Dimensionamento de Pessoal em Enfermagem

Dimensionamento de Pessoal em Enfermagem

(Parte 1 de 3)

Enf. Lidia Demeneghi COREN-RS 5213

Enfermeira, especialista em Gerenciamento de Enfermagem, pela SOBRAGEN- Sociedade

Brasileira de Gerenciamento em Enfermagem/São Paulo, autora do livro “Assistência Integral - o paciente como núcleo e a equipe como célula” Ed AGE.que relata o modelo assistencial implantado no Hospital

Moinhos de Vento,Porto Alegre , Avaliadora do Programa Brasileiro de Acreditação Hospitalar pela

Fundação C.A Vanzolini , São Paulo , Perito Técnico em Dimensionamento de Quadro de Pessoal /CORENRS , Diretora Proprietária da LS&M Consultoria Hospitalar, Porto Alegre /RS

Endereço eletrônico:lidiad@uol.com.br

Introdução

A apresentação desta oficina está baseada na RESOLUÇÃO 293/2004 , documento disponível na íntegra no site w.portalcoren-rs.gov.br que trata sobre os parâmetros para dimensionar o quantitativo mínimo dos diferentes níveis de formação dos profissionais de Enfermagem para a cobertura assistencial nas instituições de saúde.

Os aspectos quantitativos de profissionais de Enfermagem nas instituições de saúde são enfatizados para que haja a garantia da segurança e da qualidade da assistência ao cliente e a continuidade da vigília perante a diversidade de atuação nos cuidados e na atenção da equipe de enfermagem.

Os referidos parâmetros representam normas técnicas mínimas, constituindo-se em referências para orientar os gestores e gerentes das instituições de saúde

• no planejamento das ações de saúde

• na programação das ações de saúde

• na priorização das ações de saúde a serem desenvolvidas

O dimensionamento e a adequação quantiqualitativa do quadro de profissionais de enfermagem devem basear-se em características relativas:

À instituição e ou empresa:

Ao Serviço de Enfermagem:

Ao Enfermeiro cabe;

Liderança

Segundo Chiavenato , a Liderança Visionária ,isto é de quem tem visão e não apenas o poder que o cargo impõem possui cinco (5) Princípios: 1º Desafio do processo : Encoraje a criatividade a inovação e apoie as pessoas com idéias e sugestões.

2º Seja entusiasta : Inspire as pessoas com entusiasmo pessoal e procure compartilhar uma visão comum.

3º Ajude as pessoas a agir : Seja um criador de equipes e apoie os esforços e talentos das pessoas.

4ºDê o exemplo : Utilize um modelo consistente para que as pessoas possam (e queiram) desempenhar suas atividades.

5º Celebre compromissos: Traga emoção ao local de trabalho e junte a mente e o coração nas tarefas diárias.

O que forma um líder é a capacidade de aprender e de refletir sobre as experiências vividas.

O lider se manifesta pela maneira • como as decisões são tomadas• como as decisões são comunicadas• como as decisões são conduzidas

Para liderar é preciso: • Melhorar as relações humanas

• Fortalecer a comunicação

• Formar espírito de equipe

• Manter padrões éticos

Motivação “..é um impulso que vem de dentro, isto é, tem suas fontes de energia no interior de cada pessoa.” Bergamini –1986

O Manual de Acreditação Hospitalar,versão 2004, do Sistema Brasileiro de Acreditação Hospitalar com o aval do Ministério da Saúde através da ONA (Organização Nacional de Acreditação) na Seção 2 – Serviços Profissionais e Organização da Assistência ; situa a

Enfermagem como

Equipe de Enfermagem responsável pela assistência contínua ao paciente nas 24 horas, desde a internação até a alta e que compreende: •previsão,organização e administração de recursos para

•prestação de cuidados aos pacientes, de modo sistematizado, •respeitando os preceitos éticos e legais da profissão.

O dimensionamento de pessoal de enfermagem se enquadra nesta administração de recursos.

Para o adequado dimensionamento de pessoal é importante conhecer muito profissionalmente quais os resultados que se obtem com o atual Cuidado de Enfermagem e o que se quer alcançar .

Existe uma listagem de indicadores conhecidos e propagados por várias referências inclusive para referenciais comparativos tais como:

Quedas de paciente Contenção mecânica no leito Úlceras de pressão Soroma Flebite Fissura de mamilo Erro na administração de medicamento Manutenção da integridade da pele (RN) Taxa de Ocupação Tempo médio de permanência Número de transferências internas Indice geral de infecção Número de pacientes /dia Satisfação do paciente com cuidado de enfermagem Satisfação do paciente com manejo da dor Satisfação do paciente com a equipe de enfermagem Satisfação do paciente com a orientação recebida sobre educação para saúde •Índice de mortalidade

•Auditoria dos registros de enfermagem •Indicadores epidemiológicos

•Indicadores de melhorias de procedimentos e rotinas assistenciais

•Cumprimento cronograma de capacitação

•Índice de aproveitamento da educação em serviço

•Turn over das equipes

•Taxa de absenteismo

•Motivo das demissões

•Vacâncias no quadro de pessoal

•Intervalo de substituição de pessoal

•Tempo médio de casa do pessoal

•Econômico-financeiros:

•Qual a área mais rentável financeiramente?

•Quais os custos de cada área?

(Parte 1 de 3)

Comentários