Efeitos da Fonte de Financiamento

Efeitos da Fonte de Financiamento

(Parte 1 de 3)

Efeitos da Fonte de Financiamento

Prof. Juvenal Filho

Entende-se por Investimento Inicial todo o aporte de capital necessário para colocar o projeto em funcionamento. Usualmente é composto por:

a. Investimentos em ativos fixos; b. Despesas pré-operacionais; e c. Aporte inicial de capital de giro.

INVESTIMENTO INICIAL Investimentos em ativos fixos

Compreendem os terrenos, obras civis, máquinas e equipamentos, veículos, ferramentas, infra-estrutura de comunicação, hardware e softwqre, móveis utensílios etc.

INVESTIMENTO INICIAL Despesas pré-operacionais

Compreendem os desembolsos realizados antes de o projeto entrar em funcionamento. Representam gastos que seriam lançados como despesas operacionais caso o projeto já estivesse em funcionamento.

INVESTIMENTO INICIAL Capital de Giro

É o volume de recursos necessários para a empresa se sustentar até que seu volume de vendas proporcione caixa suficiente para fazer frente aos desembolsos inerentes a sua operação. São necessários recursos para pagamentos de fornecedores; para sustentar a folha de pagamentos etc.

Exemplo

DescriçãoValor ($) Ativo Fixo na área industrial 240.0

Ativo Fixo na área administrativa 25.0

Ativo Fixo na área comercial 30.0

Ativos fixos de uso compartilhado 25.0

Capital de Giro40.0

Despesas pré-operacionais 20.0 Total 380.0

Exemplo das Despesas pré-operacionais

DescriçãoValor ($) Obras preliminares 1.0

Pesquisa de marketing 6.0

Material de expediente800

Procedimentos legais e contábeis 700

Registrode marcase patentes600

Visitas a fornecedores 500

A compra de ativos fixos, independentemente da forma de pagamento, constitui investimento. O uso desses ativos, na operação do empreendimento, representa o consumo de recursos e, contabilmente, é interpretado como o custo ou despesa operacional. Assim, os investimentos em ativos fixos definem a parcela de depreciação que será deduzida como custo ou dspesa.

A operação mais comum realizada por uma empresa é transformar matéria-prima em produto acabado e comercializar esse produto no mercado. Nessa operação dois requesitos devem ser observados:

a. O preço pelo qual o produto é comercializado deve ser suficiente para remunerar todos os fatores de produção utilizados no processo de transformação da matéria-prima em produto acabado.

b. O tempo decorrido entre os desembolsos para colocar o produto acabado nas mãos do cliente e os recebimentos decorrentes da venda do produto devem ser compatíveis com o folego financeiro da empresa, de tal forma que a empresa possa sustentar o ciclo de negócios.

Dos fatores de produção consumidos no processo de transformação da matéria-prima em produto acabado destaca-se o desgaste dos equipamentos utilizados. A parcela teórica de desgaste dos equipamentos devida à fabricação de um produto é apropriada ao custo desse produto, sob a denominação de DEPRECIAÇÃO.

Este valor, embora represente um custo de produção , não se materializa em desembolso.

Os valores correspondentes à depreciação, teoricamente, seriam acumulados em um fundo denominado de Fundo de Depreciação.

A idéia básica é a de permitir que, ao dar baixa de um ativo depreciável, o valor monetário correspondente, contabilizado nesse fundo seja suficiente para aquisição de outro similar.

Descrição Taxa anual de Depreciação Prazo

Tratores25%4 anos

Caminhões fora-de-estrada 25% 4 anos

Motociclos 25% 4 anos

Veículosde passageiros20%5 anos

Computadores 20% 5 anos

Software20%5 anos

Veículosde carga20%5 anos

Maquinários 10% 10 anos Edificações 4% 25 anos

A depreciação de um equipamento pode ocorrer por desgaste físico ou por obsolescência tecnológica. As rápidas mudanças tecnológicas, que a nova ordem econômica impõe às empresas, tem provocado reflexões cada vez mais presente a necessidade de substituir os equipamentos atuais por outros mais competitivos.

A construção do Fluxo de Caixa também é influenciada pelos impostos e contribuições a que a empresa está sujeita. São eles:

Tipo Sigla Atividade Alíquota Base de

Cálculo

ImpostodeRendaIRLucroLíquido15%Comércio, Indústria

e Serviços

Comércio, Indústria

Contribuição Social CSLL e Serviços 9% Lucro Líquido

Faturamento

Faturamento

Faturamento

(Parte 1 de 3)

Comentários