Classificaçao de povoamentos florestais

Classificaçao de povoamentos florestais

Docente: Prof. Dr. Sidney Fernando Caldeira

Discentes: Marcos Vinicius O. Dos Santos

Lucas Rosa Luiz Fellipe Leal Weissheimer Jaqueline Jordão Wagner Felipe Alves Gimenes

CUIABÁ - MT Maio de 2011

Relatório técnico da classificação de dois povoamentos florestais, seminal e clonal de Eucaliptus sp. em um plantio homogêneo e equiâneo com idades atuais de 3 e 8 anos, pertencente à empresa ADM DO BRASIL - Fazenda Mutuquinha esta situada nas coordenadas geográficas 15º 18’ 30,6” S e 5º 58’ 32,5” W, que é próximo à rodovia Emanuel Pinheiro - MT 351, município de Cuiabá – MT.

O objetivo do trabalho foi classificar os indivíduos de um povoamento florestal quanto à sua: - Classe e forma de copa;

- Forma ou qualidade do fuste;

- Estado fitossanitário pela causa e intensidade;

- Alturas total, comercial e comprimento de copa;

- Diâmetros de copa e CAP;

- Área transversal;

- Volumes total, comercial e de copa;

- Classe de dominância;

- Classe de dominância pelo DAP;

MATERIAIS E MÉTODOS Para o levantamento foram estabelecidas parcelas de 200 m² (3 x 67,5 m) que compreendiam 24 árvores. E com o uso de uma planilha de campo, foram levantados os dados: CAP, altura total, altura comercial, diâmetro de copa e regeneração na projeção da copa, forma de copa, forma de fuste, estado fitossanitário, sub-bosque e classes das árvores. Usando os seguintes materiais: planilha de campo, prancheta, lápis, hipsômetro, fita métrica.

As alturas totais, comercial, de copa, foram estimadas utilizando o hipsômetros, posicionando o operador a uma distância conhecida de 15 metros e realizando as leituras no aparelho.

O CAP foi estimado a partir do uso de uma fita métrica, realizando as medições individuais a uma altura do solo de 1,30 metros.

O diâmetro de copa foi estimado a partir da projeção da copa e medido com a fita métrica.

E os dados qualitativos como: forma de copa, forma de fuste, estado fitossanitário, sub-bosque e classes das árvores. Foram obtidos pela observação indivíduos.

Levantamento com três anos de idade

De acordo com as três parcelas de 200 m2 cada, obteve-se um total de 73 indivíduos arbóreos de plantio de Eucaliptus sp. seminal com uma população aproximada de 1600 arvores por hectare.

As características de cada indivíduo foram obtidas em campo com dados quantitativos como CAP, altura total, altura comercial, diâmetro de copa e regeneração na projeção da copa e dados qualitativos como forma de copa, forma de fuste, estado fitossanitário, sub-bosque e classes das árvores.

A classe das copas predominante no povoamento a os três anos de idade foi de copas curtas, pois apresentam C ≥ Ht.

A forma ou qualidade do fuste teve uma variação de sua qualidade representada graficamente abaixo, sendo a legenda: 1 - Fuste reto, sem galhos laterais, copa bem definidas, tipicamente comercial. 2 - Fuste reto, com galhos laterais, mas bastante aproveitável comercialmente. 3 - Fuste com alguma tortuosidade, sem galhos laterais, parcialmente aproveitáveis e copa bem definida. 4 – Fuste tortuoso, com galhos laterais, pouco aproveitáveis comercialmente. 5 – Fuste tortuoso. Com defeitos, danos e galhos laterais, com uso restrito (energia).

A forma de fuste da área avaliada teve em média para a população uma classificação de código 2.

Tabela 1. Valores médios totais por hectare, por classe de dominância, diâmetros de copa (m), a altura do peito (cm), comprimento da copa (m), área transversal (m²) e volumes total, comercial e da copa (m³) e alturas total, comercial e de copa (m) de um povoamento de Eucaliptus sp.

As características de cada indivíduo foram obtidas em campo com dados quantitativos como CAP, altura total, altura comercial, diâmetro de copa e regeneração na projeção da copa e dados qualitativos como forma de copa, forma de fuste, estado fitossanitário, sub-bosque e classes das árvores.

Após a coleta de dados em campo foi feito o processamento destes, obtendo-se a média por classe de dominância dos CAP, Ht, Hc, Dc, DAP, C, g. Vtot, Vcom, Vcp, conforme apresentados na tabela 1.

As médias dos dados das alturas total, comercial e comprimento ou altura das copas (m), todos por classe de dominância é apresentado na tabela 1 e esquematizado graficamente nos gráficos abaixo.

Classe de dominância CAP

(cm)

Ht (m) Hc (m) DC (m) DAP (cm) C

A altura total das árvores de Eucaliptus sp. é seqüencial das árvores suprimidas para as dominantes em ordem crescente e o povoamento apresentou altura total média de 1,2 m.

A maior altura comercial foi obtida nas árvores dominantes, porém as intermediárias tiveram uma altura comercial levemente maior que as co-dominantes, aspecto este corrigido, pois as classes de dominância é definida pelo DAP, o qual nas dominantes é maior. A altura comercial teve uma média no povoamento de 7,9 m.

A l tu ra Total

(m )

MÉDIA DA ALTURA TOTAL (m) POR CLASSE DE DOMINÂNCIA al tu ra c o m ercial (

MÉDIA DE ALTURA COMERCIAL (m) POR CLASSE DE DOMINÂNCIA

A maior altura ou comprimento de copa apresentada é o das co-dominantes, pois estas projetam-se para no futuro serem as dominantes, porém ainda são classificadas assim devido ao DAP inferior ao das dominantes. Esta característica está relacionada ao processo de sucessão e também ao tipo de copa da espécie que é capitata ovoide, tendo o povoamento um comprimento de copa compatível com o das árvores intermediárias.

Os valores médios de DAP dentro das classes de dominância foram maiores para árvores dominantes, co-dominantes, intermediárias e suprimidas, sendo respectivamente 0 ; 1,72 ; 8,09 ; 4,8 cm como apresentados na tabela 1 e representados graficamente abaixo.

0 0,2 0,4 0,6 0,8 1 1,2 1,4 1,6 1,8 m p.

pa (

MÉDIA DOS COMPRIMENTO DE COPA (m) POR CLASSE DE DOMINÂNCIA

D i âm e tr o (c

MÉDIA DOS DAP (cm) POR CLASSE DE DOMINÂNCIA

O povoamento apresenta um DAP médio de 8,04 cm, pois apresenta majoritariamente árvores intermediarias, conforme comprovado no gráfico da porcentagem de classe de dominância.

Os valores médios de diâmetro de copa foram respectivamente do maior para o menor das dominantes para as suprimidas, sendo respectivamente, 0,0 ; 1,2 ; 1,4 ; 1,8 ; 0,0m conforme verificados na tabela 1 e representados no gráfico.

Em relação a área transversal do povoamento teve um valor médio de 0,0056 m² e esta foi dividida e classificada por classe de dominância, apresentando as árvores dominantes áreas transversais maiores que as co-dominantes, que são maiores que as das intermediárias e estas maiores que as suprimidas, com valores apresentados na tabela 1 e no gráfico abaixo.

0 0,5 1 1,5 2

MEDIA DOS DIÂMETROS DE COPA (m) POR CLASSE DE DOMINÂNCIA

0 0,002 0,004 0,006 0,008 0,01 0,012 g (m ²)

MÉDIA DA ÁREA TRANSVERSAL (m²) POR CLASSE DE DOMINÂNCIA

As médias dos valores de volume total, comercial e de copa, calculados com base nos dados coletados em campo, conforme já apresentados seus valores por m³ na tabela 1 serão representados nos gráficos abaixo em percentagem de rendimento dentro das determinadas classes de dominância.

O volume total do povoamento por hectare da foi de 2,5 m³, sendo que em média cada árvore tem um volume total de 0,0345 m³, apresentando o plantio um IMA de 0,3 m³/ha/ano e a caracterização do percentual de participação de cada classe no povoamento é este representado no gráfico acima.

O volume de copa do povoamento foi de 0,7796m³/ha e uma média de 0,0107 m³/árvore, que é um volume maior que o comercial devido a forma de copa piramidal característica da espécie. Porém como a espécie apresenta predominância apical o tronco principal da copa pode ser usado comercialmente para energia.

Levantamento com oito anos de idade

De acordo com as três parcelas de 200 m2 cada, obteve-se um total de 39 indivíduos arbóreos de plantio de Eucaliptus sp. clonal. Com uma população aproximada de 1 arvores por hectare.

As características de cada indivíduo foram obtidas em campo com dados quantitativos como CAP, altura total, altura comercial, diâmetro de copa e regeneração na projeção da copa e dados qualitativos como forma de copa, forma de fuste, estado fitossanitário, sub-bosque e classes das árvores.

A classe das copas predominante no povoamento a os três anos de idade foi de copas curtas, pois apresentam C ≥ Ht.

A forma ou qualidade do fuste teve uma variação de sua qualidade representada graficamente abaixo, sendo a legenda : 1- Fuste reto, sem galhos laterias,copa bem definidas, tipicamente comercial. 2 - Fuste reto, com galhos laterais, mas bastante aproveitável comercialmente. 3 - Fuste com alguma tortuosidade, sem galhos laterais, parcialmente aproveitáveis e copa bem definida. 4 – Fuste tortuoso, com galhos laterais, pouco aproveitáveis comercialmente. 5 – Fuste tortuoso. Com defeitos, danos e galhos laterais, com uso restrito (energia).

A forma de fuste da área avaliada teve em média para a população uma classificação de código 3.

Forma de Fuste de Eucaliptus sp(8

Tabela 2. Valores médios totais por hectare, por classe de dominância, diâmetros de copa (m), a altura do peito (cm), comprimento da copa (m), área transversal (m²) e volumes total, comercial e da copa (m³) e alturas total, comercial e de copa (m) de um povoamento de Eucaliptus sp.

As características de cada indivíduo foram obtidas em campo com dados quantitativos como CAP, altura total, altura comercial, diâmetro de copa e regeneração na projeção da copa e dados qualitativos como forma de copa, forma de fuste, estado fitossanitário, sub-bosque e classes das árvores.

Após a coleta de dados em campo foi feito o processamento destes, obtendo-se a média por classe de dominância dos CAP, Ht, Hc, Dc, DAP, C, g, Vtot conforme apresentados na tabela 2.

As médias dos dados das alturas total, comercial e comprimento ou altura das copas (m), todos por classe de dominância é apresentado na tabela 1 e esquematizado graficamente nos gráficos abaixo.

Tí tu l o d o E i xo

MÉDIA DA ALTURA TOTAL (m) POR CLASSE DE DOMINÂNCIA

Classe de dominância CAP

(cm) Ht (m) Hc (m) DC (m) DAP (cm) C (m) g (m²) V tot (m³)

4 SUPRIMIDAS 35,5 16,5 16 1,751,3 1,1667 0,01004 0,08239
51,4868 18,9526 15,8375 1,7326516,3887

Média 5,61579 0,02222 0,22562

A altura total das árvores de Eucaliptus sp. é seqüencial das árvores suprimidas para as dominantes em ordem crescente e o povoamento apresentou altura total média de 18,95 m.

A maior altura comercial foi obtida nas árvores dominantes, porém as intermediárias tiveram uma altura comercial levemente maior que as co-dominantes, aspecto este corrigido, pois as classes de dominância é definida pelo DAP, o qual nas dominantes é maior. A altura comercial teve uma média no povoamento de 15,8 m.

MÉDIA DE ALTURA COMERCIAL (m) POR CLASSE DE DOMINÂNCIA

A maior altura ou comprimento de copa apresentada é o das co-dominantes, pois estas projetam-se para no futuro serem as dominantes, porém ainda são classificadas assim devido ao DAP inferior ao das dominantes. Esta característica está relacionada ao processo de sucessão e também ao tipo de copa da espécie que é capitata ovoide, tendo o povoamento um comprimento de copa compatível com o das árvores intermediárias.

Os valores médios de DAP dentro das classes de dominância foram maiores para árvores dominantes, co-dominantes, intermediárias e suprimidas, sendo respectivamente 25,94; 14,2 ; 16,69; 1,30 e 7,75 cm como apresentados na tabela 1 e representados graficamente abaixo.

MÉDIA DOS COMPRIMENTO DE COPA (m) POR CLASSE DE DOMINÂNCIA

O povoamento apresenta um DAP médio de 16,39 cm, pois apresenta majoritariamente árvores intermediarias, conforme comprovado no gráfico da porcentagem de classe de dominância.

Os valores médios de diâmetro de copa foram respectivamente do maior para o menor das dominantes para as suprimidas, sendo respectivamente, 3,1 ; 0,8 ; 1,8 ; 1,8 ; 0,9 m conforme verificados na tabela 2 e representados no gráfico.

MÉDIA DOS DAP (cm) POR CLASSE DE DOMINÂNCIA

Em relação à área transversal do povoamento teve um valor médio de 0,0222 m² e esta foi dividida e classificada por classe de dominância, apresentando as árvores dominantes áreas transversais maiores que as co-dominantes, que são maiores que as das intermediárias e estas maiores que as suprimidas, com valores apresentados na tabela 2 e no gráfico abaixo.

MEDIA DOS DIÂMETROS DE COPA (m) POR CLASSE DE DOMINÂNCIA

0 0,01 0,02 0,03 0,04 0,05 0,06

MÉDIA DA ÁREA TRANSVERSAL (m²) POR CLASSE DE DOMINÂNCIA

As médias dos valores de volume total, comercial e de copa, calculados com base nos dados coletados em campo, conforme já apresentados seus valores por m³ na tabela 2 serão representados nos gráficos abaixo em percentagem de rendimento dentro das determinadas classes de dominância.

O volume total do povoamento por hectare da foi de 8,57 m³, sendo que em média cada árvore tem um volume total de 0,2256 m³, apresentando o plantio um IMA de 1,07 m³/ha/ano e a caracterização do percentual de participação de cada classe no povoamento é este representado no gráfico acima.

O volume comercial do povoamento teve um rendimento médio 6,25 m³/ha, com uma média 0,1643m³/árvore.

O volume de copa do povoamento foi de 2,3285m³/ha e uma média de 0,0613 m³/árvore, que é um volume maior que o comercial devido à forma de copa piramidal característica da espécie. Porém como a espécie apresenta predominância apical o tronco principal da copa pode ser usado comercialmente para energia, ou mesmo laminação para miolo de compensado.

Conclui-se que no plantio de três anos não foi possível determinar a dominância nos indivíduos, assim os co-dominantes representaram 67% do volume total e 64% do volume comercial com a forma de fuste reto com poucos galhos. Isto pode estar relacionado a idade do plantio.

No plantio de oito anos 49% do volume total está presente na classe dominante dos indivíduos. Apresentando uma classificação do fuste reto com alguma tortuosidade e sem galhos laterais.

Os menores diâmetros e volume correspondem às árvores suprimidas, como já era esperado.

O plantio mais jovem apresentou o IMA de 0,3 m³/ha/ano e o mais antigo 1,07 m³/ha/ano.

Comentários