Relatorio esfragaço de sangue

Relatorio esfragaço de sangue

5

  1. Introdução

A confecção do esfregaço sanguíneo é o fator mais importante para a realização de um hemograma. Há todo um procedimento técnico para que o esfregaço seja satisfatório, ele deve ser fino e regular, e de margens livres, para haver boa distribuição das células.

Por meio dessa técnica é possível fazer uma contagem do número de neutrófilos, linfócitos, monócitos, eosinófilos e basófilos, e chegar a uma porcentagem de cada célula encontrada.

Os linfócitos são células pequenas e esféricas. Eles têm como funções secretar anticorpos, destruir células e às vezes diminuir a resposta imunológica. Quando os valores de linfócitos estão elevados, pode ser sinal de que este paciente esteja com hepatite viral, toxoplasmose, rubéola, infecção aguda por HIV, etc. A falta de linfócitos também pode identificar problemas como doença de Hodgkin, lúpus, insuficiência renal, Aids e estado terminal de câncer. Os valores também ficam alterados quando o paciente está desnutrido.

Os monócitos sãoum dos tipos principais de leucócitos do sangue, eles têm grande tamanho e seu núcleo não ésegmentado. Fazem parte de um grupo de células que tem a função de defender o organismo de corpos estranhos. Os valores de monócitos ficam acima do ideal, na presença de tuberculose, colite ulcerativa, lúpus, doença de Hodgkin, etc. E valores de monócitos abaixo do normal, acontece na presença de anemia aplástica.

Os eosinófilos são leucócitos granulares com um núcleo que usualmente apresenta dois lobos conectados por um filamento delgado de cromatina. Essas células fagocitam e eliminam complexos de antígenos com anticorpo que aparecem em casos de alergia, como a asma brônquica. Os valores de eosinófilos abaixo no normal podem ocorrer quando o paciente está em eclâmpsia, após grandes cirurgias ou está em choque.

Basófilos são leucócitos granulares caracterizados por uma coloração relativamente pálida. Os basófilos podem participar de processos alérgicos, e seu número pode aumentar quando o paciente apresentar colite ulcerativa, sinusite crônica, nefrose, anemia hemolítica, doença de Hodgkin.

Neutrófilos são células sanguíneas leucocitárias responsáveis pela defesa do organismo, sendo sempre as primeiras a chegarem nas áreas de inflamação. Possuem um núcleo formado por dois a cinco lóbulos, sendo mais comuns três.

Os valores de neutrófilos estarão acima do desejado quando houver infecções, desordens inflamatórias, diabetes, uremia, anemia hemolítica, hemorragia, queimaduras, gestação, choque elétrico ou câncer maligno. A baixa de neutrófilos ocorre quando existem infecções, anemia aplástica, leucemias agudas, hipotiroidismo ou cirrose.

Assim, para melhor entendimento de alguns componentes sanguíneos, foi realizado no dia 23/05/2011, segunda-feira, no laboratório de microscopia, um experimento no qual realizamos a técnica do esfregaço sanguíneo.

  1. Objetivo

Ter o primeiro contato com amostras de sangue afresco e realizar a técnica do esfregaço sanguíneo para identificar os seguintes componentes do sangue humano: linfócitos, neutrófilos, monócitos, basófilos e eosinófilos.

  1. Material

- 2 Lâminas

- 1 Pipeta

- 1 Tubo de ensaio contendo sangue humano

- Corante para leucócito

- Corante para hemácia

- Fixador

- 3 Refratários

- Água corrente

- Óleo de imersão para lâmina

- Microscópio óptico

- Luvas

  1. Metodologia

Conforme a orientação do professor, para começar o experimento foi necessário colher amostras de sangue humano e colocá-las em tubos de ensaios tampados. Essa parte do experimento não foi realizada na aula, as amostras foram colhidas pelo professor e já estavam prontas para serem utilizadas.

O primeiro passo do experimento foi pegar uma lâmina e demarcar o nome com lápis, para facilitar a identificação. Em seguida, foi utilizada a pipeta para colher o sangue que estava no tubo de ensaio e pipetou-se uma pequena quantidade na lâmina que estava identificada, um detalhe importante é pipetar o sangue do lado em que está a identificação.

Após essa etapa foi necessário pegar outra lâmina e limpá-la com um papel para q não houvesse contaminação, em seguida, com essa lâmina extensora arrastou-se o sangue um pouco para trás preenchendo toda a borda e fez-se o esfregaço utilizando a lâmina em um ângulo aproximado de 45°.

Depois de alguns minutos, pegou-se a lâmina com o esfregaço e a mergulhou no fixador que estava dentro do primeiro refratário durante 30 segundos. Após ser tirada do fixador, ela foi mergulhada no segundo refratário por 30 segundos, para receber o primeiro corante, que serve para ter a melhor visualização das hemácias. O terceiro refratário havia o segundo corante, utilizado para ver os leucócitos, então a lâmina foi mergulhada neste refratário por aproximadamente 40 segundos.

Após a etapa do corante, a lâmina foi levada até uma torneira onde continha água corrente e foi aos poucos mergulhada num jato moderado de água. Em seguida levou-se a lâmina ao sol para secar. Quando a lâmina já estava totalmente seca, ela foi levada ao microscópio óptico para ser focada e visualizada.

É importante frisar que todo o experimento foi feito com luvas para não haver perigo de contaminação.

  1. Resultado / Discussão

Os resultados do experimento foram parcialmente satisfatórios, pois nas lâminas observadas não foi possível observar basófilos, devido à sua pequena porcentagem no sangue, mas foi possível identificar eosinófilos, monócitos, linfócitos e neutrófilos.

Realizando pesquisas, descobrimos importantes detalhes para a realização de um esfregaço confiável:

  • O esfregaço satisfatório deve ser fino e regular, de margens livres para se ter boa distribuição das células, dessa forma apresentará cabeça, corpo e cauda.

  • O ângulo da lâmina extensora em relação a que foi pipetada o sangue deve ser de 45° para que haja uma melhor distribuição sanguínea.

  • Os segundos que foram citados para mergulhar a lâmina no fixador e nos corantes devem ser rigorosamente seguidos para que não estrague os componentes do sangue.

A maior dificuldade com o experimento proposto foi a falta de prática, o que pode ter influenciado nos resultados obtidos. Para realizar um esfregaço satisfatório é preciso de precisão em todas as etapas do experimento e a falta de experiência no manuseio dos utensílios prejudicou a visualização de algumas lâminas. O auxilio do professor foi de fundamental importância para a realização do esfregaço sanguíneo, pois ele guiou todos os passos do experimento.

6.0 Conclusão

A partir do experimento foi possível perceber que é preciso de técnica e prática para que o esfregaço sanguíneo seja satisfatório, e que os corantes são de fundamental importância para a visualização dos leucócitos.

Visualizando várias lâminas foi observado que a quantidade de linfócitos e neutrófilos presentes no sangue é bem maior que a de monócitos e eusinófilos, e que os basófilos são os mais difíceis de ser encontrados devido à sua pequena porcentagem e sua ligação com os processos alérgicos.

Referências Bibliográficas

Confecção do esfregaço sanguíneo ideal. Disponível em: http://www6.ufrgs.br/favet/lacvet/esfregaco.htm. Acesso em: 25/05/2011.

JÚNIOR, Armando Miguel. Eosinófilo. Disponivel em: http://www.medicina- geriatrica .com.br/2008/12/09/eosinofilo/. Acesso em: 25/05/2011.

LIMA, A. Oliveira; SOARES, J. Benjamin; GRECO, J.P; GALEZZI, João, CANÇADO, J. Romeu. Métodos de Laboratórios Aplicados à Clínica. 5.ed. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro.

Linfócitos. Disponível em: http://www.mundoeducacao.com.br/biologia/linfoc- itos.htm. Acesso em: 25/05/2011.

MOURA, Roberto A. de Almeida. Colheita de material para exames laboratoriais. Atheneu. São Paulo, 1998

Neutrófilos. Disponível em: http://www.tuasaude.com/neutrofilos. Acesso em: 25/05/2011.

Comentários