Feridas e curativos

Feridas e curativos

REVISÃO TEÓRICA DE FUNDAMENTOS

FERIDAS E CURATIVOS

Profª Laíza R. Monteiro

FERIDAS

  • As feridas são conseqüência de uma agressão por um agente ao tecido vivo.

CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS

Quanto ao mecanismo de lesão

  • As feridas incisas ou cirúrgicas são aquelas produzidas por um instrumento cortante. As feridas limpas geralmente são fechadas por suturas.

  • As feridas contusas são produzidas por objeto rombo e são caracterizadas por traumatismo das partes moles, hemorragia e edema.

  • As feridas laceradas são aquelas com margens irregulares como as produzidas por vidro ou arame farpado.

  • As feridas perfurantes são caracterizadas por pequenas aberturas na pele. Um exemplo são as feridas feitas por bala ou ponta de faca.

Escoriações - a lesão surge tangencialmente à superfície cutânea, com arrancamento da pele. Equimoses e hematomas - na equimose há rompimento dos capilares, porém sem perda da continuidade da pele, sendo que no hematoma, o sangue extravasado forma uma cavidade

Quanto ao grau de contaminação

  • Feridas limpas são aquelas que não apresentam inflamação e em que não são atingidos os tratos respiratório, digestivo, genital ou urinário.

  • Feridas limpas-contaminadas são aquelas nas quais os tratos respiratório, alimentar ou urinário são atingidos, porém em condições controladas.

  • As feridas contaminadas incluem feridas acidentais, recentes e abertas e cirurgias em que a técnica asséptica não foi respeitada devidamente.

  • Feridas infectadas ou sujas são aquelas nas quais os microorganismos já estavam presentes antes da lesão.

De acordo com o comprometimento tecidual as feridas são classificadas em quatro estágios.

  • Estágio I - caracteriza-se pelo comprometimento da epiderme apenas, com formação de eritema em pele íntegra e sem perda tecidual.

  • Estágio II - caracteriza-se por abrasão ou úlcera, ocorre perda tecidual e comprometimento da epiderme, derme ou ambas.

  • Estágio III - caracteriza-se por presença de úlcera profunda, com comprometimento total da pele e necrose de tecido subcutâneo, entretanto a lesão não se estende até a fáscia muscular.

  • Estágio IV - caracteriza-se por extensa destruição de tecido, chegando a ocorrer lesão óssea ou muscular ou necrose tissular.

Outras Classificação das feridas:

a) Ferida asséptica: não contaminada. Ex: Feridas operatórias b) Ferida séptica: contaminada. Ex: Feridas laceradas Denominamos de:  Ferimento aberto - Solução de continuidade. Ex: Incisão cirúrgica, laceração penetrante ou escoriação. Ferimento fechado - Não dá solução de continuidade.

Ex: Contusão ou equimose. Ferimento acidental - Ferimento devido a um infortúnio. Ferimento intencional - Causado por incisão cirúrgica (fins terapêuticos).

PROCESSO DE CICATRIZAÇÃO

Após ocorrer a lesão a um tecido, imediatamente iniciam-se fenômenos dinâmicos conhecidos como cicatrização, com a finalidade de restaurar o tecido lesado.

Tipos de cicatrização de feridas

Primeira intenção: é o tipo de cicatrização que ocorre quando as bordas são apostas ou aproximadas, havendo perda mínima de tecido, ausência de infecção e mínimo edema. A formação de tecido de granulação não é visível. Exemplo: ferimento suturado

Segunda intenção: neste tipo de cicatrização ocorre perda excessiva de tecido com a presença ou não de infecção. A aproximação primária das bordas não é possível. As feridas são deixadas abertas e se fecharão por meio de contração e epitelização.

Terceira intenção: designa a aproximação das margens da ferida (pele e subcutâneo) após o tratamento aberto inicial. Isto ocorre principalmente quando há presença de infecção na ferida, que deve ser tratada primeiramente, para então ser suturada posteriormente.

FATORES QUE INTERFEREM NA CICATRIZAÇÃO NORMAL

  • Existem alguns fatores que interferem diretamente com a cicatrização normal: idade, nutrição, estado imunológico, oxigenação local, diabetes, uso de determinadas drogas, quimioterapia, irradiação, tabagismo, hemorragia, tensão na ferida entre outros.

FASES DO PROCESSO DE CICATRIZAÇÃO Fase inflamatória, exsudação, revascularização (granulação ou proliferação) e maturação.

TIPOS DE TECIDO

Tecido necrosado

Tecido de granulação

Quanto ao tempo de cicatrização:

  • Aguda: São feridas de fácil cicatrização. Ex.:Queimaduras de 2°

  • Crônicas: São feridas de difícil resolução que na maioria das vezes estão relacionadas a patologias crônicas.

Ex.:Úlceras de perna e de decúbito.

TIPO DE BORDAS DA FERIDA

  • Indistinta, difusa: Não há possibilidade de distinguir claramente o contorno da ferida;

  • Aderida: Plana / nivelada com o leito da ferida, sem presença de paredes;

  • Não-aderida: Presença de paredes; o leito da ferida é mais profundo que as bordas;

IMAGENS DE BORDAS

IMAGENS DE BORDAS

  • Enrolada para baixo, espessada / grossa: De macia para firme e flexível ao toque;

  • Hiperqueratose: Formação de tecido caloso ao redor da ferida e até as bordas

  • Fibrótica, com cicatriz: Dura, rígida ao toque.

TIPO DE EXSUDATO

OBSERVAR NA FERIDA VOLUME, COR, ODOR E CONSISTÊNCIA DO EXUDATO

Sanguinolento: Fino, vermelho brilhante; Serosanguinolento: Fino, aguado, de vermelho pálido para róseo; Seroso: Fino. Aguado, claro; Purulento: Fino ou espesso, de marrom opaco para amarelo; Purulento pútrido: Espesso, de amarelo opaco para verde, com forte odor.

CURATIVOS

É um procedimento terapêutico que consiste na limpeza,

no qual toda substância e soluções necessárias são colocadas

diretamente sobre um ferimento

FINALIDADE DO CURATIVO

  • evitar a contaminação de feridas limpas;

  • facilitar a cicatrização;

  • reduzir a infecção nas lesões contaminadas;

  • absorver secreções;

  • facilitar a drenagem de secreções;

  • promover a hemostasia com os curativos compressivos;

  • manter o contato de medicamentos junto à ferida;

  • promover conforto ao paciente;

TIPOS DE CURATIVO

  • O Tipo de curativo a ser realizado varia de acordo com a natureza, a localização e o tamanho da ferida. Em alguns casos é necessária uma compressão, em outros lavagem exaustiva com solução fisiológica e outros exigem imobilização com ataduras. Nos curativos em orifícios de drenagem de fístulas entéricas a proteção da pele são em torno da lesão é o objetivo principal.

  • Curativo semi-oclusivo: Este tipo de curativo é absorvente ,e comumente utilizado em feridas cirúrgicas, drenos, feridas exsudativas, absorvendo o exsudato e isolando-o da pele adjacente saudável.

  • Curativo oclusivo ou fechados: não permite a entrada de ar ou fluídos, atua como barreira mecânica, impede a perda de fluídos, promove isolamento térmico, veda a ferida, a fim de impedir formação de crosta.

  • Curativo compressivo: Utilizado para reduzir o fluxo sangüíneo, promover a estase e ajudar na aproximação das extremidades da lesão.

  • Curativos abertos: São realizados em ferimentos que não há necessidade de serem ocluídos. Feridas cirúrgicas limpas após 24 horas, cortes pequenos, suturas, escoriações e etc, são exemplos deste tipo de curativo.

Classificação do Curativo de acordo com o Tamanho da Ferida:

  • Curativo pequeno: curativo realizado em ferida pequena: aproximadamente 16 cm2. (ex: cateteres venosos e arteriais, cicatrização de coto umbilical, fístulas anais, flebotomias e/ou subclávia/jugular, hemorroidectomia,

pequenas incisões, traqueotomia.

Cateter de diálise e intermitente).

  • Curativo Médio: curativo realizado em ferida média, variando de 16,5 a 36 cm2.(ex: Cesáreas infectadas, incisões de dreno, lesões cutâneas, abscessos drenados, escaras infectadas, outros especificar).

  • Curativo grande: curativo realizado em ferida grande, variando de 36,5 a 80 cm2. (ex: Incisões contaminadas, grandes cirurgias – incisões extensas (cirurgia torácica, cardíaca), queimaduras (área e grau), toracotomia com drenagem, úlceras infectadas, Outros especificar).

  • Curativo Extra Grande: curativo realizado em ferida grande, com mais de 80 cm2(ex: Todas as ocorrências de curativos extragrandes deverão obrigatoriamente constar de justificativa médica).

Curativos de Feridas com Fistula ou Deiscência de Paredes

Feridas com Fistula ou Deiscência de Paredes: Quando ocorre uma fistula ou deiscência de parede ou túnel torna-se difícil a realização de limpeza no interior da ferida proporcionando um ambiente ideal para a colonização de patógenos. O ideal é realizar a limpeza da ferida em todo o seu interior com jatos de solução fisiológica.

MATERIAIS E SOLUÇÕES NECESSÁRIAS PARA REALIZAR UM CURATIVO SIMPLES

  • Bandeja, pacote de curativo ( com duas pinças e gazes), luvas de procedimento, esparadrapo, atadura se necessário, e uma seringa de 20ml e agulha 40 x 10 para irrigação do ferimento soro fisiológico a 0,9% , mascaras, óculos adequado, sacos plásticos AGE (ácidos graxos) e Papaína 2%.

CURATIVO EM ÚLCERAS DE PRESSÃO

1)      Quatro princípios precisam ser considerados no tratamento local das úlceras de pressão:

  • Aliviar ou eliminar a fonte ou a causa da úlcera de pressão – é importante explorar as razões pelas quais o paciente desenvolveu a úlcera de pressão.

  • Otimizar o micro-ambiente – a ferida precisa ser avaliada de maneira apropriada e a melhor terapia tópica selecionada para permitir a cicatrização.

  • Apoio ao paciente com feridas – o paciente precisa ser avaliado e monitorado quanto a nutrição adequada. Infecções locais e sistêmicas precisam ser controladas ou eliminadas.

  • Fornecimento de educação – a educação deve ser fornecida para os funcionários, pacientes e familiares. 

Por que é feita a avaliação da ferida?

  • a) Para descrever de forma objetiva o que está sendo visto

  • b) Para desenvolver um plano de cuidados com estratégias de tratamento. 

  • c) Para monitorar a eficácia das estratégias de tratamento e acompanhar a evolução. 

  • d) Para haver documentação.

A avaliação da ferida deve incluir:

  • a)      Tamanho (largura e comprimento) em centímetros

  • b)      Profundidade em centímetros.

  • c)      Presença de túneis, fístulas – medir em centímetros

  • d) Presença de descolamentos, lojas – medir a profundidade e extensão e documentar a localização usando a posição dos ponteiros do relógio como referência.

  • e) Localização

  • f) Drenagem (exsudato) – cor, odor, quantidade

g) Presença de tecido necrótico

  • h) Evidência de infecção.

Curativos mais comuns

PRODUTOS DERIVADOS DO IODO (ANTISSÉPTICO) Composição: Polivinil-pirrolidona-iodo (PVPI)Ação: Penetra na parede celular alterando a síntese do ácido nucleico, através da oxidação Indicação: Antissepsia de pele e mucosas peri-cateteres Contra-indicação: Feridas abertas de qualquer etiologia Observações: É neutralizado na presença de matéria orgânica /

Em lesões abertas altera o processo de cicatrização (citotóxico para fibroblasto, macrófago e neutrófilo) e reduz a força tensil do tecido

  • Gaze- Existem vários tipos de gazes e a verdadeira é feita com 100% de algodão. A gaze pode ser usada seca, úmida ou colocada úmida e removida quando seca porém esta última forma não é recomendada pois fornece um debridamento não seletivo, podendo lesar também o tecido de granulação. Não deve ser usada para proteção de úlceras no estágio I.

  • Filme Transparente – Consiste em uma membrana de poliuretano com uma camada adesiva que é permeável ao vapor. Pode ser utilizado em úlceras nos estágios I e II e nas úlceras em estágio III com pequena quantidade de exsudato. Causam autólise do tecido necrótico. São mais adequadas para a região do trocânter, costas e braços. Pode ser usado como cobertura secundária para outros curativos.

  • Composição: Filme de Poliuretano, aderente (adesivo), transparente, elástico e semi-permeável

  • Ação: Umidade / Permeabilidade Seletiva / Impermeável a Fluidos

  • Observação: Pode ser utilizado como cobertura secundária. Trocar até 7 dias

  • Hidrocolóides – são coberturas oclusivas para feridas compostas de gelatina, pectina e carboximeticelulose sódica em sua face interna com uma base adesiva e com espuma de poliuretano ou filme em espessura, forma e desenho da borda. Podem ser utilizadas em várias regiões corporais. 

  • Curativos de Hidrogel: a composição principal deste curativo é a água e a ação é a hidratação da superfície da ferida ou escara. São apresentados de três formas: a) uma estrutura fixa plana que não permite que se molde ou se adeque ao formato da ferida; b) na forma de gel amorfo em tubos, sache aluminizado, gaze saturada ou spray; c) na forma seca congelada. 

Curativos de Espumas de Poliuretano (hidropolímero) – são curativos planos ou em diferentes formatos de soluções de polímeros. São utilizados principalmente em feridas com grande quantidade de exsudato.

Composição: Almofada de espuma composta de camadas sobrepostas

de não tecido e revestida por poliuretano Indicação: Feridas abertas não infectadas com baixa ou moderada exsudação

Colágenoproduzido à partir de colágeno de bovinos ou aves, é uma proteína insolúvel encontrada na pele, ossos, cartilagens e ligamentos. Promovem a deposição e organização das novas fibras de colágeno, tecido de granulação e degradam as fibrinas inativas.

PAPAÍNA - Composição: Enzima proteolítica. São encontradas nas folhas, caules e frutos da planta Carica Papaya. Sua apresentação é em pó, gel e pasta.

  • Atuação: Desbridante (enzimático) não traumática / anti-inflamatória / bactericida / estimula a força tênsil das cicatrizes; pH ótimo de 3-12; atua apenas em tecidos lesados, devido a anti-protease plasmática (alfa anti-tripsina)

Observações: Diluições: 10% para necrose; 4 à 6% para exsudato purulento e 2% para uso em tecido de granulação; cuidados no armazenamento (fotossensível) e substâncias oxidantes (ferro/iodo/oxigênio);manter em geladeira

FIBRINOLISINA Composição: Fibrinolisina (plasma bovino) e desoxorribonuclease (pâncreas bovino).Forma de apresentação: Pomada. Ação: Através da dissolução do exsudato e dos tecidos necróticos.

Curativos de Alginatos de cálcio e sódio– são derivados principalmente de algas. Em contato com a ferida e o exsudato que é rico em sódio, formam um gel. São usados principalmente em feridas com grande quantidade de exsudato. São disponíveis em películas (placa) e fitas(cordão. 

  • Carvão ativado com prata curativo consiste em partículas de carvão impregnado com prata que favorece os príncipios físicos de limpeza da ferida. Pode ser usado em todas as feridas crônicas com presença de exsudato e odor. 

GAZE DE ACETATO IMPREGNADA COM PETROLATUM (ADAPTIC)

  • Composição: Tela de acetato de celulose, impregnada com emulsão de petrolatum, hidrossolúvel

  • Ação: Proporciona a não aderência da ferida

  • Indicação: Áreas doadoras e receptadoras de enxerto, abrasões e lacerações

  • ÁCIDO GRAXO ESSENCIAL (AGE)

  • Composição: Óleo vegetal composto por ácidos linoleico, caprílico, cáprico, vitaminas A, E e lecitina de soja

  • Ação: Quimiotaxia Leucocitária / Angiogênese / Umidade / Bactericida

  • Indicação: Prevenção e tratamento de úlceras / Tratamento de feridas abertas

  • Observação: Pode ser associado a outras coberturas

DEBRIDAMENTO

É a remoção do tecido desvitalizado presente na ferida. Atualmente os métodos utilizados na prática clínica são o autolítico, enzimático, osmótico, mecânico e cirúrgico. 

  • Autolítico – usa as enzimas do próprio organismo humano para dissolver o tecido necrótico. Isto ocorre quando os curativos oclusivos ou semi-oclusivos são utilizados. Geralmente não causam dor e requerem pouca habilidade técnica para sua realização. As coberturas sintéticas como hidrocolóide, hidrogel e filmes transparentes promovem o debridamento autolítico.

  • Enzimático – utiliza agentes químicos que são seletivos para o tecido necrótico e causam danos mínimos em tecidos saudáveis. Podem ser utilizados em feridas extensas com quantidades moderadas de tecido necrótico. Nesse processo quem participa é o colágeno, papaína e a fibrolisina.

  • Osmótico -Hemostasia / Debridamento Osmótico / Grande absorção exsudato / Umidade, em que participa desta ação s o alginato de cálcio e o açúcar que proporciona um eteito osmótico na membrana e na parede da célula bacteriana.

  • Mecânico – Usam a força física para remover o tecido necrótico sendo produzido pela fricção com pinça e gaze, pela retirada da gaze aderida ao leito da ferida ou pela hidroterapia que força a remoção.

  • Debridamento Cirúrgico ou com instrumental cortante – utiliza métodos cirúrgicos para remoção do tecido necrótico. É freqüentemente considerado o método mais efetivo já que uma grande excisão pode ser feita com a remoção rápida do tecido. É utilizado para preparar uma ferida para receber o enxerto. É considerado invasivo e de custo elevado, requer o uso de sala cirúrgica. O debridamento instrumental pode ser realizado no leito do paciente por profissional não médico desde que habilitado. Para o enfermeiro, esta prática é regulamentada pelos Conselhos Regionais de cada estado.

COR DO TECIDO: VERMELHO, AMARELO E PRETO

  • Granulação:  Rosa, vermelho pálido, vermelho vivo

  • Fibrina/ esfacelus:  Amarelo, marrom

  • Necrose:  Cinza, marrom, negra

“ CURATIVO IDEAL”

  • Mantém Alta Umidade

Nada de curativos secos em feridas abertas. Não há necessidade de secar feridas abertas, somente a pele ao redor dela.

Remove o Excesso de Exsudação

O curativo deve ter um pouco de absorvência. Pode ser necessário fornecer um segundo chumaço.

Isolador Térmico

  • As feridas não devem ser limpas com loções frias. Os curativos não devem permanecer removidos por longos períodos de tempo (isso também permite que a ferida seque).

Impermeável a Bactérias

  • As faixas devem ser aplicadas como uma moldura de quadro. Se ocorrer uma empapação, deve-se utilizar um chumaço absorvente no topo ou trocar o curativo.

Isento de Partículas e Tóxicos Contaminadores de Feridas

  • Não se deve usar lã de algodão ou qualquer gaze desfiada. Os chumaços absorventes não devem ser cortados pois irão desfiar.

Retirado sem Trauma

  • Nada de curativos secos em feridas abertas. É preferível irrigá-las a esfregá-las.

BANDAGEM

  • É uma faixa ou atadura que envolve, prende e protege partes lesadas ou mantém curativos e talas no lugar adequado.

  • Finalidade: limitar e impedir movimentos, aquecer uma articulação, exercer pressão e fixar curativos.

  • Tipos de bandagem: recorrente, espiral lenta, espiral apressada ou oblíqua, cruzada ou em oito e espiral reversa.

Técnica de curativo:

  • Lavar as mãos;

  • Preparar o material;

  • Lavar as mãos;

  • Identificar –se e comunicar ao cliente;

  • Posicionar o cliente;

  • Dispor o material em uma mesa de apoio e biombo;

  • Colocar a mascara e calçar as luvas;

  • Abrir o pacote de curativo;

  • Dispor as pinças, abrindo o campo com a pinça anatômica;

  • Abrir o pacote de gaza;

  • Remover o curativo sujo com auxilio das pinças;

  • Realizar a limpeza com soro fisiológico e irrigar o ferimento com proteção para os olhos (óculos);

  • Aplicar o medicamento prescrito pelo médico;

  • Realizar o curativo secundário.

  • Deixar o ambiente em ordem;

  • Paciente em uma posição confortável;

  • Guardar o material;

  • Lavar as mãos;

  • Anotar no prontuário:

Realizado curativo em lesão na região anterior da perna direita, ferimento apresentando média quantidade de secreção serosanguinolenta, pequena quantidade de tecido necrosado e com bordas não – aderidas. Foram utilizados soro – fisiológico a 0,9%, papaína a 6% e AGE.___________________________________________

Data ,hora e assinar

Agradeço a atenção!

Tecidos de granulação e esfacelos

OUTRAS COBERTURAS E SOLUÇÕES PARA FERIDAS

  • SULFADIAZINA DE PRATA

  • VASELINA

  • PERMANGANATO DE POTÁSSIO

Comentários