves: Frota, Manutenção e Operação.

The investigations and studies about the management of maintenance and operation of fleet have been subject of several researches, which the mainly goal is reduction of costs and increasing of quality and productivity, concerning mainly medium and big companies. This paper aimed studying how the Concrete Company, from now on called company, develops practices of maintenance and operation in its branch located in Belém – PA. It was perfumed case studies with qualitatively and quantitatively approaches, by using field researches for both maintenance and operation of vehicles. The mainly methods for data collecting were interviews, direct and indirect observations, documents analysis, tables, graphs, and fabricant maintenance manuals of the vehicles, as well as service orders of the company, besides the work processes from July to September, 2010. The results of the investigations and studies shows a great quantity of positive attributes and variables, evidencing the importance of planning the functions and tasks, of working focusing on the costumer, of the improvement of human resources, financial and technological seeking the maximization of the results for all of the people that directly or indirectly contribute for the development and success of the company.

Keywords: Fleet, Maintenance and Operation.

1 Figura 1: Ordem de Serviço Nº 8663 (Pag: 01/03)13
2 Figura 1: Ordem de Serviço Nº 8663 (Pag: 02/03)14
3 Figura 1: Ordem de Serviço Nº 8663 (Pag: 03/03)15
4 Figura 2: Ordem de serviço Nº 2593 (Pag: 01/03)16
5 Figura 2: Ordem de serviço Nº 2593 (Pag: 02/03)17
6 Figura 2: Ordem de serviço Nº 2593 (Pag: 03/03)18
7 Figura 3: Ordem de Serviço Nº 5582 (Pag: 01/04)19
8 Figura 3: Ordem de Serviço Nº 5582 (Pag: 02/04)20
9 Figura 3: Ordem de Serviço Nº 5582 (Pag: 03/04)21
10 Figura 3: Ordem de Serviço Nº 5582 (Pag: 04/04)2
1 Figura 4: Foto do motor do veículo BT-380, alto consumo de óleo lubrificante29
12 Figura 5: Foto do motor que foi colocado no veículo BT-38030
13 Figura 6: Foto do depósito de lubrificantes30
37 14 Figura 7: Foto da borracharia e depósito de pneus31
15 Figura 8: Foto onde funciona o almoxarifado de peças e a ferramentaria32
16 Figura 9: Foto do galpão onde funciona a oficina mecânica3

LISTA DE ILUSTRAÇÕES 17 Figura 10: Foto de uma parte interna do galpão da oficina mecânica ................... 3

1 Tabela 1: Relação dos Veículos da Frota23
2 Tabela 2: Sequência dos Planos Aplicados para Manutenção dos Veículos24
3 Tabela 3: Consumo de Combustível de Julho/2010

LISTA DE TABELAS 24

4 Tabela 4: Consumo de Combustível de Agosto/2010
5 Tabela 5: Consumo de Combustível de Setembro/2010
6 Tabela 6: Check Lists – Quilometragem das Revisões26
7 Tabela 7: Especificações Técnicas – Peso27
8 Tabela 8: PBT Regulamentar para Veículos Trucados27
9 Tabela 9: Consumo de Lubrificantes de Julho/201028
10 Tabela 10: Consumo de Lubrificantes de Agosto/201028

1 Tabela 1: Consumo de Lubrificantes de Setembro/2010..................................... 29

1 Introdução1
2 Objetivo1
3 Planos de manutenção atual12
3.1 Justificativa para aplicação12
3.2 Observações e sugestões sobre o plano de manutenção24
3.3 Fatores que contribuem para o elevado consumo de combustível26
3.4 Consumo de óleos lubrificantes27
3.5 Consumo de pneus31
3.6 Consumo de outros elementos31
3.7 Ferramentas e Instrumentos32
3.8 Mão-de-Obra32
4 Sugestões para melhorar operação e manutenção para reduzir custos34
4.1 Operação dos veículos34
4.2 Manutenção dos veículos e equipamentos34
4.3 Ferramentas especiais34
4.4 Instrumentos34
5 Considerações finais35

SUMÁRIO 6 Referências........................................................................................................... 36

1 INTRODUÇÃO

Em todos os seguimentos de transporte a manutenção da frota é visto como um custo elevado para operacionalização do seguimento da empresa, seja qual for, logística, transporte de passageiros, transporte de cargas, entrega de mercadorias diversas ou neste caso, venda e entrega de concreto. Por esses motivos faz-se necessário que continuamente se desenvolvam técnicas e procedimentos para reduzir os custos de manutenção, pois se não houver uma mãode-obra treinada e qualificada continuamente, bem como, um ferramental que possa ser utilizado para que os serviços sejam executados de forma segura e em menor tempo possível, com certeza o mau desempenho da equipe de manutenção será sentido e trará reflexos negativos para o pessoal de venda e da produção e com isso a empresa não atenderá satisfatoriamente seus clientes e os prejuízos serão com certeza sentidos e a equipe da manutenção será a grande vilã dessa história.

Os levantamentos dos dados foram de acordo com as marcas, modelos e tipo de trabalho que cada veículo realiza, pois devem ser levados em consideração fatores relevantes como, por exemplo, veículos com motores equipados com bomba injetora e motores com injeção eletrônica.

Todo o contexto da manutenção será analisado, desde o recebimento do veículo na oficina, abertura da ordem de serviço, análise e diagnósticos dos defeitos, desmontagem, montagem e liberação do veículo, alem disso, a avaliação técnica da mão-de-obra e do ferramental disponível para execução dos serviços.

Todo o estudo é necessário para que se possa ter uma visão geral do funcionamento da manutenção e aonde vai poder se melhorar para alcançar o objetivo principal da gestão, isto é, a redução do custo e aumento da qualidade dos serviços e conseqüente, o aumento da produtividade da equipe de manutenção.

Serão realizados também estudos técnicos operacionais para avaliar o nível de conhecimento dos operadores das betoneiras e bombas de concreto, pois se não houver uma operação treinada, certamente irá sobrecarregar o pessoal da manutenção e consequentemente não poderão cumprir com as metas, trazendo reflexos negativos para a produção e venda.

2 OBJETIVO O objetivo deste trabalho é detectar possíveis falhas na manutenção e operação da frota que estejam trazendo prejuízos à empresa e ao mesmo tempo sugerir correções para diminuir ou anular tais falhas.

3 PLANOS DE MANUTENÇÃO ATUAL

3.1 Justificativa Para Aplicação

Os planos de manutenção atuais foram desenvolvidos através de observações e análises dos acontecimentos com os veículos no decorrer do dia a dia, sendo que os planos de manutenção de cada fabricante auxiliaram na montagem das atuais ordens de serviço de cada plano de manutenção. As fichas para realização das manutenções denominadas de OS (Ordem de Serviço) permitem que sejam controlados: o executor da revisão (campo para a assinatura do mecânico); numero da OS; alerta de segurança; data e hora de parada e liberação do veiculo; denominação do veiculo; diesel acumulado; tempo gasto para executar cada atividade (campo H/h) e os reparos executados (Executado “OK” e Não aplicável “NA”).

O plano de manutenção dos veículos da empresa é baseado no consumo de combustível, pois as características de trabalho dependem do constante funcionamento do motor, ou seja, a rotação do balão da betoneira (um equipamento acoplado ao chassi do caminhão), uma vez que precisa estar em constante movimento para homogeneizar o concreto transportado, logo depende diretamente da rotação do motor do caminhão. Por esse motivo não foi possível aplicar o plano de manutenção baseado na quilometragem rodada devido à particularidade de operação da frota, pois o equipamento fica em constante funcionamento, porém sem haver deslocamento do veículo. A regulagem da rotação de trabalho do balão deve ser sistematizada em todas as revisões dos equipamentos, com o objetivo de ter uma rotação máxima de 16 RPM do balão para uma rotação máxima do motor diesel em torno 1700 RPM, devendo ser limitada no comando do acelerador da betoneira a máxima rotação do motor diesel, por causa dessa particularidade de operação o consumo de combustível se torna elevadíssimo, então caso fosse adotado as revisões por quilômetro rodado com certeza teria uma situação muito distante da real para os motores dos veículos e com isso poderia ocorrer grandes problemas neste componente. Para os demais componentes do trem de força (caixa de marchas e diferenciais), as revisões deveriam seguir o plano original dos fabricantes, isto é, por quilômetro rodado, porém também são executados pelo consumo de combustível.

Figura 1: Ordem de Serviço Nº 8663 (Pag: 01/03) Fonte: Empresa Concessionária do TCC.

Figura 1: Ordem de Serviço Nº 8663 (Pag: 02/03) Fonte: Empresa Concessionária do TCC.

Figura 1: Ordem de Serviço Nº 8663 (Pag: 03/03) Fonte: Empresa Concessionária do TCC.

Figura 2: Ordem de serviço Nº 2593 (Pag: 01/03) Fonte: Empresa Concessionária do TCC.

Figura 2: Ordem de serviço Nº 2593 (Pag: 02/03) Fonte: Empresa Concessionária do TCC.

Figura 2: Ordem de serviço Nº 2593 (Pag: 03/03) Fonte: Empresa Concessionária do TCC.

Figura 3: Ordem de Serviço Nº 5582 (Pag: 01/04) Fonte: Empresa Concessionária do TCC.

Figura 3: Ordem de Serviço Nº 5582 (Pag: 02/04) Fonte: Empresa Concessionária do TCC.

Figura 3: Ordem de Serviço Nº 5582 (Pag: 03/04) Fonte: Empresa Concessionária do TCC.

Figura 3: Ordem de Serviço Nº 5582 (Pag: 04/04) Fonte: Empresa Concessionária do TCC.

Tabela 1: Relação dos Veículos da Frota Fonte: Própria

FROTA TIPO FABRICANTE km

NICIAL km

BL-039 BOMBA

CARGO/SCHWING 83291 84412 26.260

BM-045 BOMBA

MÓVEL VOLKS/SCHWING 11300 12207 13.180/BP-

BT-380 BETONEIRA FORD CARGO 53537 56214 2422 1995 BT-929 BETONEIRA VOLKSWAGEM 38239 40642 26.260 E 2007 BT-930 BETONEIRA VOLKSWAGEM 39918 42692 26.260 E 2007 BT-1051 BETONEIRA VOLKSWAGEM 23598 26710 26.260 E 2008 BT-17 BETONEIRA VOLKSWAGEM 13731 16439 26.260 E 2009 BT-1178 BETONEIRA VOLKSWAGEM 12285 15296 26.260 E 2009 BT-1236 BETONEIRA VOLKSWAGEM 10336 12558 26.260 E 2010 BT-1237 BETONEIRA VOLKSWAGEM 10056 13168 26.260 E 2010 BT-1238 BETONEIRA VOLKSWAGEM 9780 12629 26.260 E 2010 Legenda: BT=Betoneira, Letra E no final de cada modelo significa Motor com Injeção

Eletrônica.

Tabela 2: Seqüência dos Planos Aplicados para Manutenção dos Veículos.

Fonte: Empresa Concessionária do TCC.

(Parte 1 de 3)

Comentários